Portal Luis Nassif

Teatro de Revista
  • Brasil
Compartilhar no Facebook Compartilhar

Amigos de Teatro de Revista

  • marcio geraldo da silva
  • Elisa Petrillo
  • Fernanda Mendes
  • Marcê Porena
  • Marcelo Andrade de Souza
  • Abilio Campos
  • Marcos Novaes
  • Renata Pagliarussi
  • Pagu
  • ANA LAURA POWER
  • Paulo afonso de lima
  • Roseli Hercilia Denes Andrade
  • Antonio Carlos Pedro
  • Nelson Marzullo Tangerini
  • Fernando Augusto Botelho - RJ

Informações do Perfil

Profissão
Pesquisadores Independentes (Cafu, Helô, Henrique e Laura)

Música

Carregando...
 

Bem-vindo(a) ao Teatro de Revista!

O Teatro de Revista

O Teatro de Revista sempre foi considerado pela crítica do chamado "teatro sério" um gênero menor, cuja única função era entreter o público mais humilde e "inculto". Para esses críticos as Burletas, Comédias Musicais e Revistas eram compostas apenas por "vulgaridades", "palavreado chulo" e piadas de duplo sentido, além de músicas, ritmos e danças de "mau gosto". O público não deu muita atenção a essas advertências e a partir do início do século passado começou a lotar os teatros que se concentravam na Praça Tiradentes e adjacências, no Rio de Janeiro. Logo a Revista conquistaria todo o Brasil.

Para um gênero teatral, o Teatro de Revista teve uma vida bastante curta no Brasil. Desde "As surpresas do Sr. José da Piedade", de Justino de Figueiredo Novais, em 1859, a "Tem Banana na Banda", de Paulo Pontes, em 1970 - uma tentativa de recuperar a Revista - foram exatos 111 anos. Mas foi precisamente nesse período que o Brasil construiu sua identidade cultural. Hoje sabemos que a Revista foi decisiva para isso. A música e os ritmos populares que não entravam nas salas das famílias e eram proibidos nos salões das elites arrogantes explodiram nos palcos da Praça Tiradentes. Os tipos e a linguagem das ruas, do povo "inculto", serviam de inspiração para os escritores e letristas e orientavam a interpretação dos cômicos. Pela primeira vez, desde Cabral, o povo era o grande astro dos espetáculos. Era teatro popular genuinamente brasileiro, ainda que sua estrutura fosse baseada no teatro de variedades francês.

A denominação "Teatro de Revista" fixou-se com Artur Azevedo no final do século 19. Artur, sempre em parceria ou com a contribuição de seu irmão Aloísio, escrevia o que se chamou "Revistas de Ano". Isto é, no início de um ano montava-se uma peça que passava em revista os fatos mais importantes do ano anterior. Sempre com uma abordagem crítica e satírica da política, da vida social e dos costumes. Foi assim, por exemplo, com "O Bilontra", de 1886, que fazia a retrospectiva de 1885.

O grande sucesso aumentou a produção desses espetáculos atraindo novos autores e compositores para o gênero. Em pouco tempo, o que antes era anual logo passou a ser semestral, mensal, semanal. O dia-a-dia do país e das cidades era o tema dos revisteiros. A Revista se transformou num espetáculo dinâmico, ágil e multicultural - texto, música, canto, dança, teatro de variedades - com atualizações às vezes diárias que exigiam muito de escritores, compositores, atores e cantores. Assim foi sobretudo a partir de 1911, com o extraordinário sucesso de "Forrobodó", texto de Luiz Peixoto e Carlos Bittencourt com música de Chiquinha Gonzaga.

Nas décadas seguintes - anos 20 e 30 - o Teatro de Revista se fixaria como o maior meio de difusão cultural do país. Formava atores e atrizes, revelava escritores, compositores e cantores. Qualquer clássico da nossa música popular anterior a 1940 tem relação com o Teatro de Revista. Isso quando não foi música composta especialmente para o palco. É assim com as obras de Chiquinha Gonzaga, Pixinguinha, Ary Barroso, Lamartine Babo, Donga, Sinhô e tantos outros. Ou com atores-cantores como Aracy Côrtes, Carmem Miranda, Francisco Alves, Mesquitinha, Procópio Ferreira, Grande Otelo e Oscarito.

Foi a música que ensejou a criação da Página Teatro de Revista! Cafu postou um vídeo de Linda Flor (de Henrique Vogeler, Luiz Peixoto e Marques Porto) interpretada por Elis Regina e Sivuca. A Revista estava lá. Poderiam ter sido muitas outras canções. Na troca de mensagens, em pouco tempo reunimos uma quantidade de material que já não cabia mais no curto espaço dos comentários - fotos, vídeos, peças, áudios. Por sugestão da Helô, cumplicidade de Cafu, Laura e Henrique, e com o apoio do Nassif, essa página foi criada no Portal.

Passar em "revista" o Teatro de Revista é lançar um pouco mais de luz sobre uma poderosa fonte geradora da nossa cultura. Um gênero que produziu milhares de peças, centenas de canções e revelou muitas dezenas de escritores, compositores, cômicos, atores e atrizes. Os teatros onde brilharam foram quase todos demolidos. Mas ainda existem palcos para eles. Este é um.

por Henrique Marques Porto

BIBLIOGRAFIA.doc

ARTIGOS ACADÊMICOS.doc

PERIÓDICOS.doc

Fotos de Teatro de Revista

Carregando...
  • Adicionar fotos
  • Exibir todos

Vídeos de Teatro de Revista

  • Adicionar vídeo
  • Exibir todos

Blog de Teatro de Revista

Chiquinha Gonzaga em Revista

ATUALIZAÇÃO

vide atualização no final do post

 

Recebi, via e-mail, da loja SESC virtual a notícia do lançamento do CD “Chiquinha em Revista”.



O nome consagrado de Chiquinha Gonzaga em nossa história musical é, inegavelmente, merecedor de elogios superlativos. A publicação do seu nome em qualquer matéria e/ou mídia por si só já me…

Continuar

Postado em 29 fevereiro 2012 às 23:15

Lançado CD de Musical da década de 1930

 





Segundo Paulo Betti, não existiria o CD "A Canção  Brasileira" se, nos anos 80, o diretor Luís Antônio Martinez Corrêa…

Continuar

Postado em 9 março 2011 às 23:30 — 3 Comentários

Oscarito - 104° aniversário



por Helô



Oscar Lorenzo Jacinto de la Imaculada Concepción Teresa Dias, cujo apelido ficou sendo Oscarito, nasceu a 16 de agosto de 1906, em Málaga, na Espanha. Filho de Oscar Vicente Teresa e Clotilde Teresa, uma família de circenses com tradição de muitos anos de picadeiro, Oscarito veio para o Brasil com 2 anos de idade, segundo seu depoimento para a série História do Cinema Brasileiro.…

Continuar

Postado em 16 agosto 2010 às 19:30 — 10 Comentários

Sinhô, 80 anos sem o Rei do Samba





por Laura Macedo



José Barbosa da Silva
(1888-1930), conhecido pelo apelido de Sinhô, é uma unanimidade quanto se trata de apontar o mais popular compositor de samba das primeiras décadas do século XX.



Filho de dona Graciliana…

Continuar

Postado em 4 agosto 2010 às 13:30 — 12 Comentários

Primeiro Aniversário do Teatro de Revista





por Helô



No dia 28 de maio de 2010, na cidade do Rio de Janeiro, comemoramos felizes o Sarau dos 10 mil do Portal Luis Nassif. Para a nossa equipe, aquele encontro mágico teve especial significado: o primeiro aniversário da página. Relembrando como tudo começou, destacamos uma breve explicação do Henrique:…



Continuar

Postado em 30 junho 2010 às 0:30 — 12 Comentários

Caixa de Recados (150 comentários)

Você precisa ser um membro de Portal Luis Nassif para adicionar comentários!

Entrar em Portal Luis Nassif

Às 11:36 em 5 junho 2013, CW - Cultura disse...

Uma dúvida:

Quais as características do teatro de revista que vemos no teatro nacional até hoje?

Às 21:20 em 24 outubro 2011, Elisa Petrillo disse...

Acho que fiz alguma confusão, queria postar algo aqui e saiu no blog..rsrs

Olá, eu sou a neta de um comediante que foi muito famoso, na época dos cassinos e do teatro de revista, conhecido como Príncipe Maluco, cujo nome real era João Petrillo. Ele morreu quando eu ainda era uma criança e tento resgatar sua memória artística, pois um dia, lendo um texto do Nassif de 2004, ele mencionava meu avô como um dos artistas que se perderam no tempo.

Infelizmente o material artístico dele foi extraviado, mas monto um blog e conto com as informações do portal, se puderem me ajudar. Mas quero aqui disponibilizar alguns dados que já coletei.

O Príncipe Maluco foi comediante, compositor, cantor, era um artista completo.  Trabalhou na Grande Companhia de Revistas Brejeiras Paradise, junto com Dercy Gonçalves, Celeste Aída, Cole, Hernani Filho, Adelardo de Matos.  Também trabalhou com Oscarito, além de inúmeros músicos e compositores. Participou de filmes como "Cousas Nossas" e "Berlim na Batucada". E aqui segue a foto dele:

Príncipe Maluco

(João Petrillo)

 

Estou providenciando outras fotos, assim que tiver, eu disponibilizo aqui! Abraços!

Às 17:13 em 28 julho 2011, marisa carpintero disse...

Pessoal....

Estou aqui recentemente... encontrei esse espaço procurando notícias sobre o Teatro de Revista... Adorei conhecer e aprender.

Sou professora de história e estou realizando uma pesquisa sobre uma artista da década de 20 , portuguesa chamada Maria de Lurdes da Costa Cabral. Agradeço.. abraço

Marisa   

Às 6:06 em 15 abril 2011, n almeida disse...

Anúncio da peça "É de Xurupito!" (1957) - Teatro de Revista de Walter Pinto

 

Às 14:55 em 23 dezembro 2010, Henrique Marques Porto disse...

O Teatro Oficina e Elaine Cezar

Não tem tamanho o absurdo da decisão de um Juiz da Infância de  São Paulo de sequestrar, em nome de sei lá que argumentos, os equipamentos onde estão arquivados cerca de cinquenta anos de história do Teatro
Oficina!

O Teatro Oficina e José Celso Martinez Correia merecem a nossa solidariedade. E estão precisando dela!

Ao fundo da cena, rola o drama que desencadeou tudo: a disputa pela guarda de um menino de três anos, filho de Elaine Cezar, diretora de cena que trabalha no Teatro Oficina. O pai, um ex-ator do grupo, alega que o filho teria sido exposto a cenas de nudes, por ele consideradas "pornográficas". A alegação foi aceita pelo juiz.

O Teatro Oficina não abusa nem seria conivente com abusos contra crianças! O Teatro Oficina só abusa da criatividade. Ainda bem.

Elaine Cezar estaria muito doente, padecendo de leucemia. Está internada numa UTI. Precisa, mais até do que o Oficina, do nosso apoio.

Informações sobre o trabalho de Elaine em http://elainecesar.com/index.html

Seu e-mail é elainecesar@uol.com.br

abraços e um bom Natal a todos.

Henrique Marques Porto

Às 23:34 em 19 dezembro 2010, mauro araujo silveira disse...

Caros amigos

Importante observar que quando a indústria de gravações de músicas se instala no Brasil, grande parte do repertório gravado teve origem no Teatro de Revista, assim temos gravações da dupla OS GERALDOS, como "A Tacadinha" (música de duplo sentido sobre a sinuca); BAHIANO (o pioneiro em gravações) lançou "O Fresco", a primeira música gay da história da MPB; "O Dueto Alegre do Cozinheiro e a Patroa" com Os Geraldos; e mais tarde o famoso AI IÔ IÔ, entre tantas outras, Vale a pesquisa.

Às 1:34 em 21 setembro 2010, Nelson Marzullo Tangerini disse...
DINORAH MARZULLO [MINHA TIA], ANTÔNIA MARZULLO [MINHA AVÓ], OSCARITO, DERCY GONÇALVES, GRANDE OTELO, MESQUITINHA, HUMBERTO CATALANO, HENRIQUETA BRIEBA, ARACY CORTES, ENTRE OUTROS, TRABALHARAM EM PEÇAS [REVISTAS] DE MEU PAI, NESTOR TANGERINI.
ABRAÇOS, NELSON TANGERINI, ESCRITOR.
Às 1:31 em 21 setembro 2010, Nelson Marzullo Tangerini disse...
OSCARITO E GRANDE OTELO TRABALHARAM EM PEÇAS DO MEU PAI, NESTOR TANGERINI. LEIAM MEU LIVRO "NESTOR TANGERINI E O CAFÉ PARIS", EDITORA NITPRESS, NITERÓI, RJ, 2010. ATENCIOSAMENTE, NELSON TANGERINI, ESCRITOR.
Às 22:10 em 17 setembro 2010, luiz carlos correia disse...
esta pagina pra mim é a melhor, eu volto ao tempo , artista que eu lia revista do radio e me faz lembrar demais, como era rico aquela epoca.
Às 15:45 em 2 setembro 2010, Marcos Novaes disse...
Página fantástica, fiquei muito tempo por aqui me deliciando com todo este rico conteúdo.

Parabéns e muito obrigado

Abraços

Marcos Novaes
 
 
 

Publicidade

© 2017   Criado por Luis Nassif.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço