Belo monte de inúteis - Por Eduardo Guimarães

- A contragosto – porque o assunto é chato e inútil – e a pedido de um amigo virtual assisti a uma peça publicitária que circula na internet. No vídeo, um bando de playboys e socialites militontos – autoproclamados “artistas”, mas que não passam de arroz-de-festa – destilam baboseiras sobre a futura usina hidrelétrica de Belo Monte.

Por falta do que fazer, abraçaram causa pseudo “ecológica” e doaram um tiquinho do tempo que passam torrando dinheiro em shoppings para gravar um vídeo em que o bando de branquinhos, loirinhos de classe média alta se atira à defesa de “índios” em uma peça que, se tirarem som e legendas, facilmente pensarão que foi produzida na Noruega.

Gente que provavelmente, em boa parte, nunca viu um índio de perto defendendo “índios”. Gente que só conhece por fotos a região da futura usina dando ao governo a receita “brilhante” de que, em vez de construir hidrelétricas, aumente o parque energético do país com energia “eólica” ou “solar”. Um país que tem, “apenas”, 8.514.876 km²…

O bando de “atores” e “atrizes” da Globo, porém, não teve nenhum surto de consciência social. Está apenas “trabalhando”, porque a mesma grande mídia golpista, racista e de ultradireita que vive tentando inventar um “apagão” como o que o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso deixou acontecer, é contra Belo Monte.

O vídeo é uma empulhação do começo ao fim porque deixa a sensação de que a usina hidrelétrica destruirá uma região que deve ser preservada, sim, mas que tem que dar ao país ao menos essa tão necessária fração das riquezas naturais que encerra. Fizeram o mesmo com as obras no Rio São Francisco, pois são obras que colocarão o Brasil no século XXI.

Apesar de Lula ter investido pesadamente em geração de energia elétrica de forma a reverter o desastre energético que herdou de FHC, este país está no limite de sua capacidade de geração de energia. Em uma década, se tanto, sem uma matriz energética ampliada este país para. Não haverá energia eólica, solar ou nuclear que baste, sem novas hidrelétricas.

Onde vamos construí-las? Na Barra da Tijuca ou nos Jardins, onde habitam as socialites e playboys da tal peça publicitária que me consumiu preciosos minutos da vida mortal?

Com a pujança econômica que este país vem exibindo em um mundo embasbacado com ela por estar atravessando a pior crise econômica desde o início do século passado, não construir hidrelétricas capazes de sustentar esse crescimento, sobretudo em um país tão carente de redução da pobreza, seria um crime de lesa-pátria igual ao que cometeu FHC.

Que fique claro: para um país deste tamanho, energia hidrelétrica é a única alternativa de curto prazo, sendo as energias nuclear, eólica ou solar um legítimo delírio, porque jamais haveria como suprir dessa forma uma demanda energética que cresce em escala geométrica e que deve crescer ainda mais rapidamente nos próximos anos.

Não precisam acreditar em mim. Busquem informação com qualquer especialista e perguntem se há como suprir com energia nuclear, vento ou luz do sol a demanda descomunal por energia que tem hoje o país. É uma farsa, pois, acenarem com moinhos de vento ou com caríssimos painéis solares equipando casas, fábricas, comércio, hospitais etc.

O que revolta mesmo, porém, é usarem “os índios”. Será que um país deste tamanho não tem condições de oferecer outro local para as populações daquela região? Claro que se fosse verdadeira essa empulhação dos empregados da Globo de que o governo pretende jogar “os índios” no meio da rua, eu estaria entre os primeiros a cobrar consciência social. Mas é mentira.

Toda essa farsa se explica porque, ao lado do fracasso da Copa de 2014 ou de uma recessão causada pela crise internacional, um “apagão” energético neste governo, de preferência igual ou pior do que o produzido pela inépcia de FHC, está entre os objetos de desejo dessa direita insana que tenta recuperar o poder ao custo da literal sabotagem do país.

 

Exibições: 196

Comentário de Nonato Pereira em 18 novembro 2011 às 14:25

Caro Marçal, esses inúteis, e aí incluo o PiG, não tem a mínima consciência que precisarão da energia de Belo Monte ou então terão que usar lamparina.

Comentário de Vinicius em 18 novembro 2011 às 15:39
Olha acredito sim que exista uma classe media com seus filhos metidos a Hippies que saem as ruas defendendo causas bunitinhas entre amigos, artistas, músicos. Xiiii, vejo um monte de gente assim.

Sai às ruas para pedir a saída do prefeito de BH e do governador, e vi umas manifestações legais, mais acho que legais demais. Sei lá... mais talvez seja importante talvez não. Entendo seu ponto de vista e também o defendo, acho que tem gente fazendo por moda e não por ser verdadeiro.

Uma coisa sei, o estado brasileiro é falido, a classe media brasileira é um lixo e duvido que blogs, twiter ou facebook vai mudar alguma coisa.

Mais gostei da provocação.
Comentário de Marçal, T. em 18 novembro 2011 às 17:29

Temos de escolher o padrão energético mais limpo e econômico, e na combinação desses dois fatores fica evidente que a opção por hidroelétrica leva enorme vantagem.

Esse pessoal que combate o empreendimento usa o mesmo argumento usado para se opor a Jirau e Santo Antonio. O país fez a opção correta lá em Rondônia!

Em Belo Monte a situação parece mais complexa: a área inundada é bem maior, têm terras indígenas, o número de famílias atingidas é grande (mesmo considerando que boa parte ocupou a área durante o processo de licenciamento)...

Temos outra saída, podemos prescindir desse potencial energético? É claro que temos alternativas, mas teríamos que mudar o padrão de consumo e isso não parece uma saída factível. Eu não abro mão de um banho quente, da luz elétrica, de um computador,... Atores globais abriam dessas comodidades?

O padrão de consumo desse pessoal deve equivalente a dos norte-americanos e europeus. Portanto, precisam lavar boca pra falar sobre esse assunto (e usar pouca água, pois ela está escassa).

Comentar

Você precisa ser um membro de Portal Luis Nassif para adicionar comentários!

Entrar em Portal Luis Nassif

Publicidade

© 2019   Criado por Luis Nassif.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço