Uma pequena história das tribos de uma região que o nome não se sabe direito a origem, a Europa.

Muitas vezes as pessoas quando falam em tribos, atribuem este nome a tribos africanas ou a tribos de índios da Amazônia, como se a palavra país fosse reservada para a Europa, parte da América e Ásia, quando se ouve isto se pode perguntar:

 

- Do que tribo estão falando? Da tribo dos Celtas, da tribo dos Germanos, da tribo dos Romanos ou ainda da tribo dos Eslavos?

 

Os Celtas se originaram na Europa central ou no sul da península ibérica (ninguém sabe certo!) e posteriormente invadiram grande parte do norte da Europa dominando até as ilhas da Grã-Bretanha, foram do sul para o norte. Já os germanos saíram do norte para o sul, dos fiordes e das Terras Baixas da Dinamarca para ocupar parte da Europa e perturbar o sossego dos celtas e Romanos. Os Romanos parece que tinham a história de suas origens muito bem escrita, mas um tal de Nero, tocou fogo na sua biblioteca antes de queimar a capital de seu Império. Sobraram muitas cópias desta história, mas como os descendentes dos Romanos estão mais preocupados em falar sobre um tal de velhinho safado que gosta de menininhas, ainda não acharam, mas continuam procurando. Os eslavos viviam na beira desta tal de Europa, e como indivíduos na margem da Europa eram considerados pelas outras tribos como marginais (daí talvez venha a origem da máfia russa!).

 

Como estas tribos já existiam há mais de 2000 anos numa região relativamente pequena e fria, fica difícil falar de todas as guerras e brigas por comida e por território que eles tiveram, porém excetuando períodos curtos de 20 a 50 anos eles pareciam irreconciliáveis e quando podiam matavam e saqueavam uns aos outros.

 

Milhares de guerras e massacres deram emprego a milhares de Generais, Imperadores e Historiadores, e nesses dois mil anos de história ainda no meio do século passado ocorreu mais uma guerra que culminou no maior massacre das três tribos, a segunda guerra mundial, há mais ou menos 70 anos.

 

Agora se para a cena em 1945, quando terminou o último grande massacre e pilhagem entre as tribos europeias, um confronto entre as tribos dos Germanos e dos Italianos, contra as tribos dos Celtas e dos Eslavos. Após esta grande guerra os germanos que saíram perdendo foram divididos pelos Celtas e Eslavos em dois estados e tiveram de entregar parte de suas terras e suas tendas, para os Gauleses, Eslavos e também para outras pequenas tribo ao seu redor.

 

Um sábio, porém nada gentil governante Eslavo, o georgiano Ioseb Besarionis Dze Djughashvili, que adotou o codinome russo Сталин que significa “homem de aço” ou vulgarmente conhecido pelas outras tribos como Stalin, achou por bem manter os germânicos separados para não voltassem a ter tanta força e incomodar as outras tribos.

 

Corta o filme em 1945 e se volta em 1957, onde os Germânicos (os que tinham ficado na parte conquistada pelos Celtas), os Celtas e os Romanos, todos enfraquecidos pela última grande guerra, resolvem criar uma comunidade harmônica que congraçaria todas as tribos de uma pequena parte do mundo, deixando de lado os Eslavos. Com o tempo mais e mais tribos se uniram ao grupo inicial.

 

Três regiões iniciais desta tal de Europa, que hoje são chamados países (a Inglaterra, a França e a Alemanha) permaneceram unidas como o previsto, de forma harmoniosa com seus chefes se encontravam regularmente para descobrir uma forma de tirar os tributos dos vassalos também de forma harmoniosa. Chegaram a criar em 1992 uma moeda de troca, o Euro, para fazer frente a um novo estado criado pela invasão dos celtas e germânicos numa terra distante do outro lado do oceano, a América do Norte.

 

Por uma década a mais as tribos unificadas ficaram felizes. A sua moeda apesar de não ter o nome do Senhor estampada nela, começou a valer mais que a dos invasores do outro lado do oceano, a moeda Dólar. Esta última diferente do tal de Euro confiava no Senhor.

 

Como os chefes dos eslavos que sucederam o Homem de Aço, confiavam nos germânicos, primeiro dividiram suas próprias terras em diversas tribos eslavas e depois deixaram os germânicos se reunificaram. Os germânicos, povo disciplinado, trabalhador e educado, cresceram tanto que até convidaram seus antigos aliados, os remanescentes do império Otomano os Turcos. Para esses eram reservados os trabalhos mais duros, isto porque alguém tinha que fazer isto!

 

Em 2008 a união de todas as tribos estava no auge, mesmo Eslavos e descendentes dos romanos misturados com os Mouros, foram aceitos nesta grande confederação de tribos. Os tribo dos Gregos uma muito antiga e culta, com uma história cheia de arte e literatura de mais de 3000 anos, também foi aceita na federação da Europa. Os Turcos que vivem também na Europa, nunca foram aceitos, não sei bem porque e parece que ninguém sabe.

 

Estava tudo uma beleza, porém enquanto os povos do norte que nunca tinham Sol para cultuar, trabalhavam, e trabalhavam, os povos do sul, não trabalhavam tanto assim. Afinal eles tinham o sol e nos meses mais quentes os povos do norte vinham se banhar em suas praias e eles do norte esperavam que tudo estivesse pronto para isto.

 

Como os povos do norte trabalharam mais do que os do sul, vendendo seus artesanatos para os do sul, e emprestando o tal de Euro para eles comprassem cada vez mais para eles poder trabalhar cada vez mais. Chegou o dia em que os povos do norte não conseguiram emprestar mais para os do sul, nem os do sul pagar suas dívidas deixando os germânicos brabos.

 

Depois disto que aconteceu?

 

Não sei, porque a história acabou por aí, mas será que todas estas tribos que brigaram por três mil anos e ficaram 50 anos de paz vão continuar em paz?

Exibições: 602

Responder esta

Respostas a este tópico

Rogério,

vamos pro tempo presente e ver o que está acontecendo?

 

Assista este vídeo. 

http://www.youtube.com/watch?v=FnYr6Qi6tww&feature=share

Carmen

 

O tempo presente ocorre também na terras dos Celtas, Germânicos, Eslavos e Italianos.

Pois é, mas neste momento temos urgência por resolver o que está aqui, do nosso lado, você não acha?

 

Metre Roger, eu gosto de você, por isto insisto em você. E caso as respostas demorem, é porque estou mega ocupada com 333 coisas para fazer ao mesmo tempo. E não nasci com a competência da hiper-atividade. :-)

 

Beijos (vamos nos falando)

 

Eilaiá!

Acho que não entendi, Roger. 

Não entendi mesmo. 

 

Você acha que um homem que viajou o mundo inteiro, como Megaron, é alguém tão ingênuo? 

 

Você não sabe da missa nem 1/4.

 

Os ambientalistas são os malvados, é isto?

 

O certo é 34 bilhões (previsão atualizada) não significam nada?

 

Rogério, acho que seu negócio não é agir, é só idéia mesmo. Se pra vc é só isto e "os outros" é que são o mal, fica impossível uma conversa. Porque eu não acho que uma pessoa que pensa diferente de mim, é motivo para toma-la por mal. 

Me entende?

 

Sim, 

concordo contigo, que os indígenas precisam de conhecimentos técnicos. E eles querem e estão com seus filhos indo, aos poucos, para as universidades aprender engenharia, música e o universo jurídico. Mas isto leva de 15 a 30 anos até se configura. 

 

Como convivi com Megaron e Metuktire por alguns dias, sei que se referem a preservarem suas línguas e seus contatos com a Terra e a Natureza (licença por uso da maiúscula de modo não convencional). 

 

Querem também se certificar de que podem educar seus filhos e netos como eles mesmo foram educados. Incluso os hábitos alimentares, agrícolas e artísticos. 

 

Olham com muito desprezo para as escolas que construímos, porque não fizemos um mundo bom. 

 

Temos muitas ilusões a respeito do que é necessidade real, e os indígenas sabem como viver às margens do capital. 

 

Queridão, fica zangado comigo não, sei que desvirtuei seu tema, mas estamos na luta, queremos as mesmas coisas. E isto é o que nos liga; o DESEJO DE UM MUNDO MELHOR.

 

Vamos focar?

 

Beijocas na testa e uma mordida na bochecha direita. 

 

Bora trabalhar. 

hahahahaha até parece que querem nosso modo de vida.

 

Vc é puro, Marcos. 

 

Querer um computador, não é o mesmo que querer nosso modo de fazer as coisas. 

 

 

Carmen

 

O nosso modo de vida, eu mesmo aconselharia não copiar, entretanto desprezar a escola como ela está, errada, porém focada para o conhecimento acho que é um erro.

Roger, Mon Ange, 

releia sua frase e vc vai cair na risada. :-)

Eu ri.

Matemática?

erro com erro dá acerto?

E erro com acerto? O que fica?

 

 

Tá um lixo mesmo! Porém vou deixar só para me penitenciar.
Nao interessou a ninguém o tema das "tribos da Europa"? Eu acho que algo de promissor pode acontecer lá. Ou a volta dos horrores de regimes fascistas. Ambas essas possibilidades existem, isso é que faz a situação lá importante.

Ana Lú

Cada postagem tem sua dinâmica própria, talvez no momento ninguém sinta necessidade de discutir a Europa, porém acho que esta discussão virá logo.

RSS

Publicidade

© 2019   Criado por Luis Nassif.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço