Beijo da morte: capitalismo extermina mais 235

Sob o capitalismo, a prioridade máxima é o lucro. A vida humana vem depois.

Então, a cada grande tragédia o quadro que se repete é o de homens e mulheres vitimados pela ganância.

Eu era praticamente vizinho do Edifício Joelma, cujo incêndio, em 1974, causou 144 óbitos. Então, quando a imprensa publicou a lorota de que os funcionários dos escritórios não souberam encontrar as escadas de emergência, quase vomitei.

O principal negócio lá instalado era uma financeira. Havia controle extremamente rígido de portarias, para que ninguém lograsse escafeder-se com a sagrada grana. Daí tangerem toda a movimentação entre andares para os elevadores, TRANCANDO as escadas. Deu no que deu.

Agora foi a vez da cidade gaúcha de Santa Maria, nome agourento --a cidade de Santa Maria de Iquique, no Chile, foi palco em 1907 do massacre de centenas de trabalhadores esfaimados por tropas militares, episódio imortalizado numa belíssima cantata do grupo Quilapayún.

Por ganância, na tal boate Kiss (cujo beijo foi o da morte...) dificultava-se a movimentação das pessoas, tanto que nem mesmo saída de emergência existia. Era mais importante que ninguém caísse fora sem saldar sua comanda, a ponto de, no início do incêndio, os seguranças ainda estarem mais preocupados em BARRAR a fuga dos clientes.

Por ganância, os extintores eram FALSIFICADOS.

Por ganância, a banda usou um sinalizador baratinho (R$ 2,50) que só serve para espetáculos ao ar livre, ao invés de adquirir o mais caro (R$ 70), indicado para recintos fechados.

Por ganância não se investiu na estrutura necessária para realmente garantir a segurança dos frequentadores.

Por ganância se permitiu o ingresso de um número demasiado de pessoas, extrapolando em muito a lotação recomendada.

CONTAGEM REGRESSIVA

Resumo da opereta: o capitalismo exterminou mais 235 seres humanos. E, em sua fase terminal, continuará cumprindo a função de anjo exterminador, até que o matemos nós.

Esta opção entre a vida e a morte, teremos de fazê-la à medida que as alterações climáticas forem se acentuando.

Torcendo para que, quando a ficha afinal cair, ainda tenhamos como assegurar a perpetuação da espécie humana, independentemente dos milhões e milhões que o capitalismo já terá sacrificado com a maximização das catástrofes causadas pela ganância.

Exibições: 107

Comentário de Clailton Kitter Ferreira em 31 janeiro 2013 às 2:40

Olá. Eu já estive no tal Kiss

   Eu creio que não salutar culpar o capitalismo indiferente. Nós - e a imprensa do RS - está tentando culpar o Governador Tarso por omissão. E Shirmer - prefeito de Santa Maria idem. É fácil sentar numa cadeira confortável e assissinar documentos ditos importantes. Como um autista, como seu mundo mágico aparte. Tarso e Shirmer teriam que ser condenados pela justiça ou pelo votos nas urnas. Sabemos que INEXISTE fiscalização no Brasil. Quando acontece uma tragédia que se mobilizam. Tarso ou Shirmer são tão bandidos quanto aos empresários. No Brasil varonil TODOS cometemos abusos. Abin solta crime em crime. PF o ex-ministro da justiça (Sr. Gilmar Bastos) já salientou que cometia mais absusos no passado. Onde polícia assassina juíza (Patrícia Aciole). Eu falo que um abuso abre espaço para mais abusos, pois perde-se referência. O capitalismo mata, a ideologia mata ou é omissiva como fato consumado. Saiba que em países CIVILIZADOS Tarso e Shirmer teriam retirando do poder por impitimam. Como já aconteceu em Nações de verdade. Todos somos culpados!!! Que sirva de lição a morte de 235 crianças ou  estudantes. Como vê um Ente Público mata mais que 100 assassinos, e será como está indefindamente no nosso país e fim...

Comentário de Stella Maris em 31 janeiro 2013 às 11:51

Celso,

concordo devemos matar o capitalismo

todos os dias, todas espécies  de vidas , são ceifadas por  este sistema perverso .

Comentar

Você precisa ser um membro de Portal Luis Nassif para adicionar comentários!

Entrar em Portal Luis Nassif

Publicidade

© 2019   Criado por Luis Nassif.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço