Portal Luis Nassif

O Brasil definitivamente consegue ser atrasado até no “rolezinho”. Esse fenômeno é realidade há anos em shoppings dos EUA. Aqui só estamos vivenciando-o agora, mas mesmo assim, reputo-o como insignificante e sem propósito. 

Nesse contexto, aproveito o espaço para opinar acerca dos limites conferidos aos cidadãos que desejam se reunir em um shopping center. Inegável a utilidade e conveniência desses ambientes uma vez que com a violência que assola as cidades brasileiras, o shopping se tornou um refúgio repleto de atrativos gastronômicos e culturais.

Certo, ainda, que o número cada vez maior de shopping centers deve-se, dentre outros motivos, à inviabilidade de os cidadãos contribuintes frequentarem praças e jardins públicos. Ou será que alguém prefere o gelo seco do ar-condicionado dos shoppings ao ar livre da natureza?

Dentro dos shoppings, o risco de ser assaltado é menor do que nas ruas, o que faz com que seja mais frequentado. Porém, quando centenas de jovens resolvem agendar  um encontro em um espaço privado sem que os proprietários possam precisar os efeitos e consequências, surgem as indagações: quem tem mais direito? O jovem cidadão com o famoso  constitucional “ir e vir” ou o proprietário do estabelecimento?

Há defesa para os dois. Os jovens, até que se prove o contrário, estão organizando um ato lícito e pacífico mesmo que a consequência, em certos casos, seja a depredação ou o furto, como ocorreu recentemente em São Paulo.

Impossível não manter, em defesa desses jovens, o benefício da dúvida. Como saber quantos irão ao shopping e quais deles eventualmente furtarão ou depredarão algum estabelecimento? Não se trata de entrar no mérito se são ou não menores de idade.

Por outro lado, devido à qualidade que os shoppings ostentam de privacidade, os proprietários dos estabelecimentos têm o direito de preservação da integridade de seu espaço da forma que entendam mais segura. Isso inclui o ingresso em Juízo para impedir a concretização do “rolezinho”, como já ocorreu.

Na verdade, o que me intriga é essa mobilização feita por jovens para um desfecho sem maior sentido. Por que não se organizar para lutar por direitos mais importantes e urgentes, que são constantemente desrespeitados como a saúde, a educação e a segurança pública?

Dar um “rolé”, na época em que eu era adolescente, consistia em um ato realizado nos momentos de ócio e não em dias úteis em que esses “mobilizadores” deveriam estar estudando ou trabalhando e a internet sendo usada para fins instrutivos.

Acho improdutivo que a mídia continue dando margem a esse tema. Os jovens precisam entender que não é dando um “rolé” que se constrói algo produtivo. Ao contrário: às vezes, é preciso sentar e concentrar-se para mobilizar-se de forma ordeira, visando a resultados benéficos.

Por que essa mobilização não está sendo feita nos espaços públicos? Estariam esses jovens receosos de não serem notados ou é porque os espaços abertos não dão a sensação de invasão?

Estamos iniciando o ano de 2014, tentando fechar as feridas de 2013 e não será dando um “rolezinho” que nossos jovens estarão acrescentando algo benéfico e edificante, muito menos mobilizando-se em favor de uma causa sem qualquer sentido substancial.

Exibições: 384

Responder esta

Respostas a este tópico

Caro Humberto

Escrevo essa resposta às suas colocações ouvindo o Djavan, esse alagoano é fantástico, outras tantas letras e musicas maravilhosas, Oceano, Meu bem querer, Pétala e tantas outras obras primas.

Segue o mesmo Djavan como exemplo de útil e produtivo, sabe como ninguém expressar através da sua arte um "oceano" de amor, o "bem querer" entre as pessoas com a delicadeza de uma "pétala" de flor.

abraços

 

Ola,

A intenção dos jovens, com raras exceções, não é, pelo menos nos chps, fazer manifestação política. A ideia de politizar os "rolezinhos" não nascem na ideia juvenil, essa ideia é algo mais sórdida, e vem, ao meu ver, de cabeças mais caretas. Não vou me arriscar dizer de onde, mas deixo uma pergunta: a quem interessa politizar o "rolezinho"?

Caros

Concordo plenamente, o interesse em politizar os chamados "rolezinhos" é único e exclusivamente dos políticos, de um lado, supervalorizando o fato e de outro criticando as ações da policia na contenção dos excessos.

Porem o que tenho colocado aqui e tenho percebido nos jovens atuais, (pode até ser ranço característico nos  idosos), é a falta de repeito aos mais velhos e ao patrimônio alheio e responsabilizei essa característica dos jovens atuais ao ócio com que eles são expostos, culpando o "Estatuto da criança e adolescente" por isso. Assim não estudam tempo integral pois não se tem escola para tanto e não pode trabalhar porque o ECA não permite, como sair de uma encruzilhada dessa ?

Com essas colocações, recebi um contra argumento do Humberto que a nem tudo deve-se olhar como utilitário e produtivo, pois o Humberto analisa os termos vinculando-os à economia. Venho tentando com minhas colocações focar o "utilitário e produtivo" no sentido mais amplo, em tudo nessa vida podemos ter essa visão onde utilidade seria para que serve pessoas, coisas ou ações e produtivo o que resulta dessas mesmas pessoas, coisas ou ações, certamente poderemos classifica-las em boas ou mas.

Ótimo final de semana

abraços 

RSS

Publicidade

Blogs Brasilianas

© 2017   Criado por Luis Nassif.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço