Eduardo Lopes
  • Masculino
  • São Paul,o SP
  • Brasil
Compartilhar no Facebook Compartilhar
  • Mensagens de blog
  • Tópicos (6)
  • Eventos
  • Grupos
  • Fotos
  • Álbuns de Fotos
  • Vídeos

Amigos de Eduardo Lopes

  • Remisson Aniceto
  • Eduardo Knaip
  • Anarquista Lúcida

Discussões de Eduardo Lopes

A “invenção” do IDH - Indice de Desenvolvimento Humano Certas coisas não são inventadas, são descobertas e reveladas. Digo assim porque tenho notícia forte e segura de algo revelado sobre IDH a
14 respostas 

A “invenção” do IDH - Indice de Desenvolvimento Humano Certas coisas não são inventadas, são descobertas e reveladas. Digo assim porque tenho notícia forte e segura de algo revelado sobre IDH a mais…Continuar

Tags: Global, Meio, Ambiente, Economia, Humana

Iniciou esta discussão. Última resposta de Eduardo Lopes 10 Maio, 2012.

Presentes recebidos

Presente

Eduardo Lopes ainda não recebeu nenhum presente

Dar um presente

 

Página de Eduardo Lopes

Informações do Perfil

Profissão
Designer de produtos

MERCOSUL - MEGA PROJETOS DÃO CONSISTÊNCIA E ARTICULAM INTERESSE

UMA PROPOSTA PARA O MERCOSUL

Participei nos dias 14 e 15 de junho do 6 ENCONTRO DE LOGÍSTICA E TRANSPORTE FIESP e fiz várias intervenções sugerindo um sistema de navegação fluvial em contigüidade com cabotagem e complementada por ferrovias. Sou sempre da opinião de que as ferrovias devem ser sempre ligações entre portos marítimos e/ou/ora fluviais. Com isto o trem vai cheio e volta cheio, óbvio! Sobre isto falei com o Presidente da Fiesp Paulo Skaf e com o Diretor Carlos Cavalcanti que presidiu um importante painel de debates. 

Quais são minhas razões? recordo a seguir reunindo itens de alguns tópicos.

Indicações e proposta de um design estratégico e logístico para o Mercosul

Batizei a proposta de CIRCULARIDADE LOGÍSTICA. O projeto é muito amplo, com diversificadas aplicações. Uma delas seria a possibilidade de construir plataformas tal como ilhotas artificiais. Tudo parecia "sonho de maluco e sem o que fazer". Agora é a própria PETROBRAS que está interessada em ilhotas artificiais por causa do PRÉ SAL. 

Tudo se relaciona a um plano de logística integrada e circularidade operacional (vide aplicação do sistema construtivo préfabricado – MEV - na implantação de grande quantidade de miniportos marítimos e fluviais).

A idéia de associar ao projeto uma nova capital para o MERCOSUL evoluiu naturalmente.

RAZÕES desta PROPOSTA

O novo enfoque estratégico apóia-se em geo-economia e logística estrutural integrada em sentido amplo. Isto tem uma justificativa, aliás, várias explicações.

1 - fixar uma visão espacial com ênfase na logística;

2 - destacar e enfatizar o sentido de interação, fluxo e circularidade necessária;

3 - chamar atenção para o fator hidroviário combinado com o ferroviário (navegação fluvial e de cabotagem complementada pela ferrovia)

Porque isto?

Porque é uma solução que ainda pede um tratamento especial. Todos nós sabemos que grandes economias se fazem hiper-ativas, nisto usando o modal mais barato e de fácil manutenção. Afinal, barcos não têm pneus, suspensão (molas e amortecedores etc). Sempre enfatizo que hidrovias devem ser articuladas com ferrovias onde se deve ter sempre a ligação férrea ligando porto a porto. Assim o trem vai cheio e volta também carregado. Existem problemas e dificuldades? Sim, são muitos. Mas tudo solucionável. É questão de decisão e de conveniência. Só que a conveniência é agora!

Digo mais, é prá já!

Basta ver o que estão fazendo os europeus - leia-se UE. A turminha de lá está investindo pesado em projetos de interesse comum como aparelhamento das vias navegáveis. Também estão cuidando para que portos não fiquem isolados e sejam  verdadeiros agentes de fluxo contínuo. É que, se isto não é devidamente cuidado, acabam atravancados e atravancando todo o processo. A nova tendência é articular os portos com parques industriais e tecnológicos, imediatamente próximos e integrados. Com isto a coisa não para, é produzir e distribuir com o mínimo de armazenagem possível. Este é o sentido mais exato da logística bem articulada e de fluxo integrado.

Tenho um projeto para esta eficiente articulação dos modais aquáticos, a cabotagem ao longo da costa e a navegação pelos rios. Ambos devem compor uma continuidade e para isto serão necessárias várias providências. O projeto original foi desenvolvido por mim de 1996 a 98 quando participava da Incubadora Tecnológica PETROBRAS / BETIM (MG). Visitei muita gente, instituições, empresas e li quase tudo o que circulava a respeito e levantei um monte de problemas aos quais dei atenção e quem sabe, solução.

Õoops, claro, o meio ambiente terá que ser cuidado adequadamente sim.

OPORTUNIDADE de UMA PROPOSTA RADICAL

Assistimos a muitos eventos adversos em relação às possibilidades de integração. Argentina e Brasil discutem questões de tarifas, impedimentos e barreiras à importação de produtos por um ou por outro. Isto leva a nada. Eu já assinalei muitas vezes em outros tópicos que ficar brigando por commodities é perda de tempo e só pode gerar desgastes.

Qual seria a alternativa?

Criar e desenvolver produtos diferenciados - aquilo que ninguém tem - e oferecer aos demais. A novidade tem enormes vantagens. Dá maior margem de lucro, elimina ou reduz a concorrência e gera espaço de manobra e comercialização. O investimento em novos produtos só trás vantagem. Por isto sempre optei por um novo enfoque totalmente às avessas. 

A mudança tem que ser radical. Esqueçamos essa competição estéril e partamos para outras alternativas. Nossos amigos do sul saberão entender a proposta e certamente aderirão.

A proposta a princípio é a de fazer prevalecer a cooperação entre os países do bloco. Ainda não está funcionando. Se não conseguirmos reverter a modalidade de relacionamento não teremos MERCOSUL, talvez nunca. A briga ainda é por tarifas, restrições, impedimentos de parte a parte. Nada disso favorece a evolução da comunidade Latino Americana, pelo contrário, nos enfraquece. Qual é a melhor alternativa?

Insisto: instalar um projeto de cooperação em algum projeto de grande vulto. Há que ser suficientemente forte e poderoso para superar divergências. É aquela coisa do "a causa acima de tudo". É bom lembrar que dois projetos conjuntos tiveram importante papel na consolidação da UE no seu início: o Concorde e o túnel sob o Canal da Mancha. Um mega-projeto de integração envolve navegação fluvial em continuidade com a cabortagem e, tudo isto, articulado com a malha ferroviária.

Nosso papo está só começando. Temos o que fazer?

- Temos.

Porque não encarar isto já? 

Eduardo Lopes - designer, consultoria e planejamento

 

Caixa de Recados

Você precisa ser um membro de Portal Luis Nassif para adicionar comentários!

Entrar em Portal Luis Nassif

  • Sem comentários por enquanto!
 
 
 

Publicidade

© 2019   Criado por Luis Nassif.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço