Manifestação Cultural Indígena neste dia 20 de agosto, 11.

ATO MUNDIAL MANIFESTAÇÃO CULTURAL INDÍGENA

 

Com mais de 100 índios em Toré, imperdível!

 

POR UM BRASIL MAIS SUSTENTÁVEL, DEMOCRÁTICO E HUMANO SÁBADO,

dia 20 de agosto, das 13:00 às 18:30 no Vão Livre do

MASP EM DEFESA DOS POVOS DAS FLORESTAS E DOS RIOS DA AMAZÔNIA Dezenas de manifestações serão realizadas no próximo dia 20 de agosto em várias cidades brasileiras contra a construção da Usina de Belo Monte. No exterior, cerca de 16 cidades já anunciaram que realizarão seus protestos no próximo dia 22.
Em São Paulo, os manifestantes irão se unir aos índios das etnias Kalapalo, Kamayurá, Kuikuro, Guarani, Wassu cocal, Xavante, Tikuna, Pataxó, Pankararu, Fulni-ô - entre outras - e realizar um apelo da sociedade civil representados pela "Frente Pró-Xingu", "Movimento Brasil pela Vida nas Florestas" e "Xingu Vivo Para Sempre”.
A manifestação será também um grande ato para mobilizar a opinião pública a discutir e reivindicar o progresso sustentável, democrático e humano no Brasil.
Vale deixar claro que os integrantes o Movimento não é contra o desenvolvimento, mas quer que o Governo e a sociedade civil considerem outras formas de promover o progresso justo e sustentável para todos os cidadãos brasileiros.

 

PARTICIPANTE, Chegue cedo para receber orientações importantes e tenha o rosto pintado com tinta de jenipapo por legítimos representantes das florestas. Serão entoados cânticos guerreiros e promovida uma grande toré, a dança sagrada dos povos indígenas.

 

SERVIÇO: Dia 20/08/2011 Concentração às 13:00 no no vão livre do MASP.

Mais informações sobre a mobilização internacional podem ser encontradas em http://veddas.org.br/forests.
Mais informações sobre os temas da usina de Belo Monte e o Novo Código Florestal em http://brasilpelasflorestas.com

 

SITES IMPORTANTES: http://brasilpelasflorestas.com/ www.xinguvivo.org.br
http://frentedeacaopro-xingu.blogspot.com/
SOS Florestas - Entenda o que está em jogo com as mudanças de nossa legislação: www.sosflorestas.com.br/downloads/mobilizacao/cartilha-sosflorestas...

Exibições: 3101

Responder esta

Respostas a este tópico

Carmen

 

Para mim técnica e religião não se misturam e que fazem é mais profissão de fé do que procura de sustentabilidade, essas comunidades e outras sobrevivem mais de cursos e outras atividades recreativas do que do fruto do trabalho da Terra, não tenho nada contra, mas utilizar uma mistificação para induzir grandes contingentes de pessoas crédulas e inocentes não me parece correto.

 

O habitante da cidade de classe média, principalmente os mais preocupados, além de todas as pressões que sofre ainda é culpabilizado por tudo que passa no mundo, vejo jovens que não querem constituir família, não porque não gostem de crianças ou não desejariam tê-las, mas sim porque enxergam um mundo sombrio na beira do desastre. Se culpam por comprarem em 48 prestações um automóvel popular 1.0, se culpam por assar um churrasco no fim de semana.

 

Em resumo, visões como a tua levam muito mais infelicidade do que alegria, o histerismo ecológico culpabiliza toda a população, mas aqueles que são ricos nem estão aí, compram suas SUVs, passeiam em seus helicópteros e não se sentem culpados de nada.

 

Carmen, sei que não é o teu objetivo nem o de muitos como tu, mas levar infelicidade é o que mais faz um discurso alarmista e não contextualizado do "ecologismo", veja milhões de jovens votarem em Marina e no segundo turno votaram em Serra, ou seja, isto que chamo um "ecologismo" descontextualizado. Não sei até hoje porque ninguém fala contra automóveis que gastam um horror de gasolina e outros excessos de consumo, se fala contra os governos, mas as grandes corporações podem fazer o que quiser porque seus direitos são sagrados.

 

Faça um bem pelo menos a uma meia dúzia de jovens que se não ouvirem este discurso, pensarão em seguir em frente montando uma vida simples porém feliz.

Você estereotipa toda discussão ecológica, dentro de um contexto folclórico. Reduz as preocupações do desequilíbrio das atividades da economia humana a um simples modismo.

 

Afinal, para você o capitalismo promove ou não a destruição ambiental? No seu campo de conhecimento, há ou não poluição de recursos hídricos, além de escassez em numerosas regiões com densidade populacional? Assim como você nega a teoria do AGA, negaria que há destruição e degradação de áreas agricultáveis pelos processos de erosão e perda de profundidade dos solos? Enfim, qual é a sua visão da questão ambiental, será ela inexistente, apenas uma moda de verão?

 

Por último, sei que você concorda que as soluções serão políticas, mas nega que se mobilizem forças sociais para divergir das decisões tomadas de impacto ambiental. Seria levar as decisões para o restrito campo técnico, sem a participação dos excluidos desses saberes? Você acredita em neutralidade da tecnologia?

Que a forma de produção tipo capitalista promove a destruição ambiental é claro.

O ambiente é o termômetro e não a doença.

ohhhhhhhhhhhhh até que enfim temos um olhar comum, além do amor aos animais. 

♥♡

Carmen

 

Nunca neguei isto, mas a técnica de debate de alguns (não estou dizendo que és tu) é tentar colocar palavras e pensamentos em outros, para com isto desqualificá-los.

Então, Rogério, se você reconhece a destruição capitalista do ambiente, poderia nos falar, eu gostaria até que você postasse essa discussão aqui, como se dá globalmente a predação capitalista nos recursos hídricos. Há um coió que passeia nesta página, que de vez em quando escreve, que nosso planeta é majoritariamente coberto de águas e, portanto, não devemos nos preocupar com essa coisa “tola” de preservar mananciais e cursos d’água, que temos tecnologia ( veja como é perigoso o mito da tecnologia como panacéia universal ) para retirar sal da água do mar, mas não explica de onde virá a energia para essa finalidade. Eu queria ler do professor Rogério Maestri, alguma coisa sobre a situação da água potável no mundo, onde se localizam os principais focos de ameaças ao redor do mundo, em que medida podemos explorar as chamadas águas fósseis, sem comprometer sua renovação, e assim por diante. Se o capitalismo causa um problema, eu vejo que quem tem ciência do mal causado, também tem a obrigação de denunciá-lo. Enfim, não custa nada dar uma pequena contribuição na causa ecológica, já que você a reconhece, dentro do seu campo de conhecimento.

 

 

Rapazes e moças, 

quebrando a corrente de litígio... vamos deixar a conversa mais leve?

Sempre colocamos o cocô como o mal dos males. Então, achei este vídeo que é uma tetéia, só pra quebrar o tom severo com que temos levado nossa discussão. 

Como o mal devemos compreender nas origens, vamos dar a voz para um dos coiós, nossa grande cria: o cocô. O maior dos assobios de namoro pela terra. 

Almeida, gosto de você, mas não nos chame de coió, sou pessoa que se ofende fácil, esqueci a estima por mim, na bolsa de d'água de mamãe. 

O feminino de coió é qual? heheheheeh

 

Bom... cocô polui, certo? 

Pra rir com alguma criança do lado, só pra fazer diferente.

http://www.youtube.com/watch?v=fh0BEFa3GvU&feature=share

 

Rogério, 

se a felicidade de uma pessoa se resume a comprar um carro em 48 prestações, certamente esta pessoa é ESCRAVA de um sistema que a engana diariamente. 

Fazer filho e comprar um carro a prestação é sinônimo de vida boa e feliz?

Tisc, tisc, tisc. 

Mediocridade anda criando raízes nesta nossa sociedade, e de verdade, não coaduno com isto.

Infelicidade é o sentimento que as propagandas desavergonhadamente ensinam para o telespectador que vai "comprar o carro ECO tal". Já sabemos qual. 

Entendo seu olhar de querer dar direito ao consumo a todos. Mas não é pelo consumismo que teremos vida melhor. Lido diariamente com gente muito rica e muito INfeliz, Rogério. E como dedico parte do meu tempo a fazer o que realmente acredito, ainda que eventualmente não queira, já aprendi muito bem que felicidade não faz morada em TER. 
O dinheiro deve apenas servir às pessoas, facilitar o mundo do mercado, o mercado de trocas que seriam mais difíceis sem esta ferramenta. Este deveria ser seu papel, mas se transformou em controle, em sistema de permuta para EVITAR a submissão.

No mais, a fala do/a Almeida me basta, porque disse o que gostaria. 

Olha Carmem, comprar carro dependendo de onde se trabalha e de onde se mora é uma necessidade, porém ter filhos para mim é uma alegria, eu tenho 5, e posso te dizer, eles só me dão motivos para alegria.

Rogério, 

ter filhos é para alguns, não para todos.

Sorte dos seus filhos tem um pai para ama-los. Muito bom isto. 

E sim, ter filhos é Alegria Verdadeira, sei, também sou mãe. 

 

Mas em consultório, atendendo muita gente, descobri a triste realidade, nem todo mundo nasceu para ser pai, nem todo mundo nasceu para ser mãe. E aqueles que se obrigam a sê-lo, mesmo quando não querem, são os que carregam a culpa, mal de quem percebe que excedeu-se. 

 

 

Agora não leste direito o que escrevi, pois contrapus um sujeito que consegue comprar o seu 1.0 para poder trabalhar e passear com sua família e se sente culpabilizado, enquanto outro usa um helicóptero e nem está aí. Leia com mais atenção, por favor.

Admito que houve falta de atenção, é cansaço, vou dormir e na semana rebato tua fala. 

Sei que você está com a razão neste quesito em especial; carros x helicópteros e tal, mas estou exausta e vou jogar a toalha. 

Segunda eu volto ao ponto, beleza?

 

RSS

Publicidade

© 2020   Criado por Luis Nassif.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço