Portal Luis Nassif

TEORIA, HISTÓRIA, CRÍTICA

A querida Stella Maris antecipou-se à minha intenção de criar esta página no nosso grupo, e já publicou interessante ensaio sobre História da Arte.

Abri uma página só para Fotos Pessoais - obras dos membros do Grupo, exteriores e interiores de museus, cenas de exposições, monumentos, etc.

Nesta página, poderemos inserir textos teóricos, tanto de História como de Crítica da Arte, próprios ou de outros autores. 

Penso em criar outra página só para Dicas entre artistas: alguma técnica nova, conselhos aos iniciantes, enfim, troca de informações práticas entre artistas mais e menos experientes.

À medida que novos aspectos forem surgindo, iremos ampliando as páginas por área de interesse, sob o tema geral de "Artes Plásticas, Museus". Se vocês concordarem, mãos à obra!

Ah, aqui também poderemos indicar links de sítios especializados, para evitarmos "importar" conteúdos não-autorizados, ok? Eu já vou lhes passar um sítio que considero o melhor sobre Vermeer, o autor da "Garota com o Brinco de Pérola", cuja foto é a marca do nosso Grupo.

E quando estivermos "on line" podemos trocar idéias pelo chat do Portal, que aparece no canto inferior direito (Members online). 

Comentar

Você precisa ser um membro de ARTES PLÁSTICAS, MUSEUS para adicionar comentários!

Comentário de Antonio Barbosa Filho em 29 março 2012 às 15:20

Neste link, excelente estudo crítico sobre a obra de Eliseu Visconti, pela professora e crítica Mirin Nogueira Seraphin, que trata da homogeneidade ou heterogeneidade nos trabalhos do pintor.

http://www.revistafenix.pro.br/PDF8/DOSSIE-ARTIGO6-Mirian.Seraphim.pdf

Comentário de Antonio Barbosa Filho em 29 março 2012 às 15:13

"Retrato de José da Silva Brandão"

Comentário de Antonio Barbosa Filho em 29 março 2012 às 15:11

"Auto-Retrato", E. Visconti, 1938

Comentário de Antonio Barbosa Filho em 29 março 2012 às 15:08

"Trepadeiras em Flor", E. Visconti

Comentário de Antonio Barbosa Filho em 29 março 2012 às 14:39

ELISEU VISCONTI - DADOS BIOGRÁFICOS (extraído do sítio oficial do Artista)

Eliseu d’Angelo Visconti nasceu em Salerno, Itália, em 1866, vindo menino para o Brasil. Estudou no Liceu de Artes e Ofícios e na Academia Imperial de Belas Artes, onde foi discípulo de Zeferino da Costa, Rodolfo Amoedo, Henrique Bernardelli, José Maria de Medeiros e Victor Meirelles.

Venceu em 1892 o primeiro concurso da República para o prêmio de viagem ao estrangeiro, da Escola Nacional de Belas Artes, seguindo no ano seguinte para a França. Aprovado no processo de admissão da École Nationale et Speéciale des Beaux-Arts, abandona essa conservadora Escola ainda em 1894 e inscreve-se na École Guérin, onde foi aluno de Eugéne Grasset, considerado uma das mais destacadas expressões do Art Nouveau. Freqüenta também a Academia Julian, tendo como mestres Bouguereau e Ferrier. De temperamento inquieto e espírito aberto às inovações, Visconti mostra, em importantes trabalhos do período de sua formação na França, influências dos movimentos simbolista, impressionista e art-nouveau.

Realizou sua primeira exposição individual em 1901, na Escola Nacional de Belas Artes, no Rio de Janeiro, onde, além das telas a óleo, expôs trabalhos de arte decorativa e de arte aplicada às indústrias, resultado de seu aprendizado com Grasset. Sua produção nesse campo situa-o como introdutor do art-noveau nas artes gráficas no Brasil. Desenhou selos, ex-libris, cerâmicas, tecidos, papéis de parede, cartazes e luminárias.

Aquela primeira exposição de Visconti, que teve boa acolhida apenas entre os críticos da época, seria em parte responsável pelo convite que lhe fez o Prefeito Pereira Passos para executar os trabalhos de decoração do Theatro Municipal do Rio de Janeiro, realizados em Paris. E, durante esses períodos de permanência na França, no início do século XX, Visconti assimila definitivamente as lições do impressionismo, incorporadas essencialmente às paisagens de Saint Hubert.

De volta ao Brasil, outra luminosidade e outras cores exerceriam influência sobre ele, levando-o a criar um impressionismo próprio, retratado em suas paisagens de Teresópolis, cheias de atmosfera luminosa e transparente, de radiosa vibração tropical. Para Mário Pedrosa, com as paisagens de Saint Hubert e de Teresópolis, Visconti é “o inaugurador da pintura brasileira, o seu marco divisório. Nasce uma nova paisagem na pintura do Brasil. Ninguém na pintura brasileira tratou com idêntica maestria esse tema perigoso da luz tropical”.

Trabalhador incansável e artista de vanguarda, Visconti produziu obra de valor universal, utilizando como instrumental, ao longo de suas diversas fases, técnicas e influências naturalistas, renascentistas, realistas, pontilhistas, impressionistas e neo-realistas. Falecido em 15 de outubro de 1944, sua atualidade permanece, retratada em obras com tal grau de versatilidade que, se o colocaram como o mais expressivo representante do impressionismo no Brasil e figura exponencial no surgimento da pintura moderna, revelam-no também como um pioneiro do design em nosso País.

Para saber mais sobre a vida e carreira artística de Eliseu Visconti, visite seu site oficial.

Publicidade

© 2017   Criado por Luis Nassif.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço