O diretor de teatro, dramaturgo e ensaísta Augusto Boal morreu na madrugada deste sábado no Hospital Samaritano, do Rio de Janeiro. Ele tinha 78 anos.

Boal sofreu uma insuficiência respiratória às 2h40 de hoje. Segundo a assessoria do hospital, ele estava internado desde o dia 28 de abril. O corpo foi removido da instituição às 16h deste sábado.

Boal nasceu no dia 16 de março de 1931, no Rio de Janeiro.
Fundador do Teatro do Oprimido, ele também ficou conhecido por sua participação no Teatro de Arena da cidade de São Paulo (1956 a 1970).


Leia abaixo a íntegra do discurso de Augusto Boal sobre o dia mundial do teatro, 27 de março.

O pesquisador, diretor e dramaturgo foi nomeado como embaixador mundial do teatro pela Unesco (Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura).

Leia a íntegra do discurso:

"Todas as sociedades humanas são espetaculares no seu cotidiano, e produzem espetáculos em momentos especiais. São espetaculares como forma de organização social, e produzem espetáculos como este que vocês vieram ver.

Mesmo quando inconscientes, as relações humanas são estruturadas em forma teatral: o uso do espaço, a linguagem do corpo, a escolha das palavras e a modulação das vozes, o confronto de ideias e paixões, tudo que fazemos no palco fazemos sempre em nossas vidas: nós somos teatro!

Não só casamentos e funerais são espetáculos, mas também os rituais cotidianos que, por sua familiaridade, não nos chegam à consciência. Não só pompas, mas também o café da manhã e os bons-dias, tímidos namoros e grandes conflitos passionais, uma sessão do Senado ou uma reunião diplomática -tudo é teatro.

Uma das principais funções da nossa arte é tornar conscientes esses espetáculos da vida diária onde os atores são os próprios espectadores, o palco é a plateia e a plateia, palco. Somos todos artistas: fazendo teatro, aprendemos a ver aquilo que nos salta aos olhos, mas que somos incapazes de ver tão habituados estamos apenas a olhar. O que nos é familiar torna-se invisível: fazer teatro, ao contrário, ilumina o palco da nossa vida cotidiana.

Em setembro do ano passado fomos surpreendidos por uma revelação teatral: nós, que pensávamos viver em um mundo seguro apesar das guerras, genocídios, hecatombes e torturas que aconteciam, sim, mas longe de nós em países distantes e selvagens, nós vivíamos seguros com nosso dinheiro guardado em um banco respeitável ou nas mãos de um honesto corretor da Bolsa -nós fomos informados de que esse dinheiro não existia, era virtual, feia ficção de alguns economistas que não eram ficção, nem eram seguros, nem respeitáveis. Tudo não passava de mau teatro com triste enredo, onde poucos ganhavam muito e muitos perdiam tudo. Políticos dos países ricos fecharam-se em reuniões secretas e de lá saíram com soluções mágicas. Nós, vítimas de suas decisões, continuamos espectadores sentados na última fila das galerias.

Vinte anos atrás, eu dirigi Fedra de Racine, no Rio de Janeiro. O cenário era pobre; no chão, peles de vaca; em volta, bambus. Antes de começar o espetáculo, eu dizia aos meus atores: - 'Agora acabou a ficção que fazemos no dia-a-dia. Quando cruzarem esses bambus, lá no palco, nenhum de vocês tem o direito de mentir. Teatro é a Verdade Escondida'.

Vendo o mundo além das aparências, vemos opressores e oprimidos em todas as sociedades, etnias, gêneros, classes e castas, vemos o mundo injusto e cruel. Temos a obrigação de inventar outro mundo porque sabemos que outro mundo é possível. Mas cabe a nós construí-lo com nossas mãos entrando em cena, no palco e na vida.

Assistam ao espetáculo que vai começar; depois, em suas casas com seus amigos, façam suas peças vocês mesmos e vejam o que jamais puderam ver: aquilo que salta aos olhos. Teatro não pode ser apenas um evento - é forma de vida!

Atores somos todos nós, e cidadão não é aquele que vive em sociedade: é aquele que a transforma!"


Uma beleza de discurso. Assino embaixo.

*********
Fonte: Jornal Folha de São Paulo.

**********
Na década de 70, Chico Buarque compôs em parceria com Francis Hime "Meu Caro Amigo", como uma carta em forma de música em homenagem ao amigo dramaturgo Augusto Boal.





"Meu Caro Amigo", na interpretação de Chico Buarque.

Exibições: 62

Comentário de Elianne Diz- Laura Diz em 2 maio 2009 às 21:37
Que pena! homens como Boal fazem falta. Poxa, fiquei triste.
Bj Laura
Comentário de João Caetano do Nascimento em 2 maio 2009 às 21:49
Uma perda para o Brasil e para a cultura brasileira. Ele manteve sempre o compromisso com uma arte voltada para entender e também para ajudar na luta pela emancipação do povo brasileiro.
Comentário de Luiza em 2 maio 2009 às 23:21
Dizer o que? Melhor deixar que as palavras e atos dele continuem dizendo...
Comentário de Helô em 3 maio 2009 às 0:11
Laurinha
Relamente fica difícil dizer alguma coisa.
Postei uma foto com texto, mas estou aguardando aprovação.
Beijo.
Comentário de elizabeth em 3 maio 2009 às 1:13
Teatro do Oprimido na SKY Foundation (Soweto Kliptown Youth)

Comentar

Você precisa ser um membro de Portal Luis Nassif para adicionar comentários!

Entrar em Portal Luis Nassif

Publicidade

© 2019   Criado por Luis Nassif.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço