A iniciativa de abrir este tópico veio de uma conversa por email com várias pessoas. Estávamos discutindo o fato de certas postagens no blog-mãe favorecerem um clima não amigável às mulheres, por vezes até misógino, e como ele desanima as mulheres de postarem lá, por já saberem de antemão que terão de lidar com comentários desagradáveis, quando não ofensivos, como foi o caso do post Antidepressivo que acalma a mulher: o sêmen. Pensamos então em fazer uma espécie de "manifesto" a ser posto no Fora de Pautafalando em como aquele clima nos incomoda. Mas, para que isso não fique só atribuído a uma ou duas pessoas, combinamos que eu criaria primeiro um tópico aqui no Portal, onde várias pessoas pudessem se manifestar. A palavra está aberta.

Links para os dois topicos que provocaram nossa indignaçao: 

http://www.advivo.com.br/blog/luisnassif/antidepressivo-que-acalma-...

http://www.advivo.com.br/blog/luisnassif/o-semen-como-antidepressiv... 

   

Exibições: 7557

Responder esta

Respostas a este tópico

Cara Lídia.

Mais uma vez vou explicar, existem diversas formas de refutar determinada coisa, uma indo no sintoma e outra indo na doença.

Toda ideia de racismo, antissemitismo e sexismo e outros ismos deploráveis, se cobrem de um aura de cienticismo para dar guarida as hipóteses mais retardadas possíveis, se não lutamos contra a origem ficamos simplesmente esbravejando e deixando uma porta de saída para estas aberrações. Se vocês querem se alimentar de rancores sem ir a raiz de tudo isto, deixando sempre uma porta aberta para o raciocínio dos ismos, eu não quero. A melhor forma de combater isto tudo é provando quão idiotas são todas estas "teorias", o racismo, por exemplo, deve ser combatido tirando toda a base supostamente racional, restando somente aspectos emocionais e preconceitos puros.

Agora se eu não respondi no início disto tudo com um libelo de indignação foi por dois motivos, primeiro que tive acesso a informação do post quando ele já estava bem evoluído e segundo porque a minha forma de combater estas besteiras é outra. Se não gostas da forma que adotei não posso fazer nada, mas também não gosto que pautem como eu reajo.

Esse comentário me pareceu o mais claro.

Então, quando sair algo pseudo-científico podemos falar com tranquilidade: "isso soa como cientificismo a serviço do machismo (ou da homofobia, do racismo, da intolerância)"

À parte, se surgirem comentários sonsos podemos falar : "você está sendo machista, homofóbo, etc. porque está disseminando um preconceito e isso fere a igualdade de direitos das pessoas."

Seria por aí?

Claro que não dá pra pautar os outros, Rogério. Mas dá pra deixar desconfortável se nos interessa. Nos anos 1980, mais ou menos, quando eu já era adulto e ainda não havia a Constituição de 1988, lei 7716/89, novo código civil (descriminalizando o adultério e aumentando os direitos da mulher companheira em união civil) eu já fazia questão de fitar quem quer que fizesse uma piada machista ou racista. Aos poucos mais gente vai fazendo, a pessoa vai vendo que não tá agradando. Uma hora ela reflete porque não está agradando e de repente cai na real ou entra no armário.

Mas do que você falou, "contra" e "a favor", "todos os lados", sai um gancho. Qual é a "tese" desta estória toda?

Eu diria que é a seguinte:

"Provocações, comentários e piadas machistas são percebidos como auxiliares à manutenção de um estado de coisas que não interessa, uma sociedade dividida por gênero em mais e menos oportunidades. E por isso não são bem-vistos em um ambiente frequentado tanto por vítimas desse processo como por pessoas em geral interessadas na evolução da sociedade."

Embora machismo não seja ilegal, a propagação livre e solta dele é perniciosa, atrasa muita coisa. Por isso incomoda. Se um comportamento incomoda por ser antissocial, membros da sociedade têm o direito de admoestar quem incomoda. Tal qual se faz numa reunião social.

Existem problemas em todos os lados, é fato. Mas o feminismo tem pelo menos várias intenções boas. As pessoas não precisam ficar tímidas em afirmar o seguinte : "o machismo é um problemão em si, não tem jeito de achar alguma virtude nele". 

Em 3 ou 4 posts (ao longo do tempo, não nesta semana) coloquei desafios aos comentaristas, perguntando : "então, se se trata mesmo de 2 lados, qual a vantagem do lado "machista"? ".

O diacho é que nunca tem resposta. O máximo é alguém dizer "você está sendo radical". Radical por que, se estou abrindo a oportunidade pra alguém citar as vantagens, né?

Cláudia

E é exatamente este que eu digo que não é científico! O texto que deu origem a tudo.

Com certeza Marco Fernandes...todos fomos criados dentro de uma sociedade machista. Mas, uma vez que temos conhecimento e consciência do que isso representa, cabe a nós mudar o panorama. Incidentalmente, pode ocorrer uma fala, uma brincadeira, porém, algo mais prolongado são as raízes brotando e persistência é o machismo se afirmando.

Claro que muitas mulheres, até inconscientemente, seguem nessa tradição e alimentam o sonho de muitos. 

Aqui, acho que não cabe essa postura.

 

Muito bom  Marco, a  auto-reeducação como solução.

Acredito que  esse caminho é o mais justo e vamos todoss nos redefinindo. Triste essa coisa de aprender através da imposição da lei ou do sofrimento de muitos. 

abço

Se em um casal mulher e homem aceitam mutuamente e de bom grado divisão de papéis de gênero isso é sintoma de um ambiente machista, mas não podemos condenar as pessoas que não tiveram outro aprendizado. Ou, que tiveram e optam por isso por esse ou aquele motivo (eu não condenaria um casal onde o homem tomasse conta da casa e a mulher fosse provedora, mas acho, de modo geral, que isso também pode ser uma forma de se privar do talento de uma das partes.)

Mas acho que seria condenável, por exemplo, se um deles (aí tanto faz H ou M) quisesse impor os mesmos padrões aos descendentes (ou a qualquer um).

O grande problema é a divisão de papéis por imposição, tolhendo as oportunidades para as pessoas. E a glorificação da divisão (machismo) através de vários meios (como piadas) é negativo porque se torna uma forma de impor.

Gente, olhem até que ponto as coisas estao chegando com esse clima permissivo no Blog quanto ao respeito com a mulher. Hoje, num tópico que falava de um caso de estupro no BBB, houve o seguinte comentário (do ex-Caixa Preta, que usa um nome que parece um palavrao): 

Agora, eu estava me referindo às preocupações dos comentaristas, aqui do Blog, com a reputação da meiga e vestal,  "mocinha casadoira". Afinal, não me parece que ela esteja confinada em um convento, muito pelo contrário; mais parece uma "Casa de Tolerância"

Ou seja, se a mulher nao é uma cândida donzela, pode ser estuprada. Já nao é mais o machismo bocó, é o machismo violento mesmo. 

AnaLu, fugindo do assunto deste post, tenho a ligeira impressão que este tal estupro no BBB foi uma armação, algo para obter audiência. Sei lá, esta história não está me cheirando bem.

Pode até ser, Alexandre. Mas daí a defender isso... 

Ana Lú

Espere mais um pouco para não gastares a tua indignação com uma armação. Há um ditado gauchesco que serve para este meu recado, talvez indignar-se com o fato seja:

”Gastar pólvora com chimango”.


Mas quanto a tua indignação estou começo agora a escrever uma observação que talvez te interesse.


Minha indignaçao nao foi com o suposto fato, foi com a justificaçao do mesmo e a culpabilizaçao da moça! Dentro do nosso Blog... Até que ponto isso vai chegar? 

RSS

Publicidade

© 2020   Criado por Luis Nassif.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço