Blog de Maria Luiza Silveira Teles (29)

SER MESTRE

(Uma humilde homenagem aos professores no seu dia)





Quem aspira a ser mestre não deve pensar que vai apenas andar na frente, mostrando o caminho. Deve lembrar-se que, muitas vezes, tem que estar junto, sentindo o medo e as aflições de seus discípulos.



Quem guia tem a enorme responsabilidade de ter não só um comportamento exemplar, mas um comportamento e um discurso que demonstrem a sua fé em Deus, na vida e nos homens. Tem que ter alegria e paixão. Deslumbrar-se com… Continuar

Adicionado por Maria Luiza Silveira Teles em 16 outubro 2009 às 3:00 — Sem comentários

A BÊNÇÃO DA VIDA

A BENÇÃO DA VIDA



Diz Gabriel Garcia Márquez que “é necessário abrir os olhos e perceber que as coisas boas estão dentro de nós, onde os sentimentos não precisam de motivos nem os desejos de razão. O importante é aproveitar o momento e apreender sua duração, pois a vida está nos olhos de quem sabe ver." Ela nos brinda com uma série de bênçãos, gratuitamente.

Não é preciso ter muito para gozar da Vida. Basta estar atento. Aliás, um poeta inglês escreveu uma frase que jamais… Continuar

Adicionado por Maria Luiza Silveira Teles em 13 outubro 2009 às 1:42 — Sem comentários

PRANTO NA MADRUGADA

No vai e vem das horas

Me ponho a meditar

Tempo que me foge

E amor que me arde

Saudade como o vento

Batendo na janela

Na janela de minh’alma

Rostos, gestos e nomes

Tudo morto e levado pelo tempo

Mas, bem viva esta dor

Que me queima o coração

Dor de quem vive

de quem espera

de quem ama

E nas asas do tempo e do vento

Minh’alma viaja

Por ermos lugares

Lá no passado.

Por tão grande amor

E por tão grande… Continuar

Adicionado por Maria Luiza Silveira Teles em 11 outubro 2009 às 21:23 — Sem comentários

PENA DO AMOR PERDIDO

PENA DO AMOR PERDIDO



Não é esta a noite

E nem este o rosto....

São outros olhos

Que me olham

Com ternura e medo...

É uma outra boca

Que inventa

Palavras novas...

São outras mãos

Que buscam

A linguagem de meu corpo.

Não é esse tédio...

Mas a alegria do encontro

Não é essa a noite !

É aquela em que esgotei

Toda a vida.

Não é esse o amor

Que deixei perder

E não são essas

As lágrimas de… Continuar

Adicionado por Maria Luiza Silveira Teles em 8 outubro 2009 às 20:52 — Sem comentários

A HORA DA TRISTEZA

A HORA DA TRISTEZA







Deveria haver um esconderijo para a Tristeza e a Saudade, não acham? Tem dia que a única vontade que temos é colocar a cabeça no travesseiro e nos esquecermos de tudo, não é verdade? Às vezes, caímos, tropeçamos e o desejo é de ficar ali no chão porque o cansaço é demais...



Não costumo ficar olhando para trás e nem me lamentando.. Mas, putz..., quantas vezes, sem a gente pedir, a Tristeza e a Saudade nos batem à porta?!



Se a gente… Continuar

Adicionado por Maria Luiza Silveira Teles em 25 setembro 2009 às 14:55 — Sem comentários

RÉQUIEM PARA AMIGA

RÉQUIEM PARA AMIGA







A primavera se anunciava com o céu claro, o sol ardente e as flores se abrindo. Numa manhã assim, sem aviso prévio, uma alma de luz voltou para a Casa do Pai.

A luz do dia era pequena comparada a sua própria luz. Por onde passava, espalhava-a, derramando paz.

Desde criança, lutou bravamente contra uma doença auto-imune que ameaçou sua vida tantas vezes. Mas, ela não era de se deixar abater facilmente. Seu bom-humor, sua força não davam tréguas… Continuar

Adicionado por Maria Luiza Silveira Teles em 22 setembro 2009 às 21:04 — 2 Comentários

SAUDADE

Hoje, uma saudade danada veio bater à minha porta. E não adiantou querer deixá-la de fora. Ela, rebelde, foi se adentrando e tomando conta do meu ser.



Saudade de pés no chão, de fruta na árvore, de perfume de flor e mato, de leite ao pé da vaca, de andar na chuva sem medo e brincar nas enxurradas. Saudade daqueles que marcaram minha vida, ajudaram na formação de meu ser e, depois, se foram para outras dimensões, deixando cicatrizes em minh’alma.



Bobagem dizer que a gente… Continuar

Adicionado por Maria Luiza Silveira Teles em 30 agosto 2009 às 3:04 — Sem comentários

ESPERANÇA

ESPERANÇA







Quando vemos a noite passar



Sem que o sono venha



é porque estamos a pensar:



alguns em preocupações



outros nas dores do coração.







Quando a madrugada aponta



noite e dia se misturam



Os segredos que a ninguém se conta



Começam a gritar em nossas almas.







E a gente se põe a lembrar



De entes queridos que se foram



Da leveza da… Continuar

Adicionado por Maria Luiza Silveira Teles em 21 agosto 2009 às 14:43 — Sem comentários

ESTRANHA NO NINHO

ESTRANHA NO NINHO





Minh’alma está encolhida dentro do peito. Doída. Solitária. Saudosa. Seu sacrário vive sendo violado. Mas, como tão bem disse Miguel Falabella, “As tempestades da alma, tão comuns na meia-idade, na verdade, são vislumbres do futuro e a bonança, que se segue a elas, sopra o vento das saudades sazonais, que chegam inexoráveis, instalam-se sem aviso prévio, tomam conta de tudo e não têm data marcada para a partida”.

Sabemos que o amor move o mundo, mas, como… Continuar

Adicionado por Maria Luiza Silveira Teles em 20 agosto 2009 às 17:41 — 1 Comentário

Publicidade

© 2020   Criado por Luis Nassif.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço