Manifestações massivas houve em grande parte das maiores cidades brasileira e continuam, com maior ou menor força, a depender de que vertente seja considerada. Iniciaram-se a partir do Movimento do Passe Live – MPL, na sigla que facilita tudo e revela o jornalitismo que impregna a escrita. O MPL voltou-se contra um absurdo imenso, que são os preços dos transportes públicos no Brasil, preços que drenam parcela significativa da renda dos usuários e custeiam serviços ruins.

Isso da haver manifestações massivas surpreende uns, desagrada outros e mete medo em alguns. É comum, da parte do governo, minimizar as coisas e da parte das oposições, propor repressão radial, por um lado, e tentar apropriar-se, por outro. As manifestações são movimentos políticos, o que é inescapável e ainda bem que assim é.

Na raiz do MPL está a ascensão de parcelas da pobreza e da classe média muito baixa a condições melhores. Isso ocorreu nos últimos dez anos e pode ser explicitado por números até para os impermeáveis quem vive a vida entre o apartamento de 150 m2, o Land Rover blindado e o shopping center com estacionamento caro e não servido por linhas de ônibus. Se esta gente perceberá mesmo a evidência dos números, é outra coisa.

Mudar ainda que timidamente a estrutura de apropriação de rendas de um país populoso é algo que insere no jogo variáveis com que os mesmos promotores da mudança não contavam. Eles, com as poucas exceções de sempre, pensam em termos organizadinhos demais e ficam pela estória do pessoal estar a comprar mais TVs e geladeiras.

Acontece que o maior consumo de TVs e geladeiras é a parte evidente do encontro dos interesses dos ascendentes e dos sempre estabelecidos. Haverá, sempre, espaços de não intercessão entre os interesses desses grupos. Os vendedores deslocar-se-ão em helicópteros, tratar-se-ão no Sírio ou no Einstein e contarão com uma benevolência inercial quando tiverem que recorrer a serviços públicos não essenciais.

Aí, os interesses desconectam-se. Para quem viu a situação melhorar timidamente no que se refere ao poder aquisitivo, breve será o intervalo para perceber que certas coisas, a despeito da melhora inicialmente mencionada, continuam estruturadas muito mais a favor de quem oferece serviços concedidos, principalmente.

É também muito natural que os governantes se acomodem e creiam que serão endeusados ou pelo menos reconhecidos perpetuamente pelo que já foi obtido. Mas, é sinal forte de vitalidade social pedir mais e isso houve com o MPL.

O desconcerto atingiu, tanto governo, quanto oposição e seu braço condutor, a imprensa. Uma semana intermediou a tomada de posições dessas duas partes envolvidas. Governos, em várias esferas, viram rápido a necessidade de reprimir a crescente violência e vandalismo dos movimentos, mas sem violar a proporcionalidade, como a tinham violado com violência brutal, no início.

Oposição e imprensa levaram aproximadamente uma semana até passar do convite reiterado à repressão brutal à percepção de que podiam apropriar-se dos movimento como se eles fossem à partida, específica e unicamente contra o governo federal. Nesse ponto, recuaram dos convites à repressão e passaram a criar pautas para os movimentos que não eram as deles movimentos.

Do ponto de vista da oposição, abria-se uma maravilhosa janela para inserir algo que nunca têm: povo. A partir daí, seria mais fácil dar a segunda volta do golpe sempre sonhado e trabalhado: tornar a coisa um caso judicial. Daí que inseriram os ovos da serpente: o anti-partidarismo – que nesses casos atende pelo incorreto termo apartidarismo – e a contrariedade a coisas que um movimento de massas não consideraria nem reputaria relevante, como se deu com a artificialíssima objeção à PEC 37.

Tão grande foi o descompasso entre o que os media diziam ser objetivos dos protestos e o que percebem as pessoas e vêem nas TVs, que a coisa revelou-se um tanto absurda. É complicado até para o mais rede globo dos seres negar que usaram de mão muito pesada no viés forçado que deram às coisas. As manifestações iniciadas pelo MPL não eram contra o governo, elas eram para além do governo.

O governo, este insistiu, inicialmente, na tolice de ver somente infiltrados a soldo para desvirtuarem os movimentos. Claro que infiltrados a soldo há muitos, porque Cabo Anselmo não é algo único, mas não é possível, tampouco que Cabo Anselmo seja 100%. Nesse ponto, a Presidente Dilma parece ter percebido com bastante acuidade de que se tratava, e disse haver boa-vontade em conversar com os proponentes reais, disposição de revidar o vandalismo puro e simples e vontade de aperfeiçoar o jogo político.

Sabiamente, o MPL denunciou a inautenticidade da virada à violência que se viu na maior parte dos protestos subsequentes aos momentos iniciais. Isso que se põe sob a sigla MPL quer tarifas de transportes adequadas e quer aprofundamento da democracia. Ora, isso convém aos integrantes deste governo que não tenham sido inteiramente capturados pela autoreferência ou pela inércia do salvador que se crê merecedor de sacrifícios diários no altar da celebração acrítica.

Seria inteligente que o núcleo a pensar o que foram melhoras evidentes nos últimos anos percebesse que seu projeto é deles e dos destinatários também, que são os manifestantes não voltados à porralouquice do contra todos e tudo e contra PEC 37 e outras irrelevâncias deste tipo. Os governantes não terão espaço para querer manter a autocracia. E não terão espaço para querer manter-se no governo se acharem que manifestações são nada, porque afinal eles seriam os depositários da verdade na condução de um povo incapaz de conduzir-se.

Haverá quem o perceba, espero eu. Porque, do contrário, a coisa toda volta a ser o substrato de apoio porralouca ao golpe que se dará contra a maioria, inclusive contra os que foram desempenhar patéticos atos de vandalismo. A parte vândala e pautada por uma lista de prioridade que parece advinda exatamente de onde estaria o alvo da manifestações, essa é massa de manobra clássica e sempre serve ao que se triunfante os porá em situação ainda pior.

Se a lógica formal fosse essa maneira divina de decifrar e expor a realidade, perceberiam todos que os movimentos não são, nem o pedido de derrubada de um governo, nem uma falsificação totalmente manipulada contra o governo. As manifestações – excluindo-se vândalos, infiltrados, neo-nazis e coisas do gênero – são vontade de participar na política, porque querem mais e não aceitam retrocessos, embora essa última negativa ninguém enfatize.

Para o governo hoje chefiado pela Presidente Dilma, o caminho mais sensato a trilhar passa por expurgar os elementos do governo que creem em simplismos e acham conveniente aliar-se à imprensa inimiga para tachar os manifestantes de alienados. E deixar de insistir em dizer -se aberto a conversas com movimentos organizados. Terá que falar com organizados e desorganizados, embora nunca tenha que conversar com criminosos, porraloucas ou nazistas a soldo.

Para a oposição, conviria que deixasse de achar sempre a melhor estratégia o quanto pior melhor. Além de ser facilmente identificável a patifaria, porque o comerciante em prejuízo não ouve conversa besta ideológica, a baderna não agrada a todos e nem sempre é eficaz pô-la na conta do governo, porque há contradições tão grandes que até a proverbial imbecilidade da classe média tem limites e é capaz de ver a farsa, quando evidente demais.

O que o povo quer, deve ser escutado. O mais difícil de tudo é que o médio classista ouve o que lhe diz quem não comunga com ele dos mesmos interesses. O médio classista é o sujeito que abomina o suicídio social, mas está sempre à beira dele por não pensar organizadamente com sua própria cabeça.

Hoje, manter tudo como está implica – a provar o dito proverbial do Príncipe de Salina, ou terá sido Tancredi, não lembro – mudar quase tudo. E, para desespero de quem tentou apropriar-se das manifestações e montar o cavalo selado, mudar tudo para manter tudo é dar mais uma volta nos parafusos da melhora de distribuição de rendas e principalmente no da democracia direta.

Exibições: 79

Responder esta

Publicidade

© 2019   Criado por Luis Nassif.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço