Dia Nacional do Choro é sinônimo de Pixinguinha

 


Neste ano de 2011, em homenagem ao Dia Nacional do Choro, trago um Pixinguinha que compõe, executa arranjos, toca instrumentos, canta, fala...

PIXINGUINHA FALANDO...

Ouçam (por 2 minutos) a voz de Pixinguinha ....

 



Pixinguinha realizou dois depoimentos para o Museu da Imagem e do Som do Rio de Janeiro, ambos sob a direção de Ricardo Cravo Albin.

No primeiro, em 06/10/1966 (pequeno fragmento acima), foram seus entrevistadores: Hermínio Bello de Carvalho, Ari Vasconcelos, Cruz Cordeiro, Ilmar Carvalho e Hélio Marins David.

No segundo, em 22/04/1968 apenas Hermínio e Jacob do Bandolim o entrevistaram.


Vocês ouviram o próprio Pixinguinha dizer :

 

“Meu nome completo é Alfredo da Rocha Vianna Junior. Nasci em 23 de abril de 1898”.

Mas apesar desta informação contida em seu depoimento, segundo seus biógrafos Marília Trindade e Arthur de Oliveira, a certidão de batismo de Pixinguinha atesta o ano de 1897 como a data correta de seu nascimento.


Agora o que é incontestável na vida de Pixinguinha é a sua posição como o artista mais importante na MPB na primeira metade do século XX.

A propósito de sua importância o escritor e crítico musical Sérgio Cabral publicou no jornal “O Pasquim”” (edição nº 191 / fevereiro-março / 1973) matéria intitulada “ O Maior de Todos”, a qual transcrevo abaixo.

PIXINGUINHA: O MAIOR DE TODOS



Terminado o programa “Domingo é da Guanabara”, na TV Itacolomi, em Belo Horizonte, a gente ia pra um restaurante ( o nome, se não me engano, era Califórnia) jantar. Meia noite, meia noite e meia, a gente chegava, embora o restaurante estivesse fechado. Mas o dono era boa praça, deixava um garçom a nossa disposição, e lá ficávamos até o amanhecer.


Aquela noite era especial: a minha estreia como autor do ‘script’ do programa (produzido pela Agência Squire) que não precisava ter IBOPE, segundo recomendações do patrocinador. Ele queria um programa que ensinasse música brasileira ao público. E a estreia foi justamente com a presença de Pixinguinha, Donga, João da Baiana e todo pessoal da Velha Guarda. Resultado: Fred Chateaubriand, diretor da TV Itacolomi, telefonou dando ordens para prosseguir e deixar de apresentar o que veria em seguida; deu 90 pontos no IBOPE.

 


No restaurante, depois do jantar, os velhinhos começaram a tocar. E tome chorinho, samba, valsa, um show de quase quatro horas para uma meia dúzia de pessoas. Lá pelas tantas, o garçom pediu a Pixinguinha:

- Toca “Lábios que beijei”

E Pixinguinha tocou no saxofone. Entre uma frase e outra, tirava e instrumento da boca e comentava:

- Isso é do meu amigo J. Cascata.


J. Cascata havia morrido há pouco tempo. Era o mais jovem integrante do Conjunto da Velha Guarda e um grande compositor das décadas de 1930 e 1940. De repente, vi Pixinguinha chorando sem parar de tocar. O sopro saía suave, sentido e doce e ele chorava. Nunca mais esquecerei a cara de mestre Pixinga chorando e tocando “Lábios que beijei”.



No dia seguinte, pela manhã, estávamos no bar do aeroporto de Pampulha aguardando o avião para voltarmos pro Rio, quando Pixinguinha descobriu que a cachaça era servida numa garrafa com um troço no gargalo, de plástico, sanfonado, com uma biquinha. O cara compremia de cima para baixo e a cachaça escorria pela biquinha. Embora sem beber cachaça ha muito tempo (já havia aderido ao uísque), Pixinguinha consumiu toda a garrafa só pra ver o aparelhinho funcionar. Ela era também uma criança.


Essa viagem a Belo Horizonte foi uma das primeiras coisas que me vieram à cabeça quando fui tirado do desfile da Banda de Ipanema pela notícia da morte de Pixinguinha. Vinha eu, com a camisa do Vasco toda molhada, pelo temporal que caiu no desfile, ligeiramente bêbado, quando o fotógrafo Walter Firmo me deu a notícia (eu desconfiava que depois da morte de Dona Beti, Pixinguinha não ia durar muito. Durou sete meses. Eles se amavam muito. Poucos dias antes de morrer, Pixinga sofreu um distúrbio circulatório e foi internado no mesmo hospital onde estava internada. Para que ela não soubesse o que se passava, Pixinguinha colocava o terno nos dias de visita e ia conversar com Dona Beti como se tivesse vindo de casa).

 


É bom que se diga agora uma coisa depois que ele morreu: Pixinguinha é o nome mais importante de toda a história da música popular brasileira. Ele foi o inventor da orquestração da nossa música, foi um instrumentista genial e um compositor incomparável. Mesmo levando em conta a importância de um Ernesto Nazareth, um Noel Rosa, Ary Barroso, Ataulfo Alves, Ismael Silva, Lamartine Babo, João de Barro, Haroldo Lobo, Antonio Carlos Jobim, Chico Buarque de Hollanda, Baden Powell, Caetano Veloso e Gilberto Gil, nenhum deles tem a grandeza de Pixinguinha. E digo mais: Pixinga é do mesmo time daqueles extra-classe tipo Villa-Lobos, Oscar Niemeyer e Pelé.


Há quem se surpreenda quando alguém coloca Pixinguinha no seu devido lugar. É que ele não se comportava como um gênio. Era uma figura, por exemplo, muito difícil de se entrevistar. Para dizer a verdade, era péssimo de falar e até meio ingênuo. Pixinguinha, onde você mora?

- Na Rua Pixinguinha, 23.



Inauguração da Rua Pixinguinha



Durante muito tempo, morou na rua que tinha seu nome, o que jamais lhe impressionou. Tanto que se mudou de lá para Jacarepaguá e depois para um conjunto residencial na estrada Velha da Pavuna, para onde um táxi lhe levava diariamente na saída do Bar Gouveia, que continuou freqüentando, mesmo depois de ter deixado de beber. Aliás, apesar de ser a grande atração do bar, pagava todas as contas.

Em seu depoimento no Museu da Imagem e do Som, revelou que apenas uma vez bebeu de graça no Gouveia: quando Tom Jobim apareceu por lá e o dono do bar resolveu homenageá-lo colocando uma garrafa de uísque na mesa.


Os seus hábitos simples talvez tenham prejudicado a sua imagem de artista genial (e ele pouco ligava pra isso), mas agora, com sua morte, sugiro aos músicos brasileiros que dêem uma olhada na sua obra. E desafio que digam se houve um músico brasileiro mais importante que ele.

 




PIXINGUINHA CANTANDO....



“Yao” (Pixinguinha / Gastão Vianna) # Pixinguinha 

 

 


Trata-se da segunda gravação de Pixinguinha no vocal, registrada em 1950. Antes deste lundu africano (como registra o selo), Pixinguinha gravou em dupla com Jararaca o maracatu “Zé Barbino” no histórico disco da Columbia, comandado pelo maestro Leopold Stokowski, de passagem pelo Rio de Janeiro no navio Uruguai, em 1940.




PIXINGUINHA E OS OITO BATUTAS... 

 




“La-Ré” (Pixinguinha) # Oito Batutas.

 

 


Raridade do grupo Oito Batutas, está faixa andou perdida. Polca gravada por Pixinguinha e seu grupo na Victor Argentina, em 1923.




PIXINGUINHA INTÉRPRETE E COMPOSITOR (ao mesmo tempo)…



“Sofres porque queres” (Pixinguinha) # Choro Pixinguinha. Disco Odeon (121.364), 1918-1921.




Este choro de Pixinguinha é da safra de 1917. É uma das três mais gravadas composições de Pixinguinha (as outras são “Carinhoso” e “Lamentos”). Esta gravação oportuniza ouvir o flautista Pixinguinha no estágio inicial da sua carreira.




A vida é um buraco” (Pixinguinha) # Pixinguinha e sua Orquestra.




Mais um choro em que Pixinguinha demonstra sua maestria na flauta. Primeira gravação datada de 1930.




Marreco quer água” (Pixinguinha) # Pixinguinha e Orquestra.


Primeira gravação desta polca-marcha, gênero ancestral da marcha carnavalesca. O registro é de Pixinguinha e Orquestra de (16/04/1959) e mostra o lado do maestro orquestrador para grandes grupos.



Lamento” (Pixinguinha) # Pixinguinha, 1941.






Inicialmente este choro chamava-se “Lamento”. Em 1962, quando foi incluído na trilha do filme “Sol sobre a lama”, de Alex Vianny, ganhou letra do poeta Vinicius de Moraes. Suas harmonizações modernas o transformaram em sucesso em pleno reino dissonante da bossa nova.

 

 

 



Lamentos” (Pixinguinha / Vinicius de Moraes) # MPB 4 (1997).



 


PIXINGUINHA E CARMEN MIRANDA...

 

 



Os home implica comigo” (Pixinguinha / Carmen Miranda) # Carmen Miranda. 

 


Rara parceria de Pixinguinha com uma Carmen Miranda iniciante, este samba reconstitui a atmosfera satírica do teatro de revista, a mídia predominante na época do registro, 22/06/1930.




PIXINGUINHA E A TURMA DA VELHA GUARDA...

 

 A partir do segundo da esquerda J. Cascata, o poeta Ledo Ivo, Pixinguinha, Henrique de Melo Moraes (tio de Vinicius), Donga, Alfredinho do Flautim e João da Baiana (sentado).

 


Conversa de Crioulo” (Pixinguinha / Donga / João da Baiana) # Grupo da Velha Guarda.




 
Um saboroso “samba de partido alto” (como informa o selo original) da Santíssima Trindade. Mostra Pixinguinha dirigindo um pequeno conjunto, o Grupo da Velha Guarda, em gravação inaugural da música, realizada em 04/12/1931, lançada em janeiro de 1932.

 

 

 


Imperdível ver e/ou rever o vídeo de Pixinguinha com a Turma da Velha Guarda tocando, cantando e dançando no Parque do Ibirapuera, dia 25 de abril de 1954, nas comemorações do IV Centenário da cidade de São Paulo.



 



PIXINGUINHA E BENEDITO LACERDA...

 
Uma boa seleção da obra de Pixinguinha foi gravada por ele e Benedito Lacerda na RCA Victor no período de 1945-1950.

Surpreendentemente, o motivo para a realização da série de discos gravados nesta época, foi mais financeiro do que musical.

Resumindo a história: Pixinguinha, em 1945, não estava nada bem financeiramente; pouco trabalho com orquestrações e o fim do seu contrato na Rádio Mayrink Veiga.

Endividado e em vias de perder a casa que havia comprado no subúrbio de Ramos, pelo atraso no pagamento das prestações, Pixinguinha aceitou um acordo proposto por Benedito Lacerda que tinha bastante prestígio junto às gravadoras.

Enfim, Pixinguinha salvou a casa, mas em troca teve que ceder a Benedito Lacerda a parceria de 24 de suas composições, nas quais não tinha parceiros. Fazia parte do acordo, também, que Pixinguinha não tocasse mais flauta, passando de vez para o sax tenor.

Segundo Henrique Cazes “uma saia justa dessa natureza teria derrubado qualquer um que não fosse um gênio. (...) Hoje ninguém comenta essas gravações pela flauta de Benedito, mas sim pelos contrapontos do sax tenor”.


Fazendo-se um balanço do acordo Lacerda/Pixinguinha, vemos que de certa maneira todos saíram ganhando. Benedito alimentou o bolso e a vaidade, Pixinguinha resolveu seu problema mais urgente e nós ganhamos gravações memoráveis. (Henrique Cazes).


Outro aspecto importante da série Pixinguinha / Lacerda foi a retomada do interesse das gravadoras em discos instrumentais de música popular.

 Meira no violão, Pixinguinha no sax, Benedito Lacerda na flauta e Dino no sete cordas

Algumas das gravações memoráveis da dupla Pixinguinha e Benedito Lacerda.

Vou vivendo” (Pixinguinha / Benedito Lacerda)

 



Choro que Pixinguinha no sax assina em dupla com Benedito Lacerda na flauta, embora a música seja só dele. Esta gravação é de 1946.





Ainda me recordo” (Pixinguinha / Benedito Lacerda) # Pixinguinha e Benedito Lacerda.

 



Outro choro que seria só de Pixinguinha, lançado inicialmente em 1932. Esta gravação é de 1947.

Proezas de Sólon” (Pixinguinha / Benedito Lacerda) # Pixinguinha / Benedito Lacerda.

 



Primeira gravação da música com a dupla de ases Pixinguinha (sax) e Benedito Lacerda (flauta), o que torna difícil a comprovação da autoria. Gravada em 04/06/46 e lançada em 1947.




Um a zero” (Pixinguinha / Benedito Lacerda) # Pixinguinha e Benedito Lacerda. 

 

 


Choro composto apenas por Pixinguinha em homenagem ao gol de Friedenreich, que decidiu o campeonato sul-americano de 1919, na partida que o Brasil venceu o Uruguai e conquistou o seu primeiro título. Esta gravação da dupla foi lançada em junho de 1946.





PIXINGUINHA E SEU CHORO FAVORITO...




Ingênuo” (Pixinguinha / Benedito Lacerda) # Jacob do Bandolim e conjunto Época de Ouro.

 



A primeira parte deste choro foi composta em 1946 e a segunda é um aproveitamento da terceira parte do chorinho “Sofres porque queres”, que Pixinguinha compôs em 1917. Segundo próprio Pixinguinha, este é seu choro favorito.




Agora vou “cochichar” uma coisa pra vocês: Um dos meus chorinhos preferidos de Pixinguinha é “Cochichando”.



Cochichando” (Pixinguinha / João de Barro / Alberto Ribeiro) # Jacob do Bandolim.





O primeiro nome deste choro era “Cochicho”. Passou ao título atual ao receber letra de João de Barro e Alberto Ribeiro em 1944, ano que foi gravado pelo cantor Déo. Aqui em versão instrumental com o grande Jacob do Bandolim, gravada em 1957.

 
Jonas, César, Carlinhos, Dino e Jacob, as cordas do Época do Ouro no início dos anos 1960




Cochichando” com o excelente Trio Madeira Brasil (Zé Paulo Becker / Marcelo Gonçalves / Ronaldo do Bandolim).



 


PIXINGUINHA E SEU BAR PREFERIDO...



Pixinguinha era freqüentador assíduo da Whiskeria Gouveia, que ficava na rua do Ouvidor, chegando a ter cadeira cativa. Até hoje o bar existe (em outro local) e mantém a mesa e objetos do Mestre expostos.

 

 
Cadeira vazia com tarja preta; seu lugar não será de mais ninguém

 

 


Foto tirada no Bar Gouveia onde vemos entre outros Pixinguinha, Zé da Velha (trombone), João da Baiana e Donga.

 
O Bar Gouveia era um dos seus lugares de trabalho. Era lá que mantinha seus contatos profissionais, onde conhecia parceiros e reencontrava velhos amigos.





PIXINGUINHA E SEUS GRANDES CLÁSSICOS....



Dos antológicos clássicos de Pixinguinha destaco dois: CARINHOSO e ROSA

 

 


Existe pelo menos uma canção que ninguém consegue ouvir em silêncio. Trata-se de “Carinhoso” que foi composta por Pixinguinha em 1923, quando tinha apenas 26 anos. Depois de 14 anos, João de Barro, o Braguinha criaria os versos que ficariam marcados profundamente no consciente /inconsciente do povo brasileiro.



Carinhoso” (Pixinguinha / João de Barro) # Orlando Silva.



 

 

 

 

Na primeira e definitiva gravação cantada deste choro-canção (apresentada como “samba estilizado” no selo) realizada em 28/05/1937, Orlando Silva foi escolhido porque Francisco Alves e Carlos Galhardo não a quiseram.

 

O resultado é uma obra-prima com o cantor que influenciaria João Gilberto na sua melhor fase.

 

 

 

 

 

 

 

 

Pixinguinha interpretando sua obra prima



 

 

 

Rosa” (Pixinguinha / Otávio de Souza) # Orlando Silva.

 

Partitura manuscrita da valsa "Rosa



Mais uma interpretação magistral de Orlando Silva na primeira gravação cantada (na outra face do 78 rotações ‘Carinhoso”; caso raro da acoplagem de dois clássicos imortais). Segundo Pixinguinha, “Rosa” é de 1917 e chamou-se originalmente “Evocação”, só recebendo letra mais tarde. “O autor dessa letra” – esclarece Pixinguinha – “é Otávio de Souza, um mecânico do Engenho de Dentro (bairro carioca) muito inteligente e que morreu novo”.



Outra boa interpretação é a de Marisa Monte.



 

 

 

 

 




Esta foto de Pixinguinha tranqüilo, embalando seu sax como se acalenta um filho querido, me toca profundamente...

Talvez seja pela lembrança consciente, de ter repetido a cena tantas vezes quando minha filha era pequenininha, e, também, inconsciente, pela sensação que minha mãe fazia o mesmo comigo.

 


Carinhoso” na interpretação de César Camargo Mariano e Helio Delmiro (1981) é um “senhor acalanto”....

 




Pesquisar a história do artista Pixinguinha equivale a um mergulho profundo nas raízes da Música Popular Brasileira e, ao emergir, constatar que a tradição do Choro só pode ser verdadeiramente estudada e compreendida se considerada em pelo menos duas grandes fases, ou seja, antes e depois do genial Pixinguinha.



O DIA NACIONAL DO CHORO É SINÔNIMO DE PIXINGUINHA, mas também dos “chorões” de todos os tempos e recantos do Brasil; os antigos e os da nova geração, para os quais preparei com imenso carinho esta homenagem.


VIVA O DIA NACIONAL DO CHORO EDIÇÃO 2011.

 


Homenagens anteriores: Dia Nacional do Choro/ Chorões dos Primeiros Tempos.



************

Fontes Pesquisadas.


- CAZES, Henrique. Choro: do quintal ao municipal. – São Paulo: Ed. 34, 1998.

- COLEÇÃO FOLHA RAÍZES DA MPB – Pixinguinha (texto: Carlos Calado). – São Paulo: Folha de São Paulo, 2010.

- FRANCESCHI, Humberto Moraes. A casa Edison e seu tempo. – Rio de Janeiro: Sarapuí, 2002.

- HISTÓRIA DO SAMBA. Rio de Janeiro: Ed. Globo, 1977-1978. Quinzenal, 40 fasc. 40 CDs.

MPB COMPOSITORES. Pixinguinha, nº 16. – Rio de Janeiro: Ed. Globo, 1996.

- SEVERIANO, Jairo. Uma história da música popular brasileira. – São Paulo: Ed. 34. 2008.

******

- CD 500 Anos da Música Popular Brasileira. Rio de Janeiro: Fundação Museu da Imagem e do Som, 2001.

- CD 100 Anos Pixinguinha, 1997.

- LP Chorando Callado. – FENAB (Federação Nacional das AABB – Associação Atlética Banco do Brasil). – Brasília, 1981.


************

Exibições: 2050

Comentário de Gregório Macedo em 23 abril 2011 às 5:06

Eita, que coisa maravilhosa! Tomei um banho de Pixinguinha e me sinto preparado pra comemorar um fenomenal Dia do Choro. Seu empenho de tantos dias foi recompensador, querida Laurinha, e neste belo dia todos os aficionados do Choro e da MPB fomos presenteados. Lá no céu, o velho Pixinga se balança suavemente, acaricia o sax, lança um sorriso pra dona Beti e cochicha: 'Essa menina Laura me deixou feliz!'

Beijos. 

Comentário de Leidimar Pereira Murr em 23 abril 2011 às 9:30
Maravilhoso! Presente de páscoa!
Comentário de Gilberto Cruvinel em 23 abril 2011 às 16:52

Laura, querida,

 

Ainda não tive tempo de curtir todo este post, mas já adianto: desta vez você se superou. Que trabalho espetacular você compôs aqui. Digno do mestre Pixinguinha.

 

Beijos

Gilberto

Comentário de Gilberto Cruvinel em 23 abril 2011 às 17:07
Belíssima foto da deslumbrante Pequena Notável. A nossa Carmen.
Comentário de Laura Macedo em 23 abril 2011 às 21:48

Gregório,

 

Como já lhe disse hoje ao acordar, adorei seu comentário. Valeu, também, o link lá www.domacedo.blogspot.com/.

 

Suely, Leidimar e Gilberto grata pelos comentários. "São Pixinguinha" merece todas as homenagens hoje e sempre.

 

Beijos a todos.

 

"Som de Prata" (Moacyr Luz / Paulo César Pinheiro) # Moacyr Luz.

 

 

 

 

Comentário de Gilberto Cruvinel em 24 abril 2011 às 19:50

Laura,

 

Artigo de Lucas Nobile no Estadão de ontem, anunciando o lançamento de disco Pixinguinha para Flauta e Sax com 12 composições do mestre. O disco complementa songbook já lançado antes.

Aqui a página da Choro Music que descreve o CD. É possível ouvir uma amostra de cada faixa.

http://www.choromusic.com.br/cd-px.htm

Pixinga, eterna surpresa

.
Lucas Nobile - O Estado de S.Paulo - 23 de abril de 2011

Gênio completo, por suas facetas de compositor, instrumentista e arranjador, Alfredo da Rocha Viana Filho (1897-1973) é venerado pelos amantes da boa música brasileira, referência para músicos e até "santo" para mestres como Vinicius de Moraes. Hoje, no dia em que ele, conhecido por todos como Pixinguinha, completaria 114 anos, não à toa se comemora o dia nacional do choro. Entre os diversos eventos e homenagens pelo País, está o disco Pixinguinha para Flauta e Sax, lançado pela Choro Music.

 

A editora e selo de gravação já havia dado provas de seu zelo com a preservação do patrimônio cultural nacional, com os lançamentos de songbooks e discos relativos a obras de nomes importantes como "o pai do choro" Joaquim Callado, Ernesto Nazareth, Chiquinha Gonzaga e Altamiro Carrilho.

No ano passado, a Choro Music já havia lançado o songbook com as partituras dos 12 temas que compõem o disco que chega agora ao mercado brasileiro e no exterior, sempre com as edições bilíngues (português e inglês). O que atendia mais aos iniciados, agora dialoga com os iniciantes e o público em geral. "O disco foi pensado para as pessoas que não tocam também. Muita gente vivia pedindo um CD como este, apenas para ouvir, não só para tocar junto", diz Isabella Leite, diretora executiva da editora.

Com projeto bem cuidado, Pixinguinha conta com conjunto de base (nos moldes das formações dos regionais) e solistas que dispensam apresentações, como Carlos Malta, Léa Freire, Mário Sève, Toninho Carrasqueira, Andrea Ernest Dias e Daniela Spielmann. Sem abusar dos improvisos, o álbum cumpre com a intenção didática de familiarizar o ouvinte com a linguagem do choro, sem perder a quentura e o lirismo das criações de Pixinguinha.

Comentário de Laura Macedo em 25 abril 2011 às 1:56

Gilberto,

 

Eu não tinha lido o artigo do Lucas Nobile, portanto, fiquei sabendo por você do CD "Pixinguinha para Flauta e Sax". Maravilha! Só tem fera interpretando Pixinguinha.

 

Tentei adquirir no site ChoroMusic mas não deu certo fazer meu cadastro. Talvez seja algum problema provisório, tentarei outro dia.

 

Valeu, meu amigo.

Beijos.

Comentário de lucianohortencio em 24 julho 2012 às 1:46

lucianohortencio esteve aqui antes e agora volta pra dizer à amiga Laura Macedo que "adisculpe a marretagem" de umas fotos feitas anteriormente e só agora confessadas.

Comentar

Você precisa ser um membro de Portal Luis Nassif para adicionar comentários!

Entrar em Portal Luis Nassif

Publicidade

© 2019   Criado por Luis Nassif.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço