Falando em Egito, uma das mais sombrias múmias da política brasileira deve sofrer um processo de exumação na semana que entra. Mais precisamente, será na quarta-feira à noite, durante o programa semestral do PSDB, que irá ao ar em horário “nobre” da TV e do rádio.

O PSDB finalmente deu ouvidos a Globos, Folha, Veja e Estadão: tentará reconstruir FHC, visando tirar a oposição do vazio de lideranças e da carnificina interna em que mergulhou.

A estratégia será a de dedicar o programa semestral do PSDB a tentar, em linguagem popular, fazer valer a tese tucano-midiática de que o sucesso do governo Lula se deve ao até hoje impopularíssimo antecessor.

Basta ler ou assistir aos colunistas dos veículos supracitados para perceber que essa é uma reivindicação antiga da mídia, reivindicação que o PSDB, de olho nas pesquisas de opinião sobre FHC, jamais levou em conta. Todavia, como pior do que está parece que não fica, qualquer tentativa é melhor do que se resignar com o naufrágio iminente.

A possibilidade de alguém repensar o que sente pela era FHC, devido às chibatadas que levou no lombo naquela época não é lá muito boa. São muito ruins as lembranças daquele tempo. Muitos preferem esquecer aqueles oito anos.

Mas devido ao fato de que o PT e Dilma não se darão ao trabalho de se contrapor à mais nova estratégia tucano-midiática para reconstruir a direita no Brasil, há quem ache que sem contraponto a exumação de FHC pode melhorar a imagem dos conservadores.

Por outro lado, no entanto, sempre haverá o risco de as pessoas de memória mais fraca fazerem uma associação que não faziam entre o PSDB e um político que se tornou impopular exclusivamente devido aos sofrimentos múltiplos que o seu período na Presidência impôs.

De uma forma ou de outra, o programa tucano da próxima quarta-feira pode marcar uma nova e imensa onda de odes que a mídia tecerá ao ex-presidente pelos próximos anos, caso sondagens da opinião pública revelem algum êxito na estratégia de soerguimento da oposição.

Surge a pergunta, pois: quem irá se contrapor a essa tentativa de revisionismo histórico?

Pouco importa se irá colar ou não. É racional que se permita que tal mentira seja alvo de uma campanha publicitária multimilionária envolvendo toda a grande mídia sem que a sociedade faça jus ao contraditório ao massacre retórico que vem aí?

O governo FHC foi uma tragédia. Supostas políticas que teriam “pavimentado” o caminho de Lula, tais como lei de responsabilidade fiscal, metas de inflação e câmbio fixo, foram todas imposições do FMI. E a inflação teria terminado de qualquer jeito, como terminou em todos os outros países desta região.

Quem vai dizer isso à sociedade, para impedir que vendam os erros históricos da era FHC como se fossem acertos? Duvido de que a presidente Dilma ou o PT se disporão a enfrentar esse debate em um momento em que parece que tudo o que querem é não fazer marola.

Dirão que não passa de um ataque de ansiedade da direita começar a disputar já a eleição de 2014. E, sim, há um quê de ridículo em tal açodamento já no primeiro mês de um mandato de quatro anos dos adversários. Mas deixar o adversário falar sozinho é sempre um grande erro.

 

Publicado no Blog da Cidadania,

de Eduardo Guimarães

Exibições: 48

Comentar

Você precisa ser um membro de Portal Luis Nassif para adicionar comentários!

Entrar em Portal Luis Nassif

Publicidade

© 2019   Criado por Luis Nassif.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço