Portal Luis Nassif

Está sendo lançada a continuação de um dos últimos filmes de arte dos Estados Unidos ,antes do predomínio do blockbuster.Assistam primeiro a seqüência final do filme,que coroa um grande filme.Sempre que eu a vejo fico com os olhos marejados de lágrimas,pelos significados contidos nela e que eu vou comentar abaixo.

Blade Runner Lágrimas na Chuva

O personagem interpretado por Rutger Hauer é um andróide ,perseguido por Deckaard(o caçador de andróides[interpretado por Harrison Ford]{em sua melhor interpretação}),juntamente com outros,que foram produzidos por um capitalista selvagem do futuro para ações axiologicamente condenáveis.
O andróide de Hauer executa estas ações,mas vê em sua trajetória coisas tão extraordinárias e lindas,que acaba se modificando,adquirindo humanidade.Só que ele foi programado para viver só quatro anos(como a maioria dos outros).Cria um estratagema para encontrar o seu “ pai, e pede a ele “ mais vida”,mas sem conseguir.Mata o pai e segue sendo perseguido por Deckaard até esta cena final,que os leitores viram.
Deckaard está dependurado numa viga,em uma cidade caótica  e cheia a de edifícios,à mercê de Hauer.Espera-se que    o andróide o deixe cair,o mate,como fizera com seu “ pai”.
Mas quando o caçador  vai cair Hauer o segura pelo punho e o olha ,com seus olhos azuis penetrantes,o medo de Ford,como a dizer “ o que eu vou decidir?”É como um pater famílias que tem direitos de vida e de morte sobre sua família.Parece uma cena tirada do Coliseum.O andróide puxa-o para um lugar seguro(embora molhado) e diz:” é terrível viver com medo não é?” e aduz:”eu vi coisas maravilhosas,perto das estrelas,perto de Órion”.
Hauer tem uma pomba na mão e antes de  morrer a solta.
Os significados desta cena brilhante são claríssimos e resumem a forma como deve ser abordada a relação do homem com as máquinas,inclusive estas ,quase-humanas,já previstas pela ciência.
Apesar de sua função condenável ,o sentimento de culpa e a sua “ inexperiência” como andróide de quatro anos o torna um ser melhor,o qual ,num momento de paixão salva alguém,sem culpa,da morte,que ele tanto provocou.Paixão quer dizer “passio”,” passividade”,mas num sentido de ser tocado pelo outro e abnegar-se.A paixão de Cristo:Cristo se abnega pelos homens.Hauer,o andróide,faz algo semelhante.
O único  reparo que eu faço nesta cena e no filme é que logo a seguir à morte do andróide,Deckaard faz  a firmação óbvia,desnecessária,de “ naquele momento ele amou a vida como nunca antes”.Não era preciso.
E também sempre fiquei do lado da posição de Harrison Ford,quanto à necessidade de manter Deckaard como um ser humano.A versão de Ridley Scot dá conta de que o caçador é um andróide também,mas isto é um absurdo porque toda a questão  da relação do homem com a máquina fica perdida.Fica um problema da máquina,não havendo como humanizar um andróide que caça os outros.Se fosse assim outros problemas teriam que ser  postos.
Ainda não vi a continuação,mas os críticos dizem que é o melhor filme do ano.A idéia de Blade Runner é uma das melhores da história do cinema e o roteiro é bom quando a idéia central o é.
Muito embora eu considere o melhor filme de ficção científica dos Estados Unidos,” O Predador I”com Schwarzennegger(depois explico na próxima crítica),Blade é um dos últimos filmes de arte dos EUA,junto com este último,”Mishima”,”O Gigolô Americano” e “ O Acompanhante” todos feitos por um auxiliar de Ridley Scot:Paul Schrader,por isto mesmo banido de Hollywood.
Os filmes de arte,ruins de bilheteria, foram sendo progressivamente banidos,depois de “ À procura de Mr Goodbar”,fracasso de bilheteria.
Por causa da necessidade de ganhar dinheiro o sistema criou regras de roteiro,formas de condução da realização,que garantam de antemão o retorno econômico e financeiro e as discussões humanas ficaram em segundo plano.Tema para um próximo artigo de crítica.
Avisando aos navegantes:não é violação de direitos autorais colocar partes de filmes,pois eu já perguntei isto à instituição que cuida da distribuição dos filmes no Brasil.

Exibições: 18

Responder esta

Publicidade

© 2017   Criado por Luis Nassif.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço