Foi aprovado em uma reunião de duas comissões, uma do MEC e outra contra a homofobia, a distribuição de um kit nas escolas públicas contra a homofobia.
Até aí tudo certo, não fosse o kit ter 2 dvds que mostram um menino se apaixonando pelo outro no banheiro e depois assumindo sua homossexualidade e querendo ser chamado de Bianca e no outro, duas meninas de 13 anos se beijando...
Isso para CRIANÇAS DE 7 ANOS EM DIANTE!!!!!!!!!!!!!


Não sou homofóbico, mas a escolha sexual tem de ser na adolescência, este tipo de campanha tbm.
Mostrar tal tipo de histórias para crianças é altamente inapropriado...
Acredito que Bolssonaroo tenha total razão, algo tem de ser feito.
Homossexuais, nada contra, mas, crianças?

http://www.youtube.com/watch?v=ONfPCxKdGT4

Exibições: 3500

Responder esta

Respostas a este tópico

“(...)como dria Nietzsche(...)”

 

Maria, você sabe o que Nietzsche pensava sobre os gays?

Por favor, se és mesmo a favor dos gays, não cite Nietzsche! Nem eu que sou contra a difusão midiática que estão fazendo com o homossexualismo, NÃO compartilho das opiniões de Nietzsche sobre os homossexuais. Eles simplesmente abominava esta prática! E tinha para ela os piores adjetivos!

 

 

 

Poderia fica sem essa MariaDirce Cordeiro

O kit do MEC não faz "apologia ao homossexualismo".

O objetivo é atacar o preconceito, que notoriamente existe e é uma construção social.

Daí, nada mais correto do que demonstrar situações e levantar o debate com os alunos. Todos do ensino médio.

Neste debate, muito alunos vão usar os argumentos superficiais que vemos aqui. Outros defenderão os homessexuais. O professor mediará o debate e mostrará onde está o preconceito e como ele se aplica tanto a homossexuais como a negros, mulheres, deficientes físicos, pobres, ideologias, etc...

No final, não teremos adolescentes virando homessuais, mas jovens compreendendo melhor os próprios preconceitos e medos daquilo que não connhecem ou que é "socialmente proibido" em alguns grupos.

Agora, digam, o que isso tem de ruim? O que o MEC faz de errado ao levantar esta discussão na escola? Não é na escola que o homossexualismo e o preconceito também existem?

Talvez falte discutir isso na sociedade como um todo e não só na escola.

Balbino, admiro sua disposição (embora discorde que todos somos homofóbicos, eu não sou, não fui ensinada assim em casa, não passei isso a meus filhos..)

 

Foi repetido aqui ad nauseum a finalidade do kit - por má fé aqui chamado de kit gay, porque na realidade é um kit anti-homofobia.

 

As pessoas não percebem (?) que quando dizem "tolerar" a homossexualidade - e ainda se acham o ó da cidadania por isso - não quer dizer que consideram aquelas pessoas como seres humanos iguais, com os mesmos direitos e deveres que nós, como um cidadão, mas que fizeram essa "concessão" porque são boas almas, mais ou menos como fazemos aos viralatas de rua dando os restos de comida...

 

Isso significa (no máximo) : façam dentro dos seus lares, vcs não tem o direito de manifestar seu amor em público, casar, formar família afetiva, como nós heteros porque isso é apologia e vai "transformar" nossos inocentes filhos em homos, ou destruir os valores familiares...

 

São os mesmos que "toleram" negros e pobres, desde que "conheçam seu lugar".

 

Reedição de casa grande e senzala, mas aqui a casa é rosa.

 

Mas tenho convicção, as coisas mudam, ainda que devagar, ainda que incompletamente (merecendo sempre um "empurrãozinho" ou zão de quando em vez): vide a melhora da situação das mulheres, dos negros (racismo é crime, quero ver algum Bolsonaro macho abrir um tópico contra negros), a lei do divórcio, nós, as desquitadas não sermos mais as vagabundas e nem incapazes de formar os filhos com valores.

 

Fora  o blábláblá insuportável de comparar homossexualidade com pedofilia e promiscuidade - como se isso não existisse entre nós, heteros..

 

enfim balbino, não passarão...

abços

 

Cabocla,

Coloco que "todos somos homofóbicos" porque nossa sociedade o é. E por isso aceitação plena da homossexualidade é antes de tudo um exercício de patrulhamento pessoal. Não existindo tal patrulhamento corremos sempre o risco de engrossar coros e passeatas que reneguem "o 'diferente' ao seu lugar" para salvar nosso cérebro de algum pensamento que contrarie o status quo.

A partir de uma quebra da lógica social contra o "diferente" e da imersão em sua condição por ora marginal é que podemos começar a questionar de fato as regras sociais que nos são impostas. E finalmetne enxergar a realidade como de fato é, com homossexuais, heteros, negros, mulheres, pobres e deficientes... contribuindo para a humanidade. Com suas habiliades indissociáveis do seu jeito de ser.

(Aculturação não existe e tal negação de si e de gruopo só deixa o mundo mais carente.)

Por isso todos nós somos preconceituosos. E é mais fácil para nós reconhecermos alguns direitos aos homossexuais do que aceitá-los plenamente. Para fazer isso teríamos que rever-nos por completo.

É esse passo que vejo sendo dado na proposta do MEC.

Quando o casamento parecia a caminho de se tornar obsoleto, substituído pela coabitação sem nenhum significado maior, chegam os gays para acabar com essa pouca-vergonha.

 

Luis Fernando Veríssimo

 

e tem uma outra dele (LFV) muito boa, mas não consegui achar a citação em si, apenas de memória, algo assim:

quando vc estiver em um coro, preste atenção em quem está a seu lado...

eu não tô afim de ter Bolsonaro do meu...

Lendo por aqui, por ali e acolá, que as crianças são pequenas, e que sao os pais que devem ensinar..

tá.. então..

pra quê tb ensinam as criancinhas todas estas historias de religiões, papai do ceu, inferno ,ensino religioso, a criancinhas de sete anos..e não podem ensinar kit gay..

ora..ora...

e fazem descriminação dentro das escolas contra crianças cujo pais são mães ou pais de santo..

e tem mais..

todos os homossexuais  atuais, são filhos de pais heteros, e criados por eles..

ora..ora..e mesmo assim são homos..

então não é nada contagioso...

vejo muito mais perigoso o ensino religioso( e olha que sou teóloga) do que o hit gay.

e menos!!! Bolssonaro!! tem dó..tem dó...

tipo assim uma revolução dentro da ordem?

não tinha pensado nisto. veríssimo sempre muito arguto, nos faz pensar...

 

Amigos, acabei de me inteirar do assunto. Não tenho nada contra os gays, cada um faz da sua vida o que bem quizer.

Mas gastar 3 milhões  de reais para fazer filminhos. Passar esses filminhos para crianças.

Prefiro o carlos zefiro que instruia a mulecada e não custava nada para o estado.

Coisas petistas. Cargos, empregos e verbas para boquinhas.

“Não tenho nada contra os gays, cada um faz da sua vida o que bem quizer.

Mas gastar 3 milhões  de reais para fazer filminhos. Passar esses filminhos para crianças.”

Enquanto isso o bullyng rola solto nas escolas e o MEC só está preocupado com o preconceito contra gays...

O bullyng mostrou a sua potencialidade a poucos dias atrás quando aquele cara matou 12 crianças e deixou um vídeo falando sobre o bullyng que sofria quando criança... Mas o MEC não se sensibilizou com isso. O importante e propagandear o homossexualismo.

 

 

Nos últimos anos o MEC já investiu em kits para educação sexual; diversos para afirmação dos negros e história da cultura negra; inclusão de deficientes físicos; e combate às drogas.

Também foram oferecidos cursos para se trabalhar a diversidade e a violência na escola.

De fato, um material específico sobre bullyng/chacota não vi (é tratado dentro da violência na escola). Mas ainda há pouco estudo sobre isso e são extremamente raros os casos extremos que ocorrem costumam ser reprimidos dentro da escola, junto com os pais.

A partir do momento que o assunto for mais trabalhado deve surgir um "kit" ou diretriz específica do MEC. Como acontece agora com o combate à homofobia.

Só não entendo porque vocês acham que o Estado investir contra a homofobia não é conveniente. Qual é a tese? Homofobia tem viés de "liberdade de expressão" ou que há outros problemas de cidadania para resolver (ou "homossexual não é cidadão")?

RSS

Publicidade

© 2020   Criado por Luis Nassif.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço