Blog de Ana Lucia Timotheo da Costa (32)

Acalanto

Há que se caminhar e
Cantar pelo caminho.
As pedras virão com os tropeços.
Imagine-se a agradecer o dia
Ainda que a escuridão apareça.
Quem nunca teve problemas?
Vida é senão preparação para a viagem.
Busque amar apesar de.
Chore para limpar a alma.
Tente sorrir porque o sorriso abastece
Você e o outro.
Você não está aqui por acaso.
Faça de tudo para ser feliz.

Adicionado por Ana Lucia Timotheo da Costa em 15 outubro 2009 às 19:18 — Sem comentários

Asas nos pés

Sua avó adorava contar-lhe histórias. Havia uma, em especial, que continha a mensagem – “coloque asas nos pés e realize seus sonhos”. Assim ele cresceu, cheio de planos. Não que acreditasse em contos de fadas, mas achava que muita coisa durava para sempre.



Aí começou seu erro. De repente o que era vidro se quebrou, o que era bonito se enfeiou, o que era certo já não era tão certo Ele, então, passou a confundir-se. Começou a sofrer com as mudanças. Já não estava tão seguro de que a… Continuar

Adicionado por Ana Lucia Timotheo da Costa em 27 setembro 2009 às 22:30 — Sem comentários

Pedaços de vida



Saudade da época em

que, descalça, corria

nos quintais da vila.



Cafifas, búlicas,

‘Marraio feridô sou rei!’

um fartar de ‘amarelinhas’ ,

um-dois-três-salve-os-quarenta,

pique esconde, mico preto,

‘carniça’ e olhar balões.

Não havia medos: nem do novo

nem da vida.

Eu, moleca, entre os moleques da rua.

Meus pais sabiam de mim.

O ar era mais leve, pulmões abertos.

As férias… Continuar

Adicionado por Ana Lucia Timotheo da Costa em 10 setembro 2009 às 2:51 — Sem comentários

Muitas vestirão a camisa

Nunca foi chegada ao batente.

Terceirizou a maternagem.

Como esposa passou longe da

dedicação e carinho.

Adora fofoca alheia.

Telefone é artigo de primeira.

Casa sempre abastecida.

Conta polpuda.

Tem sempre companhia.

Não tem insônias.

Nem mazelas.

É capaz de fazer uma visita

e preferir folhear uma revista.

Que mulher é esta

que me tira do sério

e me acorda o lobo?

Que me confunde os valores

e me aperreia os… Continuar

Adicionado por Ana Lucia Timotheo da Costa em 21 agosto 2009 às 13:02 — Sem comentários

Humor

Humor



“Nunca se deve perder o humor” diz o ditado. Mas como manter-se bem humorada quando se cai na real e se descobre dando nó em pingo d´água para conseguir que os minguados trocados consigam chegar ao fim do mês? Também quem mandou bobear e não aproveitar a oportunidade mais cedo? Com o descasamento sentiu seu mundo desabar. Filho criado saiu em busca da sua lenda pessoal. O que fazer? Não chorar pelo leite derramado! À luta! Hora de arregaçar as mangas e por mãos à obra. Questão… Continuar

Adicionado por Ana Lucia Timotheo da Costa em 11 agosto 2009 às 4:28 — Sem comentários

Solidão através da janela





Triste vê-lo observar a vida

Que transcorria

Através da janela.

Assistia a mornidão

Dos ventos de verão

Garoa da troca

De estação

Papeis que voavam

Turba além-muros.

Só não entendia

Porque a vida insistia

Em fazê-lo suportar

Mais sofrimentos

Apesar dele não

querer mais.

Fazia muito que

havia… Continuar

Adicionado por Ana Lucia Timotheo da Costa em 5 agosto 2009 às 14:21 — 1 Comentário

Sem rumo


Entre muros
Paredes
Mares
Andares
O homem.
Acuado
Assustado
Desequilibrado
Nas teias
Da estrada
Batizada
Vida.

Adicionado por Ana Lucia Timotheo da Costa em 5 agosto 2009 às 2:18 — Sem comentários

Carteado


Tinha sempre
Um coringa
Na manga.
Sabia-lhe
Melhor
Que tudo.
Serviria
Para mentira
Despedida
Faltas sem motivo
Hipocrisias
Promessas
Jogatinas.
Esqueceu que
Quem faria
A canastra real
Seria a morte
Isenta de coringas.

Adicionado por Ana Lucia Timotheo da Costa em 4 agosto 2009 às 1:28 — Sem comentários

O velho



Sobre o seu corpo
as marcas do tempo.
A boca mais murcha,
os lábios mais finos,
os olhos sem brilho,
opacos, bem gastos.
Cabelos mais ralos,
andar mais pesado,
sonhos mal vividos,
pouco repartidos.
As mãos enrugadas,
um pouco esfoladas,
prenúncio do fim.

Adicionado por Ana Lucia Timotheo da Costa em 3 agosto 2009 às 1:43 — Sem comentários

Oculto desejo



Bailava
Era leve pluma.

Sonhava
Era um sonho antigo

Sorria
Era adivinha

Esperava
Sabia que viria

Ensaiava
Seu corpo ardia

Entregava-se
Finalmente o dia.

Adicionado por Ana Lucia Timotheo da Costa em 31 julho 2009 às 12:52 — Sem comentários

Ânsia



Queria te falar do azul

Daquele céu que vimos

Naquele dia morno.



Queria te mostrar

A paz

Que enfeita o vôo

Das gaivotas brancas.



Queria esvoaçar

Meus cabelos

Junto aos teus.



Queria sonhar a vida

Contar carneiros!



Queria ficar calada

E observar o mar.



Ah como eu queria

adoçar tua pele

Que tanto me… Continuar

Adicionado por Ana Lucia Timotheo da Costa em 30 julho 2009 às 19:22 — 1 Comentário

O Gato (Quintana)


O Gato

O gato chega à porta do quarto onde escrevo.
Entrepara...hesita...avança...
Fita-me.
Fitamo-nos.
Olhos nos olhos...
Quase com terror!
Como duas criaturas incomunicáveis e solitárias
Que fossem feitas cada uma por um Deus diferente.

Adicionado por Ana Lucia Timotheo da Costa em 30 julho 2009 às 14:17 — 2 Comentários

Tempo de cinzas




Pelo tempo
Navegam sonhos.
Pelas frestas da vida
Todas as manhãs
A claridade invade.
Onde soprará o vento
Que acaricia a relva
Trazendo cinzas
De tantas vidas apagadas?
Virá das bandas do norte
Comentando a lida
Ou apregoando a sorte?

Adicionado por Ana Lucia Timotheo da Costa em 29 julho 2009 às 12:26 — 3 Comentários

Talvez (em 2 atos)



Talvez

I



Talvez fosse menos solitário

carregá-lo em meu corpo

como tatuagem.

Mas a paixão se dissolveu

no momento da partida.

Desatamos nós, que não eram cegos

e eu entendi o porquê do

amor não ter acontecido.



II



Quem sabe uma defesa

tenha posto a mesa

com mais vinho tinto?

Vinho de outros copos,

bocas, belos corpos,

dando chance ao encontro

do… Continuar

Adicionado por Ana Lucia Timotheo da Costa em 28 julho 2009 às 20:03 — 2 Comentários

Pôr de sol


Os peixes deslizavam
à flor d´água.
O sol já se ajeitava pra dormir.
Como a esconder um filho
a montanha o recebia.
Um céu vermelho
despedia-se do dia.
Por um instante mágico,
céu e mar se encontravam
em paz da sagrada harmonia.

Adicionado por Ana Lucia Timotheo da Costa em 28 julho 2009 às 1:18 — 1 Comentário

Carne roliça

Bastava-lhe, apenas, um
pedaço de carne
roliça e muda,
para seus gestos bestiais
de prazer e dor.
Nada lhe importava no outro.
Era simples repetição: satisfazia-se,
vestia-se e pagava.
Não havia sequer um afago
ou despedida.
Fazia questão de ser viajante solitário
em seu mundo de conquistas.

Adicionado por Ana Lucia Timotheo da Costa em 25 julho 2009 às 2:07 — Sem comentários

Pássaros



Pássaros



Pegavam uma corrente térmica

e brincavam no ar.

Subiam, desciam,

um “céu de brigadeiro” propiciava

linda paisagem de inverno.

Da brincadeira surgiu o encantamento:

o macho dançava e piruetava para

impressionar sua escolhida.

Eu, da janela, imaginava sentir o

prazer da sedução, até o cheiro!

Via um balé aéreo, com fundo

musical imaginário.

A princípio, havia um ritmo… Continuar

Adicionado por Ana Lucia Timotheo da Costa em 24 julho 2009 às 20:14 — 1 Comentário

Nudez

É como um desembrulhar:
pouco a pouco,
cada lágrima, tristeza,
desengano, dor e até
mesmo euforia
vai-se mostrando
num gestual de palavras
que me desnuda.
Fico nua, só, mas
absurdamente livre.

Adicionado por Ana Lucia Timotheo da Costa em 24 julho 2009 às 13:36 — 1 Comentário

A vida nos prega peças

A jarra espatifou-se.
Ainda que seja consertada
sei que não será mais a mesma.

É como o sentimento.

Não adianta polimento,
jamais terá o mesmo brilho.
Terá perdido o encantamento.

Ajudei-o na doença
e não entendi a sua indiferença.
Pediu a minha cabeça.
Julgou-me à revelia...

Adicionado por Ana Lucia Timotheo da Costa em 23 julho 2009 às 23:52 — 1 Comentário

O palhaço



O palhaço



‘E o palhaço o que é?

É ladrão de mulher...’

Assim era nos circos da

minha infância.

Mas quem é, de verdade, o palhaço?

É aquele que ri

enquanto, muitas vezes

o seu coração chora.

É o que, por trás da pintura

branca da sua cara

esconde ou foge da realidade

e troca o tédio por muitas

gargalhadas...

Usa o brincar para esquecer,

iludir e transformar

o… Continuar

Adicionado por Ana Lucia Timotheo da Costa em 23 julho 2009 às 0:45 — 1 Comentário

Publicidade

© 2019   Criado por Luis Nassif.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço