Numa campanha eleitoral, os candidatos têm direito e oportunidade de exercer em pé de igualdade o contraditório. Foi o que garantiu a vitória de Dilma Rousseff, em 2014, que até então veio apanhando sem piedade  da grande mídia. Só quando teve a chance  de mostrar, em rede nacional, no horário eleitoral gratuito, o que fez ao longo de quatro anos de seu primeiro mandato foi que assegurou a reeleição.

O que vimos assistindo agora, após as eleições, é de uma covardia extrema. Trata-se de uma campanha sórdida, sub-reptícia, que se faz sobretudo pelo esgoto das redes sociais, e fora de período eleitoral, quando o governo não tem como exercer o contraditório de maneira eficaz. Poderia a presidenta fazer uso dos pronunciamentos oficiais, mas não poderia fazê-los todos os dias. Já as acusações sem fundamento, os boatos, as mentiras, vêm o tempo todo, por todos os lados, por todos os meios, sempre capitaneados pela quadrilha midiática Veja-Globo-Folha-Estadão.

A cada edição jornalística desses veículos de comunicação em que se faz um visível esforço para envolver o Partido dos Trabalhadores nos malfeitos de ex-diretores da Petrobras, imediatamente chovem nas redes sociais mensagens curtas, previamente elaboradas, incitando o ódio aos petistas, aos quais chamam de "ladrões" e outros adjetivos de mais baixo calão, e pedindo a prisão de líderes importantes e o "impeachment" da presidenta.

É um processo bem planejado e articulado de asfixia, de estrangulamento do nosso governo. Por isso, depende da militância o contra-ataque, mais do que do próprio governo. Os militantes têm que ser criativos e perseverantes e encontrar os meios mais eficazes - entre eles, o WatsApp - de alcançar o maior número possível de cidadãos brasileiros. E agir rápido.

É preciso responder alertando as pessoas, em particular os mais humildes, que os que querem o "impeachment" têm propósitos bem definidos: querem tirar dos mais pobres o bolsa-família, a vaga de seu filho na faculdade, o fim do Prouni e de vários outros programas sociais. Querem o desemprego e "alguma inflação", elevando os índices àquele nível a que Armínio Fraga e outros neoliberais chamam de "necessário". Querem resgatar para si os privilégios, o acesso exclusivo aos recursos públicos e privados que os governos Lula e Dilma puseram ao alcance de todos - crédito, consumo, ensino superior e técnico, aeroportos etc.

Querem acabar com as investigações, as punições e as prisões por corrupção e, em especial, por sonegação, que é o que melhor sabem fazer.

É preciso dizer isso ao povo, com textos curtos, sem longas explicações como esta.

Do "Blogue do Albiero"

Exibições: 237

Comentário de Kleiner José Frutuoso Michiles em 25 fevereiro 2015 às 18:21

Caro Albiero, você disse muito em um texto pequeno, o problema é que essas verdades não chegam aqueles a quem deveria chegar. Entretanto, é bom podermos dizer aqui tudo que pensamos sobre essa velha corja de bandidos que querem restaurar o Brasil do medo, do salario de fome, do analfabetismo, do entreguismo de nossas riquezas (Petrobras), da desesperança e da subserviência aos interesses internacionais que sempre norteou o governo deles. Os abutres de hoje foram buscar inspiração nos seus antepassados para dar continuidade ao ataque aos governos trabalhistas, usando até as mesmas frases de efeito e alguns casos repetindo a mesma desculpa para concretizar o golpe. É o presente repetindo o passado. Mas ainda é tempo de lutarmos com todas as forças para evitarmos o retrocesso, se preciso vamos as ruas defender o que já foi conquistado e evitar o futuro de dores e amargura que nos espera se eles vencerem. Viva o Brasil! E parabéns pelo texto.

Comentar

Você precisa ser um membro de Portal Luis Nassif para adicionar comentários!

Entrar em Portal Luis Nassif

Publicidade

© 2019   Criado por Luis Nassif.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço