Portal Luis Nassif

Informação

ARTES PLÁSTICAS, MUSEUS

O Portal do Luis Nassif conta com inúmeros artistas plásticos e admiradores da Pintura, Escultura, Arquitetura, etc. Os aficcionados de Fotografia têm seu dinâmico Grupo. 

Vamos usar este espaço para mostrar nossos trabalhos, falar de técnicas, exposições, artistas novos e clássicos, e dos museus pelo mundo.

Sejam todos bem-vindos!

Membros: 84
Última atividade: 17 Ago, 2016



Fórum de discussão

O mainstream e as minorias culturais

O mainstream e as minorias culturaisEnviado por Miguel do Rosário on 25/02/2014 – 2:11 pm…Continuar

Iniciado por Ana de Hollanda 26 Fev, 2014.

O jeito brasileiro de diplomacia cultural

A importância da cultura para a política externa brasileiraColuna mensal Grão-Fino, com Ana de HollandaO jeito brasileiro de diplomacia culturalAna de Hollanda, ex-ministra da CulturaUma preocupação…Continuar

Iniciado por Ana de Hollanda 28 Dez, 2013.

O Brasil nos grandes eventos internacionais

A cultura brasileira e os grandes eventos internacionaisEnviado por Miguel do Rosário on…Continuar

Iniciado por Ana de Hollanda 9 Nov, 2013.

Criatividade artística e poder público

Criatividade artística e poder públicoEnviado por Miguel do Rosário on 23/09/2013 – 3:46 pm…Continuar

Iniciado por Ana de Hollanda 24 Set, 2013.

Caixa de Recados

Comentar

Você precisa ser um membro de ARTES PLÁSTICAS, MUSEUS para adicionar comentários!

Comentário de joao carlos pompeu em 3 junho 2012 às 14:32

Caro Antonio Barbosa, cometi esse expediente copy/paste do comentário da Stella Maris porque eu queria responder no post dela, mas não é possível... Talvez você devesse aprimorar o grupo de arte do blog com a ferramenta gráfica para poder responder pontualmente outro post e comentário.

Abraços!

Comentário de Stella Maris em 13 abril 2012 às 10:39

vou lá conferir...

(minha resposta ao comentário da Stella Maris)

Arthur  Bispo do Rosário e sua obra primitivo-psicanalítica será uma das sobrevivências curatoriais da próxima 30ª Bienal de São Paulo - A Iminência das Poéticas - em setembro de 2012.

A Curadoria desta 30ª Bienal de São Paulo é do venezuelano Luis Pérez-Oramas, atual curador de arte latino-americana no Museu de Arte Moderna de Nova York, o MoMA.

A 29ª Bienal de São Paulo foi organizada em espaços de convívio e reflexão, de viés político, chamado de terreiros. A próxima será mobilizada em campos poéticos de dimensão constelar da arte: constelações: a arte como conglomerados de sentidos e poéticas a nortear vida e rumo dos pobres mortais navegantes da aventura humana...

A obra de Arthur Bispo do Rosário ainda provoca polêmica, entre críticos e estudiosos de arte, se seria arte ou não. A razão de que sua criação poético-psicanalítica não seria arte está na ausência de intencionalidade do artista de fazer ou pensar arte... Contudo é uma discussão menor, filigranas formais e conceituais.

Comentário de Antonio Barbosa Filho em 22 maio 2012 às 6:53

Museu virtual reúne todo acervo do pintor Goya

As 432 obras do pintor espanhol Francisco de Goya, dispersas por 95 pontos do planeta, em 221 instituições públicas e privadas, estão agora reunidas num único sítio. O projeto é da Fundación Goya en Aragón, que diz tratar-se de “um museu virtual”, apesar de o site se aproximar mais de um catálogo e de um guia para quem quiser visitar os quadros originais.

Goya

El quitasol é uma das obras da exposição “Goya – Luzes e Sombras”

O catálogo, que além de incluir imagens dos quadros cujo paradeiro é conhecido, em pequeno formato, informa os visitantes de características das peças como data de produção, técnica utilizada, dimensões, breve história e análise, bibliografia e local onde se encontra o original, entre outras particularidades de cada peça.

Na zona “Goya no mundo”, o site localiza no globo as obras do pintor e compila informações sobre os museus e as instituições – mapa, horários, contactos, sites, preços – de modo a facilitar as visitas dos interessados nos quadros do espanhol. As principais secções sinalizam obras no mundo (que se subdivide em Europa, América e Ásia), em Espanha e em Aragão, comunidade autónoma espanhol de onde Goya é natural.

A Fundación Goya en Aragón revelou, segundo o jornal El País, que este projeto permitiu concluir que “entre 20 e 30% da obra do pintor aragonês está em mãos privadas”. O que não significa que estas peças, que estão nas mãos de privados, não possam ser visitadas nos locais em que se encontram. 

O mapa com a localização das obras, com as demais informações, assim como a pequena dimensão dos quadros disponíveis no site, parece apontar nesse sentido. Aliás, a fundação nem sequer permite que o cibernautas possam guardar as imagens que têm no seu site, sugerindo aos seus visitantes que, se quiserem ver as pinturas em bom tamanho, terão de se deslocar aos museus e galerias.

Apesar deste tipo de restrições impostas pela fundação, em sites como, por exemplo, o do Museu do Prado, em Madrid, onde está agora patente a exposição “Goya – Luzes e Sombras”, as imagens das obras podem ser vistas online com muito maior resolução – e mesmo guardadas.

Esta exposição está, de resto, presente numa outra seção do novo site – “Goya em exposição”. Aqui estão mais de 300 registos com colecções permanentes e exposições temporárias, numa base de dados que inclui iniciativas passadas, presentes e futuras.

Fonte: Público 

Comentário de Antonio Barbosa Filho em 10 maio 2012 às 9:24

Visitei em Lisboa o Museu Calouste Gulbekian, um dos mais importantes do gênero na Europa, parte de uma Fundação que tem inúmeras outras instituições culturais e artísticas.

O fundador, Calouste Gulbekian, tinha origem na Capadócia (atual Turquia), estudou em Istambul, e tornou-se importante negociante de petróleo em Portugal. Viajava pelo mundo e colecionava obras pela sua beleza, único critério que levava em consideração.

A coleção esteve dividida entre Inglaterra e Estados Unidos, e um grande apartamento em Paris, por questões de facilidades de impostos. Só em 1960, depois da morte de Gulbekian, seu advogado conseguiu reunir a coleção em Portugal, exposta no Palácio dos Marqueses de Pombal, em Oueiras. Nos anos seguintes fêz-se um concurso arquitetônico para uma sede própria, que obedecesse às linhas do caráter de Gulbekian: espiritualidade concentrada, força criadora e simplicidade de vida. 

Em 1969 foi inaugurada a sede, que hoje serve a vários tipos de eventos artísticos, numa intensa programação. O Museu tem 6.000 peças, das quais cerca de mil estão expostas em dois circuitos independentes: um, de Arte Oriental e Clássica; outro, de Arte Européia. 

Enfim, é um museu moderno, dinâmico, extremamente bem instalado, e que mantém constante intercâmbio com os principais museus do mundo, inclusive do Brasil. 

Nas fotos abaixo, tiradas em más condições de luz e reflexo das vitrines, mostro algumas peças da coleção. Para mais informações, sugiro uma visita ao sítio oficial do Museu:

http://www.museu.gulbenkian.pt

Comentário de Antonio Barbosa Filho em 10 maio 2012 às 9:15

Porcelana e cerâmica variada na coleção Gulbekian, em Lisboa:

Comentário de Antonio Barbosa Filho em 10 maio 2012 às 9:06

Comentário de Antonio Barbosa Filho em 10 maio 2012 às 9:02

Uma das seções mais interessantes do Museu é da "Arte do Livro", que reúne manuscritos iluminados, livros impressos e encadernações dos séculos XIII e XVI, de produção flamenga, francesa, holandesa, inglesa, italiana e alemã. Muitos "livros de horas" e de orações, com as mais intrincadas iluminuras.

Comentário de Antonio Barbosa Filho em 10 maio 2012 às 8:53

"Quillefeuf, Foz do Sena", 1833, é obra de J. M William Turner (1775-1851). Óleo sobre tela, 88 x 120 cms. Diz o catálogo do Museu Calouste Gulbekian:

"Assume-se na tela a tendência para a eliminação progressiva das formas, reduzindo-se as mesmas à condição de pretextos temáticos. Turner transcende, assim, o espaço concreto da composição, optando por transformá-lo num palco de exaltação de impressões".

Comentário de Antonio Barbosa Filho em 10 maio 2012 às 8:43

Do mestre Rembrandt van Rijn (1606-1669), a coleção possui este "Figura de Velho", de 1645, cujo modelo não é conhecido. Este óleo, de 128 x 122, foi comprado do Museu do Ermitage e pertenceu a coleção de Catarina II da Rússia. 

"De grande efeito intimista, a obra concilia a simplicidade do gosto holandês com a utilização de colorações quentes à italiana, característica do autor", diz o catálogo.

Comentário de Antonio Barbosa Filho em 10 maio 2012 às 8:32

Vaso grego, em terracota, 42 cms. altura por 44 cms., mostra cenas míticas. De c. 440 a. C.

Comentário de Antonio Barbosa Filho em 10 maio 2012 às 8:26

A coleção de cerâmica utilitária e decorativa tem centenas de itens, da China, Holanda, Inglaterra, França e outros países e estilos.

 
 
 

Publicidade

© 2017   Criado por Luis Nassif.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço