Portal Luis Nassif

A EDUCAÇÃO BÁSICA É A PRIORIDADE DO BRASIL!

Com o encerramento das eleições 2018, declaro que só teremos um país menos injusto, soberano e independente se lutarmos por essa educação:

ABRA O LINK!
https://www.facebook.com/LafaieteDeSouzaSpinola/posts/536024086555004

LUTEMOS CONTRA O PROJETO ABSURDO EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA, PROJETO DO TEMER!

Com o resultado das urnas, no dia de hoje, a nossa maior prioridade é lutar por uma educação básica de alta qualidade que acabe de vez com o atraso reinante no Brasil.

Toda essa polarização, toda essa divisão reinante em nossa sociedade, tem um fator preponderante que conduz nessa direção: As injustiças sociais que despertadas do seu sono profundo adubam o ódio. E a maior injustiça é sonegar o saber, é boicotar a educação básica às nossas crianças, aos nossos jovens!

Se não houver uma mobilização profunda por essa causa, como aconteceu para as eleições, então, todo esse esforço terá sido em vão, pois, essa luta deve ser por dias melhores que só conseguiremos caso essa mobilização passe para um patamar maior, mais determinante para o futuro do Brasil.

Esse novo passo é lutarmos por um projeto como o proposto, aqui, no link acima, ou melhor! Nada de meio termo, de aproximações, de tapeações, de enganações, de educação à distância etc. Etc!

Se não for assim, estaremos caminhando para um beco sem saída, para o abismo!

O caminho a ser seguido deverá contar com o povo! Sem o povo, na condução, na fiscalização, não chegaremos lá. No início, esse povo precisa ser minimamente esclarecido, pois, ele consegue entender, quando sente confiança! Depois, ele, pouco a pouco, sentindo que tudo vai mudar para melhor, vai se engajar.

Esse projeto trata, apenas, dos recursos, dos investimentos necessários!

Quanto aos diferentes métodos de ensino, não considero que seja oportuno entrar em discussão, pois, seja ele qual for, vai necessitar, impreterivelmente, desses investimentos.

Poderíamos, em algumas unidades piloto, adotar métodos diferentes e, com o passar do tempo, realizar avaliações para analisar o sucesso, corrigir eventuais erros. Porém, o básico deve ser padronizado, como a educação em tempo integral, laica, com esporte e cultura diversificados.

O sociólogo Cesar Callegari, apropriadamente, declara sobre a Reforma do Ensino Médio:

Dentro dessa proposta encaminhada, e que começou a ser discutida no CNE, tem uma medida que é uma das mais nefastas para a educação brasileira: permitir que parte do ensino médio, parte grande do ensino médio seja feita à distância.

Nós não concordamos com esse tipo de visão. Nós temos que fortalecer a escola, isso significa fortalecer os professores, toda a equipe escolar, a estrutura da própria escola deve ser fortalecida e tudo isso representa necessidade de investimentos maiores em educação.

Nós não podemos permitir que aos jovens brasileiros seja sonegado o direito de conviverem com eles próprios.

Nós sabemos que tem muita coisa que aprendemos na escola que não estão nos livros. Aprende a respeitar as diferenças, aprende os elementos fundamentais de solidariedade, de união, de laços afetivos fundamentais. Isso se constrói com relações sociais concretas, no território dos afetos que é a escola, não atrás de uma tela de computador num quarto escuro.

Não é assim que se constrói uma sociedade solidária que nós queremos para o país. Tem muita gente que não quer isso e quer abrir o ensino médio para que seus recursos sejam aproveitados pelos grandes grupos econômicos privados da área de educação, que pretendem abocanhar parte significativa dos recursos educacionais sobretudo na área pública.

Não podemos permitir que essa medida prospere e para isso precisamos nos mobilizar. A reforma do ensino médio é algo necessário, mas é algo que precisa ser discutida com a sociedade, em primeiro lugar com os professores e estudantes, que têm muito a dizer a respeito da escola em que pretendem estudar.

O ensino médio brasileiro vai mal, menos de 7% dos jovens que vão para o ensino médio alcançam um nível de proficiência minimamente adequado em matemática e menos de um terço conseguem passar no ensino médio com os conhecimentos elementares em língua portuguesa.

Então isso precisa mudar, mas tem que mudar para valer, mudar verdadeiramente, apoiando aquilo que é fundamental na educação que são professores e alunos nas suas condições de trabalho para que seja possível avançar na educação.

O Noam Chomsky, professor do MIT (Instituto de Tecnologia de Massachusetts) comenta:

O objetivo é manter as pessoas isoladas das verdadeiras questões e umas das outras.

Qualquer tentativa de organizar ou estabelecer ligações com o coletivo tem de ser esmagada. Tal como nos estados totalitários, a censura é muito real nas sociedades abertas, apesar de assumir formas diferentes. Perguntas que são ofensivas ou embaraçosas para o sistema doutrinal são interditadas. As informações inconvenientes são suprimidas.

Não é preciso ir muito longe para se chegar a esta conclusão, basta analisar de uma forma honesta aquilo que é noticiado nos meios de comunicação social e aquilo que é deixado de fora; tentar entender honestamente qual a informação permitida nas escolas e qual a proibida.

Qualquer pessoa com uma inteligência média consegue perceber como os meios de comunicação social manipulam e censuram a informação que consideram inconveniente. Pode dar algum trabalho descobrir as distorções e a ocultação da informação. Mas a única coisa que é preciso é o desejo de conhecer a verdade.

No Brasil, tudo isso faz parte do golpe executado pelos testas-de-ferro.

Estão transformando o Brasil numa imensa colônia do século XXI, passo a passo. Uma colônia não necessita de uma educação de qualidade! Os colonizadores necessitam, apenas, de administradores dos seus negócios!

Um país com alto nível educacional pode tornar-se em um potencial concorrente. Infelizmente, é assim que pensa essa gente!

Olhem o que diz o Noam Chomsky: A classe instruída tem sido denominada uma classe especializada, um pequeno grupo de pessoas que analisam, executam, tomam decisões e gerem as coisas nos sistemas político, econômico e ideológico.

A classe especializada é geralmente composta por uma pequena percentagem da população; eles têm de ser protegidos do grosso da população, a quem chamam de rebanho desnorteado.

Esta classe especializada leva a cabo as funções executivas, o que significa que são eles que pensam, planejam e percebem os interesses comuns, que para eles são os interesses da classe empresarial.

A grande maioria das pessoas, o rebanho desnorteado, deve funcionar na nossa democracia como espectador, não como participantes na ação, de acordo com as crenças liberais.

De vez em quando é permitido aos membros do rebanho desnorteado participar na aprovação de um líder através daquilo que chamamos eleição. Mas, uma vez confirmado um ou outro membro da classe especializada, devem retirar-se e voltar a ser espectador.

Quando o rebanho desnorteado tenta ser mais do que simples espectador, quando as pessoas tentam tomar-se participantes nas ações democráticas, a classe especializada reage àquilo que chama crise de democracia. É por isso que existiu tanto ódio entre as elites dos anos 1960, quando grupos de pessoas que historicamente sempre foram marginalizadas começaram a se organizar e a interferir com as políticas da classe especializada.

Entenda o porquê da educação, no Brasil, ser abandonada.
Se essa gente atua dessa forma, em seu próprio país, o que esperar nas colônias!

Exibições: 27

Responder esta

Publicidade

© 2018   Criado por Luis Nassif.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço