Adoniran Barbosa, 100 anos - parte VII

Despejo na Favela, Nóis viemo aqui prá que?, Acende o Candieiro,

Fica mais um pouco amor, Viaduto Santa Efigênia

.

.

.

“Despejo na Favela”

Composta em 1969, esta canção “volta à seara da crítica social. Não é por coincidência que “Despejo na Favela” tenha aparecido no último ano da gestão Faria Lima na prefeitura de São Paulo: o tão propalado progresso paulistano, panegirizado pelos partidários do brigadeiro, não se incomodou em atropelar milhares de cidadãos que faziam parte da cidade em sua velha forma. O drama pessoal de Mato Grosso e Joça, de “Saudosa Maloca”, viraria drama social, cmo os versos do compositor cantaram com propriedade.” (2)

Aqui duas versões de Adoniran para “Despejo na Favela”: a primeira gravação de Adoniran, um ano depois de composta (1969) e a gravação feita com Gonzaguinha em 1979 para o disco que celebrou os 70 anos do compositor.

.

Despejo na Favela com Adoniran Barbosa, primeira gravação de 1969

.

Despejo na Favela com Adoniran Barbosa e Gonzaguinha, gravação de 1979

.

.

Antarctica 1974 - A Cerveja Nossa

Na virada de 1971 para 1972, Adoniran viu-se desalojado de suas funções em sua alma mater (a TV Record), desiludido com o comportamento de Paulinho de Carvalho, sumido do cenário musical – nos dois últimos anos, registrara apenas o samba “Duas horas da madrugada” e a marcha “É fogo”, parcerias com Hervé Cordovil que nem foram gravadas - , o artista não tinha perspectiva alguma em

seu horizonte profissional. (...) Somente nas conversas com os amigos mais próximos, Alberto Helena Jr e o jornalista e redator publicitário Sergio de Andrade, o Arapuá, é que seu sentimento aflorava: “Você tem que levantar algum, Arapa.” repetia ao colega.

.

No início de 1972, a equipe de criação da agência publicitária onde Arapuá trabalhava se reuniu para definir a nova campanha da Cerveja Antártica. Arapuá lembrou-se do companheiro: Cerveja, Adoniran. Eureca! (...)

Com base no mote “Nós viemos aqui pra beber ou pra conversar”, que adptara de uma piada, Arapuã criou sua proposta para a campanha da cervejaria. E não deu outra. A idéia foi aprovada e Adoniran contratado para estrelar a campanha.

E Adoniran imediatamente transformou o bordão “Nós viemos aqui pra beber ou pra conversar” naquilo que só ele sabe fazer: um samba paulista." (2)

.

Antarctica 1974 - A Cerveja Nossa - filme publicitário com Adoniran Barbosa

.

“ Acende o Candieiro"

" Ao lado da marcha “ Nós viemos aqui pra que”, chegava o samba “Acende o Candieiro”, em que, aproveitando-se da temática da falta de energia elétrica, o compositor usava um sutil jogo de palavras para colocar em destaque outro item de sua adega. Afinal, o querosene que encomendara à filha, como o próprio Adoniran esclareceria em um breque da gravação de 1972, não era combustível de avião – e sim o velho mel que matou o vigia. O arremate do samba explicava tanta preocupação:

Desta vez/ Não pode acontecer/ O que aconteceu/ Da outra vez/ Foi uma coisa incrível/ O ensaio parou porque faltou combustível."

[breque] " Nega, não vá trazer combustível mesmo, viu? Traz daquele outro que faz colarzinho de tampinha, viu nega? Você é muito burra, pode trazer querosene mesmo e eu não quero viu? "

" O disco virou sucesso no cenário musical paulista e fez com que a imprensa celebrasse o retorno do maior pendão do samba de Piratininga." (2)

Acende o Candieiro com Adoniran Barbosa, MPB Especial, gravação 1972 pluginspage="http://www.macromedia.com/go/getflashplayer">

,

“Fica mais um pouco amor”

Este samba, de 1975, seria gravado por Adoniran sozinho no disco de 1979 em homenagem ao seus 70 anos.

.

Fica mais um pouco amor com Adoniran Barbosa, 1979

.

“Viaduto Santa Efigênia”

Em Viaduto Santa Efigênia, Adoniran protesta contra a possível demolição do Viaduto, demonstrando como esses antigos pontos da cidade estavam marcados na vida dos paulistanos. A personagem Eugênia, com quem o autor conversa, tinha toda a sua vida marcada pelo viaduto, ali ela nasceu, cresceu e conheceu seu primeiro amor. O viaduto era, portanto, uma referência na vida dessa personagem, perdê-lo (vê-lo demolido) seria como perder a referência de sua própria vida.

Mas Adoniran faz mais que protestar contra a demolição do viaduto, protesta contra as mudanças que estavam sendo impostas à cidade e que a descaracterizavam, aproximando São Paulo, cada vez mais de modelos europeus e a tornando irreconhecível a seus habitantes. (7)

.

Adoniran: O viaduto ficou tão bonito que eu acho que ninguém mais vai morar em baixo”

.

Viaduto Santa Efigênia com Adoniran Barbosa e Carlinhos Vergueiro, 1980

***** FINAL DA PARTE VII *****

.

.

Adoniran Barbosa, 100 anos

Parte I: O nascimento , o rádio-ator e comediante, o ator de cinema

Parte II: Malvina, Saudosa Maloca e Samba do Arnesto

Parte III: As Mariposas, Abrigo de Vagabundo , Iracema

Parte IV: Um Samba no Bixiga, Apaga o fogo mané, Quem Bate sou eu, Bom Dia Tristeza

Parte V: Tiro ao Álvaro, Prova de Carinho, Trem das Onze

Parte VI: Fino da Bossa, Aguenta a Mão João, Samba Italiano, Tocar na Banda, O Casamento do Moacir, Já Fui uma Brasa, Vila Esperança

Parte VII: Despejo na Favela, Nóis viemo aqui prá que?, Acende o Candieiro, Fica mais um pouco amor, Viaduto Santa Efigênia

Parte VIII: Primeiro e Segundos LPs, Elis e Adoniran, os 70 anos

Final: Silêncio

À medida que novas partes forem acrescentadas sobre outros aspectos de Adoniran Barbosa, os links serão aqui incluídos.

.

Fontes:

(1) Calado, Carlos – 7 Adoniran Barbosa – Coleção Folha Raízes da MÚSICA POPULAR BRASILEIRA, 2010 - Editora MEDIAfashion

(2) Campos Jr, Celso de – Adoniran, Uma Biografia – 2009 – Editora Globo

(3) Rossi, Fred - Anotações com Arte 2010 – Adoniran Barbosa, 2009/2010 - Editora Anotações com Arte Ltda

(4) Blog de Maria Helena Rubinato – Especial Adoniran Centenário – 1910-2010 (http://oglobo.globo.com/pais/noblat/mariahelena/default.asp?a=818)

(5) Site do Instituto Moreira Sales – Acervos de Humberto Franceschi e José Ramos Tinhorão

(6) transcrição do CD Adoniran Barbosa - Documento Inédito (Gravadora Eldorado) e

Adoniran fala sobre Bom dia, tristeza - por fliberal@uol.com.br - Qua 15 Ago 2001

Site Samba-Choro (http://www.samba-choro.com.br/s-c/tribuna/samba-choro.0108/0844.html)

(7) Lima, Dulcilei da Conceição - bacharel em História pela USP - "Adoniran Barbosa - a voz da cidade" (http://www.klepsidra.net/klepsidra24/adoniranbarbosa.htm)


Exibições: 362

Comentário de Laura Macedo em 11 agosto 2010 às 21:08
Gilberto,

Garimpagem de primeira. Até o video da cerveja Antarctica de 1974!
Fiquei em dúvida se já tinha visto o video na época, mas o bordão "Nós viemos aqui pra beber ou pra conversar", lembro muito bem.

Beijos.

Comentar

Você precisa ser um membro de Portal Luis Nassif para adicionar comentários!

Entrar em Portal Luis Nassif

Publicidade

© 2019   Criado por Luis Nassif.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço