Por que a preguiça?

APRESENTAÇÃO



A pergunta é na exata proporção da importância de uma atividade esquecida, pois classificada, irrefletidamente, como inatividade. Na exata proporção em que se aceita a preguiça, tão prontamente, indexada entre os pecados capitais (o termo, aqui, em ambos os seus sentidos), ao mesmo tempo em que se marginaliza toda uma linhagem reflexiva que quis dar ao tempo outro sentido (pois, enfim, é disso que se trata) – “tempo” avesso a sentidos, em que o pensamento assume novo tom: o sem finalidades, e, não por isso, menos criador; não, pelo menos, segundo Tales, Sêneca, Platão, Aristóteles, Montaigne, Jean-Jacques Rousseau, Charles Baudelaire, Paul Lafargue, Walter Benjamin, Bertrand Russel, Wittgenstein, Michel Foucault, T. S. Eliot, Bob Black, Bernardo de Guimaraens, Mário Quintana.

Enfim, uma frase de autoria de Albert Camus dá conta da subversão implícita ao tema: “São os ociosos que mudam o mundo porque os outros não tem tempo algum”, o que é uma forma espirituosa de suscitar perguntas, cujas inflexões permeam todas as conferências integradas ao evento: “O que se deve fazer?” Ou: “O que estamos fazendo de nossas vidas; de nossas vidas em sociedade?” Ou ainda: “Deve-se fazer sem pensar o que se faz?”.

 

 

A programação está detalhada no blog:

 http://elogioapreguica.com.br

"Lembro que todas as conferências do Rio de Janeiro serão transmitidas ao vivo pela internet no site da Academia Brasileira de Letras (www.academia.org.bra partir do dia 15 de agosto até o dia 5 de outubro, às segundas, terças e quartas às 19h."

 

Exibições: 1042

Responder esta

Respostas a este tópico

Como homenagear esse maravilhoso autor? Nada me ocorre agora, a não ser a lembrança de um dos seus livros mais queridos: "Quincas Berro D'Água".  

Delcioso, lembrar Caymmi e Amado. 

RSS

Publicidade

© 2020   Criado por Luis Nassif.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço