Álbum remixa e atualiza faixas de Carmen Miranda

Folha de São Paulo, 12/06/2010-07h36

MARCUS PRETO

DE SÃO PAULO

Trabalho "veste" voz original da cantora com instrumentação moderna


Processo de gravação é o mesmo utilizado em música eletrônica e acrescentou sopros, cordas e percussão

Eles estavam mexendo em um sacrário: os arranjos originais das gravações feitas por Carmen Miranda (1909 -1955) na gravadora Odeon, na década de 1930, criados então por Benedito Lacerda e outros mestres do instrumental brasileiro.

Sob a coordenação do violonista e cavaquinista carioca Henrique Cazes, 51, os músicos Luís Filipe de Lima (violão de sete cordas), Beto Cazes (percussão), Dirceu Leite (sopros) e Ovídio Brito (cuíca) entraram em estúdio e acrescentaram seus instrumentos às faixas históricas.

O disco "Carmen Miranda Hoje", que chega às lojas, é o resultado dessa experiência. Traz versões "remixadas acusticamente" de 12 clássicos da Pequena Notável, como "Uva de Caminhão", "No Tabuleiro da Baiana", "O que É que a Baiana Tem", "...E o Mundo Não se Acabou" e "Adeus Batucada".

O método a que recorreram é o usado em remixes de música eletrônica: os fonogramas originais são abertos em programa de edição de áudio e, sobre eles, são gravadas as intervenções.

Graças a isso, as novas versões ganharam entre 40 segundos a 1 minuto de duração em relação às originais.

"A ideia era não ter pudor nenhum [de modificar], não precisava ficar 100% fiel ao que aconteceu na [gravação] original", diz Henrique Cazes. "O importante era colocar a tecnologia de gravação moderna a serviço da voz de Carmen e trazê-la para hoje."

Carmen Miranda, cujas músicas serão remixadas em novo álbum, em fotografia feita em 1930

Atemporal

Biógrafo de Carmen Miranda e coprodutor do disco de remixes, o jornalista Ruy Castro, 62, desarma quem possa considerar heresia esse tipo de intromissão em material histórico.

O argumento: estão de volta, graças à "vestimenta" criada por Cazes e seus músicos, os sons graves e agudos que se ouvia na década de 1930, quando Carmen cantava ao vivo, mas que a tecnologia de então não era capaz de imprimir em disco.

"A proposta era mostrar que, substituído o som 'antigo' das gravações, Carmen é atemporal", diz Castro.

"Carmen Miranda --quem diria?-- voltou a tocar no rádio aqui no Rio. Três músicas", conclui Cazes. "A gente bem que estava precisando de uma cantora de samba melhor do que essas todas que andam por aí."

Ruy Castro lança o disco em Portugal, terra natal da cantora, durante a exposição "A Nossa Carmen", que estreia por lá no dia 18.

Com curadoria dele e direção de arte de Luiz Stein, a mostra terá cerca de 600 imagens, dois documentários, quatro vídeos e uma jukebox tocando continuamente.

"Vou estar lá no dia do jogo entre Brasil e Portugal", diz Castro. "Rezo para que os dois países já estejam classificados. Não quero que haja atrito com o símbolo do Brasil que é Carmen Miranda."

CARMEN MIRANDA HOJE
ARTISTA: Carmen Miranda
LANÇAMENTO: Biscoito Fino
QUANTO: R$ 34,90

Exibições: 48

Comentário de Laura Macedo em 13 junho 2010 às 14:32
Gilberto,
Se eu não tivesse conferido as "Mensagens de Bolg", teríamos publicado o mesmo post. Nossa sintonia continua afinada :))
Minha intenção era casar a matéria do Marcus Preto (Folha de São Paulo) com as informações da gravadora Biscoito Fino.
Resultado: nossos posts se completam, não é mesmo?
Ah! Achei muito bela a foto publicada pela Folha e, mesmo tenho outras da Carmen nos meus arquivos, não resisti a tentação.
Beijos.
Comentário de BLOG DAS IGUARIAS - em 13 junho 2010 às 14:38
Além da sintonia afinadíssima, acertaram de primeira. Parabéns à essa equipe. Bjs e bom domingo.

Comentar

Você precisa ser um membro de Portal Luis Nassif para adicionar comentários!

Entrar em Portal Luis Nassif

Publicidade

© 2019   Criado por Luis Nassif.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço