O ovo da serpente da linguagem racialista


Por José Roberto Militão

“ PRETO é cor; a “raça” é negra”? Alimentando o ovo da serpente.

No combate ao racismo é imperiosa a desconstrução da linguagem de pertencimento racial. No espaço de uma semana, em dois tópicos, sucessivos e concorridos debates na internet sobre racismo no portal LUIS NASSIF ocorreu o uso abusivo em mais de duzentas vezes, da classificação racial dos pretos e pardos na condição racial de “negros” (`19/02, ´Preconceito sutil é mais forte e perpetua o racismo´; e 18/02, ´O DNA dos “Negros” e Pardos brasileiros´,)  http://www.advivo.com.br/blog/luisnassif/preconceito-sutil-e-mais-f....


Ficou obvio o uso da linguagem racialista é fonte do racismo que queriam combater. O perfil dos debatedores, sem dúvida, é de humanistas não racistas. A maioria reconhece a contundência do racismo sutil, tão bem exposto no texto de ANA MARIA GONÇALVES denunciando o cartunista ZIRALDO, com provas textuais, da prática do racismo na linguagem que uniu, com o intervalo de um século, dois expoentes da literatura infantil: ZIRALDO do sutil ´Menino Marron´ resolveu sair às ruas no carnaval de 2011 determinado a propagar a defesa pública da literatura com odiosa pregação racista e eugenista de MONTEIRO LOBATO, mentor intelectual de um plano de genocídio da raça negra proposto no livro ´O Presidente Negro´, a “solução final” para erradicar a “raça inferior”. http://www.cartamaior.com.br/templates/analiseMostrar.cfm?coluna_id....

Na condição de escritores para crianças, ambos utilizaram com maestria da poderosa arma da linguagem para a sedução às suas crenças, da fértil mente e frágil alma. ARISTÓTELES, em a Política, afirma: somente o humano é um "animal político", isto é, social e cívico, porque somente ele é dotado de linguagem. Os outros animais possuem voz e com ela exprimem dor e prazer, mas o humano possui a palavra (logos) e, com ela, exprime o bom e o mau, o justo e o injusto. Exprimir e possuir em comum esses valores é o que torna possível a vida social e política e, dela, somente os humanos são capazes. É isso: a linguagem capacita o homem, para o bem ou para o mal. A identidade política da ´raça negra´, em vez da cor preta, expresso no slogan, é uso perverso e irresponsável da linguagem que consolida a crença racial, semente de mais e mais racismo. Qualquer identidade racial é odiosa.

No combate ao racismo é essencial o pressuposto da igualdade humana a partir da única espécie humana. Consiste, ainda, na negativa, reiterada, de qualquer ´raça´ humana.

(continua...)

http://www.advivo.com.br/blog/luisnassif/o-ovo-da-serpente-da-lingu...

 

Exibições: 2219

Responder esta

Respostas a este tópico

Prezado Militão

 

Esse olhar da ´diferença´ será SEMPRE abrir espaço para a separação, pois olhar e ver um ´diferente´ já inibe a idéia da igualdade humana.

As sociedades que, supostamente, eliminaram as diferenças [olhar o diferente] foram as mais autoritárias. União Soviética e China são bons exemplos. Em especial a China com seus uniformes azuis.

Quando olho para as pessoas vejo seres diferentes de mim [não só pela cor] por inúmeros aspectos. E isso é muito rico como experiência, pois, trocamos "diferenças" e nos tornamos mais ricos em todos os sentidos.

As diferenças, no entanto, não devem se sobrepor - nunca - ao tratamento/relcionamentos isonômico e equitativo - em todos sentidos.

 

Um abraço

 

    ORLANDO,

    respondo a tuas três questões de forma bem objetiva:

 

 

  1 -  PALAVRAS/Semiótica:

    - minha questão não são ´palavras´ são os conceitos que eslas representam/significam... talvez você tenha esquecido o título da postagem que estamos debatendo: "O ovo da serpente da linguagem racialista."

 

  2 -  DIFERENÇAS: 

     - nós somos 6 bilhões de indivíduos diferentes. Porém não podemos considerar ´diferença´ em razão da cor da pele. Outras diferenças podem e devem ser consideradas, porém, em razão da trajetória do racismo que utilizou a cor da pele, essa ´diferença´ não poderá ser considerada em hipótese alguma.

   - É uma pré-condição para o combate ao racismo.

 

 3 - DIFERENÇA e RACISMO:

     ORLANDO, você mesmo cita com freqüência a questão dos judeus, que é um paradigma radical do racismo: também tinham a pele branca, porém, foram vistos e tratados como ´diferentes´ em razão da ´raça´. Tutsis e Hutus, Kosovo idem..

    Portanto, a luta contra o racismo é a pregação sistemática da não existência de grupos raciais ´diferentes´. Os humanos são diferentes, mas não poderão ser tratados como grupos raciais diferentes.

Boa tarde Militão!

Portanto, a luta contra o racismo é a pregação sistemática da não existência de grupos raciais ´diferentes´. Os humanos são diferentes, mas não poderão ser tratados como grupos raciais diferentes.

 

Grupos "raciais", segundo você mesmo [e eu concordo], não existem. No entanto, a existência de "comunidades de excluídos", com efeito, é real. E não obstante, diferenças [cor, história, cultura, religião, condição socioeconômica etc...] - devem ser tratados como iguais - em todos os sentidos.   

Portanto, a luta contra o racismo é a pregação sistemática de que em bora diferentes os, seres humanos devem se respeitar e tratar a todos os outros grupos de seres humanos, quase, como a si mesmos.  

 

Um abraço

 

  ORLANDO,

 

  rsss... tá brincando de fazer jogo de palavras...

 

 

RSS

Publicidade

© 2019   Criado por Luis Nassif.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço