Os habituês do blog me atiçaram e vou lançar mais uma da série O QUE LER ANTES DE MORRER. Já fiz isso com filmes e agora me inclino a delatar os 10 melhores títulos que já li. Não estará em ordem de importância, apenas de memória.

1 - Os Sertões - Euclides da Cunha

2 - Juliano - Gore Vidal

3 - Grandes Sertões - Veredas - Guimarães Rosa.

4 - Em Busca do Tempo Perdido - Proust

5 - Tocaia Grande  - Jorge Amado

6 - Biologia, Ciência Única - Ernst Mayr

7 - Trilogia Millenium - Stieg Larsson

8 - Bilhões e Bilhões - Carl Sagan

9 - Perestroika - Gorbachev

10 - O Senhor do Anéis - Tolkien

Coloquei apenas 10, para dar um corte, porque senão, a lista fica imensa, mas são aqueles livros que eu volta e meia sinto vontade de ler outra vez.

Exibições: 1541

Responder esta

Respostas a este tópico

Então vou te confessar uma coisa. Estou aprendendo grego antigo, o tal Linear B, olha só, para poder ler os textos dos filósofos gregos da Antiguidade. Quero ler no original, sem tradução, para entender o contexto. Sou ou não sou um chato?

Mas Alexandre, os textos dos filósofos antigos nao estao em Linear B! Os filósofos sao sobretudo do século V a.C, o Linear B é muito mais antigo que isso (entre os séculos XV e XII a.C). É anterior até a Homero. 

Alexandre,

 O Perseus Project tem as obras em grego e em inglês de vários filósofos. Tem muita coisa em latim também.

 http://www.perseus.tufts.edu/hopper/

(apesar do nome, nenhuma relação de parentesco comigo... ;-)

Não é chato, mas muito dedicado. Mas será que é necessário?

Uma vez uma professora (Marina Heck, justo quem mandou ler o "Era dos Extremos" que recomendei na minha lista) disse que estudaria russo para ler os clássicos no original.

Nós ficamos conversando em aula e não chegamos a conclusão, mas será que se ficarmos estudando muitos idiomas não gastaremos tempo que poderíamos usar na leitura de traduções? E será que mesmo se estudarmos teremos uma compreensão tão boa? É muito difícil para quem não é da língua materna captar todas as nuances.

O que eu acho importante é privilegiar bons tradutores e também traduções diretas. Já há boas traduções do russo para o português, não precisamos mais das traduções russo>alemão>francês>português, aqui sim é que se perdia muita coisa.

Pois é, eu estou aprendendo com um amigo que foi seminarista, vê se pode. hehe. Mas é muito difícil

Eu parei por volta da página 90 da tradução de Houaiss, mais ou menos no fim daquele capítulo com umas 30 páginas sem pontuação e descrevendo a linha de pensamento do personagem. Não tentei ainda na nova tradução (Bernardina Pinheiro) Eu entendo bem inglês de noticiário ou de livros de economia, mas não me atreveria a ler Ulisses no original, seria frustrante pra mim. Boa sorte na empreitada! E por acaso conhece alguém que chegou ao final? (O livro tem cerca de 600 páginas)

E já parei duas vezes no meio o "Memórias de Adriano". Daqui uns anos tentarei de novo.

Nao li o Ulisses, nem tentei. Mas Memórias de Adriano é leve, tente de novo que você vai gostar. 

Já que é um caso mais de releitura, vou citar alguns que estou sempre relendo. Entre eles alguns que não se arredam de minha cabeçeira:

     Os Kama Sutra -- Vatsyayana

     O Relatório Kinsey -- O próprio

    O Amante de Lady Charteley -- D. H. Lawrence

    A virgem de dezoito quilates -- Pitigrilli

    La Vagabonde -- Colete

    La P*** Respeiteuse -- Jean Paul Sartre

    Manon Lescault -- Abade Prevost

    Nana -- Emile Zola

    A carne -- Júlio Ribeiro

    Todos de Anais Nin, preferencialmente O Delta de Vênus

Acho que o Soripes vai queimar no famoso mármore.

É o tal negócio: houve tempo em que eu me embrenhava com os tais gregos que o Alexandre citou ainda ha pouco, principalmente os poetas e os teatrólogos. Com os clássicos quinhentistas, seiscentistas, romanticos modernos, nacionais, europeus, asiaticos. Devorava tudo afim de satisfazer o intelecto pois a líbido não necessitava de incentivos extras. Mas a idade chegou né, véio.

Marco, a Igreja Católica é tao ridícula, que OS LIVROS INFANTIS DE MONTEIRO LOBATO estao no Index! Pode? Por causa do divórcio da Emília, na nudez em A Chave do Tamanho, da apologia de Nietzsche e do evolucionismo! 

"As Relações Perigosas" é muito bom para essa linha, digamos, de seu interesse. Aliás, tirem Babbitt e coloquem esse livro na minha lista.

"O Amante", de Marguerite Duras é rápido, agradável e interessante.

RSS

Publicidade

© 2019   Criado por Luis Nassif.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço