Dircinha Batista - "Os Últimos Compassos"



Dirce Grandino de Oliveira
* 7/4/1922 São Paulo, SP
+ 18/6/1999 Rio de Janeiro, RJ


Dircinha Batista marcou época na história da Música Popular Brasileira. E por várias razões. A começar pelo fato raríssimo de ter iniciado a carreira estrelando um quadro musical no filme “Alô, alô, carnaval” (1936) aos 14 anos e com pernas de fora.



"Alô Alô Carnaval" (1936) - Dircinha Batista canta "Pirata da Areia" e Mário Reis canta "Cadê Mimi" (músicas da autoria de João de Barro (Braguinha) e Alberto Ribeiro).



 


Ary Barroso costumava dizer que Dircinha Batista tinha a voz mais bela do Brasil. Gravou inúmeros sucessos, atuou em filmes, cantou em cassinos e fez muitas excursões pelo país.



Receita de amor (Max Bulhões /Chico Perdigão) # Dircinha Batista/Conjunto Benedito Lacerda.

Disco Continental (15.159-A) / Matriz (785). Lançamento (julho/1944).



 



Na batida do samba” (Bucy Moreira / João Silva / Manoel Francisco) # Dircinha Batista. Disco RCA Victor (80.1711-A) / Matriz (BE6UB-1312). Gravação (20/09/1956) / Lançamento (janeiro/1957).



 



 
Dircinha recebe a faixa de Rainha do Rádio da irmã Linda Batista


Em 1948, foi escolhida em concurso da Associação Brasileira de Rádio, com o patrocínio do jornal A Noite (voto direto), como a "Rainha do Rádio", substituindo assim, a irmã Linda Batista, eleita em 1937.


Foi capa da Revista do Rádio várias vezes (Foto abaixo). 


 


Dircinha ganhou do locutor Carlos Frias (a grande paixão de sua vida) o título de “a força revolucionária do Samba.

 

 
Dircinha e Carlos Frias tentam por diversas vezes manter o romance complicado, mas as constantes ameaças da mãe fazem com que a relação termine de vez. Cansado da situação e da permanente pressão familiar, Frias decide deixar Dircinha e se casar com uma atriz de teatro. A cantora prossegue em sua carreira, sua popularidade é imensa, mas a felicidade pessoal não existia mais e Dircinha Batista caminha para a autodestruição”. (Blog Memória Viva).

 

 
A partir de 1974, após abandonar a vida artística, viveu com a irmã praticamente enclausurada num apartamento de Copacabana, único bem imóvel que restou a ambas.


Após o falecimento da irmã Linda foi acometida de profunda depressão, sendo conduzida ao Hospital Psiquiátrico Doutor Eiras, onde faleceu, no dia 18 de julho de 1999.

 

No mesmo ano, antes de seu falecimento, o espetáculo teatral "Somos Irmãs", escrito com talento e emoção por Sandra Werneck, reviveu a glória, o declínio e o dramático final de vida de Dircinha e sua irmã Linda Batista nos palcos das principais cidades do Brasil, com enorme sucesso de público.

 

 

 

Os Últimos Compassos, filme dirigido por Dimas Oliveira Junior, com estreia prevista para o dia 7 de abril de 2011, no Cine Olido, em São Paulo, vai mostrar uma parte da vida de Dircinha Batista. Irmã da também cantora Linda Batista, Dircinha marcou época no rádio e no cinema e sentiu na pele como a falta de memória do brasileiro pode ser cruel.

 
A atriz Rose Aragão interpreta Dircinha Batista no filme

 

 

 
O diretor Dimas Oliveira Júnior

O filme de Dimas pretende reparar essa injustiça.



 

 


Entrevista de Dimas Oliveira Júnior ao blog Memória Viva.


Sucesso ao filme “Os Últimos Compassos”. Que ele consiga resgatar a memória da grande cantora Dircinha Batista e o universo artístico cultural da sua época .

Finalizo com um clipe de fotos e cenas de filmes da cantora Dircinha Batista, ao som de "Uma Palavra", de Jair Amorim e José Maria de Abreu.




 

 

 


*******************

Fonte:

- Almanaque da Rádio Nacional, de Rodolfo Conde Aguiar. – Rio de Janeiro: Casa da Palavra, 2007.

- História do Samba. Fascículos publicados pela Editora Globo, 1998.

- Blog Memória Viva.

********************

 

Exibições: 984

Comentário de Gilberto Cruvinel em 24 fevereiro 2011 às 20:34
Oi Laura,



Assisti no Teatro Cultura Artística o belíssimo espetáculo "Somos Irmãs" com as incríveis Nicete Bruno (Dircinha) e Sueli Franco (Linda). Um espetáculo lírico, recheado de belos números músicais com bons cantores, e ao mesmo tempo trágico mostrando o final da vida das duas naquele apartamento. O desempenho delas, recordando os dias de glória no meio daquele abandono foi muito lindo e tocante. Há uma cena da peça no youtube, mas acho que é bom relembrar apenas os bons momentos. Elas merecem.



Lindo post Laura
Beijos
Gilberto

p.s. no teceiro dia, voltei à vida: a Cia de Luz se dignou a comparecer e fazer o trabalho pelo qual é (muito bem) remunerada. :-)
Comentário de Gregório Macedo em 2 março 2011 às 2:01

Como são bonitas as antigas canções. Inclusve as que não conhecíamos. Dircinha Batista, que beleza!  Sofreu muito no final, o que é triste, mas com certeza enfeitou muitos momentos felizes.

Belo trabalho, querida.

Beijos.

Comentar

Você precisa ser um membro de Portal Luis Nassif para adicionar comentários!

Entrar em Portal Luis Nassif

Publicidade

© 2019   Criado por Luis Nassif.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço