O REGIME IMPÕE REGRAS PARA ELIMINAR TATUAGENS. VEJA A INICIAL DO VÍDEO E, QUASE, NO FINAL UMA RESSOCIALIZANDA MOSTRA UMA TATOO DE UM CORAÇÃO. SÓ FALTAVA CONTER O Nº 13 DENTRO.
DO G1:

/ são paulo / prisãoCELULAR RSS .O Portal de Notícias da Globo

15/12/09 - 12h58 - Atualizado em 15/12/09 - 13h39
Para Direitos Humanos, é grave denúncia de presas obrigadas a retirar tatuagem
Para advogado Ariel Castro, responsáveis têm de ser punidos .
Cadeia de SP teria obrigado detentas a apagar desenhos com solvente.

Kleber Tomaz
Do G1, em São Paulo
Tamanho da letra
A- A+ O advogado Ariel de Castro Alves, membro do Conselho Estadual de Direitos Humanos (Condepe) em São Paulo, classificou como grave a denúncia de que detentas do Centro de Ressocialização Feminino de São José do Rio Preto, a 438 km de São Paulo, foram obrigadas a apagar tatuagens com produtos improvisados. Os denunciantes são membros da ONG Pastoral Carcerária. Fotografias mostram as lesões, marcas e queimaduras nos corpos das presas.

“A cadeia não pode incentivar o uso de tatuagem, que sempre é feita de forma clandestina. Tatuagens não são permitidas dentro do sistema prisional, geram problemas de contágios, inflamações, hemorragias. Mas se a presa já tem tatuagens, ninguém pode obrigá-la a retirá-las. Se isso ocorrer, passa a ser constrangimento ilegal, humilhação. A cobrança gera improbidade administrativa”, afirmou Alves nesta terça-feira (15).



saiba mais
Prisão obriga detentas a apagar tatuagens, diz Pastoral Carcerária
--------------------------------------------------------------------------------


De acordo com a pastoral, elas foram obrigadas pela direção do presídio a apagar os desenhos, sob pena de serem transferidas, no início do mês. As presas disseram que usaram todo tipo de produto, como álcool, removedor de esmalte, cloro, solvente e até cinzas de cigarro.

Justiça

A Justiça de São Paulo deve ouvir as mulheres ainda esta semana. “Com base nas investigações realizadas, nós teremos uma conclusão efetiva para a adoção de qualquer medida cabível”, disse o promotor Antonio Baldin.

A Defensoria Pública informa que as detentas podem ter sido vítimas de abuso de autoridade. “Não existe uma razão lógica ou qualquer norma que imponha as sentenciadas a estarem retirando esses desenhos que não atrapalham o bom andamento da unidade prisional e não representam risco nenhum”, afirmou o defensor público Leandro de Castro Silva.

A reportagem tentou falar com a Secretaria de Administração Penitenciária, mas não teve retorno.

Exibições: 94

Comentar

Você precisa ser um membro de Portal Luis Nassif para adicionar comentários!

Entrar em Portal Luis Nassif

Publicidade

© 2019   Criado por Luis Nassif.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço