Portal Luis Nassif

Informação

ARTES PLÁSTICAS, MUSEUS

O Portal do Luis Nassif conta com inúmeros artistas plásticos e admiradores da Pintura, Escultura, Arquitetura, etc. Os aficcionados de Fotografia têm seu dinâmico Grupo. 

Vamos usar este espaço para mostrar nossos trabalhos, falar de técnicas, exposições, artistas novos e clássicos, e dos museus pelo mundo.

Sejam todos bem-vindos!

Membros: 84
Última atividade: 17 Ago, 2016



Fórum de discussão

O mainstream e as minorias culturais

O mainstream e as minorias culturaisEnviado por Miguel do Rosário on 25/02/2014 – 2:11 pm…Continuar

Iniciado por Ana de Hollanda 26 Fev, 2014.

O jeito brasileiro de diplomacia cultural

A importância da cultura para a política externa brasileiraColuna mensal Grão-Fino, com Ana de HollandaO jeito brasileiro de diplomacia culturalAna de Hollanda, ex-ministra da CulturaUma preocupação…Continuar

Iniciado por Ana de Hollanda 28 Dez, 2013.

O Brasil nos grandes eventos internacionais

A cultura brasileira e os grandes eventos internacionaisEnviado por Miguel do Rosário on…Continuar

Iniciado por Ana de Hollanda 9 Nov, 2013.

Criatividade artística e poder público

Criatividade artística e poder públicoEnviado por Miguel do Rosário on 23/09/2013 – 3:46 pm…Continuar

Iniciado por Ana de Hollanda 24 Set, 2013.

Caixa de Recados

Comentar

Você precisa ser um membro de ARTES PLÁSTICAS, MUSEUS para adicionar comentários!

Comentário de Antonio Barbosa Filho em 20 fevereiro 2012 às 11:15

"GUERRA E PAZ", de Cândido Portinari, agora no Brasil:

Comentário de Antonio Barbosa Filho em 20 fevereiro 2012 às 11:13

No cinquentenário de sua morte, vale (re)ler perfil de pintor que nunca renegou suas convicções políticas, e as atribuía a algo mais profundo que a razão

Por Marília Balbi | Imagem: estudos para Guerra Paz, de Cândido Portinari

Uma agenda extensa de comemorações marcará, em 2012, os 50 anos da morte de Cândido Portinari, que se completaram em 6 de fevereiro. Em São Paulo, o Memorial da América Latina exibe, desde ontem, “Guerra” e “Paz” os murais mais famosos do pintor, cuja instalação permanente é a sede das Nações Unidas, em Nova York. Eles foram restaurados no ano passado, no Museu Gustavo Capanema, no Rio, em trabalhos abertos ao público. Outros eventos ocorrerão em diversas cidades do país.

Portinari, o pintor do Brasil, de Marília Balbi. 
Editora Boitempo, 2003. 176 páginas, R$ 17,50 até 12/2 (depois, preço normal: R$ 35). 

Parte do livro de Marília Balbi, extraída do sítio

http://www.outraspalavras.net

Aquela data era aguardada havia muitos anos por todo o mundo. Finalmente, no dia 6 de setembro de 1957, os gigantes painéis Guerra e Paz foram apresentados nas paredes do Hall dos Delegados da sede da Organização das Nações Unidas (ONU), em Nova York. A presença daquela obra monumental ali – na casa que deve zelar pelo bem-estar de todos os homens da Terra – era obviamente carregada de sentido. As expressões de dor e esperança pintadas nos dois painéis de 140 metros quadrados simbolizam, de um lado, o flagelo das guerras irracionais e, de outro, o regozijo da harmonia entre as nações. Dois lembretes para a eternidade.

Curiosamente, a cerimônia de inauguração do monumento à humanidade foi discreta, e poucos foram os convidados. Em especial, um esteve ausente: o autor dos dois painéis, Cândido Portinari.

Os tempos eram outros. Os Estados Unidos viviam o auge do macartismo, a doutrina de proteção americana contra ações supostamente subversivas, cujo expoente anti-comunista foi o senador Joseph McCarthy. Portinari, por sua vez, era um declarado comunista e fora candidato à Câmara Federal, em 1945, e ao Senado, em 1947, pelo “partidão”. Duas posturas inconciliáveis nos idos da Guerra Fria. Por isso, desde os anos 1940, Portinari vinha tendo sua entrada nos EUA negada.

Mas como manter aquela proibição no momento em que o artista brasileiro, reconhecido em todo o mundo, tinha sua gigantesca obra em defesa da paz afixada em caráter permanente na “casa de todas as nações”?

O mal-estar crescia. Esperava-se uma posição conciliatória do governo americano. Após a intervenção da diplomacia brasileira, encontrou-se uma solução: bastava que Portinari solicitasse o visto americano no Brasil e este lhe seria concedido. Isso não ocorreria. Homem de personalidade forte, Portinari queria um convite oficial de Washington para pisar em solo americano. Assim era o homem.

O episódio envolvendo Guerra e Paz foi apenas mais um constrangimento a que Cândido Portinari foi submetido durante a vida. Como diversos artistas, ele foi perseguido, cerceado, estigmatizado pelas posições de esquerda. A polícia política brasileira, por exemplo, acompanhou seus passos durante décadas. O Departamento Estadual de Ordem Política e Social – o famigerado Deops – acumulou notícias a seu respeito até mesmo depois de sua morte, em 1962.

Ele explicava a quem perguntasse por que se aproximara da política. A Vinícius de Moraes, confidenciou, em texto publicado postumamente, em março de 1962: “Não pretendo entender de política. Minhas convicções, que são fundas, cheguei a elas por força da minha infância pobre, de minha vida de trabalho e luta, e porque sou um artista. Tenho pena dos que sofrem, e gostaria de ajudar a remediar a injustiça social existente. Qualquer artista consciente sente o mesmo”.

Portinari pintou o povo sofrido, a miséria, o homem de enxada na mão, pés na terra – o trabalhador brasileiro. Pela primeira vez, um artista expressou a tragédia do Nordeste do Brasil assolado pela seca. Ou como sintetiza de maneira brilhante seu único filho, João Cândido, Portinari “fez do pincel sua arma para denunciar as injustiças e os valores sociais e humanos”.

O artista começou retratando sua aldeia. Depois, partiu para o universal. Das crianças brincando na terra roxa em sua natal Brodósqui às crianças dos painéis da ONU. Temas universais também estão presentes na mulher com o filho morto nos braços – a Pietà nordestina – e nos horrores da guerra. Visionário e esperançoso, pintou um judeu e um árabe de braços dados.

As imagens que ele criou são facilmente reconhecidas por todos. Muitas delas nem sequer saem de nossa memória. Assim que tentamos conceber a cena de um trabalhador, imediatamente nos vêm à mente seu estivador, seu lavrador de café, seu sorveteiro, seu operário, seu lenhador ou ainda o sapateiro de Brodósqui. O mesmo ocorre com os pobres e miseráveis: de pronto, suas favelas, seus morros e as figuras esquálidas da série Retirantes nos preenchem a visão.

Reconhecemos nessas obras nossa gente, nossas dores e nossa esperança – além das marcas inconfundíveis de um grande artista.

Comentário de Antonio Barbosa Filho em 20 fevereiro 2012 às 11:08

Abaixo, a tela:

'Los jugadores de cartas' de Paul Cézanne, el cuadro más caro de la historia

La familia real de Catar ha pagado 250 millones de dólares (191,6 millones de euros) por Los jugadores de cartas, cuadro que forma parte de una serie de pinturas clásicas de Paul Cézanne. La venta, que supone un nuevo récord en el mundo del arte, convierte al cuadro en el más caro vendido en una subasta.

Cataradquirió el cuadro del magnate griego George Embiricos tras sobrepasar con 250 millones de dólares otras ofertas llegadas de prestigiosos marchantes, como Larry Gagosian y William Acuaqvella, y la revista señala que el precio final pudo alcanzar los 300 millones de dólares dependiendo de las tasas de cambio que se aplicaran en el momento de la compra.

El lienzo retrata a dos jugadores y pertenece a la época de madurez del artista. Hasta el momento, el cuadro más cuaro era el lienzo Number 5 de Jackson Pollock, que fue vendido por 140 millones de dólares.

Con la compra del cuadro, Catar quiere convertirse en un punto de referencia mundial en cuanto al arte, según subraya Vanity Fair, que destaca que el Cézanne acabará en el Museo Árabe de Arte Moderno, inaugurado en 2010 y donde hay numerosas piezas famosas de Mark Rothko (1903-1970) y Andy Warhol (1928-1987), entre otros artistas.


Comentário de Antonio Barbosa Filho em 20 fevereiro 2012 às 11:08

Comentário de Gilberto . em 20 fevereiro 2012 às 11:07

Antonio,

Ótima iniciativa! Obrigado pelo convite.

 
 
 

Publicidade

© 2017   Criado por Luis Nassif.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço