Estão os EUA à beira do fascismo? Denúncias da ONU contra Washington, apontam-no como um estado totalitário



Depois de que em novembro de 2010, agências das Nações Unidas (ONU) informaram que os Estados Unidos violaram os direitos humanos e que o racismo prevalece, surge a questão de saber se o país está caminhando para uma espécie de fascismo do dólar uma oportunidade surpreendente para quem há alguns séculos é auto apresentado como um campeão da democracia.

O 4-11-010 Conselho de Direitos Humanos (ONU) disse em seu Relatório Periódico Universal que os EUA espezinham os direitos humanos por manter a prisão ilegal de Guantánamo (área ocupada em Cuba), a validade da pena de morte recebe um forte aplicativo racista e à recusa de Washington em assinar diversos tratados internacionais. Lembre-se que em Outubro passado, a Assembléia Geral esmagadoramente condenou o bloqueio ou embargo mantido por 50 anos nos Estados Unidos contra Cuba.

Em agosto e outubro de 2010, a WikiLeaks televisão portal lançou documentos militares dos EUA como prova das atrocidades cometidas no Afeganistão e no Iraque durante a ocupação dessas nações asiáticas. A documentação observa que no Iraque desde a invasão em 2003, foram mortas mais de cem mil pessoas, 20 000 dos quais civis. Esse tipo de barbárie é vista também no Afeganistão, invadido em 2001 e onde a documentação acima mencionada prova o assassinato de milhares de soldados por parte da Europa (Espanha, França, Alemanha) e EUA. Que democracia é essa?

O início da brutalidade teve início sob a presidência de George W. Bush, inefável, mas agora, por força das circunstâncias, é compartilhada pelo atual presidente Barack Obama que não tem cumprido a promessa de fechar a prisão de Guantánamo, infelizmente, na verdade, uma cópia dos campos de concentração de Hitler.

Obama recebeu a herança que é demoníaca, mas não pode desistir.

Foi Bush, que após os atentados de 11 de setembro de 2001  militarizou a justiça ordenando que os civis caracterizados como terroristas fossem julgados por tribunais militares.Na ocasião, o jornal "Washington Post" informou que havia criado um sistema jurídico em que os detidos são mantidos por meses em detenção, privados de um advogado e sem contato com seus parentes. Simultaneamente,  o WP (2002/01/12) apontou que centenas de estrangeiros foram deportados em segredo.

A CBS News disse que em um outro decreto 1902/03/12 Bush autorizou a Agência Central de Inteligência (CIA) a matar americanos e, certamente, também estrangeiros. O dispositivo, disse a CBS, caiu em contradição com as próprias leis dos Estados Unidos, mas em seguida, o vice-presidente D*** Cheney respondeu que "devem ser ignorados sutilezas" (sic). Ao mesmo tempo, o secretário de Defesa, John Ashcroft, defendia os tribunais militares, depois disse, tratarem-se de crimes de guerra. (Essa desculpa foi usada por Pinochet no Chile, que declarou uma "guerra" para justificar os assassinatos de opositores)

Durante o mesmo período novamente afirmou o Washington Post, começaram a busca e apreensão de pessoas do Oriente Médio que viveriam ilegalmente nos Estados Unidos. Esta medida de tom racista e as demais mencionadas permanecem em vigor e não se conhece uma reação do presidente Obama.

Quanto à prática de tortura o próprio Bush foi lembrado por mencionar o tema nas memórias que ele escreveu sob o título "Pontos de Decisão", apresentado por ele em novembro deste ano de 2010. Em um despacho de 1910/11/11 a Reuters observou a reação da Anistia Internacional. Disse: "Segundo o direito internacional, a admissão de ex-presidente de haver autorizado atos constituidos de tortura, é suficiente para forçar os EUA a investigar suas declarações e, se forem justificadas para julgar. " 


A proposta não teve êxito já que o próprio Bush disse ao The Times (Londres) ao reconhecer o método ilegal, que "a tortura do banho", que consiste na tentativa de afogar a vítima por imersão em água "ajudou a salvar vidas" Ele acrescentou que acha que está certo em ter autorizado um mecanismo desse tipo de interrogatório considerado completamente ilegal pelo resto do mundo.

Coincidentemente, uma agência de notícias Prensa Latina, em 14 de novembro deste ano, informa o The New York Times disse que "os funcionários de inteligência criaram um refúgio nos EUA para proeminentes nazistas após a Segunda Guerra Mundial. Segundo o jornal New York, embora se soubesse da colaboração da CIA na proteção dos oficiais nazistas, o relatório (atual) tem um nível muito mais elevado de cumplicidade " 

Em 25 de maio de 2001 pode ler-se em um despacho de um correspondente da CNN em Hong Kong, Lam Willy, sobre uma reunião de altos dirigentes chineses realizada naquela cidade. Lam garante que, o então presidente chinês Zemin Yian, descreveu Bush como um ser "logicamente fraco, confuso e sem escrúpulos, tolo ao extremo" (sic) 

Você pode estar de acordo com o poder de síntese oriental, embora o problema  subjacente não seja uma questão pessoal, mas sim, do sistema. Nesses mesmos dias, a revista Time disse sobre a "Doutrina Bush": "A América não é um mero cidadão internacional. É a força dominante no mundo, mais dominante do que qualquer outra desde os tempos romanos. Por conseguinte, os EUA estão em uma posição para refazer as regras, as expectativas mudarem e criar novas realidades. " 


Para este intento, existem gastos exorbitantes em armas, bases militares em todos os continentes, assassinato e prisões secretas da CIA. Washington proclamou-se como o defensor da democracia liberal, mas as ações e atitudes que ganharam mais força a partir da fase do cowboy Ronald Reagan parecem cada vez mais semelhantes às do fascismo e do nazismo surgidas na Europa nas décadas de 20 e 30 anos que causam a SGM, leia-se, destruição e morte. Bush substituiu especialmente o anti-semitismo de Hitler por um anti-islâmismo  contra os árabes. 

A política de dominação mundial dos EUA, a crise no sistema capitalista estão gestando  um novo tipo de fascismo, a cargo dos setores mais reacionários do capital financeiro, uma fórmula que pode ser chamado de fascismo do dólar.

Hernán Uribe é um escritor e jornalista chileno.
Extraído do ARGENPRESS

Exibições: 87

Responder esta

Respostas a este tópico

O texto é um pouco confuso, né, paulo, mas, faz tempo (desde a primeira guerra mundial?) que os Estados Unidos tem forjado a sua "democracia interna" às custas da exportação de doutrinas totalitárias de governança. o Brasil sabe disto. nós vivemos isto, portanto, nada novo no front, senão a atualização dos dados mais recentes e realmente tenebrosos.

o interessante é o silêncio dos defensores da "liberdade de imprensa". ela não serve prá abrir a boca e gritar ao mundo: basta?!
Fiz, via Google Tradutor, uma 'versão brasileira' e graças a sua observação, vi que estava realmente confuso em alguns trechos.
Tentei dar uma melhorada agora...
Depois vc me conta!!

RSS

Publicidade

© 2019   Criado por Luis Nassif.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço