Portal Luis Nassif

A mercantilização do Carnaval como festa popular.

 Em 1928 ,surgiu no Rio de Janeiro a primeira escola de samba,a Deixa Falar,fundada por bambas como Nilton Bastos e Ismael Silva,entre outros,na rua Estácio de Sá.

 Vou fazer uma correção antes de prosseguir com o meu artigo.A TV Bandeirantes teima em vincular na sua programação,desde quarta-feira,que a primeira escola de samba no Brasil foi a Vai Como Pode,que depois passou a se chamar Portela.A primeira foi a Deixa Falar.

 A Deixa Falar animava os foliões da região,o que suscitou a criação de outras escolas como a Estação Primeira de Mangueira,Cada Ano Sai Melhor,Vai Como Pode,Vizinha Faladeira  Para O Ano Sai Melhor e a Unidos da Tijuca.

 Surgiram os desfiles em 1930,na Praça Onze,sem apoio do poder público ou privado,e a Praça Onze ficou conhecida como a Pequena África.Os sambas eram improvisados no dia do desfile,só tendo cada escola apenas o refrão , cabendo aos  compositores de cada escola improvisarem em cima do refrão.Um deleite de criatividade !

 Eis que em 1933 o jornal O Globo entrou na parada e começou a patrocinar os desfiles das escolas de samba,surgindo regras,avaliações de critérios e os juízes.

 Não demorou muito e o Estado Novo interveio,primeiro mudando o local dos desfiles,saindo da Praça Onze ,em 1942,por causa das obras de construção da AV.Presidente Vargas,passando a serem realizados no Estádio de São Januário,com presença de Vargas e demais autoridades.E com a obrigatoriedade da inclusão de enredos que abordassem a história do Brasil,sem críticas,diga-se de passagem.

 É famoso o samba " Querem acabar com o Praça Onze ",letra de Herivelto Martins,que foi lançado após o aviso que os desfiles iriam mudar de local. Com esta mudança a pequena África chegava ao fim e com ela o fim das improvisações e do respeito a livre criação.

 Em 1947 ,os desfiles foram para a pomposa Av. Presidente Vargas;em 1952 são erguidas arquibancadas e não tardou muito para que ,em 1961, o poder público começasse a  cobrar ingressos devido ao interesse crescente da classe média e dos turistas.Até chegarmos a Marquês de Sapucaí,em 1978,e,por fim,com surgimento do mostrengo chamado Sambódromo,construído na mesma Sapucaí.E,como não,com as transmissões ao vivo pela TV.

 Os verdadeiros admiradores dos desfiles deram lugar à classe média,socialites e aos turistas;o contato do povão com suas escolas passou a ser em um local desprestigiado no chamado Maracanã do samba,bem longe dos passistas,da bateria e do  mestre sala e da porta-bandeira e seus integrantes,quase todos de suas respectivas comunidades,foram dando seus lugares às pessoas que pudessem comprar as fantasias das suas agremiações ,principalmente aos turistas estrangeiros.

 O improviso,a criatividade e a espontaneidade foram substituídos pelo pomposo,pelo brilho dos carnavalescos inventivos e seus enredos vendidos por fortunas,tudo para rolar muita grana ao poder público , a iniciativa privada e aos chefetes das escolas de samba,geralmente contraventores,bandidos.Portanto,os desfiles das escolas de samba não representam mais o carnaval carioca.

 E isto foi constatado com o ressurgimento dos blocos carnavalescos em várias regiões do Rio de Janeiro ainda no final do século passado.

 Mas a mercantilização do carnaval não se resumiu ao Rio.Em Salvador os verdadeiros trios elétricos foram sendo suprimidos pelos astros do axé,da timbalada ;o povão foi expurgado dos desfiles dos trios elétricos, pois quem quer desfilar que pague uma boa grana pelo abadá(afinal de contas as cervejarias patrocinadoras e a TV Globo pagam muito bem aos donos dos trios elétricos e querem a chamada gente bonita em seus cordões ) e as escolas de samba baianas,que praticavam o bom e velho samba de roda, praticamente acabaram,estando hoje confinadas em guetos,guetos da Pequena África como foi a Praça Onze de 1928 até 1941.

 

Exibições: 61

Comentário de Nena Noschese em 27 fevereiro 2017 às 13:36

Muito boa análise. Valeu!

Comentário de Marcos Carnavale em 28 fevereiro 2017 às 11:50

 Obrigado,valeu !

 E nos dos dias de desfiles dois acidentes gravíssimos com os enormes carros alegóricos ,deixando um saldo de 5 pessoas em estado grave.

Os carnavalescos geniais querem colocar carros imensos ao invés do bom samba no pé.

Abs.

Comentar

Você precisa ser um membro de Portal Luis Nassif para adicionar comentários!

Entrar em Portal Luis Nassif

Publicidade

© 2017   Criado por Luis Nassif.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço