A curiosidade matou o gato, mesmo assim....

Exibições: 576

Anexos

Responder esta

Respostas a este tópico

Statement of Congressman Ron Paul
United States House of Representatives

Statement Introducing the Free Competition in Currency Act

December 9, 2009

Madame Speaker, I rise to introduce the Free Competition in Currency Act of 2009 (HR 4248). Currency, or money, is what allows civilization to flourish. In the absence of money, barter is the name of the game; if the farmer needs shoes, he must trade his eggs and milk to the cobbler and hope that the cobbler needs eggs and milk. Money makes the transaction process far easier. Rather than having to search for someone with reciprocal wants, the farmer can exchange his milk and eggs for an agreed-upon medium of exchange with which he can then purchase shoes.

This medium of exchange should satisfy certain properties: it should be durable, that is to say, it does not wear out easily; it should be portable, that is, easily carried; it should be divisible into units usable for every-day transactions; it should be recognizable and uniform, so that one unit of money has the same properties as every other unit; it should be scarce, in the economic sense, so that the extant supply does not satisfy the wants of everyone demanding it; it should be stable, so that the value of its purchasing power does not fluctuate wildly; and it should be reproducible, so that enough units of money can be created to satisfy the needs of exchange.

Over millennia of human history, gold and silver have been the two metals that have most often satisfied these conditions, survived the market process, and gained the trust of billions of people. Gold and silver are difficult to counterfeit, a property which ensures they will always be accepted in commerce. It is precisely for this reason that gold and silver are anathema to governments. A supply of gold and silver that is limited in supply by nature cannot be inflated, and thus serves as a check on the growth of government. Without the ability to inflate the currency, governments find themselves constrained in their actions, unable to carry on wars of aggression or to appease their overtaxed citizens with bread and circuses.

At this country’s founding, there was no government controlled national currency. While the Constitution established the Congressional power of minting coins, it was not until 1792 that the US Mint was formally established. In the meantime, Americans made do with foreign silver and gold coins. Even after the Mint’s operations got underway, foreign coins continued to circulate within the United States, and did so for several decades.

On the desk in my office I have a sign that says: “Don’t steal – the government hates competition.” Indeed, any power a government arrogates to itself, it is loathe to give back to the people. Just as we have gone from a constitutionally-instituted national defense consisting of a limited army and navy bolstered by militias and letters of marque and reprisal, we have moved from a system of competing currencies to a government-instituted banking cartel that monopolizes the issuance of currency. In order to reintroduce a system of competing currencies, there are three steps that must be taken to produce a legal climate favorable to competition.

The first step consists of eliminating legal tender laws. Article I Section 10 of the Constitution forbids the States from making anything but gold and silver a legal tender in payment of debts. States are not required to enact legal tender laws, but should they choose to, the only acceptable legal tender is gold and silver, the two precious metals that individuals throughout history and across cultures have used as currency. However, there is nothing in the Constitution that grants the Congress the power to enact legal tender laws. We, the Congress, have the power to coin money, regulate the value thereof, and of foreign coin, but not to declare a legal tender. Yet, there is a section of US Code, 31 USC 5103, that purports to establish US coins and currency, including Federal Reserve notes, as legal tender.

Historically, legal tender laws have been used by governments to force their citizens to accept debased and devalued currency. Gresham’s Law describes this phenomenon, which can be summed up in one phrase: bad money drives out good money. An emperor, a king, or a dictator might mint coins with half an ounce of gold and force merchants, under pain of death, to accept them as though they contained one ounce of gold. Each ounce of the king’s gold could now be minted into two coins instead of one, so the king now had twice as much “money” to spend on building castles and raising armies. As these legally overvalued coins circulated, the coins containing the full ounce of gold would be pulled out of circulation and hoarded. We saw this same phenomenon happen in the mid-1960s when the US government began to mint subsidiary coinage out of copper and nickel rather than silver. The copper and nickel coins were legally overvalued, the silver coins undervalued in relation, and silver coins vanished from circulation.

These actions also give rise to the most pernicious effects of inflation. Most of the merchants and peasants who received this devalued currency felt the full effects of inflation, the rise in prices and the lowered standard of living, before they received any of the new currency. By the time they received the new currency, prices had long since doubled, and the new currency they received would give them no benefit.

In the absence of legal tender laws, Gresham’s Law no longer holds. If people are free to reject debased currency, and instead demand sound money, sound money will gradually return to use in society. Merchants would have been free to reject the king’s coin and accept only coins containing full metal weight.

The second step to reestablishing competing currencies is to eliminate laws that prohibit the operation of private mints. One private enterprise which attempted to popularize the use of precious metal coins was Liberty Services, the creators of the Liberty Dollar. Evidently the government felt threatened, as Liberty Dollars had all their precious metal coins seized by the FBI and Secret Service in November of 2007. Of course, not all of these coins were owned by Liberty Services, as many were held in trust as backing for silver and gold certificates which Liberty Services issued. None of this matters, of course, to the government, which hates competition. The responsibility to protect contracts is of no interest to the government.

The sections of US Code which Liberty Services is accused of violating are erroneously considered to be anti-counterfeiting statutes, when in fact their purpose was to shut down private mints that had been operating in California. California was awash in gold in the aftermath of the 1849 gold rush, yet had no US Mint to mint coinage. There was not enough foreign coinage circulating in California either, so private mints stepped into the breech to provide their own coins. As was to become the case in other industries during the Progressive era, the private mints were eventually accused of circulating debased (substandard) coinage, and with the supposed aim of providing government-sanctioned regulation and a government guarantee of purity, the 1864 Coinage Act was passed, which banned private mints from producing their own coins for circulation as currency.

The final step to ensuring competing currencies is to eliminate capital gains and sales taxes on gold and silver coins. Under current federal law, coins are considered collectibles, and are liable for capital gains taxes. Short-term capital gains rates are at income tax levels, up to 35 percent, while long-term capital gains taxes are assessed at the collectibles rate of 28 percent. Furthermore, these taxes actually tax monetary debasement. As the dollar weakens, the nominal dollar value of gold increases. The purchasing power of gold may remain relatively constant, but as the nominal dollar value increases, the federal government considers this an increase in wealth, and taxes accordingly. Thus, the more the dollar is debased, the more capital gains taxes must be paid on holdings of gold and other precious metals.

Just as pernicious are the sales and use taxes which are assessed on gold and silver at the state level in many states. Imagine having to pay sales tax at the bank every time you change a $10 bill for a roll of quarters to do laundry. Inflation is a pernicious tax on the value of money, but even the official numbers, which are massaged downwards, are only on the order of 4% per year. Sales taxes in many states can take away 8% or more on every single transaction in which consumers wish to convert their Federal Reserve Notes into gold or silver.

In conclusion, Madame Speaker, allowing for competing currencies will allow market participants to choose a currency that suits their needs, rather than the needs of the government. The prospect of American citizens turning away from the dollar towards alternate currencies will provide the necessary impetus to the US government to regain control of the dollar and halt its downward spiral. Restoring soundness to the dollar will remove the government’s ability and incentive to inflate the currency, and keep us from launching unconstitutional wars that burden our economy to excess. With a sound currency, everyone is better off, not just those who control the monetary system. I urge my colleagues to consider the redevelopment of a system of competing currencies and cosponsor the Free Competition in Currency Act.

111TH CONGRESS
1ST SESSION

H.R. 4248

IN THE HOUSE OF REPRESENTATIVES

December 9, 2009

Mr. PAUL introduced the following bill; which was referred to the Committee on 12/9/2009

A BILL

To repeal the legal tender laws, to prohibit taxation on certain coins and bullion, and to repeal superfluous sections related to coinage.

Be it enacted by the Senate and House of Representatives of the United States of America in Congress assembled,

SECTION 1. SHORT TITLE.

This Act may be cited as the “Free Competition in Currency Act of 2009″.

SEC. 2. REPEAL OF LEGAL TENDER LAWS.

(a) IN GENERAL. — Section 5103 of title 31, United States Code, (relating to legal tender) is hereby repealed.

(b) CLERICAL AMENDMENT. — The table of sections for subchapter I of chapter 51 of title 31, United States Code, is amended by striking the item relating to section 5103 and inserting the following new item: “5103. [Repealed]“.

SEC. 3. NO TAX ON CERTAIN COINS AND BULLION.

(a) IN GENERAL. — Notwithstanding any other provision of law —

(1) no tax may be imposed on (or with respect to the sale, exchange, or other disposition of) any coin, medal, token, or gold, silver, platinum, palladium, or rhodium bullion, whether issued by a State, the United States, a foreign government, or any other person; and

(2) no State may assess any tax or fee on any currency, or any other monetary instrument, which is used in the transaction of interstate commerce or commerce with a foreign country, and which is subject to the enjoyment of legal tender status under article I, section 10 of the United States Constitution.

(b) EFFECTIVE DATE.—This section shall take effect on December 31, 2009, but shall not apply to taxes or fees imposed before such date.

SEC. 4. REPEAL OF SUPERFLUOUS SECTIONS.

(a) IN GENERAL. — Title 18, United States Code, is amended by striking sections 486 (relating to uttering coins of gold, silver, or other metal) and 489 (making or possessing likeness of coins).

(b) CONFORMING AMENDMENT TO TABLE OF SECTIONS. — The table of sections at the beginning of chapter 25 of title 18, United States Code, is amended by striking the items relating to the sections stricken by subsection (a).

(c) SPECIAL RULE CONCERNING RETROACTIVE EFFECT. — Any prosecution under the sections stricken by subsection (a) shall abate upon the taking effect of this section. Any previous conviction under those sections shall be null and void.
POSSIBLILIDADES DE “OBJETIVIDADE” ATRAVÉS DA SUBJETIVIDADE

Daril Weslen[1]

RESUMO: Este trabalho constitui uma análise da teoria metodológica weberiana, com especial atenção a maneira como Max Weber logrou criar uma ciência social que buscasse o substrato subjetivo dos fenômenos sociais, a chamada sociologia compreensiva. O objetivo é ver como Weber via a possibilidade de “objetividade” unida ao seu projeto de sociologia compreensiva. Neste sentido, trata-se de reconstituir os ensinamentos metodológicos deste autor para pensar a possibilidade de uma sociologia “objetiva” da subjetividade. O que fica evidenciado é que Weber conseguiu criar uma ciência “objetiva” dentro de sua concepção de objetividade e dentro do quadro geral de suas reflexões ontológicas e epistemológicas. Abandonando, como ele fez, a idéia de totalidade, assimilando a visão de que a ciência visa buscar um conhecimento parcial da realidade, é possível sim uma ciência “objetiva” como ele propôs.

PALAVRAS-CHAVES: Max Weber; sociologia compreensiva; “objetividade”; subjetividade; ciência social;

1 – INTRODUÇÃO

Max Weber tentou criar uma ciência social que fosse axiologicamente neutra (isso é uma premissa do positivismo), mas por outro lado ele também teve a preocupação em resgatar o substrato subjetivo dos fenômenos sociais através de um método que compreenda o substrato subjetivo. Weber se distancia do positivismo na medida em que ele vai enfatizar a subjetividade como nível de determinação das ações sociais, mas por outro lado ele resgata a objetividade ao buscá-la na subjetividade, é o que está esboçado no texto sobre a neutralidade axiológica[2].

Assim, o grande mérito de Weber é que ele vai buscar a objetividade na subjetividade, é essa a sua grande contribuição. Desta forma ele enfrenta o problema da possibilidade de extrair uma objetividade da subjetividade, de como buscar as condições objetivas da subjetividade dos agentes sociais. Daí surge a questão central deste trabalho que é a seguinte: como é que o método compreensivo, ao enfatizar os valores histórico-culturais, pode ser abordado sob o método objetivo, a luz das premissas do positivismo, ou seja, como é que se poderia ter uma ciência objetiva tendo como matéria prima elementos subjetivos.

Weber coloca no mesmo nível de equivalência várias metodologias, pois é a saída que ele encontra para não se prender apenas no nível objetivo dos fenômenos na determinação, levando em conta, desta maneira, o nível subjetivo. Ele relativiza, nem tanto para uma, nem tanto para outra, as duas perspectivas, subjetivista e objetivista, são igualmente válidas. Assim, para Weber, não se pode substituir a determinação cultural dos fenômenos, que pode ser tão perniciosa para a pesquisa quanto a determinação material, econômica com exclusividade. Ele não reivindica a exclusividade do método compreensivo para explicar os fenômenos sociais, ou seja, ele abre espaço para que outra perspectiva seja tão válida quanto o método compreensivo.

Weber não segue um rigor metodológico altamente taxativo: juízos de valores têm que ser escorraçados da investigação científica. O julgamento de valor para Weber é permitido e até necessário, não na análise, mas só até a seleção do objeto de estudo. Na análise os valores são úteis de uma maneira especial, cuidadosa, relativa à causalidade. Weber permite uma penetração dos valores do cientista na pesquisa, mas só até certo ponto, com certos limites. Como mostra o texto da objetividade do conhecimento[3], na análise deve-se percorrer o percurso normal do positivismo, é quando ele diz que a conclusão final do pesquisador tem que ser compreensível, não necessariamente aceita, tanto por um Chinês quanto para outros.

Este trabalho está dividido em dois capítulos. No primeiro encontra-se um esboço dos fundamentos da sociologia compreensiva de Weber, buscando entender, numa visão geral e aérea, os fundamentos de sua sociologia da ação. No segundo procura-se construir os ensinamentos metodológicos de Weber através de cinco textos: A ciência como vocação; A “objetividade” do conhecimento na ciência social e na ciência política; O sentido da “neutralidade axiológica” nas ciências sociais e econômicas; A ética protestante e o “espírito” do capitalismo. Os textos sobre metodologia são de interesse especial neste trabalho. O estudo sobre a ética protestante constitui uma pesquisa que interessa por ser elucidativa da metodologia weberiana.

O trabalho se conclui com algumas considerações finais acerca de temas relevantes para pensar a metodologia de Weber: as limitações que os métodos weberianos de análise da sociedade impõem; a tese acerca do suposto “medo da realidade” que Weber teria ao resgatar a subjetividade; a abertura para um pluralismo metodológico que está explícita no final da obra A ética protestante e o “espírito” do capitalismo. Nestas considerações finais busca-se apenas arejar alguns temas de debates, que só poderiam ser trabalhados exaustivamente em outras pesquisas devido à grandeza e complexidade dos assuntos a que eles remetem.

Neste trabalho busca-se, apesar de sua brevidade, criar um esboço dos princípios metodológicos que Weber julgou importante para se atingir a “objetividade”. Um trabalho que busca esgotar tudo o que se tem a dizer sobre determinado tema é um trabalho ingênuo, posto que a infinitude da obra de um autor está aberta a infinitas linhas de interpretações, de infinitos tópicos a serem trabalhados.

Outra coisa, a obra de um autor, principalmente se for da complexidade de um clássico, nunca é homogênea. Portanto busca-se aqui compreender Weber a partir da centralização em dois textos, o sobre A “objetividade” do conhecimento na ciência social e na ciência política; O sentido da “neutralidade axiológica” nas ciências sociais e econômicas. Estes serão os textos que constituirão o “esqueleto” do trabalho, sendo que os outros textos de Weber serão subsidiários.

2 – O LUGAR DA SUBJETIVIDADE

Max Weber definiu a Sociologia como sendo, grosso modo, um estudo científico que busca compreender o sentido da ação social, e isso ele disse explicitamente, com todas as palavras. A passagem abaixo é elucidativa:

O termo “Sociologia” está aberto a muitas interpretações diferentes. No contexto usado aqui significará aquela ciência que tem como meta a compreensão interpretativa da ação social de maneira a obter uma explicação de suas causas, de seu curso e dos seus efeitos. Por “ação” se designará toda a conduta humana, cujos sujeitos vinculem a esta ação um sentido subjetivo. Tal comportamento pode ser mental ou exterior; poderá consistir de ação ou de omissão no agir. O termo “ação social” será reservado à ação cuja intenção fomentada pelos indivíduos envolvidos se refere à conduta de outros, orientando-se de acordo com ela[4].

Há na passagem acima três conceitos: Sociologia, Ação e Ação Social. Weber definiu a Sociologia como a ciência que visa à compreensão interpretativa da ação social. Cabe aqui procurar formular um entendimento do que seria esta ciência da ação social, seus fundamentos, pressupostos, ou seja, o sentido de uma Sociologia da ação social. Raymond Boudon afirmou ser Weber um dos principais fundadores da Sociologia da ação. Mas o que é esta realmente? É uma Sociologia que procura “reconhecer ou, conforme o caso, reconstruir as razões que levaram o ator social a adotar um determinado comportamento, atitude ou convicção” [5].

Desta forma, a Sociologia, para explicar os fenômenos sociais, toma como necessário identificar idéias e representações existentes no contexto em que se situa, e estas idéias e representações estão orientando a conduta do indivíduo. O epicentro da Sociologia da ação consiste na identificação das razões pelas quais um determinado ator ou conjunto de atores aderiram a determinadas perspectivas.

A Sociologia da ação, neste caso, possui dois princípios básicos: 1) levar a sério a tese de que todo fenômeno social, independente do que seja, é sempre o resultado de ações, de atitudes, ou seja, é sempre o resultado do comportamento orientado do indivíduo ou indivíduos; 2) o sociólogo deve procurar, para explicar os fenômenos sociais, o sentido das ações, dos comportamentos que estão na origem dos fenômenos de que trata. Todos os dois princípios estavam bem formulados na Sociologia compreensiva de Weber.

O conceito de Ação Social é básico aqui, refere-se a toda ação referente a outros indivíduos. Embora pareça aos leigos à primeira vista que Weber estava limitando o objeto de estudo da Sociologia, não é bem isso o que ocorre, pois Ação Social é praticamente quase tudo o que os indivíduos fazem. Ação Social é aquela que implica um significado subjetivo que se refere a outro indivíduo ou grupo. Pode ser analisada sob duas óticas: 1) em função do significado concreto que a ação tem para um dado agente individual; 2) em função de um tipo ideal de significado subjetivo que o seu “hipotético” agente lhe atribua.

Weber não possuía uma visão substancialista de entidades como “estado”, “sociedade industrial”, “família”, “religião”, e até mesmo o próprio conceito de “sociedade”. Ele não negava a sociedade e a todas estas entidades a legitimidade de uma existência objetiva, mas tinha plena consciência de que a única realidade empírica é o indivíduo e sua ação. Logo, a Sociologia só pode ter como ponto de partida as ações sociais dos indivíduos. Isso não significa que Weber logrou alicerçar uma ciência social reducionista, uma psicologia social disfarçada de Sociologia. Não, não é isso. Weber estava apenas dizendo que o indivíduo é o ponto de partida, mas a sociologia que ele propunha não estaciona aí. A aposta era que seria possível estudar as estruturas sociais, as entidades como “estado”, “sociedade industrial”, “família”, “religião” através do indivíduo, este usado como unidade de análise.

Sobre a importância do indivíduo Julien Freund afirmou o seguinte: a Sociologia compreensiva de Weber “não poderia ter outro fundamento a não ser o indivíduo. É preciso entender com isso que Weber considera que, no ponto de vista sociológico, o coletivo não constitui uma realidade em si” [6]. Esta passagem é equivocada em um ponto. Weber, como foi afirmado anteriormente, não negava à coletividade uma realidade objetiva, mas negava que poderia constituir uma realidade empírica, o que é diferente. O abstrato não significa irreal. O fato de a sociedade não ser estudada através dela mesma (mas sim do indivíduo e sua ação) não significa que ela não constitua uma realidade objetiva. Weber não estava dizendo que o coletivo, que a sociedade é pura abstração, posto que ela existe de verdade, o problema da Sociologia é chegar até ela, e isso só é possível através dos valores histórico-culturais que motivam a ação social do indivíduo. Foi a esse problema que Weber se dedicou com afinco em suas reflexões metodológicas.

Logo no ensaio sobre “Objetividade” [7], Weber chamou a atenção para a busca do cientista social para “entender empaticamente” tanto os processos intelectuais como todos os outros comportamentos humanos. Ele estava aqui buscando combater a tese de que as ciências culturais, históricas e sociais dependem do raciocínio “teleológico” sobre os propósitos e intentos humanos. Ou seja, a investigação interpretativa dos motivos é a melhor maneira de atribuição causal e, assim sendo, uma enorme parte do projeto de análise causal da Sociologia compreensiva.

Mas Weber também alertava para o fato de que o cientista social deve buscar determinar o que efetivamente levava as pessoas a agir da maneira que agem em casos particulares. Weber advertia que a opinião dos próprios agentes não esgota tudo o que é preciso saber sobre as causas de suas ações. Assim, é o motivo real que interessa à Sociologia compreensiva.

“Compreender” quer dizer buscar o “sentido” da ação. É bom especificar o que Weber tem a dizer sobre este “sentido da ação”:

Uma ação com sentido, isto é subjetivamente compreensível, não se dá em muitos casos de processos psicofísicos, e em outros, só é reconhecida pelo especialista; experiências místicas que não podem ser comunicadas adequadamente em palavras nunca são inteiramente compreensíveis para alguém não suscetível a tais experiências. Por outro lado, a capacidade de realizar uma ação semelhante não é uma condição prévia para a sua compreensão; não é necessário “ser César a fim de compreender César”. Ser capaz de colocar-se no lugar do ator é importante para a clareza da compreensão, mas não é uma condição prévia absoluta para a interpretação do sentido. As partes compreensíveis e não compreensíveis de um processo freqüentemente estão inextricavelmente interligadas.[8]

Como pode ser notado nesta passagem, uma ação com sentido é, grosso modo, uma ação intencional/portadora de uma reciprocidade de sentido. Uma ação sem sentido é não-compreensível. Uma ação com sentido é compreensível. Mas isso é redundância, pois não explica o que é este “sentido”. O sentido é o motivo da ação, mas este não inclui apenas o imediatamente notável, verificável. É preciso um trabalho árduo e um esforço empático, o que não é fácil. Weber até chega a afirmar que “quanto mais radicalmente se distancia de nossos próprios valores últimos, mais difícil se torna para nós entendê-los por participação empática” [9].

Desta forma, muitas vezes o cientista precisará se conformar com “apenas uma compreensão puramente intelectual de tais valores, ou na ausência disto, uma simples aceitação deles como dados” [10]. E isso é uma pena para a pesquisa, pois que

Até onde for possível, a conduta motivada por estes valores deve ser entendida com base em quaisquer possibilidades de uma interpretação simpática emocional e/ou intelectual dos diferentes estágios de seu desenvolvimento” [11].

É bom, através da abstração, criar modelos de ação racional, para daí, através de comparação, analisar as ações tendo em vista o nível de desvio entre esta ação racional típica ideal e a ação realmente propelida.

Weber, ao propor uma Sociologia compreensiva não estava fazendo da Sociologia algo filiado à Psicologia, um tipo de Psicologia Social. Por mais que “compreender” signifique buscar o sentido subjetivamente visado, a chave para refutar o psicologismo erroneamente atribuído a Weber está em um fato óbvio, básico: Weber falava de buscar o sentido da “ação social”, não de qualquer ação, mas da “social”.

É o sentido de uma ação que é relativa a outros indivíduos. Ou seja, é preciso entender as regras, historicamente formadas, os valores, as instituições a fim de entender o sentido “real” de determinada ação. Repetindo: o sentido “real” da ação social. É por isso que foi afirmado anteriormente que Weber parte do indivíduo, mas não para nele. O indivíduo é a unidade de análise, uma estratégia metodológica.

No seu ensaio sobre “objetividade”, Weber diz que nas ciências sociais o que interessa são fenômenos cuja compreensão empática é notavelmente singular a toda tarefa realizada nas ciências. Nas ciências sociais o que importa é tornar inteligível a base subjetiva em que a análise científica social se assenta; e um dos tópicos fundamentais dos trabalhos consiste em enfatizar que é possível fazer uma análise “objetiva” dos fenômenos econômicos, políticos e históricos, mesmo que a ação humana seja intrinsecamente “subjetiva”. Mas a subjetividade deve ser atentamente focalizada, pois as ciências sociais são diferentes das naturais. Ao formular a sua concepção de sociologia interpretativa[12], Weber continua a insistir no significado do elemento subjetivo para a análise sociológica.

Weber afirma que “não é preciso ser César para compreender César”. Este ponto é relevante para o entendimento de toda a sua teoria metodológica da “objetividade”. Weber defende o ponto de vista de que o estudo da conduta subjetiva não se resume ao intuicionismo, embora também reconheça que o significado subjetivo é uma parte importante das atividades humanas.

A Sociologia interpretativa pode e deve basear-se em técnicas fixas de interpretação do significado, podendo desta maneira ser comprovado cientificamente. Segundo Weber, essas técnicas podem basear-se na compreensão das relações lógicas (de maneira racional) que fazem parte da esfera subjetiva do agente social, ou numa compreensão mais voltada para a esfera empática e emotiva. A primeira é mais complexa e precisa, principalmente quando o agente social se mune do raciocínio matemático ou da lógica formal.

Se bem que a empatia seja uma maneira importante de compreender ações sociais na esfera emotiva, a compreensão de que fala weber vai além da simples empatia: a compreensão de que fala Weber demanda não só um sentimento de simpatia emocional da parte do sociólogo, mas complementa com a apreensão da inteligibilidade subjetiva da ação social.

É seguro afirmar que quanto mais os ideais do cientista social se diferencia dos ideais dos agentes sociais que estuda, ou seja, quanto mais distante for a subjetividade do cientista da subjetividade dos agentes sociais cujas ações são objeto de estudo, mais difícil se torna a compreensão do significado que esses ideais têm para estes agentes.

3 – O QUE VEM A SER “OBJETIVIDADE” E COMO SER “OBJETIVO”

Weber sempre escreveu a palavra “objetividade” entre aspas. Isso por que ele sempre teve um cuidado em não cair na visão de uma metodologia objetiva no sentido de acreditar na possibilidade de uma ciência isenta de valores, cujo conhecimento por ela engendrado seria um reflexo fidedigno da realidade. Ao contrário, Weber possuía uma visão da “objetividade” muito diferente desta. O conhecimento científico social não é um reflexo da realidade societária, mas sim um ordenamento conceitual dela. A ciência social ordena conceitualmente a realidade para determinados fins. Daí nasce alguns problemas: como assim fins? A ciência não deve ser isenta de valores? Como ela pode ter fins? Isto será tratado mais adiante, cabe aqui, antes de tudo, salientar que a ciência, para Weber, não precisa ser vazia de interesses para ser “objetiva”.

O problema de ser ou não a ciência vazia de interesses não tem relação necessária com o problema de ela poder ou não ser “objetiva”. “Objetividade”, para Weber, não que dizer “desligamento dos interesses”, dos valores, nem necessariamente o contrário. Simplesmente são questões diferentes.

Todo o trabalho de Weber tem como linha mestra a preocupação com a Alemanha. Como mostra Jacob Peter Mayer, Weber “foi o mais notável teórico político alemão do período pós-bismarkiano, tendo não apenas escrito sobre política, mas também, devido à qualidade de seus escritos e de sua atividade docente, feito política” [13]. Weber escreveu muito sobre política e isso não foi um simples acaso, resultou da sua profunda preocupação com a Alemanha. Anthony Giddens chega a afirmar que um entendimento dos escritos de Weber não pode prescindir da análise dessa inquietação com o futuro da Alemanha[14].

Não interessa aqui analisar as preocupações políticas de Weber e a relação que estas têm com sua ciência social. O interessante é salientar que Weber, não penas enquanto pessoa, cidadão alemão, mas enquanto cientista mesmo, tinha “interesses”. Sua ciência social não está isenta de interesses. Isso é importante por que Weber nunca disse que a ciência social deveria se separar dos “interesses”, dos ideais, dos valores. “Objetividade” não tem nada a ver com “desinteresse”. Pelo menos não no pensamento de Weber. A ciência não pode ser vazia de valores, de ideais.

Assim sendo, a “objetividade” passa a ser outra coisa. Grosso modo, um conhecimento “objetivo” para Weber é um “conhecimento válido” (daí o termo validade objetiva que ele usa em seus escritos) para determinados fins, sejam eles práticos ou intelectuais. Cabe analisar o que seria este conhecimento cientificamente válido, posto que seria um conhecimento “objetivo”. Mas como aqui o que importa é a Sociologia, é mais cabível especificar o que vem a ser um conhecimento sociologicamente válido.

Como foi demonstrado no capítulo anterior, a Sociologia, para Weber, deve buscar compreender a ação social para poder explicá-la causalmente. Como seria então uma explicação válida – e, desta forma, “objetiva” – é a questão que interessa neste momento. Uma explicação sociologicamente válida (“objetiva”) deve ser (1) neutra axiologicamente; (2) parcial, abandonando a idéia de totalidade, posto que prejudicaria o rigor do conhecimento por ela engendrado; (3) sensível ao substrato subjetivo dos fenômenos sociais; (4) fazer uso de tipos. Estes quatro pontos serão explicados mais a frente. São pontos gerais, se fundamentando em premissas específicas que é importante entender.

Uma grande parte dos trabalhos metodológicos de Weber foi alicerça sobre o contexto dos problemas que ele tratou de dar atenção nas suas obras empíricas, a exemplo de A ética protestante e o “espírito” do capitalismo[15]; são uma tentativa de destruir todos os obstáculos intelectuais que punham ao pensamento científico que lhe fora transmitido. Nos ensaios metodológicos, os problemas principais que a Sociologia deveria enfrentar são aqueles que possuem um significado cultural. Weber combate a idéia de que a generalização nas ciências sociais não seria possível, sendo que, a construção de princípios gerais, de leis sociais ou tudo o mais do tipo, devem ser tratadas como meios e não como fins da investigação científica.

Weber se contrapunha a perspectiva de Comte, que afirmava que a ciência natural e exata constituiria um modelo para as ciências sociais, em particular a Sociologia. Apesar disso, Weber não chega a afirmar que a ciência social seria ontologicamente diferente das ciências naturais ao ponto de se tornar subjetivista em um grau excessivo. Objetivismo ou subjetivismo? Weber não precisou optar por nenhum destes “ismos”. Ele conseguiu criar um meio para sair deste impasse.

Mesmo reconhecendo que as ciências sociais possuem a especificidade de estudar fenômenos “espirituais”, “ideais”, Weber acreditava que essa dicotomia entre sujeito e objeto não implica um sacrifício da “objetividade” nas ciências sociais, nem obriga que o cientista social dê primazia a intuição e abandone a análise causal. Num ensaio sobre a “objetividade” [16] Weber trabalha esta questão mais detidamente. As ciências sociais são movidas por interesses práticos, de mudanças sociais desejáveis. Foi a partir destes interesses que elas surgiram. Foi com estes desejos de intervir no campo humano que ela se desenvolveu. Mas a sua criação não surgiu unida a uma clara visão da descontinuidade lógica fundamental entre dois tipos de proposições, as fatuais de um lado, e as normativas de outro. Separar o entendimento do “ser” do entendimento do “dever ser”. Essa confusão deve ser revolvida para se atingir um conhecimento científico verdadeiramente “objetivo”. Uma ciência empírica não tem a capacidade para definir ideais do “dever ser”. Este é o primeiro princípio da “objetividade” de Weber. É a neutralidade axiológica.

Quando Weber propunha uma ciência isenta de valores ele não estava abraçando “todos” os preceitos do positivismo. Não, não é isto. Ele foi positivista em certo sentido: ao buscar uma ciência “objetiva” dos fenômenos sociais. Porém, é mais cabível rotular Weber como um positivista sadio, pois ele resgata o que tem de cientificamente construtivo no positivismo (como a preocupação com a objetividade), mas não chega a cometer os mesmos abusos metodológicos que os positivistas clássicos, a exemplo de Comte, cometem. Weber resgata a subjetividade e, com ela, os valores tanto do cientista quanto dos agentes sociais cujas ações são objeto de estudo. Mas estes valores são empregados de uma maneira que é bom deixar clara agora.

No texto sobre a “objetividade” Weber, logo no início, discorre sobre o Arquivo, seus desideratos e limitações, e deixa claro que se deve ter cuidado para não imputar a uma revista científica (o Arquivo, no caso em particular) a responsabilidade de criar visões de mundo como sendo visões científicas. Afirma que “jamais pode ser tarefa de uma ciência empírica proporcionar normas e ideais obrigatórios, dos quais se possa derivar ‘receitas’ para a prática” [17]. É que Weber imputava à ciência o estudo dos “meios” e não o dos “fins”. Ela pode dizer ao cientista o que pode fazer, mas não o que deve ser feito, ou seja, ela pode ajudar, com o seu conhecimento técnico, através de um entendimento de determinados fenômenos, quais os melhores meios para se atingir um determinado objetivo, mas não pode dizer, por mais madura empiricamente que seja, o que deve ser feito. O conhecimento científico cria certar ponderações sobre a realidade “mas tomar uma determinada decisão em função daquelas ponderações já não é mais tarefa possível para a ciência” [18]. A ciência não pode criar visões morais do mundo. Desta forma, Weber estava preocupado com o perigo de as opiniões sobre política econômica ultrapassar a análise dos meios. A ciência política não pode dizer, por exemplo, se a democracia é a melhor forma de governo, a mais correta forma de governar. Ela pode sim dizer se, para se chegar a determinados ideais políticos e ideológicos, esta ou aquela forma de governo é a mais cabível. Para Weber a ciência é movida por “interesses”, mas estes não são intrínsecos a ala. Eles vêm de fora da ciência, se originam nos valores do cientista enquanto pessoa, enquanto membro de uma determinada sociedade. Os valores moram na ciência mas não nascem nela.

Em A ciência como vocação Weber se posiciona com relação à ciência e ao que ela visa. Trata de delimitar o seu campo demonstrando seus objetivos e como ela está posicionada perante as visões de mundo, as religiões, etc. assim, ele afirma o seguinte, com respeito à relação entre ciência e religião:

Para quem não pode enfrentar como homem o destino da época, devemos dizer; possa ele voltar silenciosamente, sem a publicidade habitual dos renegados, mas simples e quietamente. Os braços das velhas igrejas estão abertos para ele, e, afinal de contas, elas não criam dificuldades a sua volta. De uma forma ou de outra, ele tem de fazer o seu “sacrifício intelectual” – isso é inevitável. Se ele puder realmente fazê-lo, não o criticaremos. Pois tal sacrifício intelectual em favor de uma dedicação religiosa é eticamente diferente da evasão do dever claro de integridade intelectual, que surge quando falta a coragem de esclarecer a posição última que foi tomada e facilita esse dever através de frágeis julgamentos relativos. [19]

Quando o cientista trabalha deve deixar explícito para si mesmo e para os outros o que é o resultado de suas investigações empíricas e o que é uma resultante de seus ideais, de seus valores.

Ao analisar a “objetividade”, Weber deseja eliminar as confusões que obscurecem quase sempre a relação lógica entre os juízos científicos e os juízos de valores. Ele não diz que os ideais devem ser alijados da investigação científica, afirmando até que uma atitude de total indiferença com os valores não tem nada haver com a “objetividade”. A total separação entre os juízos de fatos e os juízos de valores, é diferente do que a própria existência é atravessada por valores que definem a análise científica como uma atividade “desejável” ou “válida” em si. A ciência é inerentemente valorativa, ou seja, ela é também atravessada por valores e, quanto a isso, não se pode fazer nada, a não ser negar este fato, mas não se pode eliminar os valores da pesquisa. O principal objetivo da ciência é entender o porquê dos fenômenos serem o que são e da maneira que são. O problema é que a realidade, sendo “infinita”, não é cognoscível sem um processo de abstração. Weber diz que não pode haver uma descrição científica completa da realidade. A realidade é indivisível na prática, sendo possível uma divisão heurística. Todo estudo científico da realidade implica uma seleção, alguns cortes metodológicos.

Muito embora os juízos de valores não possam ser comprovados cientificamente, o seu uso é necessário (com cuidado), não precisando a ciência social ser vazia de valores mesmo que isso fosse possível. O estudo das ciências sociais possibilita uma análise dos meios para se chegar a um determinado fim. Este fim, no entanto, como já foi afirmado, é imputado à ciência, não pertence a ela, não é autóctone a ela. Resulta do lado humano do cientista. Nenhum conhecimento científico pode dizer, por exemplo, se matar é certo ou errado. Pode sim explicar as causas dos assassinatos, do aumento ou diminuição da taxa de homicídios em uma determinada cidade, dentre outras explicações do tipo. Pode demonstrar as vantagens do uso de determinados meios para se chegar a determinados fins. Resumindo, as ciências sociais podem dizer o que é melhor fazer para se chegar a determinado resultado – uma sociedade mais economicamente igualitária, por exemplo – mais jamais pode afirmar se a busca por estes resultados é boa ou ruim. A análise até pode dizer se o fim buscado é possível ou não. Pode ajudar a conscientizar os agentes dos seus fins, posto que as vezes não estão muito claros para eles, ou para o próprio cientista no caso de seus interesses.

É que Weber tinha um ponto de vista de que o universo humano é um campo de forças, de ideais incompatíveis entre si. Como este conflito eterno se resolveria? A resposta é que não se resolveria nunca, jamais se resolve, no máximo pode ser alcançado um relativo consenso, mas só. E o consenso não deixa de ser mais um ideal, mais uma simples posição. O fato de a maioria das pessoas acreditarem numa coisa não a torna verdadeira. Este tipo de verdade não é atingível pela ciência. Desta forma, uma vez que não é possível comprovar cientificamente estes ideais, não pode haver uma ética universal. É bom aqui ilustrar esta posição de Weber deixando que ele mesmo fale

O destino de uma época cultural que “provou da árvore do conhecimento” é ter de saber que podemos falar a respeito do sentido do devir do mundo, não a partir do resultado de uma investigação, por mais perfeita e acabada que seja, mas a partir de nós próprios que temos de ser capazes de criar este sentido. Temos de admitir que temos de ser capazes de criar este sentido. Temos de admitir que “cosmovisões” nunca podem ser o resultado de um avanço do conhecimento empírico, e que, portanto, os ideais supremos que nos movem com a máxima força possível, existem, em todas as épocas, na forma de uma luta com outros ideais que são, para outras pessoas, tão sagrados como o são para nós os nossos. [20]

“Weber ainda complementa mais a frente afirmando que “a linha média de modo nenhum acerta a verdade científica mais do que os ideais dos partidos extremos, quer sejam de direita ou de esquerda” [21]. Ou seja, aqueles cientistas que alicerçam sua análise científica em ideais consensuais, não estão apoiando-se em ideais mais verdadeiros do que os dos extremos.

Na análise da natureza da “objetividade” Weber procura destruir as confusões que obscurecem a relação entre juízos de valores e juízos de fatos, ou seja, científicos. Como foi afirmado, ele não afirma que os “interesses” devam ser alijados da investigação científica. Afirma até que uma atitude de total indiferença para com os valores não tem nada a ver com a “objetividade”. A total separação entre juízos de fatos e juízos de valores é diferente do fato de que a própria existência é atravessada por valores que definem a análise científica como uma atividade “desejável” ou/e “válida” em si. A ciência é inerentemente valorativa, ou seja, ela é também atravessada por valores e, quanto a isso, não se pode fazer nada, a não ser negar este fato, mas não se pode eliminar os valores da pesquisa. O principal objetivo da pesquisa é entender a originalidade da realidade, ou seja, o principal objetivo da ciência é entender o porquê dos fenômenos serem o que são não de outra maneira. A questão é que a realidade, sendo “infinita”, não é cognoscível sem um processo de abstração. Weber diz que não pode haver uma descrição científica completa da realidade. A realidade é indivisível. Todo estudo cientifico da realidade implica uma seleção, alguns cortes metodológicos. Daí vem o segundo princípio para a “objetividade” científica: aceitar que o conhecimento engendrado pela ciência social é sempre parcial. É importante explicar agora o que é esta parcialidade.

O termo “parcial” aqui está sendo empregado no sentido de específico, particular, focal, unilateral. Ou seja, é um conhecimento de fragmentos da realidade societária. É que Weber não cultiva a categoria de totalidade. Afirma com relação a isso que

O direito a análise unilateral da realidade cultural a partir de “perspectivas” específicas [...] resulta, desde logo, e em termos puramente metodológicos, da circunstância de que o treino da atenção para se observar o efeito de determinadas categorias causais qualitativamente semelhantes, bem como a constante utilização do mesmo aparelho metodológico-conceitual, oferece todas as vantagens de divisão do trabalho. [22]

Isso ocorre pelo motivo seguinte. As ciências sociais para Weber preocupa-se em estudar as individualidades históricas, as singularidades. O real para Weber é sempre o individual. A realidade social é essencialmente individual, singular.

Na medida em que nossa ciência, por meio da regressão causal, atribui causas individuais – de caráter econômico ou não – a fenômenos culturais econômicos, ela está buscando um conhecimento “histórico”. Na medida em que persegue um elemento específico dos fenômenos culturais – neste caso, o elemento econômico – através dos mais variados complexos culturais, no intuito de distinguir o seu significado cultural, ela está a buscar uma interpretação histórica a partir de um ponto de vista específico. Oferece, assim, uma imagem parcial, um trabalho preliminar, para o conhecimento histórico completo da cultura. [23]

A passagem acima demonstra o ceticismo implícito em Weber com relação à idéia de totalidade. Isso fica mais claro quando se analisa sua crítica ao materialismo histórico. Weber admitiu as possibilidades positivas do uso de categorias gerais do materialismo histórico, mais não deixou de criticar a sua ambição a uma visão pretensiosamente totalizante. Assim ele afirma o seguinte

Livre do preconceito obsoleto de que a totalidade dos fenômenos culturais pode ser deduzida como produto ou como função de determinadas constelações de interesses “materiais”, cremos, no entanto, que a análise dos fenômenos sociais e dos processos culturais da perspectiva especial do seu condicionamento e alcance econômico foi um princípio científico de fecundidade criadora, e continuará a sê-lo, enquanto dele se fizer uso prudente e livre de coibições dogmáticas. Quanto à chamada “concepção materialista da história”, é preciso repeli-la com a maior ênfase, enquanto “concepção do mundo”, ou quando encarada como denominador comum da explicação causal da realidade histórica. – pois o cultivo de uma interpretação econômica da história é um dos fins essenciais da nossa revista. [24]

Esse tema da totalidade e da parcialidade é importante para o entendimento da visão da “objetividade” que Weber possuía. Ela está relacionada á sua visão singular acerca da causalidade. Para Weber a realidade é infinita, querendo dizer com isso que ela é inesgotável causalmente. Daí resulta o abandono da idéia de totalidade. O total é algo que tem limites, que possui fim. A realidade para Weber é infinita. Um exemplo é cabível aqui.

Se uma pessoa X mata Y em 10 de dezembro de 2009, e alguém tenta explicar a causa do assassinato (e com certeza haverá alguém que tentará, sempre há), esta explicação será imediatista, ou seja, buscar-se-á explicar o episódio através dos acontecimentos do momento: X (marido) não gostou de Y (esposa) ter sido infiel, bebeu de mais e a matou pelo que ela fez. Está aí uma explicação óbvia, simples e aceitável por todos. Fora alguns intelectuais metidos a psicólogos e os próprios psicólogos, que nesse caso fariam um discurso acerca da personalidade de X (marido de Y, assassina) e de sua infância, sobre a questão do álcool, da infidelidade, da violência, o fato de a mulher ter traído e o homem bebido até “perder a cabeça” seria o mais salientado. Porém, se causalidade de um fenômeno for entendida como aquilo que é de suma importância, indispensável mesmo, para a ocorrência do fenômeno como ele ocorreu (e é essa concepção de causalidade que se usa tanto no senso comum quanto na ciência e o que mais importa aqui, na ciência de Weber), a face caótica e complexa do fenômeno supracitado apareceria nítida e aterrorizante. Podem dizer o que quiserem, mas uma coisa é certa, se Y não tivesse, quatro anos antes de sua morte, ficado doente e não ter viajado a passeio para a cidade onde conheceu X, ela não teria morrido em 10 de dezembro de 2009, pois não teria namorado e casado com ele, nem teria desta maneira cometido aquele específico caso de adultério, ou se tivesse morrido, não teria sido pelas mãos de X. Logo, a doença que ela teve quatro anos antes do assassinato, que impediu a viagem, foi também uma causa, como foi igualmente o fato de sua mãe ter tomado cuidado ao descer a escada de sua casa quando estava grávida (de Y) e, desta maneira, não ter caído, o que poderia ter impedido Y de nascer. Quem não nasce não morre. Logo, o cuidado da mãe de Y foi “uma causa” de esta ter nascido e, por sua vez, ter vivido, conhecido X e ter sido assassinada por ele. O que está sendo buscado aqui é uma ilustração do fato de que a quantidade de causas para cada fenômeno é infinita, e “não existe nas próprias coisas critério algum que permita escolher dentre elas uma fração que possa entrar isoladamente em consideração” [25]. Se o presidente da república Luiz Inácio Lula da Silva não tivesse nascido muita coisa teria sido diferente, o Programa Fome Zero talvez não tivesse ocorrido, isso mudaria o ruma da vida de muita gente (para pior ou melhor não interessa aqui). Era esse o sentido a que Weber se referia quando dizia que a realidade é infinita, embora ele não discorresse nesses termos.
É que a idéia de complexidade, tão contemporânea, já estava nos alicerces do pensamento científico de Weber. A realidade é para ele complexa, a ciência não parte do real, ela o constrói com seus métodos e teorias. Essa tese era explícita em Weber. Assim, o fato é o seguinte: para ele o cientista social não deve buscar “a causa” de um fenômeno social, mas “uma causa”. Isso é bem diferente. O que Weber fez no estudo sobre a ética protestante e sua relação com o capitalismo não foi descobrir a causa deste, mas “uma causa” específica. Ele mostrou uma relação de interdependência entre dois fenômenos, a ética protestante e o capitalismo “como se desenvolveu” e “onde se desenvolveu”. [26]

Surge um problema: como selecionar uma causa entre a infinitude de causas possíveis de um fenômeno social? É por isso que Weber enfatiza tanto a subjetividade. O terceiro princípio para atingir um conhecimento “objetivo”. Com a subjetividade, e só através dela, é que se pode superar esse impasse. Os valores do cientista, assim como sua visão de mundo vão ser de indispensável relevância, pois são eles que o guiarão na seleção das causas a serem trabalhadas. A importância da subjetividade resulta do fato de que para Weber as categorias do tipo “sociedade”, “estado”, “catolicismo”, “protestantismo”, “racionalidade”, “comunidade”, dentre outras do tipo, não constituem realidades empíricas, embora existam de verdade. Se não são realidades empíricas é preciso reduzi-las as ações dos indivíduos. A ação é a realidade empírica para Weber. Ela só é entendível eficazmente através da análise da subjetividade. Sem esta o entendimento da ação estaria incompleto. Sobre a importância da subjetividade é bom voltar ao capítulo anterior.

Todo fenômeno social possui causas econômicas, históricas, culturais, psicológicas. O economista, por exemplo, buscará as causas dos fenômenos através da análise das relações de trabalho, classe, produção, divisão de trabalho, dentre outros fatores do tipo. Mas ele deve ter plena consciência de que as causas que está salientando são “algumas causas” e não “a causa” do fenômeno de que trata. Essa foi crítica que Weber fez ao materialismo histórico, sendo que a esfera material era apenas um nível de determinação dos fenômenos. Para Weber não há como afirmar objetivamente qual é a causa maior ou mais importante. Isso só pode ser feito através dos valores, das visões de mundo, dos ideais. É por isso que eles são de suma importância para o cientista, pois tanto ajudam a escolher o objeto de estudo, quanto são necessários para lidar com o fenômeno da causalidade, como foi exposto acima.

A ciência social que pretendemos exercitar é uma ciência da realidade. Procuramos entender na realidade que está ao nosso redor, e na qual nos encontramos situados, aquilo que ela tem de específico; por um lado, as conexões e a significação cultural das nossas diversas manifestações na sua configuração atual e, por outro lado, as causas pelas quais ela se desenvolveu historicamente de uma forma e não de outra. Acontece que, tão logo tentamos tomar consciência do modo como se nos apresenta imediatamente a vida, verificamos que ela se manifesta “dentro” e fora de “nós”, sob uma quase infinita diversidade de eventos que aparecem e desaparecem sucessiva e simultaneamente. E a absoluta infinitude dessa diversidade subsiste, sem qualquer atenuante do seu caráter intensivo, mesmo quando voltamos a nossa atenção, isoladamente, a um único “objeto” [...] e isso tão logo tentamos descrever de forma exaustiva essa “singularidade” em todos os componentes individuais, e, ainda muito mais, quando tentamos captá-la naquilo que tem de causalmente determinado. Assim, todo o conhecimento da realidade infinita, realizado pelo espírito humano finito, baseia-se na premissa tácita de que apenas um fragmento limitado dessa realidade poderá constituir de cada vez o objeto da compreensão científica e de que só ele será “essencial” no sentido de “digno de ser conhecido”. [27]

Segundo Weber, as ciências sociais procuram estudar as razões porque determinados acontecimentos são historicamente “assim” e não “de outra maneira”. Para ele, a formulação de leis gerais tem o efeito de negar a complexidade da realidade. Ela o faz a partir do momento em que nega as singularidades dos acontecimentos. Os problemas dessa abstração exagerada e cega podem ser ilustrados com o exemplo supracitado sobre o assassinato por adultério. Ao buscar criar leis gerais não será possível entender o que faz daquele assassinato “específico”, um acontecimento diferente dos outros assassinatos por adultério. Para Weber, as leis gerais são meios e não fins para a análise científica.

Não podemos considerar que a explicação causal não é possível nas ciências sociais pelo fato da dificuldade de se criar leis gerais. Um acontecimento que é acidental do ponto de vista de uma dada lei pode, no entanto, ser explicado em função dos seus antecedentes causais. Mas a ciência busca não “a causa” do acontecimento, mas uma ou outra causa. É por isso que se o cientista quiser entender completamente as causas de um fenômeno, completamente mesmo, ele jamais terminará sua análise, pois que a realidade social é infinita.

Pode sim haver formulações nomotéticas nas ciências sociais. Mas essa formulação é um meio e não um fim, que pode ser utilizada para facilitar a análise dos fenômenos específicos a explicar.

Como é que é possível, porém, provar a existência de uma relação causal? O exemplo acima (sobre o assassinato) serve para elucidar esta questão. Deve-se, a partir de uma experiência mental imaginar o que teria acontecido se a mulher não tivesse traído o marido. O assassinato teria acontecido? Se a resposta for negativa, então o adultério foi uma causa do acontecimento. Porém, que fique bem claro, “uma causa”. É que a avaliação do significado causal para Weber deve ser formulada a partir da pergunta seguinte: se esse fato não fizesse parte da teia de acontecimentos constitutivas da realidade estudada, o assassinato teria ocorrido ou o desenlace da vida da mulher teria sido diferente? Para Weber, não é necessário buscar saber o que teria acontecido realmente, basta saber que teria sido diferente.

Finalmente o quarto princípio, a formulação de tipos ideais. A definição que Weber apresenta da natureza dos conceitos de tipo ideal e a sua utilização nas ciências sociais radica logicamente nesse ponto de vista epistemológico. Os conceitos não derivam da realidade, mas são construídos para a análise, aliás, para Weber, os conceitos só possuem sentido na análise. Esta análise exige a mediação dos valores do cientista, pois a determinação dos problemas considerados como interessantes só pode ocorrer se houver “interesses”. A ciência não pode, desta maneira, ser isenta de interesses. A ciência é constituída por interesses. Assim, a interpretação e a explicação de uma configuração histórica exigem a construção de conceitos especificamente elaborados com o propósito de analisar e que, tal como os objetivos da análise, não reflete a essencialidade do real. O que é essencial na realidade é simplesmente o que é interessante para o cientista.

O tipo ideal é construído através da abstração e da combinação de um enorme número de elementos que, embora retirados da realidade, dificilmente ou nunca aparecerão a nós na realidade da mesma maneira que estão construídos. Assim, as características da ética calvinista que Weber estudou foram selecionadas devido a sua relevância na criação do espírito capitalista. Esse tipo ideal não é nem constitui nem mesmo uma hipótese; facilita a explicação e a descrição. O tipo ideal não constitui algo normativo, no sentido de ser aquilo que é desejado, não, não é isso. Pode ser construído um tipo ideal de um roubo/furto ou de um estupro. Pode ser construído um tipo ideal de qualquer fenômeno. Constitui um tipo puro num sentido lógico, e não num sentido exemplar: na sua pureza, jamais pode consistir na realidade como ela é.

Sua construção, típica ideal, não constitui um fim, mas sim um meio heurístico para a análise científica e sua utilidade só pode ser considerada tendo em vista o problema que ajuda a resolver e os fins da pesquisa de que faz parte, tendo sido unicamente pelo fato de orientar a análise de questões empíricas. Segundo Florestan Fernandes:

Quando se associa ao método de compreensão uma consideração típica ideal de fenômenos interpretados sociologicamente, procura-se captar o sentido ou a conexão de sentido através de uma construção regional. Trata-se, como descreve Weber, da “captação interpretativa do sentido ou conexão de sentido construído cientificamente (pelo método tipológico) para a elaboração do tipo ideal de um fenômeno freqüente”. [28]

Com relação ao homicídio “por adultério” supracitado o sociólogo poderia construir um tipo ideal do suicídio por adultério, ao analisar aquele assassinato em particular através de uma comparação entre o fenômeno real e a construção racional típica ideal. Segundo Florestan Fernandes o tipo ideal constitui um experimento possível em ciência social. O único possível.

Desta forma, a “objetividade” é conseguida através da assimilação e prática de quatro princípios teórico-metodológicos: (1) neutralidade axiológica; (2) busca por um conhecimento parcial, que abandone a idéia de totalidade; (3) análise científica sensível ao substrato subjetivo dos fenômenos sociais; e (4) construção e uso de tipos ideais.

4 – CONSIDERAÇÕES FINAIS

Muitos podem dizer que Weber tinha medo da realidade, no sentido de que era cético com relação ao poder que a ciencia teria de entendimento da realidade social. Weber não estaria limitando a capacidade da ciência social? Ao dizer que o conhecimento da realidade é sempre parcial, isso não faria da ciência social uma ciência limítrofe, posto que abandonou aquilo que “importa realmente” que é o conhecimento da totalidade social? Essas perguntas não tem sentido. E isto pelos motivos seguintes.

Weber não era necessariamente um cético com relação á capacidade da ciência social, pois acreditava profundamente na ciência e no fato de que ela poderia ajudar a formular políticas econômicas eficazes em prol da Alemanha. É necessariamente por isso que ele tratou de analisar metodicamente o problema da “objetividade”. Weber queria criar uma ciência verdadeiramente “objetiva” que servisse à prática. Quando ele afirmava que a ciência só pode formular um conhecimento parcial de fragmentos da realidade ele estava buscando não limitar, mas aumentar a eficácia da ciência social. É que a busca pelo conhecimento científico de totalidades não resultaria em um conhecimento eficaz, “objetivo”. Weber queria que a ciência social fosse sensível a ontologia do real. Se a realidade é infinita então logicamente o conhecimento científico deve ser sempre parcial e não totalizante. Se o número de causas de um determinado fenômeno é infinito, a ciência não pode formular um conhecimento finito, que abarque todas as causas de determinado fenômeno. Weber estava tentando buscar um método científico que fosse compatível com a realidade: o conhecimento do impreciso jamais deve buscar ser preciso; o conhecimento do singular jamais deve almejar a totalidade; se a realidade social é imprecisa o conhecimento nunca será plenamente preciso, irrefutável. Weber estava tentando não diminuir, mas aumentar o poder do conhecimento científico. Karl Jaspes afirma o seguinte:

É precisamente na medida em que ele não tolera qualquer saber completo, não admitia qualquer quadro total como científico, não reconhecia qualquer saber dos fatos “verdadeiros” do devir, que ele teve acesso as perspectivas e orientações abertas que são a essência do conhecimento imparcial. É verdade que para ele qualquer mundo humano, longe de ser explicável até o fim, constitui problema infinito. Mas com isso ele tem seguramente um saber fidedigno e logra evitar as ilusões difundidas da visão do todo ou das forças, e escapar de todas as convenções de considerações unilaterais em verdades absolutas. As aceitar o caráter radicalmente unilateral presente em todo conhecimento ele não só superou, no conhecer a unilateralidade, a dominação por ela, como ganhou ele próprio o domínio sobre ela. [29]

Está implícito nos textos metodológicos de Weber uma antecipação da idéia de complexidade, tão profundamente trabalhada por autores contemporâneos. Complexidade é aquilo que é “tecido junto”, “unidade múltipla”. A realidade é complexa, ou seja, é “tecida junta”, é “unidade múltipla”. É ao mesmo tempo social, biológica, cultural, natural, exata, imprecisa, fácil, complicada, é genérica, é processual, histórica, idiossincrática, é caótica, é ordenada, é tudo. Encarar a realidade como complexa implica abandonar alguns estereótipos de pensamento que nos levam a pensá-la como constituída de partes interdependentes, não é isso que está sendo defendido aqui. Dizer que a realidade é social e biológica não significa dizer que a visão que os agentes sociais têm da realidade é influenciada pela sociedade e pela biologia, é mais que isso. Ela “é” sócio-biológica em um sentido mais profundo.

“Complexo” não é a mesma coisa que “complicado”. Uma equação x+an=k=0nnkxkan-k é difícil, complicada, mas não é complexa, por quê? Porque não é preciso, para respondê-la, sintetizar uma variedade de pensamentos, como Psicologia, Sociologia, Antropologia, História, Biologia, esta equação não é constituída de uma variedade de coisas que se unem e se opõem ao mesmo tempo. Um matemático pode realizar algo grande apenas com papel, caneta e uma mesa. Mas temas como a proibição do incesto, a esquizofrenia, a anomia, a divisão social do trabalho, o desencantamento do mundo e a intelectualização[30], as causas do capitalismo moderno, dentre outros, necessitam, para serem abordados, de estudos sobre o indivíduo, as estruturas sociais, a cultura, o inconsciente, a história, a biologia, etc. Por quê? Por que são questões “complexas”, ou seja, são “unidades múltiplas”, “tecidas juntas”. “Unidade múltipla” quer dizer uma coisa só que é constituída por várias. O indivíduo é constituído pela sociedade, pela história que viveu e que o atravessa, pela cultura, pelo ódio, pelo amor, pelo organismo (biologia), etc. “Tecida junta” por que é como um tecido, uma unidade constituída de várias outras, mais irredutível a estas. Assim sendo, “complicado” quer dizer difícil, refere-se a graus de facilidade ou dificuldade para se fazer ou entender alguma coisa. “Complexidade” refere-se à natureza constitutiva das coisas, refere-se a como essas coisas se organizam. “Complexidade” é um termo que caracteriza a organização, enquanto “complicação” diz se algo é fácil ou difícil. O oposto de “complexo” é “simples”. O oposto de “complicado” é “fácil”.

A complexidade é uma característica dos seres vivos. Tudo o que é vivo é complexo. No corpo humano os ossos, os músculos, o cérebro, o coração, não estão apenas se relacionando, fazem parte de um todo maior e depende deste todo. Com um pedaço de unha é possível, através da biologia, saber se é de um ser humano ou não, pois a lógica básica do corpo está em cada parte dele. Não apenas as partes estão no todo, mas o todo está em suas partes, isso é complexidade. É nesse sentido que a unha é uma “unidade múltipla”, por que não é apenas unha, é uma e ao mesmo tempo várias outras coisas. O paradigma da complexidade procura lidar com terrenos arcanhos, insondáveis sob outra perspectiva. É importante ater a ele aqui, pois é uma categoria chave para esta discussão. Este paradigma está implícito nos textos metodológicos de Max Weber. O agente social e a sociedade são para Weber, altamente complexos.

Esta perspectiva se diferencia profundamente do realismo, que vê a realidade como algo dado, aquilo que “é” propriamente dito. Para o realismo, os agentes captam, assimilam a realidade através dos sentidos – tato, olfato, audição, visão, paladar – e a representam em suas mentes. Assim, o real entra nos agentes e, o que importa aqui, independe destes agentes para ser o que é. Aliás, esse “ser o que é” é bastante problemático. Para Weber, e o que interessa e que pode ser notado nos textos sobre “objetividade”, a realidade é socialmente construída, ela é construída em um processo através dos processos de significação e da própria metodologia científica usada. Esta construção da realidade social é realizada através de uma relação “complexa” entre vários fatores: a estrutura de personalidade básica do indivíduo, a história, a biografia, o organismo, o objeto externo ao corpo (objeto X) propriamente dito, que entra no agente através dos sentidos. O fato de Weber ter proposto uma análise parcial não nega a complexidade, isso seria ilógico, posto que se ele fizesse o contrário aí sim ela e estaria negando. Esta parcialidade é um meio heurístico, nada mais do que isso. Uma ciencia que ambiciona a “objetividade” deve ser sempre parcial.

É possível concluir de toda a análise feita neste trabalho que a proposta de “objetividade” de Weber é viável, possível dentro da “esfera” ontológica e epistemológica que ele possuía. A ciência como Weber a concebia, com os objetivos que ele imputava a ela pode sim ser “objetiva” no sentido em que ele afirmou: uma ciência que formula conhecimentos “objetivamente válidos”, com alto grau de “validade objetiva”.

O trabalho sobre a ética protestante e sua relação com o “espírito” do capitalismo deixa bem claro quais são os objetivos peculiares a ciência weberiana. Ele fez uso do tipo ideal, construiu um conhecimento parcial, “neutro axiologicamente” (da maneira que ele concebia), resgatou o substrato subjetivo do fenômeno estudado. Fez uso de tipos ideais. Muitos podem dizer, Weber colocou a subjetividade acima da esfera material na determinação! Não é bem assim. Weber deixou claro neste trabalho sobre o protestantismo que a análise que ele formulou é “uma” análise dentre outras igualmente válidas “objetivamente”. Assim ele afirma que:

O que aqui se tentou foi apenas, se bem que num ponto único mas importante, fazer remontar a seus motivos o fato e o modo de sua influência. Mas depois, ainda seria preciso trazer à luz o modo como a ascese protestante foi por sua vez influenciada, em seu vir-a-ser e em sua peculiaridade, pelo conjunto das condições sociais e culturais, também e especialmente econômicas. Porquanto, embora o homem moderno, mesmo com a melhor das boas vontades, geralmente não seja capaz de imaginar o efetivo alcance da significação que os conteúdos de consciência religiosos tiveram para a conduta de vida, a cultura e o caráter de um povo, não cabe contudo, evidentemente, a intenção de substituir uma interpretação causal unilateralmente “materialista” da cultura e da história por uma outra espiritualista, também ela unilateral. Ambas são igualmente possíveis, mas uma e outra, se tiverem a pretensão de ser, não a etapa preliminar, mas a conclusão da pesquisa, igualmente pouco servem à verdade histórica. [31]

Portanto, fica clara nesta passagem acima, a parcialidade do conhecimento alicerçado em A ética protestante e o “espírito” do capitalismo, a partir do momento em que Weber evidencia que a análise formulada neste trabalho é uma “etapa preliminar” e não uma conclusão.

REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA

BOUDON, Raymond. Tratado de sociologia. Rio de janeiro: Jorge Zahar, 1995.

FERNANDES, Florestan. As soluções fundamentais dos problemas da indução na sociologia: 2) Max Weber, In: Fundamentos empíricos da explicação sociológica. 2° Ed. São Paulo: Editora Nacional, [1967]. – (Biblioteca Universitária; Série 2°: Ciências Sociais, V. 1)

FREUND, Julien. Sociologia de Max Weber. 3° Ed. Rio de janeiro: Forense-universitária, 1980.

GIDDENS, Anthony. Política e sociologia no pensamento de Max Weber, In: Política, sociologia e teoria social: encontros com o pensamento social clássico e contemporâneo. São Paulo: Fundação Editora da UNESP, 1998.

WEBER, Max. Conceitos básicos de sociologia. São Paulo: Editora Moraes, 1989.

_____. O sentido da “neutralidade axiológica” nas ciências sociais e econômicas, In: Metodologia das ciências sociais, V. 2. São Paulo: Cortez; Campinas, SP: Editora da Universidade Estadual de Campinas, 1992.

_____. A “objetividade” do conhecimento na ciência social e na ciência política, In: Metodologia das ciências sociais, Vol. 1. 4 ° Ed. São Paulo: Cortez; Campinas, SP: Editora da Universidade Estadual de Campinas, 2001.

_____. A ética protestante e o “espírito” do capitalismo. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.

_____. A ciência como vocação, In: Ensaios de sociologia. 5° Ed. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos, 2002.

JASPERS, Karl. Método e visão do mundo em Weber, In: COHN, Gabriel (org.). Sociologia: para ler os clássicos. Rio de janeiro: Livros Técnicos e Científicos, 1977.

MAYER, Jacob Peter. Max Weber e a política alemã: um estudo de sociologia política. Brasília: editora universidade de Brasília, 1985.


[1] Bacharel em Ciências Sociais pela Universidade Federal de Alagoas (UFAL).

[2] WEBER, Max. O sentido da “neutralidade axiológica” nas ciências sociais e econômicas, In: Metodologia das ciências sociais, V. 2. São Paulo: Cortez; Campinas, SP: Editora da Universidade Estadual de Campinas, 1992.

[3] WEBER, Max. A “objetividade” do conhecimento na ciência social e na ciência política, In: Metodologia das ciências sociais, Vol. 1. 4° Ed. São Paulo: Cortez; Campinas, SP: Editora da Universidade Estadual de Campinas, 2001.

[4] WEBER, Max. Conceitos básicos de sociologia. São Paulo: Editora Moraes, 1989. p. 9

[5] BOUDON, Raymond. Tratado de sociologia. Rio de janeiro: Jorge Zahar, 1995. p. 21

[6] FREUND, Julien. Sociologia de Max Weber. 3° Ed. Rio de janeiro: Forense-universitária, 1980. p. 84

[7] WEBER, 2001.

[8] WEBER, 1989, p. 10.

[9] Ibid., p. 11.

[10] Ibid., p. 11.

[11] Ibid., p. 11.

[12] Ibid., p. 9.

[13] MAYER, Jacob Peter. Max Weber e a política alemã: um estudo de sociologia política. Brasília: editora universidade de Brasília, 1985. P. 18

[14] GIDDENS, Anthony. Política e sociologia no pensamento de Max Weber, In.: Política, sociologia e teoria social: encontros com o pensamento social clássico e contemporâneo. São Paulo: Fundação Editora da UNESP, 1998.

[15] WEBER, Max. A ética protestante e o “espírito” do capitalismo. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.

[16] WEBER. 2001.

[17] Ibid., p. 109.

[18] Ibid., p. 110.

[19] WEBER, Max. A ciência como vocação, In: Ensaios de sociologia. 5° Ed. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos, 2002. p. 109

[20] WEBER, 2001, p. 113.

[21] Ibid., p. 113.

[22] Ibid., p. 124.

[23] Ibid., p. 119.

[24] Ibid., p. 121.

[25] Ibid., p. 129.

[26] WEBER, 2006.

[27] WEBER, 2001, p. 124.

[28] FERNANDES, Florestan. As soluções fundamentais dos problemas da indução na sociologia: 2) Max Weber, In: Fundamentos empíricos da explicação sociológica. 2° Ed. São Paulo: Editora Nacional, [1967]. – (Biblioteca universitária; Série 2°: Ciências Sociais, V. 1) p. 88-89

[29] JASPERS, Karl. Método e visão do mundo em Weber, In: COHN, Gabriel (org.). Sociologia: para ler os clássicos. Rio de janeiro: Livros Técnicos e Científicos, 1977. p. 133

[30] Desencantamento do mundo e intelectualização são termos clássicos nos escritos sociológicos, fundamentalmente em Max Weber, o eminente sociólogo alemão, que em sua monumental análise das estruturas da modernidade a caracterizou como o império da racionalização nas diversas esferas da vida societária. Intelectualização é o processo pelo qual as pessoas estão incorporando as categorias de pensamento da ciência e da filosofia em sua estrutura de personalidade, desencantamento do mundo significa que as pessoas estão deixando de buscar explicações através do sobrenatural, do místico. A perda do sentido da vida tem muito a ver com estes dois fenômenos.

[31] WEBER, 2006, p. 167
Freakonomics returns: vice work if you can get it
Steven Levitt and Stephen Dubner, authors of the bestselling Freakonomics, return with a new book of offbeat explanations of how society works. Here they look at prostitution and reveal just how a call girl can earn far more by actually working far less
One afternoon not long ago, a 29-year-old woman named LaSheena sat on the hood of an SUV outside a housing project on the South Side of Chicago. She had a beaten-down look in her eyes, but otherwise seemed youthful, her pretty face framed by straightened hair.

LaSheena was talking about how she earns her living. She described four main streams of income: “boosting”, “roosting”, cutting hair and turning tricks.

“Boosting”, she explained, is shoplifting and selling the swag. “Roosting” means serving as a lookout for the local street gang that sells drugs.

Which job is the worst of the four? “Turning tricks,” she says, with no hesitation.

RELATED LINKS
Everything you know about Global Warming is wrong
Why? “’Cause I don’t really like men. I guess it bothers me mentally.”

And what if prostitution paid twice as much? “Would I do it more?” she asks. “Yeah!”

In a chic neighbourhood of Chicago, just a few miles from where street prostitutes like LaSheena work, lives someone who makes more money than she ever thought possible. Her name is Allie, and she is also a prostitute.

She has found, however, that she doesn’t have to work more to earn more. In fact, the less she works, the more she earns. How so?

Throughout history, it has invariably been easier to be male than female. Yes, this is an overgeneralisation and yes, there are exceptions, but by any important measure, women have had it rougher than men. Even though men handled most of the warfare, hunting and brute-force labour, women had a shorter life expectancy.

Women have finally overtaken men in life expectancy, thanks mainly to medical improvements surrounding childbirth; and, especially in the world’s developed nations, women’s lives have improved dramatically. There is no comparing the prospects of a girl in 21st-century America or Britain or Japan with her counterpart from a century or two ago. In any arena you look — education, legal and voting rights, career opportunities and so on — it is far better to be a woman today than at any other point in history.

And yet there is still a considerable economic price to pay for being a woman. The economists Claudia Goldin and Lawrence Katz found that women who went to Harvard earned less than half as much as the average Harvard man. Even when the analysis included only full-time employees and was controlled for other variables, Goldin and Katz found that the Harvard women still earned about 30% less.

There is one labour market women have always dominated: prostitution. Its business model is built upon a simple premise. Since time immemorial and all over the world, men have wanted more sex than they could get for free. So what inevitably emerges is a supply of women who, for the right price, are willing to satisfy this demand. But what is the right price?

Sudhir Venkatesh, a sociologist at Columbia University in New York, spent his graduate school years in Chicago, embedding himself with a street gang that practically ran a South Side neighbourhood. Along the way, he became an authority on the neighbourhood’s underground economy, and began collecting data on the local prostitutes.

Knowing that traditional survey methods don’t necessarily produce reliable results for a sensitive topic like prostitution, Venkatesh hired trackers to stand on street corners or sit in brothels with the prostitutes, directly observing some facets of their transactions and gathering more intimate details from them as soon as the customers were gone.

Most of the trackers were former prostitutes — an important credential because such women were more likely to get honest responses. Venkatesh also paid the prostitutes for participating in the study. If they were willing to have sex for money, he reasoned, surely they’d be willing to talk about having sex for money. And they were.

It turns out that the typical street prostitute in Chicago works 13 hours a week, performing 10 sex acts during that period, and earns an hourly wage of approximately $27. So her weekly take-home pay is roughly $350. This includes an average of $20 that a prostitute steals from her customers and drugs accepted in lieu of cash.

Their income of roughly $18,000 a year is next to nothing compared with what even low-rent prostitutes in Chicago earned 100 years ago. A woman working in a “dollar house” took home the equivalent of about $76,000 today annually, while prostitutes at the Everleigh Club, the city’s top brothel, could earn the equivalent of about $430,000.

Why has the prostitute’s wage fallen so far? Because demand has fallen dramatically. Not the demand for sex. That is still robust. But prostitution, like any industry, is vulnerable to competition.

Who poses the greatest competition to a prostitute? Simple: any woman who is willing to have sex with a man for free.

It is no secret that sexual mores have evolved substantially in recent decades. The phrase “casual sex” didn’t exist a century ago (to say nothing of “friends with benefits”). Sex outside marriage was much harder to come by and carried significantly higher penalties than it does today.

Imagine a young man, just out of college but not ready to settle down, who wants to have some sex. In decades past, prostitution was a likely option. While relatively expensive in the short term, it provided good long-term value because it didn’t carry the potential costs of an unwanted pregnancy or a marriage commitment. At least 20% of American men born between 1933 and 1942 had their first sexual intercourse with a prostitute.

Now imagine that same young man 20 years later. The shift in sexual mores has given him a much greater supply of unpaid sex. In his generation, only 5% of men lose their virginity to a prostitute.

It’s not that he and his friends are saving themselves for marriage. More than 70% of the men in his generation have sex before they marry, compared with just 33% in the earlier generation.

So premarital sex emerged as a viable substitute for prostitution. And as the demand for paid sex decreased, so too did the wage of the people who provide it.

If prostitution were a typical industry, it might have hired political lobbyists to fight against the encroachment of premarital sex. They would have pushed to have premarital sex criminalised or, at the very least, heavily taxed.

Alas, the prostitution industry holds little sway in Washington’s corridors of power — despite, it should be said, its many, many connections with men of high government office. This explains why the industry’s fortunes have been so badly buffeted by the naked winds of the free market.

Now let’s see how Allie makes so much more for doing so much less.

She grew up in a large and largely dysfunctional family in Texas and left home to join the military, where she trained in electronics. When she rejoined the civilian world seven years later, she took a job in computer programming with one of the world’s largest corporations and married a mortgage broker. Her life was a success, but it was also — well, boring.

She got divorced (the couple had no children) and remarried, but this marriage also failed. Her career as a computer programmer wasn’t going much better.

Allie was smart, capable, technically sophisticated, and she also happened to be physically attractive, a curvaceous and friendly blonde whose attributes were always well appreciated in her corporate setting. But she just didn’t like working all that hard.

So she became an entrepreneur, launching a one-woman business that enabled her to work just 10 or 15 hours a week and earn five times her old salary.

She fell into the profession by accident, or at least for a lark. Her family was devout Southern Baptist, and Allie had grown up “very strait-laced”, she says. But as a young divorcée, she started visiting online dating sites — she liked men, and she liked sex — and just for fun listed “escort” on her profile.

“I mean, it was so instantaneous,” she recalls. “I just thought I’d put it up and see what happens.”

Her computer was instantly flooded with replies. “I started hitting minimise, minimise, minimise, just so I could keep up!”

She arranged to meet a man at two o’clock on a weekday afternoon at a hotel, in the southwest corner of its car park. He’d be driving a black Mercedes. Allie had no idea what to charge. She was thinking about $50.

He was a dentist — physically unintimidating, married and perfectly kind. Once inside the room, Allie undressed nervously. She can no longer recall the particulars of the sex (“It’s all a big blur by this point,” she says) but does remember that “it was nothing really kinky or anything”.

When they were done, the man put some money on the dresser.

“You’ve never done this before, have you?” he asked.

Allie tried to fib, but it was useless.

“Okay,” he said, “this is what you need to do.” He began to lecture her. She had to be more careful; she shouldn’t be willing to meet a stranger in a car park; she needed to know something in advance about her clients.

“He was the perfect first date,” Allie says. “To this day, I remain grateful.”

Once he left the room, Allie counted the cash on the dresser: $200.

“I’d been giving it away for years, and so the fact that someone was going to give me even a penny — well, that was shocking.”

She was immediately tempted to take up prostitution full-time, but she was worried her family and friends would find out. So she eased into it, booking mainly out-of-town liaisons. She curtailed her programming hours but even so found the job stultifying. That’s when she decided to move to Chicago.

Yes, it was a big city, which Allie found intimidating, but unlike New York or Los Angeles, it was civil enough to make a southern girl feel at home. She built a website (those computer skills came in handy) and, through intensive trial and error, determined which erotic services sites would help her attract the right kind of client and which ones would waste her ad dollars. (The winners were Eros.com and BigDoggie.net.) Running a one-woman operation held several advantages, the main one being that she didn’t have to share her revenues with anyone. In the old days, Allie probably would have worked for someone like the Everleigh sisters, who paid their girls handsomely, but took enough off the top to make themselves truly rich. The internet let Allie be her own madam and accumulate the riches for herself.

Much has been said of the internet’s awesome ability to “disintermediate” — to cut out the agent or middleman — in industries like travel, real estate, insurance and the sale of stocks and bonds. But it is hard to think of a market more naturally suited to disintermediation than high-end prostitution.

The downside was that Allie had no one but herself to screen potential clients and ensure they wouldn’t beat her up or rip her off. She hit upon a solution that was as simple as it was smart. When a new client contacted her online, she wouldn’t book an appointment until she had secured his real name and his work telephone number. Then she’d call him the morning of their date, ostensibly just to say how excited she was to meet him. But the call also acknowledged that she could reach him at will and, if something were to go wrong, she could storm his office.

“Nobody wants to see the ‘crazy ho’ routine,” she says with a smile.

To date, Allie has resorted to this tactic only once, after a client paid her in counterfeit cash. When Allie visited his office, he promptly located some real money.

She saw clients in her apartment, mainly during the day. Most of them were middle-aged white men, 80% of whom were married, and they found it easier to slip off during work hours than explain an evening absence.

Allie loved having her evenings free to read, go to the movies, or just relax. She set her fee at $300 an hour — that’s what most other women of her calibre seemed to be charging — with a few discount options: $500 for two hours or $2,400 for a 12-hour sleepover.

About 60% of her appointments were for a single hour. Her bedroom — “my office”, she calls it with a laugh — is dominated by a massive Victorian four-poster, its carved mahogany pillars draped with an off-white silk crepe.

One portly gentleman broke the bed not long ago. Allie didn’t blame him. “I told him that the damn thing was already broken, and I was sorry I hadn’t got it fixed.”

She is the kind of person who sees something good in everyone — and this, she believes, has contributed to her entrepreneurial success. She genuinely likes the men who come to her, and the men therefore like Allie even beyond the fact that she will have sex with them.

Often, they bring gifts: a $100 gift certificate from Amazon; a nice bottle of wine (she Googles the label afterwards to determine the value); and, once, a new MacBook. The men sweet-talk her, and compliment her looks or the decor. They treat her, in many ways, as men are expected to treat their wives but often don’t.

Most women of Allie’s pay grade call themselves “escorts”. When Allie discusses her friends in the business, she simply calls them “girls”. But she isn’t fussy. “I like hooker, I like whore, I like them all,” she says. “Come on, I know what I do, so I’m not trying to butter it up.”

Allie mentions one friend whose fee is $500 an hour. “She thinks she’s nothing like the girls on the street giving blow jobs for $100, and I’m like, ‘Yes, honey, you’re the same damn thing’.”

About this, Allie is probably wrong. Although she views herself as similar to a street prostitute, she has less in common with that kind of woman than she does with a trophy wife. Allie is essentially a trophy wife who is rented by the hour. She isn’t really selling sex, or at least not sex alone. She sells men the opportunity to trade in their existing wives for a younger, more sexually adventurous version — without the trouble and long-term expense of actually having to go through with it.

For an hour or two, she represents the ideal wife: beautiful, attentive, smart, laughing at your jokes and satisfying your lust. She is happy to see you every time you show up at her door. Your favourite music is already playing and your favourite drink is on ice. She will never ask you to take out the rubbish.

Allie says she is “a little more liberal” than some prostitutes when it comes to satisfying a client’s unusual request. There was, for instance, the fellow back in Texas who still flew her in regularly and asked her to incorporate some devices he kept in a briefcase in a session most people wouldn’t even recognise as sex per se. But she categorically insists that her clients wear a condom.

What if a client offered her $1m to have sex without a condom? Allie pauses to consider this question. Then, exhibiting a keen understanding of what economists call adverse selection, she declares that she still wouldn’t do it — because any client crazy enough to offer $1m for a single round of unprotected sex must be so crazy that he should be avoided at all costs.

But we still haven’t explained how she came to earn more by doing less.

When she started out in Chicago, at $300 an hour, the demand was nearly overwhelming. She took on as many clients as she could physically accommodate, working roughly 30 hours a week. She kept that up for a while, but once she paid off her car and built up some cash reserves, she scaled back to 15 hours a week. Even so, she began to wonder if one hour of her time was more valuable to her than another $300. As it was, a 15-hour workload generated more than $200,000 a year in cash.

Eventually she raised her fee to $350 an hour. She expected demand to fall, but it didn’t. So a few months later, she raised it to $400. Again, there was no discernible drop-off in demand. Allie was a bit peeved with herself. Plainly she had been charging too little the whole time.

But at least she was able to strategically exploit her fee change by engaging in what economists call “price discrimination”. She charged her favourite clients the old rate but told her less favoured clients that an hour now cost $400.

In the business world, it isn’t always possible to price-discriminate. At least two conditions must be met:

Some customers must have clearly identifiable traits that place them in the willing-to-pay-more category. (If Allie’s clients balked, she had a handy excuse to cut them loose. There were always more where they came from.)

The seller must be able to prevent resale of the product, thereby destroying any arbitrage opportunities. (In the case of prostitution, resale is pretty much impossible.) If these circumstances can be met, most firms will profit from price discriminating whenever they can. Business travellers know this all too well, because they routinely pay three times more for a last-minute airline ticket than the holidaymaker in the next seat.

It wasn’t long before Allie raised her fee again to $450 an hour, and a few months later to $500. In the space of a couple of years, Allie had increased her price by 67%, and yet she saw practically no decrease in demand.

Her price hikes revealed another surprise: the more she charged, the less actual sex she was having. At $300 an hour, she had a string of one-hour appointments with each man wanting to get in as much action as he could. But charging $500 an hour, she was often wined and dined — “a four-hour dinner date that ends with a 20-minute sexual encounter”, she says, “even though I was the same girl, dressed the same, and had the same conversations as when I charged $300”.

She figured she may have just been profiting from a strong economy. This was during 2006 and 2007, which were go-go years for many of the bankers, lawyers and property developers she saw. But Allie had found that most people who bought her services were, in the language of economics, price insensitive. Demand for sex seemed relatively uncoupled from the broader economy.

Street prostitutes like LaSheena might have the worst job in America. But for elite prostitutes like Allie, the circumstances are completely different: high wages, flexible hours and relatively little risk of violence or arrest. So the real puzzle isn’t why someone like Allie becomes a prostitute, but rather why more women don’t choose this career.

Certainly, prostitution isn’t for every woman. You have to like sex enough, and be willing to make some sacrifices, like not having a husband (unless he is very understanding, or very greedy). Still, these negatives just might not seem that important when the wage is $500 an hour. Indeed, when Allie confided to one longtime friend that she had become a prostitute and described her new life, it was only a few weeks before the friend joined Allie in the business.

Allie has never had any trouble with the police, and doesn’t expect to. The truth is that she would be distraught if prostitution were legalised, because her stratospherically high wage stems from the fact that the service she provides cannot be had legally.

Allie was a shrewd entrepreneur who kept her overheads low, maintained quality control, learnt to price-discriminate, and understood well the market forces of supply and demand. She also enjoyed her work.

But, all that said, Allie began looking for an exit strategy. She was in her early thirties by now and, while still attractive, she understood that her commodity was perishable. She felt sorry for older prostitutes who, like ageing athletes, didn’t know when to quit.

She had also grown tired of living a secret life. Her family and friends didn’t know she was a prostitute, and the constant deception wore her out. The only people with whom she could be unguarded were other girls in the business, and they weren’t her closest friends.

She had saved money but not enough to retire. So she began casting about for her next career. She got her real-estate licence. The housing boom was in full swing, and it seemed pretty simple to make the transition out of her old job and into the new, since both allowed a flexible schedule. But too many other people had the same idea. And Allie was aghast when she realised she’d have to give half of her commission to the agency that employed her. That was a steeper cut than any pimp would dare take!

Finally Allie realised what she really wanted to do: go back to college. She would build on everything she’d learnt by running her own business and, if all went well, apply this newfound knowledge to some profession that would pay an insanely high wage without relying on her own physical labour.

Her chosen field of study? Economics, of course.

Allie is not her real name, but all other facts about her are true. Over the past few years, we have both spent a considerable amount of time with her (all fully clothed), holding extensive interviews, reviewing her ledgers and attending the occasional guest lecture she delivered at the University of Chicago for Steve Levitt’s class, The Economics of Crime.

Several students said this was the best lecture they had in all their years at the university, which is both a firm testament to Allie’s insights and a brutal indictment of Levitt and the other professors.

© Steven D Levitt and Stephen J Dubner 2009 Extracted from Superfreakonomics: Global Cooling, Patriotic Prostitutes and Why Suicide Bombers Should Buy Life Insurance by Steven D Levitt and Stephen J Dubner, to be published by Allen Lane on October 20 at £20. Copies can be ordered for £18, including postage, from The Sunday Times BooksFirst on 0845 271 2135 Steven Levitt and Stephen Dubner will be at the Peacock theatre, London, on Monday, November 9, at 6.30pm to talk about their book

Monkeys wise up and get the hang of money

When primates were taught to use currency, an age-old deal took place

Long ago Adam Smith, the founder of classical economics, observed: “Nobody ever saw a dog make a fair and deliberate exchange of one bone for another with another dog. Nobody ever saw one animal by its gestures and natural cries signify to another, this is mine, that yours; I am willing to give this for that.”

Smith was certain that humankind alone had a knack for monetary exchange. But was he right? Keith Chen, an associate professor of economics at Yale, asked himself: what would happen if I could teach a bunch of monkeys to use money?

His monkey of choice was the capuchin, which, he says, “has a small brain” and is “pretty much focused on food and sex”. Chen went to work with seven capuchins, which, in the tradition of monkey labs everywhere, were given names — in this case derived from characters in James Bond films. Felix, named after the CIA agent Felix Leiter, was Chen’s favourite.

The monkeys lived together in a large, open cage with a testing chamber at the end. For currency, Chen settled on a 1in silver disc with a h*** in the middle.

The first step was to teach the monkeys that the coins had value. If you give a capuchin a coin, he will sniff it and, after determining he can’t eat it (or have sex with it), he’ll toss it aside. So Chen and his colleagues gave the monkey a coin and then showed a treat. Whenever the monkey gave the coin back to the researcher, it got the treat. It took many months, but the monkeys eventually learnt that the coins could buy the treats.

Chen now introduced price shocks to the monkeys’ economy. Let’s say Felix’s favourite food was Jell-O, and he was accustomed to getting three cubes of it for one coin. How would he respond if one coin suddenly bought just two cubes?

To Chen’s surprise, Felix and the others responded rationally. When the price of a given food rose, the monkeys bought less of it, and when the price fell, they bought more. The most basic law of economics — that the demand curve slopes downward — held for monkeys as well as humans.

Other experiments confirmed the parallels between human beings and these monkeys. And then, as if Chen needed any further evidence, the strangest thing happened in the lab.

Felix scurried into the testing chamber, gathered up all the coins that had been placed there, flung them back into the communal cage and dashed after them — a bank heist followed by a jailbreak.

There was chaos in the big cage, with 12 coins on the floor and seven monkeys going after them. When Chen and the other researchers went inside to get the coins, the monkeys wouldn’t give them up. After all, they had learnt that the coins had value. So the humans resorted to bribing the capuchins with treats. This taught the monkeys another valuable lesson: crime pays.

Out of the corner of his eye, Chen saw something remarkable. One monkey, rather than handing his coin over to the humans for a grape or a slice of apple, gave it to a female monkey. Chen had done earlier research in which monkeys were found to be altruistic. Had he just witnessed an unprompted act of monkey altruism?

Then — bam! — the two capuchins were having sex. As soon as the sex was over — it lasted about eight seconds; they’re monkeys, after all — the female brought the coin over to Chen to purchase some grapes.

What he had seen wasn’t altruism but the first instance of monkey prostitution in the recorded history of science.

RSS

Publicidade

© 2019   Criado por Luis Nassif.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço