DILMA E OS 10 ANOS DO PT: COMBATER A DESIGUALDADE


Publicado em 30/12/2012

DILMA E OS 10 ANOS DO PT: 
COMBATER A DESIGUALDADE

Se o Governo continuar a achar que o Supremo é um tribunal técnico, como a diretoria de um Hemocentro, as politicas sociais de combate à desigualdade serão refeitas em meia duzia de “julgamentos”.

 

DEZ ANOS DE AVANÇOS

Os dez anos de governos liderados pelo Partido dos Trabalhadores marcam a incorporação de uma nova agenda para o Brasil.
O combate à desigualdade social passou a ser uma política de Estado, e não mais uma ação emergencial. Os governos do presidente Lula e o meu priorizaram a educação, a saúde e a habitação para todos, a retomada dos investimentos públicos em infraestrutura e a competitividade da economia.
(…)

Reconhecer os avanços dos últimos dez anos significa também reconhecer que eles foram construídos sobre uma base sólida. Desde o fim do regime de exceção, cada presidente enfrentou os desafios do seu tempo. Eles consolidaram o Estado democrático de Direito, o funcionamento independente das instituições e a estabilidade econômica.
(…)

Esta, sim, foi uma mudança estrutural inscrita no Brasil por dez anos de governos trabalhistas: o combate à desigualdade.

Ficou inscrita como Política de Estado – tem razão a Presidenta.

Não é mais uma concessão, uma solução de última hora diante de uma catástrofe ou uma crítica da Economist.

Essa política, porém, pode ser desfeita.

No Supremo.

Se o Governo continuar a achar que o Supremo é um tribunal técnico, como a diretoria de um Hemocentro, as políticas sociais de combate à desigualdade serão refeitas em meia duzia de “julgamentos”.

Os demo-tucanos já tentaram com o ProUni.

Os tucanos podem acabar com o Bolsa Família – no Supremo.

Com um parecer da grande estadista chilena Monica Cerra.

A presidenta tem às mãos a possibilidade de fixar uma maioria no Supremo.

Pois, como demonstrou Márcio Félix, em importante artigo, o Supremo é um tribunal político: chega de “técnicos”!

Por fim, a Presidenta lembra que o salto à frente na Educação será com os recursos da exploração do pré-sal.

Manter o pré-sal nosso é um dos maiores legados do Nunca Dantes.

Os tucanos, primeiro, queriam transformar a Petrobras em Petrobrax.

Fatiá-la e vender aos pedaços, como pizza na rodoviária.

Como o Peña Nieto vai fazer agora no México.

E. depois, segundo WikiLeaks, Cerra prometeu entregar o pré-sal à Chevron.

E, com isso, destruir a obra do PT, como FHC pensou em destruir a obra de Vargas.

No artigo, Dilma saúda, na saída, os dez anos de Governos petistas.

O que significa que não se deixou levar pelo conto do vigário do PiG (**) – se trair o Lula, a gente deixa você participar do garden-party na Casa Grande.

Em tempo: por falar em usar o Supremo como a bancada política do pós-Governo, FHC foi tratado devidamente no artigo da Presidenta.

Em lugar daquela louvação dos colonistas (***) – não haveria o Lula sem o jenial Farol de Alexandria – Dilma agradeceu aos que, antes dela, “consolidaram o Estado democrático de Direito, o funcionamento independente das instituições e a estabilidade econômica.”

E colocou FHC ao lado de Sarney, Collor, e Itamar, a quem o Brasil deve, como se sabe, o Plano Real e os genéricos.

(O programa do combate à AIDs, de que o Padim Pade Cerra também tentou se apropriar, é do Governo Sarney.)

Em tempo2: segundo o jornalismo implacavelmente investigativo da Folha (*), o Farol de Alexandria teve 13% de aprovação popular, quando desvalorizou o Real. Como se sabe, o Clinton obrigou o FMI a mandar dinheiro para o Fernando Henrique segurar o Real até se reeleger. Reeleito, desfez a farsa e caiu na real: 13%. O Nunca Dantes saiu do Governo com 83% de aprovação popular. Não é à toa que o Cerra jamais defendeu o Farol numa campanha eleitoral. Nem defenderá.

Em tempo3: como se sabe, o Farol de Alexandria iluminava a Antiguidade e foi destruído num terremoto (de nome Lula).

Em tempo4: do amigo navegante JK:

JK
Enviado em 30/12/2012

…”Como se sabe, o Clinton obrigou o FMI a mandar dinheiro para o Fernando Henrique segurar o Real até se reeleger. Reeleito, desfez a farsa e caiu na real: 13%”…

Resumindo o Real era manipulado (igual ao Euro), tanto que a inflação fechou o ano de 1998 em 1,65%. No ano seguinte a farsa foi descoberta e todos viram que a inflação não estava controlada porcaria nenhuma. Tanto que o Armínio Fraga na direção do BC aumentou a taxa Selic para os formidáveis 45% – para a alegria dos banqueiros. E no final do reinado do Farol fechou em 12,5% um aumento e-s-p-e-t-a-c-u-l-a-r de 760% em 4 anos. Agora, faço pergunta, PH: Se a inflação estava ‘’sob controle”, como os profetas do apocalipse dizem, então, por que diabos tiveram que aumentar a taxa Selic para os 45% ????????? Isso os tukanos e o PiG até hoje nunca responderam e dificilmente responderão.

Paulo Henrique Amorim

Exibições: 23

Comentar

Você precisa ser um membro de Portal Luis Nassif para adicionar comentários!

Entrar em Portal Luis Nassif

Publicidade

© 2019   Criado por Luis Nassif.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço