Portal Luis Nassif

Independente do discurso de Haddad, logo após confirmada sua derrota, é inegável o caráter autista, salvacionista, doutrinário, arrogante de um PT, de "um" PT, "deste" PT(!).

 

Este mesmo PT que, do mesmo modo, frise-se, democraticamente, dançou a música imposta pela máquina instalada, em eco à ameaça de desestabilização pela grande mídia, pela obstrução no Congresso, feito de e por oligarquias e baixo clero, tal qual se deu no impedimento da presidenta.

 

Apesar disso, bom lembrar, p.ex., mitigou expressivamente a desastrosa política dividocrata, de juros desta ditadura financista – causa, esta, sim, efetiva de nosso estrangulamento econômico, do nosso trágico desastre incivilizatório, escravocrata, em corolário à desumanização inerente ao neoliberalismo, neste capitalismo selvagem, embalado em competitivismo darwinista cretinizante –, ainda, projetou o Brasil para fora dos eixos estadunidenses, do FMI, do Banco Mundial, da manipulação a partir do petróleo, resgatou dezenas de milhões da miséria, etc...).

 

Máquina que se impunha através d'um Estado bolorento, em que pese todo o aparato tecnológico, toda sua informatização/automação, justo, entretanto, posto a acabrestar a sociedade sob a batuta dos asseclas, sabujos e/ou agregados, epistemologicamente colonizados, submissos, quando não simplesmente entreguistas, traidores da pátria, Calabares alojados nos postos estratégicos da estrutura de poder Estado-sociedade.

 

Estado dominado, embebido e forjado, através de séculos, viciado por tradicionais e vorazes elites pluto-cleptocráticas, como soe acontecer, histérico-narcisistas, naturalmente, paranóicas e truculentas a partir do alto de sua visceral esquizofrenia, ao fim e ao cabo, elites fascistas,  no amplo espectro alcançado pelo núcleo semântico desse termo.

 

Sim, a sociedade brasileira é predominantemente fascista (o que é uma questão de conceito, não de número, veja-se a "inocente" população alemã durante o nazismo!).

 

E é assim, seja por herança, pura e simplesmente, colonial (todos servos do Rei), seja pela herança do positivismo e do logicismo kantiano (todos servos de uma realidade reduzida, matematizada, quantificada), seja pelo cristianismo institucional (todos servos de um Além mediatizado por um aqui, bem concreto, corporal e interessadissimo, etc.).

 

E curvou-se a isto (porque não?!!) a título de assegurar a governança, sem incorrer em autoritarismo golpista, negociando! Tal qual começou antes mesmo da posse, no primeiro governo, nomeando para o Banco Central Meireles, banqueiro internacional com dupla nacionalidade, - a o que "o dólar", à época, reagiu, caindo de mais de R$4,00 para os patamares anteriores então praticados; ora, isso não é manipulação ou é o quê, coincidência, ato reflexo da mão invisível do mercado?

 

Governo "de esquerda", papa-criancinhas, era tudo que as elites conservadoras de desfrutados privilégios vários, queriam, para reagir. O PT de Lula, contudo, não lhes deu o gosto. Daí, conviver com essa mesma elite e alguns bandidos infiltrados no partido, que se locupletaram a rodo.

 

Note-se que nem por isso o país quebrou. O que fez e faz isso, ainda, é a ditadura financista autora de um endividamento fraudulento, sem precedentes na história, em danos somente comparáveis aos da Derrama, superando-a em muito.

 

Não se há, entretanto, de negar: foi um período incomparavelmente positivo para o país, em muitos aspectos.

 

São fáceis estes discursos moralistas, odientos, de boca mole, pautados, quando muito, em meias verdades, por olhares parciais, feitos de arrebatamentos passionais, com que, hoje, açoitam os derrotados, pois incapacitados, em sua “caolhice”, de sintetizar esses processos imbricados - falta-lhes, a começar, perspectiva, seguindo-se ampliar o ângulo do olhar.

 

Através da poesia exilada de Chico Buarque, cedo, vislumbrei a intimidade visceral entre política e paixão, como não poderia deixar de ser, afinal política é luta de poder, e poder é energia, esta concernente aos afetos, às pulsões. De sorte que, assim hão-de ser entendidos, esses arroubos destemperados, como no verso: "dei pra maldizer o nosso lar, e me humilhando te humilhar, me vingar a qualquer preço, te adorando pelo avesso..."

 

Lucidez, se justiça é almejado fazer, exige distanciamento, equidistância e desapego às próprias paixões ou simples preferências, para não falar em preconceitos, como também, e principalmente, desprezo ou desconfiança a "verdades" fáceis, mecânicas e definitivas, na habitual esteira maniqueísta - tudo que, p.ex., um Judiciário protagonista, legislador, teologista, autoritário, por isso mesmo afascistado, é incapaz de fazer.

 

E, reconheçamos, o PT perdeu este renque quando Lula não buscou asilo político para internacionalizar a resistência ao golpe, preferindo se apegar a uma mística candidatura, escondendo-se por de trás da martirização de sua própria imagem.

 

Como não fosse natimorta sua candidatura, pela atuação da quinta-coluna judiciária, flagrantemente protagonista do inequívoco e ilegal lawfare empreendido, minimum temporizando decisões aos movimentos político-partidários, também e muito mais grave, contra o país (sobre as vertentes do golpe, veja também meu artigo em http://blogln.ning.com/m/discussion?id=2189391%3ATopic%3A1186311).

 

São, todavia, falhiveis, posto que humanos, mais ainda por isso o imperativo de compreensão, senão ao menos tolerância como se quer à alteridade, inda que mesquinha.

 

Como exame d'olhos, alternando lentes: melhor assim? ou será assim? Uma eleição é muito mais por aproximação do que supomos ver. E vemos o que desejamos ver, nunca o que é! Razão pela qual a ignorância resvala para o que se assemelha a posição de força, força capaz de "eliminar" a causa aparente de nossa agonia. É o ódio dirigido, como reação à rejeição amorosa, nesta seara,  infantilmente, sempre parecemos ser vítimas, quando de fato: somos e não somos.

 

Grande Heráclito, o Obscuro, obscuro aos homens comuns de todos os tempos, esses bicéfalos vislumbrados e menosprezados por Parmênides em sua Física.

Exibições: 10

Responder esta

Publicidade

© 2018   Criado por Luis Nassif.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço