Um exército que atira no seu povo para defender os interesses de uma companhia estrangeira: Ciénaga.

A companhia United Fruit plantava bananas para exportação, na região colombiana de Magdalena e mantinha os trabalhadores das plantações em condições próximas à escravidão. Esses
trabalhadores mantinham vínculos por meio de contratadores, ou seja, por
arrendadores de trabalho. O número é estimado entre 10.000 e 30.000 e
tal imprecisão deve-se, tanto à precariedade dos registos, quanto à
precariedade decorrente das relações de contratação por pessoas
interpostas.

Em novembro de 1928, um sindicato lançou petição de reinvidicações, notadamente de respeito às normas de segurança do trabalho, de habitações com adequadas condições higiênicas e
aumentos de 50% nas remunerações. Basicamente, tratava-se de pedir o
cumprimento de quanto já se encontrava nas leis trabalhistas colombianas
de então.

A United Fruit Company negou-se a atender qualquer das reivindicações e mesmo a iniciar qualquer negociação. Iniciou-se a greve dos trabalhadores e o General Carlos
Cortés Vargas foi enviado à região, supostamente para intermediar alguma
solução negociada entre os grevistas e a UFC.

Não houve grandes recuos da UFC, que insistia na manutenção das condições extremamente precárias dos trabalhadores das plantações bananeiras. As greves continuaram e
evoluíram para o bloqueio dos embarques de bananas nos trens, em
Ciénaga. O governo colombiano editou o Decreto Legislativo nº 1, que
declarava o estado de sítio na região, por perturbação da ordem pública,
e fazia do General Vargas chefe civil e militar da mesma região.

Cortés Vargas, pleno de poderes excepcionais, determinou a proibição de qualquer reunião de mais de três pessoas e prometeu atirar na multidão, caso desobedecido. Na madrugada
do dia 06 de dezembro de 1928, Vargas ordenou a formação da tropa e leu
as ordens para a multidão dispersar-se, em cinco minutos. Passados esses
escassos minutos, deu-lhes mais um mísero minuto e cumpriu a promessa.

Então, o exército colombiano fuzilou trabalhadores colombianos desarmados, matando-os às centenas, para atender aos interesses de uma companhia estrangeira!  O próprio
embaixador norte-americano, Jefferson Caffery, em informe para o
Departamento de Estado, asseverava a ocorrência de mais de 1000 mortes.

O político Jorge Eliecer Gaitán denunciou a chacina no congresso colombiano, acusou os militares de ação premeditada em estado e embriaguez e mencionou trens carregados de
cadáveres que seriam jogados ao mar. É óbvio que Gaitán tinha interesses
políticos em fazer as denúncias. Ao menos eram interesses contrários
àqueles de quem mandou o exército disparar contra seu próprio povo,
colocando-se a serviço dos interesses de uma empresa de fora.

A UFC – United Fruit Company era apenas a face mais visível da duradoura vassalagem que a Colômbia presta aos Estados Unidos da América. O aspecto talvez mais simbólico do enorme
poder que tinham, a ponto de fazer um governo ir aos píncaros de mandar o
exército massacrar uma população porque esta contrapunha-se à empresa e
pedia o cumprimento das normas laborais.

As UFCs, que são muitas e não somente bananeiras, caracterizam-se não apenas pela exploração profunda, como pela desfaçatez sem limites. Agora mesmo, acesso o sítio de internet da
companhia – http://www.unitedfruit.org/gaitan.htm – e leio um texto em
que desfaçatez, a hipocrisia e a indignidade transparecem em todas as
palavras.

O site da companhia em benefício de quem mataram-se mais de mil colombianos trata do assunto, a propósito de uma brevíssima biografia de Gaitán, como se ela nunca tivesse estado na
Colômbia. Parece até que não sabem nem mesmo o que é uma banana. Parece
que o General Vargas era um desconhecido deles. Faltou apenas apresentar
condolências aos descendentes dos que morreram por vontade da própria
UFC e por execução do governo colombiano.

A violência e a quase total subserviência aos Estados Unidos da América caracterizam a vida, a economia e a política colombianas. A trajetória de Gaitán é emblemática
desse modus político colombiano.

Jorge Gaitán poderia ser classificado como um liberal com preocupações sociais, pois nada que se aproximasse minimamente de um esquerdismo merecedor do nome havia então.  Político
de origens médias, advogado, extremamente popular, seguiu o cursus
honorum. Foi deputado, senador, prefeito de Bogotá, ministro de mais de
um governo.

Candidatou-se à presidência pelo partido liberal e, por sua popularidade nas classes médias baixas, tinha enormes chances de vitória. Foi assassinado quando saia de seu
escritório, episódio que desencadeou uma onde de violência sem
precedentes em Bogotá, conhecida como o Bogotazo.

A multidão rumou para o Palacio de La Carrera, residência presidêncial. Tanques de guerra dispararam e mataram aproximadamente 300 pessoas. A confusão generalizou-se por Bogotá e
espalhou-se pelo país. O governo fez concessões ao partido liberal e
evitou uma guerra civil aberta. Ela, todavia, seguiu subterrânea.

O negócio da cocaína viria reanimar a violência na Colômbia. Traficantes enriqueceram vertiginosamente e cooptaram porções da classe política. Convivem – em harmoniosa
hipocrisia – a produção e venda de cocaína com o vigoroso discurso
contra essa atividade. Na verdade, a origem das duas coisas é a mesma.

Não há, nem na Colômbia, nem nos EUA, qualquer instância dirigente preocupada com o comércio de cocaína, senão como uma desculpa para mais violência e uma forma de turvar a percepção
de coisas mais sérias. Os dirigentes políticos têm relações íntimas com
o tráfico de cocaína.

Um primo do Presidente da Colômbia Álvaro Uribe, o ex-senador Mário Uribe, é processado por associação com o tráfico. O pai do Presidente, era ligado a Pablo Escobar, aquele que se
tornou o protótipo de traficante demonizado mediaticamente. Um general
do exército colombiano foi preso na Europa traficando cocaína. As
conexões são muito evidentes para serem desprezadas.

O caminho da militarização precisa de desculpas e cortinas-de-fumaça para seguir seu rumo. Por isso, as acusações exaustivamente repetidas de envolvimento das Farc com o
tráfico de cocaína são pueris, quando se sabe que quase tudo e todos
estão nesse negócio. Na verdade são dois grupos que atuam no mesmo ramo
acusando-se mutuamente e abrindo caminho para a continuação da
violência.

Juntamente com as Farcs e com os inúmeros grupos mercenários, o exército regular colombiano desempenha um infame papel. O governo instituiu premiações em dinheiro e em promoções
na carreira militar para a captura e eliminação de guerrilheiros das
Farcs. Resultou em uma das atitudes mais infamantes que um exército pode
ter – digna daquela de 1928.

Sabe-se que militares colombianos vêm assassinando camponeses que nada têm com as Farc e reportando as ações como de combate a essa banda guerrilheira, para receber as recompensas! É
o caso conhecido como os falsos positivos. Ou seja, matança de civis
com motivos fraudados para ganhar dinheiro.

Não é tarefa simples desmontar essa conflituosidade com tão fortes raízes históricas. E a insistência no disfarce, o desvio de atenção com acusações a países vizinhos, nada
disso ajuda positivamente.

Exibições: 28

Responder esta

Respostas a este tópico

Tudo que a Globo endeusa vira um grande desastre. Essas valas com tantos mortos não vão desaparecer no vento, quando forem cobrar aos culpados pelos dois mil corpos que estão em uma Vala na Colômbia, alguém vai ter que responder por isso. Quando acontecer, ouviremos desses mesmos cronistas brasileiros que o amigo dos assassinos era Lula.
Conclamo aqueles que conhecem melhor a história dos países latinos americanos, principalmente os andinos e da América Central (que infelizmente não é o meu caso) que descrevam com a máxima honestidade toda a trilha de massacres e intervenções que o povo desses países sofreu.

Não conheço muito bem a história da América Central, mas sei que a famigerada United Fruit Company já promoveu diversos eventos como os relatados, infelizmente nos bancos escolares apreendemos quem era o Rei Sol ou quantas esposas teve Henrique VIII, mas quanto às histórias da América Latina, da África e da Ásia somos completamente ignorantes.

Agradeço desde já o texto elucidativo.
Andrei, excelente texto... um dia talvez( é o meu desejo) ele será lido nos bancos escolares.Utopia!!!!
Daí nascem as repúblicas de bananas.

É este o episódio narrado por Gabriel Márquez em Cem Anos de Solidão?
Me lembro tambem de alguem esquecido hoje: Miguel Ángel Astúrias.
United Fruit "inspirou" grandes novelas, literárias e "ao vivo".
Abraço.

RSS

Publicidade

© 2020   Criado por Luis Nassif.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço