Centenário de Déo - "O Ditador de Sucessos"

 

Déo (Ferjalla Rizkalla)


* 10/1/1914 - Rio de Janeiro (RJ)
+ 23/9/1971 - Rio de Janeiro (RJ)

 

 

Filho de pais libaneses, daí o nome complicado, aos 19 anos acompanhou a transferência dos genitores à cidade de São Paulo. Mesmo trabalhando no comercio e estudando contabilidade gostava de cantar tangos nas serestas habituais da época.

 

 

 

Incentivado pelos amigos submeteu-se a um teste na Rádio Cruzeiro do Sul e logrou êxito, mas a emissora tratou logo em promover um concurso entre os ouvintes objetivando a escolha de um nome artístico. O que vingou foi, simplesmente, “Déo”. Não demorou muito para ficar conhecido como o “Ditador de Sucessos”.

 

 

 

No seu Centenário de nascimento vamos homenageá-lo através das suas memoráveis interpretações.

 

 

 

 

 

 

 

Gravou várias composições de Wilson Batista, entre elas, “Perdi meu carinho” e “Canta”.

 

 

 

 

 

Perdi meu carinho” (Wilson Batista) # Déo. Disco Columbia (8327B), 1937.

 

 

 

 

 

 

 

 

Canta” (Wilson Batista) # Déo. Disco Columbia (8236A), 1937.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Déo era um dos cantores preferidos de Ary Barroso que tratou logo de levá-lo para gravar na Odeon, em fins de 1938. Uma das gravações foi, a marcha, “Casta Suzana”, do próprio Ary em parceria com Alcyr Pires Vermelho, grande sucesso no carnaval de 1939.

 

 

 

 

 

 

 

 

Em 1940 compôs a música "Súplica" sobre letra de Otávio Gabus Mendes, figura bastante conhecida na imprensa e no Rádio paulista e ainda de José Marcílio que, segundo consta no Dicionário Cravo Albin, entrou na parceria sem haver colaborado com a música. Minhas pesquisas indicam que “Súplica” é a sua única composição.

 

 

 

 

Súplica” (Déo/Otávio Gabus Mendes/José Marcílio) # Orlando Silva.

 

 

 

 

 

 

 

 

O auge do nosso Ditador de Sucessos foi no ano de 1943, melhor período de sua carreira, quando gravou "Pra machucar meu coração, de Ary Barroso.

 

 

 

 

“Pra machucar meu coração” (Ary Barroso) # Déo. Disco Columbia (55.445A), 1943.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Ataulfo Alves, Claudionor Cruz, Zé da Zilda, Noel Rosa, Nássara e Lupicínio Rodrigues

 

 

 

Ao longo de sua carreira gravou um total de 136 discos em 78 rpm, com um repertório de sambas de grandes compositores da música popular brasileira, como Ataulfo Alves, Claudionor Cruz, Zé da Zilda, Noel Rosa, Marino Pinto, Nássara, Lupicínio Rodrigues e tantos outros.

 

 

 

 

 

Vamos colocar mais músicas na festa?

 

 

 

Sinto lágrimas” (Francisco Malfitano/Aloísio Silva Araújo) # Déo e Grupo Regional. Disco Columbia (8227A), 1936.

 

 

 

 

 

 

 

 

Eterna ilusão” (João Pacífico) # Déo/Grany e seu Conjunto Regional. Disco Columbia (1936A), 1936.

 

 

 

 

 

 

 

 

Não sei dá adeus” (Ataulfo Alves/Wilson Batista) # Déo. Disco Odeon (11736A), 1939.

 

 

 

 

 

 

 

 

De qualquer maneira” (Noel Rosa/Ary Barroso) # Déo. Disco Odeon (11762A), 1939.

 

 

 

 

 

 

 

 

Ela é” (Claudionor Cruz/Wilson Batista) # Déo. Disco Odeon (11786A), 1939.

 

 

 

 

 

 

 

 

No mundo da lua” (Zé da Zilda/Wilson Batista) # Déo. Disco Continental (15099B), 1943.

 

 

 

 

 

 

 

 

Mais um drama da vida” (Marino Pinto/Waldemar Gomes) # Déo e Conjunto Benedito Lacerda. Disco Columbia (55430B), 1943.

 

 

 

 

 

 

 

 

Lá vem Mangueira” (Haroldo Lobo/Jorge de Castro/Wilson Batista) # Déo. Disco Continental (15104A), 1943.

 

 

 

 

 

 

 

 

O principio do fim” (Wilson Batista/Jorge de Castro) # Déo e Conjunto Benedito Lacerda. Disco Continental (15139B), 1944.

 

 

 

 

 

 

 

 

Vou pra Pernambuco” (Nássara/Frazão/Severino Araújo) # Déo e Orquestra Tabajara, de Severino Araújo. Disco Continental (15247A), 1945.

 

 

 

 

 

 

 

 

Frevo número um (Vassourinha)” (Matias da Rocha/Joana Batista Ramos) # Déo / Castro Barbosa e acompanhamento de Napoleão Tavares e seus Soldados Musicais.  Disco Continental (15.279B), 1945.

 

 

 

 

 

 

 

 

Nervos de aço” (Lupicínio Rodrigues) # Déo, Raul de Barros e Banda. Disco Odeon (15785A), 1947.

 

 

 

 

 

 

 

 

Em 11 de setembro de 1971, poucos dias antes de seu falecimento, Déo regravou para o fascículo da editora Abril Cultural: Nova História da Música Popular Brasileira – Haroldo Lobo - os sambas "Alô padeiro (Não é economia)" e "... E o 56 não veio", ambos da dupla Haroldo Lobo/Wilson Batista, gravados originalmente pelo cantor em 1944. Ouça abaixo a gravação original.

 

 

 

“... E o 56 não veio” (Haroldo Lobo/Wilson Batista) # Déo e Conjunto de Benedito Lacerda. Disco Continental (15139A), 1944.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Como destacamos, anteriormente, Déo gravou bastante. Suas gravações: “Pra machucar meu coração” (Ary Barroso) e “Nervos de aço” (Lupicínio Rodrigues), entre tantas outras, justificam o slogan que recebeu de “Ditador de Sucessos”. Torço para que as novas gerações conheçam e valorizem a arte de interpretar de Déo.

 

 

 

 

 

************

Fontes:

 

- A Canção no Tempo - 85 Anos de Músicas Brasileiras, Vol 1: 1901-1957 / Jairo Severiano e Zuza Homem de Mello. - São Paulo: Ed. 34, 1997.

- A História do Samba. Fascículos publicados pela Ed. Globo, 1997-1978.

- Dicionário Cravo Albin da MPB (Verbete: Déo)

- Nova História da MPB - Haroldo Lobo - Editora Abril, 1977.

- Site # Radinha.

- Site YouTube.

 

************

Exibições: 905

Comentário de Laura Macedo em 31 outubro 2014 às 20:32

Seleções de músicas com Deo em discos Odeon

Vídeo produzido pelo amigo Gilberto Inácio Gonçalves, integrante do grupo Arquivo Confraria do Chiado (Facebook).

1- Viver assim não é vida, samba de Ary Barroso com Déo acompanhado pelo Grupo da Odeon em disco Odeon 11690 A (matriz 5980). Gravado em 02.12.1938 e lançado em janeiro de 1939.


2- Não sei dar adeus, samba de Ataulfo Alves e Wilson Batista com Déo acompanhado pela Orquestra Odeon sob direção de Simon Boutman em disco Odeon 11736 A (matriz 6077). Gravado em 05.05.1939 e lançado em julho de 1939.


3- De qualquer maneira, samba de Ary Barroso e Noel Rosa com Déo acompanhado pelo Conjunto Odeon em disco Odeon 11762 A (matriz 6087). Gravado em 12.05.1939 e lançado em setembro de 1939.


4- Veneno, marcha de Ary Barroso e Alcyr Pires Vermelho com Déo acompanhado pela Orquestra Odeon sob direção de Simon Boutman em disco Odeon 11797 A (matriz 6228). Gravado em 13.10.1939 e lançado em janeiro de 1940.


5- Vem amor, samba de Ataulfo Alves e Raul Longras com Déo acompanhado pela Orquestra Odeon sob direção de Simon Boutman em disco Odeon 11805 A (matriz 6232). Gravado em 16.10.1939 e lançado em dezembro de 1939.

Comentar

Você precisa ser um membro de Portal Luis Nassif para adicionar comentários!

Entrar em Portal Luis Nassif

Publicidade

© 2019   Criado por Luis Nassif.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço