"Do fundo do poço" escrito por Frei Betto

Vira e mexe, volta à baila o tema da descriminalização das drogas. Uns opinam que com o sinal verde e a legalização da venda e do consumo o narcotráfico perderia espaço e a saúde pública cuidaria melhor dos dependentes, a exemplo do que se faz em relação ao alcoolismo.

 

Outros alegam que a maconha deveria ser liberada, mas não as drogas sintéticas ou estupefacientes como crack, cocaína e ópio.

 

Não tenho posição formada. Pergunto-me se legalizar o plantio e o comércio da maconha não seria um passo para, mais tarde, se deparar com manifestações pela legalização do tráfico e consumo de cocaína e ecstasy...

 

Presenciei, em Zurique, no início dos anos 90, a liberação do consumo de drogas no espaço restrito da antiga estação ferroviária de Letten. Ali, sob auspícios da prefeitura, e com todo atendimento de saúde, viciados injetavam cocaína, ópio, heroína, a ponto de o local ficar conhecido como Parque das Agulhas. Em 1995, encerrou-se a experiência. Apesar do confinamento, houve aumento do índice de viciados e da criminalidade.

 

Nem sempre o debate se pergunta pelas causas da dependência de drogas. É óbvio que não basta tratar apenas dos efeitos. Aliás, em matéria de efeitos, a minha experiência com dependentes, retratada no romance “O Vencedor” (Ática), convenceu-me de que recursos médicos e terapêuticos são importantes, mas nada é tão imprescindível quanto o afeto familiar.

 

Família que não suporta o comportamento esdrúxulo e anti-social do dependente comete grave erro ao acreditar que a solução reside em interná-lo. Sem dúvida, por vezes isso se faz necessário. Por outras é o comodismo que induz a família a se distanciar, por um período, do parente insuportável. Dificilmente a internação resulta, além de desintoxicação, em abstenção definitiva da droga. Uma vez fora das grades da proteção clínica, o dependente retorna ao vício. Por quê?

 

Sou de uma geração que, na década de 1960, tinha 20 anos. Geração que injetava utopia na veia e, portanto, não se ligava em drogas. Penso que quanto mais utopia, menos droga. O que não é possível é viver sem sonho. Quem não sonha em mudar a realidade, anseia por modificar ao menos seu próprio estado de consciência diante da realidade que lhe parece pesada e absurda.

 

Muitos entram na droga pela via do buraco no peito. Falta de afeto, de auto-estima, de sentido na vida. Vão, pois, em busca de algo que, virtualmente, “preencha” o coração.

 

Assim como a porta de entrada na droga é o desamor, a de saída é obrigatoriamente o amor, o cuidado familiar, o difícil empenho de tratar como normal alguém que obviamente apresenta reações e condutas anômalas.

 

Do fundo do poço, todo drogado clama por transcender a realidade e a normalidade nas quais se encontra. Todo drogado é um místico em potencial. Todo drogado busca o que a sabedoria das mais antigas filosofias e religiões tanto apregoa (sem que possa ser escutada nessa sociedade de hedonismo consumista): a felicidade é um estado de espírito, e reside no sentido que se imprime à própria vida.

 

O viciado é tão consciente de que a felicidade se enraíza na mudança do estado de consciência que, não a alcançando pela via do absoluto, se envereda pela do absurdo. Ele sabe que sua felicidade, ainda que momentânea, depende de algo que altere a química do cérebro. Por isso, troca tudo por esse momento de “nirvana”, ainda que infrinja a lei e corra risco de vida.

 

Devemos, pois, nos perguntar se o debate a respeito da liberação das drogas não carece de ênfase nas causas da dependência química e de como tratá-las. Todos os místicos, de Pitágoras a Buda, de Plotino a João da Cruz, de Teresa de Ávila a Thomas Merton, buscaram ansiosamente isto que uma pessoa apaixonada bem conhece: experimentar o coração ser ocupado por um Outro que o incendeie e arrebate. Esta é a mais promissora das “viagens”. E tem nome: amor.

 

 

Frei Betto é escritor, autor, em parceria com Marcelo Gleiser e Waldemar Falcão

 

 

Fonte: http://www.correiocidadania.com.br/index.php?option=com_content&...

Exibições: 132

Comentário de Guilherme Cardoso de Sá em 19 outubro 2011 às 16:01

Adoro Frei Betto, otimo post. Também tenho duvidas, penso que a droga é um problema social, uma fuga em nosso sociedade industrial e viciada em trabalho. Utopia na veia é otimo, eu por exemplo injeto historia, reflexão e utopia diarimente, ja não vivo sem isso. Agora a maconha em minha concepção não é uma droga, mas seu uso, como o do alcool, perdeu o sentido como tudo em nosso convivio. Outrora estes alucinogenos eram utilizados em ritos, de transcendencia, eram as portas de uma outra percepção, porém aqui é porta dos fundos, tudo é para fugir da realidade, que deve ser transformada não mutivo de fuga.

saudações

Comentário de JOSE AMAURI DANTAS em 19 outubro 2011 às 21:50

O autor enfatiza a realidade e ao mesmo tempo bate de frente com ela.

A legalização do tráfico de drogas não faria o menor sentido uma vez estabelecido o livre comércio desses produtos, como a bebida alcoólica. Ora, se o comércio é permitido por que legalizar o tráfico? Ou melhor: como o tráfico encontraria espaço em competição com o comércio? O comércio legalizado permitiria a livre concorrência e isso contribuiria decisivamente na questão dos preços, que acaba levando o viciado a se apropriar do patrimônio alheio para manter o vício.

 

È preciso amar muito para tolerar as atitudes de um familiar que assalta e espanca a própria mãe em busca de recursos para comprar a droga pelo preço que o traficante quer. Uma vez legalizada a comercialização das drogas seria possível o viciado pedir dinheiro para adquiri-la na farmácia mais próxima, até botando a despesa no cartão de crédito de parentes, se fosse o caso.

 

Os laços familiares muitas vezes não suportam a pressão do traficante em cima do viciado e, por tabela, da família. É diferente lidar com ameaças absolutamente sem limites e nessas circunstâncias o diálogo sempre acaba em conflito.

 

Isso é que é o fundo do poço.

Comentário de Raissa Diniz em 30 outubro 2011 às 17:05

Sim, José, é preciso amar muito mesmo.

Comentar

Você precisa ser um membro de Portal Luis Nassif para adicionar comentários!

Entrar em Portal Luis Nassif

Publicidade

© 2020   Criado por Luis Nassif.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço