Cada vez mais fico assustado. Sou mesmo muito ingênuo para ficar me assutando a toda hora: ainda não entendi que o mundo mudou; que neste novo mundo não há mais lugar para a antiga divisão entre  direita x esquerda; que eventuais discordâncias se resolvem em um ambiente confortável, com ampla discussão entre pares civilizados, igualmente imbuídos no propósito de savar a natureza ... e por vai.

Não sei, e quero me penitenciar, como pensei coisas horríveis de pessoas como a Senadora Kátia Abreu até bem pouco tempo atrás. Além de promover a paz no campo, de distribuir terras conseguidas com sacrifício, de batalhar contra o trabalho escravo, a Senadora está também muito empenhada em salvar o "meio-ambiente", diria até que o "ambiente inteiro". Não bastasse toda essa demonstração de amor ao próximo e à natureza, e ainda bem que o faz com total desinteresse, atesta, com total fervor e senso de justiça, a qualificação moral, ética, ideológica, política etc.  do Deputado Aldo Rebelo. Penso que agora o país pode dormir em paz. Que os "esquerdistas" tomem consciência de sua importância para o desenvolvimento da nação; que dêem os braços aos nossos tão injustiçados parceiros de "direita",  e sobretudo aprendam com seu sentimento de solidariedade, desprendimento e humildade.

 

Um abraço fraternal a todos.

Francisco

 

Em tempo: para maiores esclarecimentos leia "A coragem moral de Aldo Rebelo" por Katia Abreu, página A3 da Folha de São Paulo de 24/06/10, e "Musa do trabalho escravo, senadora Kátia Abreu comanda....", por Leandro Fortes, Carta Capital, em 27/11/09.

Exibições: 473

Responder esta

Respostas a este tópico

que mal eu pergunte, mas cadê o dono da casa?
fransciscoooooooooooo, meu filho, apareça!
respondendo aqui prá cabocla (lá acabou o espaço).
o interessante desta turma é que eles não se negam a perceber as relações estreitas entre o que realizam e defendem com as raizes daquilo que condenam. para eles a miséria, a violência urbana, o tráfico de drogas, a ocupação de terras, tem geração espontânea! as pessoas nascem despossuídas, jamais produto de fatos econômicos e, por consequência, culturais.
Caros
Percebo em todas as intervenções que voces admitem a hegemonia e o imperialismo americano, porem relutam em admitir a monumental campanha de convencimento de massas que faz com que as alas mais radicais a esse imperialismo, promovam exatamente as politicas que esse imperialismo vem implantando mundo afora.
Vide a politica implantada na Africa, paises divididos, cravados com parques ambientais de tamanhos descomunais, excelente para europeus fotografar leões e girafas passeando pelas savanas. E os humanos africanos, vivendo como todos nós já estamos cansados de saber. Vem depois dezenas de artistas fazer campanhas para enviar leite em pó para as crianças desnutridas.
Aqui não muda quase nada, a linha é essa mesma, ver indios do Amazonas pela televisão, com seus colares coloridos chega a dar vontade de viver como indio. "Que maravilha de vida."

A politica é essa mesma, publicidade de massa, investimento nas ações ditas socio-ambientais, raciais, com forte apelo para o anti-desenvolvimento.

A grande sacada do Dr Oded Grajew foi entender como funciona essa maquina dos paises detentores do poder, e empregar politicas que venham de encontro com esses interesses, já disse e repito, não quero aqui afirmar que exista má intenção nas aplicações dessas politicas, na maioria das vezes as pessoas entendem como favoraveis e para o bem estar das pessoas, assim como voces, possivelmente não conseguem deglutir essa historia toda, porem...
Para quem já mandou tropas para declarar territorio Ingles um arquipelago que sabemos pertencer a Argentina, para após 30 anos vir a publico anunciar possivel descoberta petrolifera nesse mesmo arquipelago, saibam, é capaz de muita coisa.

Não nos querem ricos, essa é a realidade.

Quanto a minha posição com relação ao governo Lula, já coloquei aqui, e confirmo, nunca votei no Lula, porem esses 8 anos foram mais que suficientes para render meus aplausos a esse fantastico negociador, de muita perspicacia e inteligencia. Esta mostrando que podemos sim desenvolver nosso pais, em convivencia pacifica com oriente e ocidente. É um estadista.

De uma forma ou de outra, fico feliz em poder expor o que penso das politicas e ações internacionais, como disse não quero ser o dono da verdade absuluta, procuro o caminho que explique com maior logica posivel as posições dos paises, das organizações, dos povos.

Abraços
Sebastião

Tocaste num ponto interessantíssimo quando falaste dos parques ambientais de tamanho descomunais na África, sugiro que leias o trabalho apresentado por Senait Fesseha denominado The Rinderpest factor in the Great Famine of Ethiopia no curso do Prof. Donald Forsdyke de Environment, Science & Society, este trabalho pode ser encontrado em http://faculty.umb.edu/peter_taylor/640-02SF.doc.

Trata-se de um assunto que devido ao desconhecimento total da história Africana é magistralmente ignorado pela historiografia europeia.

O fato ocorrido e relatado em maiores detalhes tanto neste trabalho como em outros, foi o maior desastre ecológico dos últimos dois mil anos (se leres os fatos verás que não estou exagerando).

Em 1880 através de colonos europeus introduziram não intencionalmente na África a Peste Bovina (Rinderpest), esta peste eliminou de 90% a 95% dos rebanhos bovinos de toda a África, causando morte e total desestrutura de todos os países africanos que tinham a economia pastoril desenvolvida, começando na Etiópia, Somália, Sudão, Kenia e terminando na África do Sul.

Traduzi de forma não muito correta um pequeno extrato deste trabalho que agrego a seguir:

A porta de entrada da Peste Bovina foi pela Etiópia e percorreu uma trajetória de morte através de Somália, Sudão e Quénia e depois para o oeste e sul causando devastação inimaginável para todo o continente da África por cerca de 10 anos. O efeito da peste bovina contribuíu para a expansão da mosca tsé-tsé, achada primariamente nos países da região central e ocidental da Africa expandido-se mais tarde para o leste e sul. Enquanto a peste bovina dizimou o gado, ela criou uma condição fértil para o crescimento sem controle da mosca tsé-tsé. A mosca tsé-tsé afetou tanto os animais como também os seres humanos, causando uma destruição incomensurável em humanos e animais. O efeito sobre a população humana era tão grande que causou a destruição de várias nações africanas,devido a perturbações na estrutura social dessas. Houveram vários conflitos entre nações. Guerra, fome, pobreza e epidemia preparou o continente Africano numa bandeja para os colonialistas europeus. Quando os europeus chegaram para conquistar encontraram nações Africano fracas causadas tanto pelo declínio populacional como outras vários calamidades causadas pelos homens. Esses fatores debilitantes foram se alterando durante anos, mas o legado da peste e da pobreza ainda tem seus tentáculos no fundo do continente Africano.

A onde está à ligação entre isto e o que falaste. A maior parte dessas “Reservas Naturais” de hoje em dia eram campos de pastoreio, como também imensas áreas que foram tomadas por florestas com a ajuda da mosca tsé-tsé. Ou seja, os africanos não eram povos atrasados, como a historiografia europeia tenta incutir, que deixavam para leões e zebras imensas áreas de pastoreio, existiam sociedades complexas que foram desestruturadas por este grande desastre e perpetuado pelo domínio colonial que começa por “coincidência” após esta grande peste (a ocupação europeia até esta data se restringia a costa).

É interessantíssimo o ocorrido, tanto os historiadores de direita como os de esquerda atribuem o imperialismo europeu na África à divisão acertada pelos países europeus na Conferência de Berlim de 1884. Estes historiadores simplesmente ignoram a existência da total desestrutura social causada pela Peste Bovina (a taxa de mortalidade humana variou entre 40% a 60% conforme o país africano). Mais uma vez são os vitoriosos escrevendo a história.
O buraco é muito mais embaixo, Sebastião. E no angu dessa simplificação grosseira, tem caroço.
Hermê

Quem gosta de simplificar é o senhor!
Quer que eu lhe explique a simplificação grosseira que o Sebastião faz, Maestri?

Pois eu ficaria encantado em receber seu esclarecimento naquela que, eventualmente, eu incorra.

Vamos lá, Maestri. Nós, que somos sépia, nos entendemos...
Não é simplificação que o Sebastião faz, ele é apressado!
Herme
Nessa voce me pegou, confesso que fui ao Houaiss consultar o que vem a ser "sépia", encontrei isso:

sépia - molusco que secreta tinta, essa tinta, a cor marron dessa tinta, dessa cor, diz-se dessa cor.

Não consegui me enquadrar em nenhuma das opções e mais, não consegui enquadrar tambem voce nem o Rogerio nessa, conclui por tres caminhos, outro significado não apontado pelo Houaiss, erro de grafia ou codigo da governança global tentando identificar os desafetos.

Abraços , otimo final de semana.
Observe a cor da fotinho do Rogério tomando chimarrão, e a minha.
Esta é a ''cor marrom desta tinta''

Bom fim de semana, sem complicações
Caro Herme
Somente agora observei sua fotinho, e alem da sépia igual a do Rogerio (licença para utilização do termo), esta com um binoculo em punho, suponho que para enxergar mais longe, vamos as indicações desse domingo.
Outro dia voce me cobrou o que seria aquela minha observação sobre a autonomia indigena sobre seus territorios, respondo com o video que voce assistiu com a mensagem do sertanista Orlando Villas Boas, dá uma vaga ideia do que vem a ser essa politica.
Outra reclamação dominical, voce me classifica como autor de simplificação grosseira, logo abaixo me deseja bom final de semana "sem complicações", sou obrigado a lhe pedir novas instruções.

Abraços.

RSS

Publicidade

© 2019   Criado por Luis Nassif.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço