PANE SPEEDY/TELEFÔNICA À VISTA E A PRAZO... / DO TELETIME NEWS

Associação de engenheiros vê problemas de topologia na rede da Telefônica
segunda-feira, 29 de junho de 2009, 18h52


Em todos os episódios envolvendo falhas no Speedy, a Telefônica negou problemas sistêmicos em sua rede, tratando as panes como eventos isolados. Mas, para a Associação dos Engenheiros de Telecomunicações (AET) esse diagnóstico não é preciso. A associação diz ter investigado a estrutura da rede de dados da empresa e assegura que "a atual topologia da rede de dados (banda larga) já não atende à demanda crescente de tráfego". A análise foi encaminhada ao Conselho Consultivo da Anatel, por meio de carta em resposta à solicitação de participação do debate, ocorrido na última sexta-feira, 29, sobre os problemas em São Paulo.

A carta acabou não sendo lida durante o evento, o que fez com que a Telefônica não fosse confrontada diretamente com as análises da AET. Mesmo assim, surgiram perguntas dos conselheiros sobre a saúde da rede de dados da Telefônica. E a companhia negou a existência de uma degradação em sua infraestrutura capaz de comprometer sua operação de dados.

O diagnóstico técnico da AET aponta para uma troca intensa de tabelas de endereçamento do MPLS (rede de dados) em camada 3. Segundo Ruy Bottesi, presidente da associação, o método escolhido pela Telefônica de processamento desses pacotes via camada 3 é muito complexo e desestabiliza a oferta do serviços, chegando a inviabilizá-lo em alguns momentos. "É tanta troca de sinalização que o sistema está entrando em colapso. Do jeito que está, a rede não tem eficiência. A troca de sinalização é tão intensa que chega uma hora que ninguém mais tem Internet", afirma. "Se continuarem mantendo a rede como está, vai piorar."

Além do sistema pouco eficiente, outros fatores contribuíram para que a infraestrutura da Telefônica chegasse a este nível de problemas, diz a associação. Soma-se à topologia ruim, uma dificuldade de integração de equipamentos, com o uso de diversos fornecedores, e a sequência de demissões promovidas pela empresa nos últimos anos, reduzindo seu corpo técnico especializado. Por enquanto, a AET não sabe se o plano antipane apresentado pela companhia à Anatel é capaz de solucionar as falhas localizadas até agora. Na breve apresentação da Telefônica à imprensa dos pontos principais de sua proposta não foi citada nenhuma mudança estrututural de sua rede.

Um indício de que a sobrecarga na rede da Telefônica tem sido gerada por ela própria, com o uso de um sistema de endereçamento complexo demais para sua infraestrutura, é a política da empresa de garantir apenas 10% da velocidade da banda larga vendida ao consumidor. Segundo a AET, essa postura conta com o aval da Anatel e é inexplicável do ponto de vista técnico. "Ainda não conseguimos entender porque, tecnicamente, a Telefônica, com o aval da Anatel, garante apenas 10% da velocidade do serviço prestado via ADSL para o consumidor final, enquanto em determinados momentos chega a consumir até 90% do recurso da rede dando prioridade à troca de tabelas de roteamento em relação à aplicação do usuário", critica a AET.

Essa sobrecarga na rede da Telefônica, segundo Bottesi, já vem sendo constatada por fornecedores da empresa há algum tempo. Essas empresas, em diversas oportunidades, teriam sugerido à Telefônica uma mudança do sistema de endereçamento, simplificando a rede, mas as propostas não foram acolhidas. De acordo com os fornecedores, as falhas na empresa estariam "fugindo da normalidade", contou Bottesi.

Por enquanto, a AET só constatou na rede de banda larga de São Paulo e não tem notícias de falhas semelhantes no resto do país. A última pane, registrada no STFC, também não teria nenhuma relação com as falhas na banda larga, segundo os engenheiros. "Essas redes não estão interligadas. O caso do STFC foi uma fatalidade", avaliou o engenheiro.

Exibições: 92

Responder esta

Respostas a este tópico

... pelo que entendi o cliente-assinante paga 100% pelo serviço banda larga ADSL Speedy/Telefônica é só recebe 10% efetivamente de velocidade do fluxo de dados para seu uso. Paga 90% de velocidade do fluxo de dados pra Speedy/Telefônica ficar roteando em falso às voltas com sua própria inoperância da infraestrutura interna, ou seja, um dinossauro de eficiência: 90% de velocidade para rotear o sistema Speedy e 10% de velocidade na ponta do consumidor que paga 100% na conta de serviços...
seria interessante se a Anatel se informasse sobre o comportamento da Telefonica na Espanha:seria o mesmo?

RSS

Publicidade

© 2020   Criado por Luis Nassif.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço