Comissão de Avaliação do Desempenho Econômico e Social

A idéia é oportuna, mas ressalto que o assunto é coisa técnica e só apresentará uma solução razoável se contiver simplicidade e elegância. Uma solução geométrica é a que me parece mais oportuna, uma que explore o baricentro de um modelo que englobe todas as variáveis relevantes.

Coisa simples de se modelar tridimensionalmente, porém de manejo tinhoso.


No lugar do PIB, uma revolução?
Autor(es): Washington Novaes
O Estado de S. Paulo - 02/01/2009
http://clippingmp.planejamento.gov.br/cadastros/noticias/2009/1/2/no-lugar-do-pib-uma-revolucao-1

O ano terminou com notícias inquietantes sobre a crise financeira mundial e seus reflexos no Brasil - redução das taxas previstas para crescimento econômico em 2009, aumento da dívida pública federal para R$ 1,37 trilhão, menor aumento de renda para as famílias de classe média, desemprego alto. E indagações sem fim sobre a extensão e duração da crise - a que, na verdade, ninguém pode responder com certeza, tal o volume de dinheiro e títulos envolvido e a incapacidade de dizer em que momento terão terminado a “desalavancagem” de ativos “podres” e seus reflexos em cadeia.

Nesse clima, nosso presidente da República se encontrou com o presidente da França para tratar de parcerias entre o Brasil e a União Europeia. Mas praticamente nada se ouviu ou se leu sobre eventuais discussões entre os dois presidentes quanto a tema que se poderá tornar muito relevante: os estudos da Comissão de Avaliação do Desempenho Econômico e Social criada por Sarkozy em 2008 para repensar os critérios do crescimento econômico e bem-estar social, com a participação de notáveis de várias universidades e instituições europeias, asiáticas e norte-americanas, além de representantes do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud) e Organização Europeia para a Cooperação e Desenvolvimento (OECD, na sigla em inglês), sob coordenação de nomes como Joseph Stiglitz (Prêmio Nobel de Economia, Universidade de Colúmbia), Amartya Sen (também Nobel de Economia, Harvard) e Jean-Paul Fitoussi (Instituto de Estudos Políticos de Paris). É uma comissão que parte do princípio de que os critérios de avaliação das áreas econômica e social por indicadores como o produto bruto e seu crescimento (inferindo, daí, o grau de bem-estar social) são insuficientes, inadequados; será preciso encontrar novos critérios e indicadores para a economia, mas também capazes de avaliar o progresso social e o bem-estar individual. A comissão prevê sua avaliação final para o próximo mês de abril.

É tarefa complexa. Não se trata só de criar mais um indicador. Terá de encontrar caminhos para incluir nos critérios de avaliação questões como as da saúde, do acesso a serviços públicos, da inclusão nos indicadores econômicos do valor do trabalho doméstico não-remunerado, dos custos não-contabilizados do crescimento econômico (as chamadas “externalidades”), da depreciação de equipamentos e instalações. Além disso, a renda e o consumo por residência (e não por indivíduos apenas), a disponibilidade de segurança pública e muito mais. Principalmente a avaliação de questões intrincadas como sustentabilidade dos recursos naturais, assim como dos padrões de produção e consumo.

Nesse caminho há questões complicadas. Só para exemplificar: o orçamento da defesa de um país deve ser considerado como produção, como consumo ou tomando ainda em consideração ângulos complexos como a ética dos orçamentos de guerra? E o orçamento para o sistema prisional? A avaliação da renda pessoal ou setorial deve especificar desigualdades? Deve tomar por base o âmbito nacional, regional ou mundial? No cálculo do produto nacional deve-se deduzir o valor da depreciação dos bens de capital, a depleção de recursos naturais? A descoberta de uma nova mina e sua exploração devem aumentar o cálculo do produto bruto? E a consequente depleção de recursos e a degradação devem reduzi-lo? Como considerar as transferências financeiras internacionais? E a produção de firmas nacionais no exterior?

Não é só. A comissão pensa que é preciso reavaliar questões como a das consequências dos aumentos de preços na economia, porque eles não atingem da mesma forma todos os setores sociais e pessoas. Os estratos mais pobres perdem mais quando o aumento é, por exemplo, no preço dos alimentos; os mais ricos, com as mudanças na área dos “entretenimentos”. E há outras diferenças de consequências por idade, localização da residência (urbana ou rural, área rica ou pobre). A aplicação da receita de impostos tem amplas consequências no bem-estar das pessoas, na disponibilidade de serviços, cuidados com o meio ambiente. Como avaliá-las?

Quando se trata do trabalho doméstico, as implicações são muitas. Como considerar o valor dos serviços de limpeza, cozinha, assistência a crianças? E no transporte, onde incluir o valor do tempo gasto no deslocamento para o trabalho? Já se mencionou aqui estudo segundo o qual o paulistano consome em média duas horas diárias para isso; multiplicadas por 5 milhões de pessoas, serão 10 milhões de horas por dia, que, multiplicadas pelo número de dias no ano e pelo valor médio da hora de trabalho, produzirão um valor fantástico - que, se pudesse ser transposto para investimento em transportes públicos (ampliação da rede do metrô, por exemplo), em poucos anos melhoraria extraordinariamente a qualidade de vida dos cidadãos.

É uma enumeração muito extensa de questões a ser examinada pelo grupo, que agora em janeiro terá sua terceira reunião plenária, para dirimir dúvidas quanto ao relatório a ser apresentado em abril. E que certamente terá forte influência nas discussões sobre sustentabilidade no mundo, que já começam a incluir questões como a da “felicidade nacional bruta”, a partir das experiências do Butão. Ou o reconhecimento dos “direitos da natureza” na nova Constituição do Equador. Seja como for, estará muito presente o pensamento de Amartya Sen, para quem “as políticas públicas precisam ser avaliadas pela evolução do poder das pessoas na escolha do tipo de vida que mais valorizem”. A seu ver, “a maior parte do pensamento econômico pertence ao terreno da ética, e não apenas ao da ciência”, como quase sempre se considera. Se o rumo for mesmo esse, como tem aparecido até aqui nos relatórios parciais, será uma revolução.

Exibições: 57

Comentário de Miguel A. E. Corgosinho em 4 janeiro 2009 às 17:46
Caro Alexandre,

"E que certamente terá forte influência nas discussões sobre sustentabilidade no mundo, que já começam a incluir questões como a da “felicidade nacional bruta”, a partir das experiências do Butão."

Essa comissão de notáveis parece um pouco estranha né?

Abraço
Comentário de Alexandre César Weber em 5 janeiro 2009 às 19:39
Caro Miguel,

Estranha eu não sei, pois pouco conheço dos integrantes da mesma, o que de estranho você apontaria ?

Mais interessante, no meu ponto de vista, seria identificar as premissas sobre as quais ela irá trabalhar, uns que merecem destaque seriam os conceito de modernidade e progresso. Como defini-los me parece ser a chave para a cooperação. Outro ponto relevante seria determinar a capacidade de carregamento da Terra, e apontar o limite de habitantes, tema controverso por excelência, mas que merece uma discussão técnica séria.

Comentar

Você precisa ser um membro de Portal Luis Nassif para adicionar comentários!

Entrar em Portal Luis Nassif

Publicidade

© 2019   Criado por Luis Nassif.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço