Portal Luis Nassif

ANNA NETREBKO AQUECE A FRIA NOITE PAULISTANA. CRÍTICA DE ALI HASSAN AYACHE NO BLOG DE ÓPERA & BALLET.



   O que pode aquecer a fria noite paulistana? A resposta é fácil, Anna Netrebko. O soprano se apresentou pelo Mozarteum Brasileiro no dia 06 de Agosto juntamente com o maridão Yusif Eyvazov na Sala São Paulo. Ingressos esgotados há semanas e uma disputa feroz pelas doações na porta e fila da hora são um sinal da enorme reputação do soprano.
  É difícil descrever a voz de Anna Netrebko, faltam adjetivos, tudo que você espera e imagina em uma grande cantora está presente. O lirismo, a técnica, o colorido dos harmônicos, os pianíssimos e um timbre brilhante, vivo e ardente. Voz única e especial que encarou árias e duetos complexos nunca perdendo a qualidade vocal em qualquer registro.  
 Abre com o dueto Già nella notte densa da ópera Otello de Verdi. Mostra uma voz madura, caminhando fácil para soprano spinto, bem diferente da Anna de décadas passadas de características puramente líricas. Seu repertório evolui de acordo com a idade e a maturação vocal, o soprano não pula etapas. 
  Na ária Pace, pace mio Dio da ópera La Forza del Destino de Verdi coloca credibilidade a personagem em uma apresentação cênica convincente e uma voz penetrante. O êxtase foi a áriaVissi d'arte da ópera Tosca de Puccini. Interpretação vocal arrebatadora em uma voz cravejada de diamantes. A melhor interpretação dessa ária que vi ao vivo até os dias de hoje.  
   Além de toda a qualidade vocal e cênica Anna Netrebko esbanja simpatia com o público. Ser estrela não é ser sisuda, nela sobra carisma e afeição ao público. Veio ao Brasil no auge vocal e encarou um repertório complexo chegando a dançar em alguns momentos. Diferente de outras cantoras que vieram para essas bandas com "noventa anos", cantaram árias moleza e faturaram uma bolada.
   Fechou brilhantemente com a ária O mio bambino caro da ópera Gianni Schichi de Puccini. Sonhamos em vê-la um dia cantando uma ópera completa na terra da garoa. 
  Não dever ser fácil cantar ao lado de tanto talento, Yusif Eyvazov se esforçou e fez uma apresentação digna ao lado da esposa. Pode ter empolgado o público, mas não aos entendidos. Escolheu um repertório difícil e inadequado a sua voz, que sai quase sempre sem brilho nos agudos. O timbre não tem a fluidez e o peso para cantar a difícil ária Colpito qui m’avete… Un dì all’azzurro spazio da ópera Andrea Chénier. Era nítido o enorme esforço para sustentar as notas, Eyvazov não é um tenor dramático. Conseguiu nos duetos e na canção Granada de Augustín Lara seus melhores momentos da noite.
   Acompanhou os solistas a Orquestra Acadêmica Mozarteum Brasileiro regida por Jader Bignamini, o convidado conseguiu extrair sonoridade compatível com as árias e duetos. Alguns solos excessivamente volumosos não comprometeram a atuação dos solistas.
   Mais uma vez fica aqui registrado a falta de educação do publico. Celulares ligados e pessoas querendo tirar fotos e gravar a apresentação deram enorme trabalho aos monitores. A constatação é clara, não são os jovens que desrespeitam essa regra e sim as tiazinhas e vovós, que geralmente não são frequentadoras assíduas, querendo eternizar esse momento nas redes sociais. Até entendo que no bis isso ocorra, já que o clima é de descontração e muitos já estão de pé, mas na apresentação é inadmissível.
Ali Hassan Ayache 

Exibições: 6

Comentar

Você precisa ser um membro de Portal Luis Nassif para adicionar comentários!

Entrar em Portal Luis Nassif

Publicidade

© 2018   Criado por Luis Nassif.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço