O símbolo do mel da vida se representa,

de alguma forma, pela posição das palavras

 

 

 

PEQUENAS ALEGRIAS

Itamar Rabelo

Haicai – Poesia Brasileira

Capa e Ilustrações: Jean Forget

Editora do Autor

64 Páginas

1ª Edição

Ourinhos - São Paulo

2008

 

 

           

 

            Do meu ponto de vista, os micropoemas de Itamar Rabelo não fracassam como haicais pela atitude que se explicita quando os lemos sem os títulos. De fato, lidos sem os mesmos, deixam-se ler como haiku. Com o título, torna-se uma prática totalmente estranha à tradição do haiku. Ao adotá-los empobrece os pequenos poemas, pois determina a direção da leitura ou força uma decifração metafórica do terceto que nomeia. Os haicais sem título provocam aquele tipo especial de emoção que nos é transmitida por um bom haicai de Bashô, Issa ou Buson, mesmo em tradução para outra língua. Definida uma tal orientação da leitura, os haicais, dotados ou não de estrutura métrica e rítmica compatível com a tradição da língua portuguesa, perdem aquele modo específico que aprendemos a identificar com o haicai. O que não os impede de ser, às vezes, bons poemas, em outra clave de leitura.

            É um haiku porque traz uma sensação de objetividade. Mais exatamente, porque nele se contrapõe a uma observação predominante muito sensata, uma percepção fugaz e pessoal. E, também, porque se mostra visual, até mesmo num sentido icônico: o símbolo do mel da vida se representa, de alguma forma, pela posição das palavras - no primeiro verso está caracterizado o trabalho da abelha que recolhe o pólen das flores, no último o efeito de brotar o prazer de erguer, de arrepiar, num sentido erótico implícito, as pétalas das flores; no central, aquilo que une os dois planos num todo significativo, a observação pessoal do poeta, a sua ilusão de que a abelha transitou tocando os lábios, na forma figurativa do ato de amor carnal. Existe um sentimentalismo abrasileirado junto à intenção simbólica ostensiva. Eis como se lê o poema, na sua forma completa:

 

No voo da abelha

principia-se o beijo.

Eriçam-se as flores.

 

(Pág. 23)

 

 

            O haicai de Itamar Rabelo descende da dicção intimista onde mistura o taoismo e o zen budismo de um haicaista dos séculos 14 e 16, tipicamente medieval e naturalista, limitando-se aos temas tradicionais, relacionados às estações da natureza, investindo, também, no efêmero do tempo seja tanto de manhã, à tarde ou à noite, possui créditos com a contemplação do instante fotográfico, melancólico e bucólico de Cecília Meirelles: “Vejo uma cigarra./ O tronco é uma longa estrada./ Mas a vida é curta...” (Página 43). Um belo poema que testemunha o seu amor pela forma poética nipônica é esta composição: “No dia nascente,/ gotas vermelhas no chão./ Pitangas maduras.” (Página 32)

            Rabelo percebe que essa poesia japonesa que tanto o fascina nasce de uma radical recusa ao sentimental e ao emotivo, e de um apego igualmente radical à percepção mais imediata, à sensação concreta, visual, auditiva, tátil ou outra. Por ter percebido isso é que também compreendeu completamente a função da palavra de estação (kigo) no haiku japonês. Percebe-se mais: qual é a orientação do seu discurso, que é metafórico do ponto de vista da concepção, e sentimental do ponto de vista da disposição de espírito.

            Vejamos aqui alguns haicais, de sua autoria, como exemplos elucidativos:

 

 

Acorda o mundo

relógio certeiro.

Bem-te-vi.

 

(Página 13)

 

 

Penso: que seriam

Tantas flores no chão?

Voam borboletas.

 

(Pág. 17)

 

 

Nuvem passa...

Depois outra...e se abraçam.

São pombas no céu.

 

(Página 28)

 

 

Passada a chuva

Gotas pendem da folhagem.

São pequenos sóis...

 

(Página 41)

 

 

Algazarra nos galhos

Pardais se recolhem.

A noite já vem.

 

(Página 55)

 

 

Bruxuleio de vela

O voo aprisionado.

Mariposas.

(Página 57)

 

 

Cantata noturna

Carnaval no jardim.

Grilos namorando.

 

(Página 59)

 

 

            Os haicais tropicais de Itamar Rabelo, publicados no livro Pequenas Alegrias, trabalho editado pelo próprio autor, em 2008, uma iniciativa corajosa que não pode ser pouco elogiada, por colocar à disposição dos leitores, uma obra coerente, concisa, meditativa e inventiva de um poeta. Um autor residente em Ourinhos que está entre as vozes mais participativas, claras e autênticas da poesia contemporânea do interior paulista.

 

 

 

 

 

www.rubensshirassujr.blogspot.com/

 

 

Exibições: 101

Comentar

Você precisa ser um membro de Portal Luis Nassif para adicionar comentários!

Entrar em Portal Luis Nassif

Publicidade

© 2019   Criado por Luis Nassif.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço