Portal Luis Nassif


Sério, cara, algumas coisas eu anotei. Vou logo ressalvando o seguinte: não falo sobre o Obama: limito-me a dizer que ficarei na expectativa. Tá, farei uma concessão: expectativa positiva.

Como disse, anotei algumas. Uma delas: George W. Bush, o sujeito que conseguiu desmoralizar o neoliberalismo. Foi de uma frouxidão total. Defensor emérito do Livre Mercado, permitiu que os especuladores deitassem e rolassem, a ponto de mil dólares em hipotecas fajutas alavancarem quarenta mil dólares no mercado de derivativos. O PIB do mundo é estimado em 65 trilhões de dólares, já o volume de dólares movimentado em torno dos derivativos ultrapassaria 670 trilhões - na verdade os caras estão chutando, pois nem sequer se tem idéia exata do tsunami, tal a esculhambação reinante. Cê sabia que a legislação americana é omissa quanto a roubos no sistema financeiro? Isso, cara. Nos EUA, presidente e controladores de um banco que quebra não têm seus bens pessoais ameaçados. Pode acreditar. Os promotores é que se empenham em ao menos conseguir multas expressivas contra os meliantes. Os banqueiros/especuladores passaram anos embolsando fortunas oriundas de gestão temerária e fraudulenta, elevaram seu patrimônio em centenas de vezes, graças ao Livre Mercado, e na hora do estouro os neoliberais pedem e obtêm socorro do Estado. É a verdade inquestionável, cara. Como? Claro, é claro que há neoliberais que continuam plenamente convictos de que o Livre Mercado é que é, ou melhor, é que continua a ser. No Brasil? Ora, no Brasil pululam neoliberais: eles sustentam: o Estado é anacrônico, corrupto, pesado; o Livre Mercado é virtuoso in totum. Não há quem os faça mudar de ladainha. Colunistas econômicos, políticos profissionais, "formadores" de opinião - um barato esse troço de "formador" de opinião! -, eles insistem, são inflexíveis: Maílson (aquele da inflação estratosférica), Sardenberg, Miriam Leitão, Marco Maciel (sim, aquele que sabe se dar bem desde o regime militar), enfim, todos os que sempre estiveram do lado do status quo continuam tecendo loas ao Livre Mercado. Mas o velho e pesado Estado sempre deverá estar a postos para socorrê-los. Agora, não há quem desfaça essa realidade: a história despediu-se de George Bush a sapatadas!

Olha só essa aqui: um dos especulares neoliberais mais notórios é o Bernard Madoff, ex-presidente da NASDAQ. Deu um rombo de 50 bilhões de dólares, o que corresponde mais ou menos a 120 bilhões de reais. Um dos fundos de derivativos capitaneados por ele, o Fairfield Greenwich, atuou meio "na moita" aqui no Brasil, e alguns brasileiros entraram na conversa de ganhos "superiores e constantes". Olha só: há alguns dias, quando estourou o escândalo, falava-se que o prejuízo de brasileiros chegava a um bilhão de dólares; em seguida o montante evoluiu para dois bilhões. Não se sabe ao certo a quanto chega o prejuízo. Consta que boa parte dos "investidores" brasileiros não vai dar o berro (recorrendo, por exemplo, à via judicial) porque parte do dinheiro aplicado (ou o dinheiro todo) era fruto de atividades ilegais. Quer dizer, o Madoff meteu a mão na grana de escroques. É a justiça enviesada!

Essa aqui já é bem singular: o juiz federal Fausto Martin de Sanctis, da 6ª Vara Federal Criminal de São Paulo, comportou-se exemplarmente, inspirando milhares de operadores do Direito por este Brasil. O banqueiro-bandido (como diz o delegado Protógenes Queiroz) Daniel Dantas e asseclas foram condenados a prisão e multa, havendo ainda dois inquéritos em curso. Antes disso, Daniel Dantas tivera prisões temporária e preventiva decretadas pelo juiz De Sanctis, as quais foram liminarmente relaxadas por Gilmar Mendes, presidente do Supremo Tribunal Federal. O ministro e, pelo que se viu e se vê, a grande imprensa consideraram que o juiz De Sanctis, ao decretar a prisão preventiva do banqueiro, agiu movido pelo propósito de afrontar o ministro-presidente. Como o magistrado tem suas prerrogativas constitucionais (é, digamos, imexível), os parceiros do ministro ficam à cata de pretextos para denegrir o juiz federal. Em determinada entrevista, De Sanctis afirmou que "...a Constituição não é mais importante que o povo, os sentimentos e as aspirações do Brasil. É um modelo, nada mais do que isso, que contém um resumo das nossas idéias. Nós somos a Constituição". Pronto. Os comentaristas "formadores" trataram de acusar De Sanctis de simpatizante do nazismo, pois suas palavras coincidiam com as idéias esposadas por Karl Schmidt, teórico alemão. Nenhum crítico teve a iniciativa de analisar o contexto em que o magistrado formulou seu pensamento. Deliberadamente omitiram que Schmidt (a exemplo de Kelsen) é citado por nove entre dez estudiosos do Direito Constitucional - inclusive Gilmar Mendes.
Ademais, cara, as palavras de De Sanctis são pertinentes: o povo é a Constituição. Um exemplo? Pois não: as cláusulas pétreas (forma federativa/voto direto, secreto, universal e periódico/separação dos Poderes + direitos e garantias individuais): elas, como enfatizado, são pétreas, não podem ser modificadas. Podem, sim! Desde que para melhor. Exemplo: os novos direitos incorporados, como os relativos à mulher. Quem elabora as leis? Representando quem? Qualquer estudante de Direito que se dispuser a ler a entrevista de De Sanctis perceberá o óbvio.

Ih, cara, tem mais coisa. 2008 é o ano do centenário da morte de Joaquim Maria Machado de Assis, patrono dos escritores brasileiros. Machado, aliás... como? O livro de Kenard Kruel sobre o poeta Torquato Neto? Belíssimo livro, hein? O quê? Esse merece um texto exclusivo? Concordo. Inté.

Exibições: 50

Comentário de Helô em 27 dezembro 2008 às 22:50
Gregório
Muito bem-humoradas as suas "anotassões" (como diria o Millôr). Aliás, muitas vezes o humorista rouba a cena de situações políticas e econômicas. Admiro este valor!
E já que falei de coisas que rimam, como humor e Millôr, deixo pra você uma foto de um painel que ele fez para um amigo do Rio.
Beijos e ótimo 2009 pra você, Laura e família.

Comentário de Gregório Macedo em 28 dezembro 2008 às 17:29
Helô,
Muito obrigado pela visita, pelas gentis palavras e pelo desenho milloriano. Que em 2009 você continue esbanjando talento, em meio ao alto astral reinante em sua família.

Comentar

Você precisa ser um membro de Portal Luis Nassif para adicionar comentários!

Entrar em Portal Luis Nassif

Publicidade

© 2018   Criado por Luis Nassif.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço