Brasil pode ser potência mundial da paz, diz ex-chefe nuclear da ONU

O Brasil não cresce por causa de guerras, do Exército ou de sua força militar. O País cresce por causa “da imaginação dos brasileiros” e cultura de solidariedade.

A opinião é do diplomata sueco Hans Blix, ex-chefe dos inspetores da ONU no Iraque, em 2002 e 2003, antes da desastrosa invasão de EUA e Grã-Bretanha no país. Blix defendeu na época — o que depois foi comprovado — não haver armas de destruição em massa no país então comandado pelo ditador Saddam Hussein.

Nesta reportagem da série Hans Blix: a Voz da Energia, o sueco discute o modelo de potência mundial no qual se encaixa o Brasil, que não prioriza os investimentos militares.

Muito diferente do modelo bélico adotado por diversos países, e que explica, em parte, a atual supremacia norte-americana no mundo.

Hans Blix, que já visitou o Brasil quatro vezes, se surpreende ao comparar o País aos Estados Unidos.
Segundo ele, o que pode fazer do Brasil um País “diferente como nação grandiosa” é o foco na igualdade e na inclusão social.

— É isso que impressiona em comparação com os Estados Unidos, por exemplo, onde alguns políticos não querem o sistema de saúde pública para toda a população. Eu acho que a igualdade social e a solidariedade são menores nos EUA, pois no Brasil vocês sabem que toda a população tem que estar “no mesmo barco”. Especialmente a partir do governo Lula, há um caminho diferente.

Para um dos maiores especialistas do mundo em armas nucleares, “é hora de reconhecer a grandiosidade do Brasil”.

— E todo mundo pode ver que é um crescimento que não tem como base os meios militares, mas o oposto. É resultado da imaginação das pessoas (do poder criativo que essas pessoas têm), dos recursos naturais e também da grandiosidade do País.

Blix também aponta diferenças marcantes entre o Brasil e outras novas potências mundiais, como a Índia e a própria China.

— Um país como a Índia não tem o reconhecimento do mundo porque é uma nação que tem armas nucleares. Observem o Japão e a Alemanha, presentes em muitos lados do mundo. A imensidão não vem de ter armas nucleares.

Segundo Blix, o fator positivo hoje é “não ter armas”, pois “não têm que sacrificar muito dinheiro com estabilidade militar”.

— Cerca de 1,7 bilhão de dólares [R$ 3,4 bilhões] por ano são gastos no mundo em despesas militares, eu li isso numa revista um dia desses. O que estamos ganhando com isso? Japão e Alemanha ganham por não terem isso. O Brasil tem uma grande possibilidade de desenvolvimento e pode utilizar melhor o dinheiro dos contribuintes para outra coisa que não sejam os custos militares elevados. Todos precisam de algo para proteger as fronteiras, mas não tem que exagerar.

Após falar do Brasil com um entusiasmo incomum, Hans Blix se lembrou de algumas peças de artesanato que comprou no Rio de Janeiro e fez questão de mostrar uma árvore em pedras e arame que, com bom humor, destacou ter “a vantagem de ser desnecessário regar”.

Blix disse que quer voltar ao Brasil para discutir energia limpa e o domínio da tecnologia nuclear para produção de energia elétrica, mas confessou querer “passar pela Bahia para comer uma moqueca”.

— Eu tenho lido muito sobre o preparo dessa comida típica baiana e estou interessado em prová-la.

Fonte: 180Graus

Exibições: 366

Responder esta

Respostas a este tópico

Com um discurso ridículo desse ai agora que o governo vai abandonar mesmo a defesa…, afinal já somos potencia da paz…. A Suécia não faz parte da OTAN Rsrsrsr

A segurança do Brasil está, basicamente, atrelada ao investimento de15% do PIB no orçamento da EDUCAÇÃO. Precisamos, com urgência, de um projeto de construção de escolas com tempo integral para todas as crianças: café da manhã, almoço, janta, esporte, cultura e transporte, nas cidades e no campo. As Forças Armadas (na guerra, sem armas, contra o atraso); a Igreja (de modo laico) e outras organizações podem e devem participar dessa grande mobilização nacional. Sem crianças nas ruas, todas na escola, o tráfico perde sua grande fonte de recrutamento. Com uma medida desse porte são beneficiadas a segurança e a saúde. Crianças bem alimentadas são sinônimo de saúde para elas e seus pais. O programa bolsa família, assim, perde sentido, podendo ser incluso nesse programa. Para dar início, grande parte desse investimento pode vir, além do remanejamento orçamentário, da dívida pública. O setor financeiro tem que entender que é para o bem de todos. É uma revolução pacífica! Muda tudo que se tem aí. É o início da construção de uma verdadeira nação brasileira. Sem medidas dessa envergadura, não iremos impor respeito, estaremos sempre vulneráveis e temerosos das interferências externas. Não adianta importar armamentos de última geração, pois estaremos, sempre, dependentes. A poderosa arma que necessitamos é a EDUCAÇÃO! Só, assim, conseguiremos desenvolver nossa tecnologia, em todas as áreas.
.

A simples idéia da possibilidade de desenvolver uma sociedade onde a paz fosse intenção e fim já é decidir-se por uma utopia pela qual vale viver. Penso que construir a paz dá tanto trabalho quanto perseguir a guerra. De qualquer forma "obsessões" são causas de e para a humanidade. Nada vem de graça. Como pessoas as quais é dada a opção da escolha vamos então optar pela paz. E a paz é alcançável com argumentos simplórios, simples, complexos e até desconexos, pois importa sempre a intenção e a coragem - inclusive com a possibilidade de errar e reconhecer o erro, que tabém é humano -de de fato engajar-se na e pela paz.

Alemanha e Japão possuem gastos militares bastante elevados, contanto com um indústria bélica altamente desenvolvida, como, aliás, deve ser. Espaço geopolítico é conquistado com poder econômico respaldado na capacidade militar. Contos de fadas com o país dos outros é fácil de propor. 

802 Paz
      Oldemar Alves de Souza

Pelos hábitos antigos,
hoje a dança das ogivas
reeditam as lidanças
de afrontas postas à paz.

Passa o tempo, e é tudo igual;
em toda parte persistem,
as facetas de animal.
Em feições, falsos motivos.

Parte da miséria humana,
o belicoso caráter.
A guerra não faz sentido;
não há o que a justifique.

https://sites.google.com/site/oldemarpoesiacom/

É bom lembrar que, como o Japão e a Alemanha, a Suécia é uma potencial fabricante de equipamentos para a guerra. Temos que sê-lo, também! Nunca seremos nada, se não possuirmos também esse potencial, não para usá-lo agressivamente, mas para nos defendermos sem dependência externa. O Brasil precisa, pois, intensificar seus investimentos em educação e defesa, aí incluída a exploração espacial. Sem isso, nunca seremos nada!

O Brasil tem autoridade para falar em paz, afinal é um país que proíbe o uso bélico da energia nuclear na própria Constituição. Lembremos que os únicos que usaram bombas atômicas contra seres humanos foram os norte americanos. E contra os testes nucleares da França no atol de Mururoa ninguém reclamou.

O Brasil pode sim ser uma potência da PAZ, mas também tem o dever para com seu povo de deixar claro que nenhuma agressão externa, mesmo ameaça, compensará e para isto tem que se preparar em termos de poder dissuasório.

Podemos não fabricar armas nucleares, mas devemos que esta é apenas uma opção voluntária, pois temos os meios e os conhecimentos necessários para tal (nem pensar em assinar os Protocolos Adicionais que a AIEA tenta nos impor - e que o entreguista submisso FHC queria acatar), devemos ter FA's qualificadas e eficientes, aparelhadas com os meios apropriados à nossa projeção internacional e principalmente sermos soberanos no Atlântico Sul, com os submarinos nucleares e novos porta-aviões, tecnologia de foguetes e satélites. Só assim poderemos projetar nossa opção firme pela PAZ, sem os alinhamentos automáticos.

RSS

Publicidade

© 2019   Criado por Luis Nassif.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço