Portal Luis Nassif

Na sessão plenária da Cúpula de Caracas, presidenta Dilma celebra a criação da Celac
e reforça a importância da integração regional. Foto: Roberto Stuckert Filho/PR


http://blog.planalto.gov.br/celac-reflete-importancia-geopolitica-d...


Sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

Celac reflete importância geopolítica da América Latina e do Caribe, diz presidenta Dilma

Chefes de Estado da América Latina e do Caribe deram hoje (2) um significativo passo para fortalecer a integração dos países da região. Reunidos em Caracas, na Venezuela, criaram a Comunidade de Estados Latino-americanos e Caribenhos (Celac), que conta com a participação de 33 países. As exceções são os Estados Unidos e o Canadá.

Na primeira sessão plenária da 3a Cúpula de Caracas, a presidenta Dilma afirmou que a Celac é fato político e econômico de “grande envergadura”. A integração regional, reiterou, é condição para que as economias da América Latina e do Caribe enfrentem os desafios impostos pela crise internacional, mantenham suas taxas de crescimento acima das registradas pelo resto do mundo e preservem seus ciclos atuais de desenvolvimento.

“A Celac é a expressão da capacidade que nós tivemos de olhar para nós mesmos e perceber a importância estratégica e geopolítica desta região. O Brasil tem hoje uma economia sólida, diversificada e competitiva, mas nós não queremos olhar só para dentro do Brasil ou para a Europa e os países desenvolvidos. É chegada a hora de construir a nossa prosperidade em conjunto com todos os países da região.”

A Celac nasce da união da Cúpula da América Latina e do Caribe (Calc), voltada para a cooperação entre os países, com o Grupo do Rio, que teve forte atuação política desde os anos 1980. Segundo o Itamaraty, surge para contemplar a nova realidade internacional. Nesta, latino-americanos e caribenhos contribuem para resolver a crise que afeta com seriedade os países ricos. Além disso, a nova organização pode estimular a cooperação e fortalecer a integração regional.

Na sua contundente defesa da integração regional, Dilma Rousseff argumentou que são reais os temores de uma recessão global. E, na contramão do que vive hoje a Zona do Euro, “onde velhos modelos foram colocados em xeque pela especulação financeira”, os países da América Latina e do Caribe devem, segundo ela, perseguir a integração.

“Sabemos que a integração não é um processo de curto prazo ou um caminho de facilidades, mas é uma construção contínua e paciente, com respeito à pluralidade. Há que se respeitar a soberania e a independência das nações. Juntos seremos mais fortes. Juntos podemos crescer de forma solidária e mutuamente benéfica.

Aos 33 chefes de Estado presentes à Cúpula de Caracas, a presidenta Dilma ressaltou o caráter pacífico da região.

“Nós também somos uma zona de paz, livre de armas de destruição em massa, que cultiva a via do entendimento e do consenso, e que não se deixa tentar por soluções impositivas de um país pelo outro. Aprendemos a lidar com nossas diferenças pelo caminho do diálogo.”

E numa demonstração de que o Brasil acredita na atuação da nova Celac, Dilma Rousseff anunciou que a Universidade Federal Latino-americana (Unila) estenderá as matrículas a todos os latino-americanos e caribenhos. Em cinco anos, disse, a Unila poderá ter dez mil alunos e 500 professores de toda a região.




http://www.maurosantayana.com/2011/12/rey-muerto-rey-puestoo-enterro-da.html

01/12/2011

A REY MUERTO, REY PUESTO.

O ENTERRO DA “IBEROAMERICA” E O BATISMO DA CELAC.


Por Mauro Santayana

Não faz mais de um mês, em Assunção, no Paraguai, foi sepultado, sem choro e sem velas, o projeto neocolonial que embalou os sonhos da Espanha, nos anos 90, de voltar a exercer, com a ajuda de conhecidos neoliberais de plantão, algum poder real na América Latina.


Naqueles anos nefastos, de submissão e desnacionalização da economia, os espanhóis, do alto da ilusão conquistada pelo dinheiro recebido a fundo perdido dos países mais ricos da Comunidade Européia - e graças aos baixos juros cobrados pelos bancos europeus, quando comparados com o preço do dinheiro na América Latina - compraram dezenas de nossas empresas, e tentaram institucionalizar o termo “iberoamérica” para referir-se a este pedaço do planeta. Acreditavam que eram a oitava economia do mundo e que iriam sentar-se à mesa do G-7.


Hoje, o G-7, substituído de fato pelo G-20 - clube do qual a Espanha não faz parte - é uma ficção estratégica. O grupo do qual mais se fala, na mídia internacional, atende pelo nome de BRICS. Consolidaram-se, na América do Sul, o Mercosul, a UNASUL e o Conselho de Defesa Sulamericano. A Espanha está a dois passos de falir, com uma dívida externa de 165% do PIB e mais de 22% de desemprego.


Foi nessa situação, de duro aprendizado histórico, que os espanhóis insistiram em organizar, nos últimos dias de outubro, na capital paraguaia, mais uma cúpula “iberoamericana”.


Para a reunião, trouxeram o então primeiro-ministro José Luis Zapatero, e o Rei Don Juan Carlos, que ficaram – como bons navegantes – a ver navios, já que os presidentes da Argentina, Brasil, Colômbia, Costa Rica, Cuba, El Salvador, Honduras, Nicarágua, República Dominicana, Uruguai e Venezuela não compareceram.


Trinta dias depois, o Presidente Hugo Chaves (a quem o Rei da Espanha ousou lançar, com arrogância, a ofensa de um por que no te callas ? ) exercita, com prazer, a oportunidade de colocar - com um belíssimo tapa de luvas - sua majestade em seu devido lugar, recebendo, com pompa e circunstância, entre hoje e terça-feira, 32 Presidentes e Chefes de Estado de paises ao sul do Rio Grande, para a reunião de fundação, em Caracas, na Venezuela, da CELAC - Comunidade dos Estados da América Latina e do Caribe.


A organização da CELAC mostra que no início deste século XXI, nós já estamos maduros para discutir nossos próprios assuntos e forjar, com base na cooperação e no respeito mútuo, nosso destino, sem a presença incômoda, quando não constrangedora, dos Estados Unidos, de Portugal e da Espanha.



O slogan da cúpula de Caracas já diz tudo: CELAC - El camino de nuestros Libertadores. O sonho de Simon Bolivar e do brasileiro Abreu e Lima, que foi seu general na gesta libertadora por uma América Latina livre e mais unida, estará, a partir da próxima semana, mais perto de se realizar.

http://www.seattlepi.com/mediaManager/?controllerName=image&action=get&id=1635057&width=628&height=471

Opera Mundi, 29/09/2011

Chávez pratica esporte diante da imprensa para confirmar boa recuperação

Efe | Caracas

O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, apareceu nesta quinta-feira (29/09) vestido com roupa esportiva e luva de beisebol para praticar esporte diante da imprensa e garantiu que seu tumor cancerígeno foi totalmente extraído.

Chávez respondeu assim a informação divulgada na última quarta (28) pelo jornal americano El Nuevo Herald que assegurava que o presidente tinha sido internado na terça-feira no Hospital Militar. "São rumores que fazem parte de uma campanha mórbida, grosseira e desumana", disse Chávez.

Mais uma vez, o líder venezuelano se negou a identificar o tipo de câncer que lhe foi diagnosticado em Cuba, mas ressaltou que "já passaram 11 dias desde o último ciclo da quimioterapia e estou no período de recuperação dessa etapa".

"Todos os últimos exames deram resultados muito positivos, inclusive o colesterol", acrescentou. O presidente também negou as informações divulgadas pelo ex-secretário adjunto de Estado americano, Roger Noriega, a quem acusou de "terrorista", segundo o qual não estava reagindo bem ao tratamento.

Acompanhado por vários membros de seu gabinete, entre eles, os ministros de Relações Exteriores, Nicolás Maduro, e de Comunicação, Andrés Izarra, Chávez exercitou o braço lançando bolas de softbol.

Para ler outras matérias bem porretas, visite o 'Carcará' - http://carcara-ivab.blogspot.com

Exibições: 116

Comentário de Silvana Suaiden em 4 dezembro 2011 às 1:15

Significativo o encontro da CELAC. No momento em que a crise ameaça a todos, no primeiro mundo, cada nação procura salvar sua pele. Aqui, América Latina e Caribe buscam união e apoio mútuo entre os países. Vejo a Celac como uma importante iniciativa dos governantes desses 33 países em superar o modelo do primeiro mundo para resolver nossos problemas e ir desaprendendo, aos poucos, o paradigma dos conquistadores - nossa herança dos últimos 5 séculos. Se a iniciativa for mesmo real, a Celac será, ao mesmo tempo uma defesa contra novas formas de colonização e um novo paradigma de referência mundial, baseado no diálogo e na solidariedade entre os povos. 

Comentar

Você precisa ser um membro de Portal Luis Nassif para adicionar comentários!

Entrar em Portal Luis Nassif

Publicidade

© 2019   Criado por Luis Nassif.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço