MARCO MAIA INSTALA TRÊS CPIs. E NADA DA PRIVATARIA TUCANA!

O presidente da Câmara dos Deputados, Marco Maia (PT-SP) autorizou no dia 03/02 a instalação de três das cinco CPIs que poderão funcionar simultaneamente. tratarão de tráfico de pessoas; exploração sexual de menores; e do trabalho escravo.

Restam apenas duas CPIs passíveis de instalação neste ano. Com a costumeira prorrogação das CPIs, e o período eleitoral que paralisa o Congresso no segundo semestre, se a CPI da Privataria Tucana, requerida por Prtotógenes Queiroz e outros quase 200 parlamentares, poderá ficar para as calendas ou ser arquivada antes de nascer.

A mídia fez silêncio sobre as CPIs autorizadas. O Carnaval vem aí, para completar a alienação. Caso a CPI da Privataria não seja instalada nesta semana, nas próximas horas, o assunto estará morto. deve haver um acordão para esta "operação-abafa" com a participação do Governo Dilma e do PT. 

É preciso pressionarmos agora, hoje, o presidente da Câmara e demais deputados, para que a impunidade não vença mais uma vez. Depois não adiantará lamentarmos e fazermos discursos contra a corrupção...

Exibições: 1213

Responder esta

Respostas a este tópico

Bom dia Antonio. Primeiro estou te estranhando. Entrei no portal e vc nem me convidou pro seu grupo La Pátria Grande, tô estranhando, vc convida todo mundo, porque não eu, hein, hein? Estou emburrada.

Não me espanto e menos ainda me preocupo com isto. O povo de São Paulo recebeu Serra devidamente detonado por ele próprio, apesar de todos os esforços em contrário. Não vão poder reclamar de falta de opção. Há várias, até uma terceira via pra quem tem birra do PT ( o que entre paulistas, melhor dizendo,  paulistanos, é um mantra, quase profissão de fé). O país colocou a bola no pé do artilheiro, o goleiro está fora do gol e é só chutar e correr pro abraço. Se errarem o chute, vou "culpar" a falta de CPI ou o técnico e os jogadores? Por pouco, muito pouco já não fizeram gol contra se aliando ao Kassab. Sei bem porque assisti este jogo aqui na minha terra e tem remendo que sai bem pior que o soneto e em boa coisa não dá.

Mas o importante mesmo Antonio, do meu ponto de vista, claro, é que há sim outras vias de luta e que não passam pelo Estado constituído, passam pela sociedade esquecida e aparentemente morta. Isto aqui me mobiliza. Há centenas, milhares de pessoas além da arrebentação, esperando, esperando não, construindo novas ondas, ondas sobre a qual hora destas iremos surfar. Olha a onda!!! Afinal a história não acabou (ainda). Quanto à via estatal, há muito tempo eu já disse PT, saudações, logo, tranquilíssima aqui. Beijo 

Emília, não fique aborrecida comigo. Eu envio convites para o grupo "La Pátria Grande" a partir das páginas mais recentes de "Membros" do Portal do Nassif, mas não consigo acompanhar o crescimento do número de novas pessoas. Começo, por exemplo, pela primeira página, consigo escrever para todos, mas raramente tenho tempo para ir além da segunda ou terceira. 

Note que somos o único Grupo que convida, todos estão abertos a quem se interessar. Você não precisa do meu convite - que faço agora, explicitamente. Conto com sua participação e, caso tenha interesse, também no "Artes Plásticas, Museus", que tb iniciei.

Um abraço, amiga!

Se a privataria tucana algum dia for acolhida pela Justiça, a Operação Satiagraha também será e ambas indicam o caminho a seguir para limpeza do Brasil
Então tenho razão de sair do sério e não querer ser enganado por esses sacanas hipócritas do
governo que pensam e agem de forma a nos considerar débeis.

Serra trabalha para evitar que CPI da Privataria seja instalada antes das eleições

19/3/2012 12:19,  Por Redação - de São Paulo e Brasília

Privataria

Serra não quer a instalação da CPI da PrivatariaTucana

A CPI da PrivatariaTucana se transformou, no Congresso, em moeda de troca entre parlamentares da base de apoio ao governo e oposicionistas. A constatação é do deputado Protógenes Queiroz (PCdoB-SP), autor do pedido para a instalação das investigações sobre desvios bilionários ocorridos durante o processo de privatização das principais empresas públicas brasileiras, no governo do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (FHC). Setores mais conservadores da Casa têm feito “uma ação pesada para postergar a instalação da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI)”, disse o parlamentar, em entrevista exclusiva ao Correio do Brasil, na manhã desta segunda-feira.

– Agora é inexorável. A CPI já foi instalada. Não tem mais como voltar atrás. O que se discute são os nomes dos integrantes, mas há uma pressão muito grande, por parte de setores conservadores na Casa, na oposição e em parte do PMDB, para que os trabalhos comecem mesmo somente depois das eleições – afirmou Protógenes Queiroz

Ex-governador paulista e candidato derrotado nas últimas eleições presidenciais, José Serra é o principal suspeito de coordenar um esquema de evasão de divisas jamais visto na história republicana do Brasil, segundo o best seller de Amaury Ribeiro Jr., A Privataria Tucana. Serra, porém, é o virtual candidato do PSDB à prefeitura de São Paulo e trabalha contra a instalação da CPI que investigará o envolvimento dele, então ministro do governo FHC, como um dos cabeças da quadrilha que se apropriou de parte do resultado obtido na venda de empresas como a Vale do Rio Doce e a Companhia Siderúrgica Nacional; além de todas as subsidiárias do Sistema Telebrás, segundo o livro-reportagem.

Ainda de acordo com o jornalista Ribeiro Jr., as Verônicas Serra (filha do principal suspeito) e Dantas (irmã do banqueiro Daniel Dantas, sócio do Banco Opportunity, condenado por crimes como evasão de divisa e formação de quadrilha) usaram três empresas para trazer US$ 5 milhões do Citibank ao Brasil pelo trajeto Miami-Caribe-São Paulo. Isso seria apenas uma pequena fração da propina paga por favorecimento nas privatizações, uma vez que o Ciribank comprou parte da Telebrás em parceria com Dantas.

A revelação destes e outros dados no plenário de uma CPI, antes das eleições municipais, segundo um renomado líder tucano, que prefere falar em condição de anonimato “para evitar situações ainda mais desagradáveis do que outras que têm ocorrido no PSDB paulista”, seria suficiente para naufragar a campanha de Serra à prefeitura paulistana.

– Sem dúvida, um setor do partido tem trabalhado incansavelmente para adiar a instalação da CPI da Privataria. Se os trabalhos começarem antes das eleições, a campanha de Serra corre o sério risco de ir direto ‘para o vinagre’, por mais que se tente controlar o caso junto à imprensa amiga. Mas o partido, infelizmente, está fragmentado. Embora Serra ainda tenha peso específico na legenda, o desgaste é cada vez maior – disse o político tucano.

A instalação da CPI da Privataria, porém, é ponto de honra para o delegado da Polícia Federal, eleito à Câmara dos Deputados pela principal legenda comunista no país. Protógenes Queiróz reúne a militância do Partido para, nos próximos dias, iniciar uma série de manifestações públicas no sentido de pressionar a Mesa Diretora da Câmara a definir, o quanto antes, os nomes dos integrantes da CPI.

– Vamos começar a recolher o apoio, por todo o país, dos eleitores que querem ver o Brasil passado a limpo. Em São Paulo, já na semana que vem, teremos pontos de recolhimento dessas assinaturas. O mesmo movimento se repetirá no Rio de Janeiro e nas principais capitais do país. O momento agora é de mobilização popular – afirmou Protógenes.

Principal elo de ligação entre José Serra e o esquema de desvio dos recursos públicos, durante o processo de privatização, Ricardo Sérgio de Oliveira – indicado para uma diretoria do Banco do Brasil por seu padrinho político – com influência na gestão dos fundos de pensão estatais, ampliou o faturamento de suas empresas, principalmente em negócios com os próprios fundos de pensão. Para a Previ, as empresas dele venderam um prédio por R$ 62 milhões. Da Petros, compraram dois prédios por R$ 11 milhões. Denúncias sobre a ação de Ricardo Sérgio chegaram à capa da revista semanal de ultradireita Veja, em 2002.

O dinheiro da compra do prédio da Petros foi internalizado no Brasil a partir de uma offshore caribenha, no paraíso fiscal onde a filha de Serra operava com suas empresas. Ricardo Sérgio, segundo Protógenes, será um dos primeiros convocados a depor na CPI da Privataria Tucana.

Mas já foi instalada? Nao vi notícia sobre isso (ainda nao li nada hoje, e pouca coisa ontem). Entao já houve progresso... Mesmo que seja realmente efetuada só depois das eleiçoes. 

Protógenes: Há risco de que as CPIs fiquem para depois das eleições

Há duas CPIs com alto potencial de influir nas eleições municipais deste ano, a da Privataria Tucana e a do Carlinhos Cachoeira. Mas, em função das normas regimentais da casa, apenas uma poderá sair ainda este ano. E a negociação será feita entre as bancadas. “Há, sim, o risco de que fique tudo para depois das eleições”, afirma o deputado Protógenes Queirós (PCdoB-SP), autor dos pedidos de instalação das CPIs.

Najla Passos, em Carta Maior

Brasília – Duas Comissões Parlamentares de Inquérito (CPIs) com alto potencial de influir nas eleições municipais deste ano, a da Privataria Tucana e a do Carlinhos Cachoeira, continuam paradas na Câmara dos Deputados, aguardando decisão de instalação exclusiva do presidente da casa, deputado Marco Maia (PT-RS). Mas, em função das normas regimentais, apenas uma poderá sair ainda este ano. E a negociação será feita entre as bancadas.

De acordo com o deputado Protógenes Queirós (PCdoB-SP), autor dos pedidos de abertura das duas CPIs, ambos atenderam aos requisitos formais da casa, como o quórum mínimo necessário de assinaturas, que é de 171 deputados. Entretanto, como o presidente já instalou três outras CPIs em 2012 e há uma quarta na lista, haverá espaço para apenas mais uma delas neste ano legislativo. “Pelas normas da Câmara, só podem ser instaladas cinco CPIs por ano”, explica.

A decisão sobre qual delas deve ter prioridade é controversa e pode ficar nas mãos de interesses partidários e pressões sociais diversas. “São escândalos de grande envergadura, pois batem nas estruturas dos poderes da República e na política partidária”, justifica Protógenes, que defende a urgência de ambas. O deputado admite, porém, que as negociações com os colegas de parlamento serão difíceis. “Há, sim, o risco de que fique tudo para depois das eleições”, afirma.

Segundo ele, a CPI da Privataria Tucana investigará denúncias de desvios de recursos durante privatizações ocorridas no governo Fernando Henrique Cardoso, tendo como principal alvo o ex-ministro tucano e atual candidato à Prefeitura de São Paulo, José Serra. A base das acusações é o livro A Privataria Tucana, de autoria do jornalista Amaury Ribeiro Jr.

“Já havia uma articulação dos deputados para dar início à CPI da Privataria, mas a candidatura de José Serra às eleições municipais de São Paulo embaralhou o cenário. Eu, particularmente, acho que uma coisa independe da outra, mas muitos partidos que assinam o pedido temem a acusação de uso político da CPI”, explica o deputado.

Para ele, José Serra não deveria sequer sair candidato, já que “será investigado por fatos muito graves”.

O temor de uso político pode prejudicar também a abertura da CPI do Cachoeira, que investigará um dos maiores escândalos da atualidade: o envolvimento de parlamentares com o contraventor Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, preso pela Polícia Federal em fevereiro, sob a acusação de comandar uma quadrilha especializada em jogos ilegais, com ramificações na máquina do estado e na imprensa.

A cada dia surgem novas revelações sobre o envolvimento de parlamentares com o bicheiro. As mais contundentes delas são sobre a participação do senador Demóstenes Torres (DEM-GO) no esquema. Demóstenes é acusado, inclusive, de usar seu mandato parlamentar a serviço do crime organizado e já está sendo investigado pelo Supremo Tribunal Federal (STF)

O deputado federal e ator Stepan Necessian (PPS-RJ) se licenciou do partido após a divulgação das notícias de que teria recebido cerca de R$ 175 mil de Cachoeira. Escutas telefônicas autorizadas pela Justiça apontam, ainda, as ligações do contraventor com os deputados Carlos Leréia (PSDB-GO) e Sandes Júnior (PP-GO).

“As relações do Congresso com o crime organizado são muito ruins para o país, porque fragilizam o Estado brasileiro. Nós [parlamentares] não podemos ficar omissos e esperar que a solução venha via burocracia judicial. Apurar quem são os parlamentares envolvidos e quais eram suas participações no esquema criminoso é nossa obrigação moral”, acrescenta.


http://www.viomundo.com.br/politica/protogenes-ha-risco-de-as-cpis-...

MARCO MAIA substituiu Dilma Roussef e recebeu prefeitos de suas bases eleitorais. É a esses prefeitos que devemos pressionar por e-mails, para que transmitam ao seu líder a necessidade de cumprir seu dever e instalar as duas CPIs, a da Privataria Tucana e a do Cachoeira. 

Não podemos dar sossego a esses caras!

De volta à cadeira de presidente da República de forma interina, o deputado Marco Maia (PT-RS) abre novamente as portas do Planalto para receber prefeitos do Rio Grande do Sul.

A agenda presidencial desta terça-feira (27) inclui audiências com Jairo Jorge, prefeito de Canoas, e Paulo Alfredo Polis, prefeito de Erechim.

Na última vez em que assumiu o cargo, em dezembro do ano passado, Maia já havia recebidocomitiva de prefeitos do Rio Grande do Sul, dando um tom mais político para a agenda presidencial.

RSS

Publicidade

© 2019   Criado por Luis Nassif.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço