A Vida e a palma

 

                                   Na orla da praia, engrandecida,

                                   A palmeira parece adormecida.

                                   Mas quando bate o vento

                                   Como num alento,

                                   A árvore desperta do sonho

                                   E tudo transforma em risonho.

 

                                   Parece, não tenho certeza,

                                   Que a Vida com clareza

                                   Uma lição ensina fria

                                   Sem saber se é noite ou dia

                                   A todos desavisados

                                   Da realidade afastados,

                                   Mas que teimam com segurança

                                   Que vida é só esperança!

 

                                   Não é assim nosso dia

                                   Dói a alma que esfria

                                   Sem fogo, ardor, galhardia

                                   E terminar, que covardia

                                   Na mesa de mármore esticada

                                   É o fim, e mais nada!

 

                                   A vida tem canto fulgente

                                   Claro, limpo, fluente.

                                   

 

Exibições: 48

Comentário de Miriam Panighel Carvalho em 10 junho 2011 às 3:35

Jorge, a vida é cheia de coincidências. Algumas agradáveis, outras nem tanto. Encontrar escritor do seu porte, dono de elegância invejada por muitos é uma das coincidências mais agradáveis que  me aconteceram nos últimos meses. Grande prazer voltar a lê-lo, querido amigo. Beijo fraternal da

Miriam Panighel Carvalho

Comentar

Você precisa ser um membro de Portal Luis Nassif para adicionar comentários!

Entrar em Portal Luis Nassif

Publicidade

© 2019   Criado por Luis Nassif.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço