Blog de Romério rômulo -- janeiro 2012 Arquivo (6)

minha poesia está solta na vila

sou o poeta canônico
das estrofes adversas, dos terrenos baldios
dos dezembros de osso e pedra.
elevo a inflexão nos sonetos
como um antônio das mortes.
os loucos e os bichos me ouvem.

já fiz orações a vieira, a antônio de pádua
aos apóstolos pedro e paulo
a vinicius e baden.
rezei com os tincoãs na freguesia
e os muros lavaram os meus horrores.

minha poesia está solta na vila.

romério rômulo

Adicionado por romério rômulo em 28 janeiro 2012 às 8:00 — Sem comentários

eu sempre fui ao coração das coisas

eu sempre fui ao coração das coisas
revelei minhas tripas aos insensatos
e velejei pelos mares mais torpes
em busca da ciranda.
parti todas as lanças que me mandaram
e, no último instante, arremessei meus ossos
no lodo.

quando virem um ser penado
uma vaga incandescente nas valas
contem certo:
sou eu atravessado nos pastos.

romério rômulo

Adicionado por romério rômulo em 24 janeiro 2012 às 7:52 — 1 Comentário

a sua pele branca de algodão, 1

não fujo de uma rosa dolorida
nem quero a solidão tumultuada.

para morrer eu só carrego a vida.

romério rômulo

Adicionado por romério rômulo em 20 janeiro 2012 às 8:15 — Sem comentários

montar a musa, 1

montar a musa é um estado lindo
por só cair em exercício findo.
os pedestais, coivaras e delírios
são pontes soltas pelos meus martírios.

 

quanta poesia rebelde e insensata
já me queimou na esfera correlata!

 

romério rômulo

Adicionado por romério rômulo em 16 janeiro 2012 às 8:30 — Sem comentários

anjo ruivo

um anjo ruivo
que decide a noite
escava gavetas
faz o translado dos dentes
cuida das pontes
arranca os medos e os berros

um anjo ruivo
que varre e acerta bandolins
aperta poetas vadios
diz o nome dos bois
arranca os aços da vida

um anjo ruivo
que lava
a poesia ressecada.

romério rômulo

Adicionado por romério rômulo em 9 janeiro 2012 às 15:03 — Sem comentários

fragmento, 1

quando eu morrer amanhã, não interrogue
da só devassidão dos meus ofícios
eu deixo um girassol, como van gogh
e um afro-samba travado de vinicius.

romério rômulo

Adicionado por romério rômulo em 2 janeiro 2012 às 15:05 — Sem comentários

Publicidade

© 2019   Criado por Luis Nassif.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço