A Petrobras iniciou neste mês o processo de instalação do BrOffice.org em seu parque de máquinas , estimado em 90 mil computadores. As instalações do
programa de código aberto, que pode ser baixado e usado
gratuitamente por empresas e usuários domésticos, devem estar
praticamente concluídas em aproximadamente dois meses. Ao todo, o
novo software contemplará um público interno de cerca de 100 mil
pessoas, que serão inclusive capacitadas para o uso da nova
ferramenta. A estimativa é que o processo gere uma redução de pelo
menos 40% na demanda de aquisição de licenças pagas de software
proprietário equivalente.


De acordo com a coordenadora de projetos de Tecnologia da Informação da Petrobras, Márcia Novaes, a adoção do BrOffice.org se deu a partir das
análises de viabilidade técnica da ferramenta, que concluiu que o
software tem maturidade tecnológica e é adequado às necessidades
da companhia. . Entretanto, o fator determinante foi o econômico,
afirma Márcia. “Também definimos a mudança de padrão interno
de documentos e adotamos o ODF, que é um padrão aberto com
especificações de domínio público, plenamente suportado pelo
BrOffice.org” completa Márcia.


Para que a novidade seja rapidamente absorvida pelos usuários, o projeto prevê três fases, conforme esclarece o analista líder do projeto, Gil
Brasileiro. Na fase atual, a de instalação do BrOffice.org, os
aplicativos apenas estão sendo instalados nas máquinas e os
usuários comunicados de que existe uma nova ferramenta. Na segunda
fase, haverá uma campanha de estímulo ao uso, prevendo treinamento
de pessoal. Por fim, a última etapa será de adequação de
licenças, em que cada setor poderá avaliar as suas reais
necessidades e optar por manter o aplicativo atual com custos de
licenciamento associados ao departamento.


A coordenadora Márcia esclarece que alguns setores manterão as licenças para esses programas. São as gerências que necessitam de funcionalidades
específicas ainda não atendidas pelo BrOffice.org, ou que utilizam
programas que dependem dos softwares de planilha e edição de texto
proprietários usados atualmente.


“Uma das estratégias de adequação de licença é que, a partir de um determinado momento, os usuários não recebam mais atualizações de software
proprietário, apenas o BrOffice.org”, explica Gil. Se houver
necessidade de outra ferramenta, o gerente daquela área poderá
fazer uma solicitação, justificando o pedido e arcando com os
custos associados. Para montar o treinamento dos funcionários, a
Petrobras contou com o apoio da OSCIP BrOffice.org. “Pedimos para
que fossem mapeadas as maiores dúvidas dos usuários de
BrOffice.org”, conta Gil Brasileiro.


Na fase preparatória do planejamento da implantação do BrOffice.org, a equipe da Petrobras teve reuniões com gestores que lideraram processos de
migração para o programa em outras empresas, como Metrô de São
Paulo, Banco do Brasil, Itaipu e Serpro. Além do BrOffice.org, a
Petrobras também migrou para o navegador de software livre Firefox.
Estas duas experiências com software de código aberto, cujo
planejamento iniciou em 2008, são pioneiras na Petrobras, em se
tratando de estações de trabalho. . Em muitos servidores, a empresa
já utiliza o sistema operacional Linux.

Exibições: 79

Respostas a este tópico

Bingo! Depois do blog da Petrobrás, o software livre. Bons exemplos.

RSS

Publicidade

© 2020   Criado por Luis Nassif.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço