EUA, Otan e seus aliados na região querem destruir a Síria

EUA, Otan e seus aliados na região querem destruir a Síria

Publicado no Vermelho

As duas explosões que ocorreram na última quinta-feira (10), em Damasco às 7h30 no horário local, geraram revolta e indignação na comunidade internacional, temor e tremor na população síria e inúmeras reflexões e questionamentos na população de origem síria na imigração.

Por Claude Fahd Hajjar*


É temerário pensar que estas ações poderiam ter sido executadas por cidadãos sírios opositores ao governo; assim como é inverossímil crer que os organismos de segurança do governo do presidente Bashar Al Assad teriam algum benefício com semelhante ação.

A tragédia que assistimos pela TV deve ser atribuída a pessoas, entidades ou governos interessados em prejudicar a sociedade síria, impedindo que se estabeleça o diálogo nacional proposto pelo Conselho de Segurança (CS) da ONU. Tal diálogo só poderá ser levado a cabo se for respeitado por todas as partes do conflito. Caso isso não seja possível, o CS da ONU ameaça intervir. A impressão que temos é que, justamente quando a Síria está concluindo uma eleição para o Parlamento e concomitantemente, recebendo os observadores da ONU, os ataques se intensificam como provocações que buscam a instabilidade que justificaria uma intervenção externa.

Mas quem deseja a guerra ao diálogo?

Sabe-se através das agências de notícias que a Turquia deu abrigo e treinamento ao“exército livre sírio” na fronteira com a Síria. E a agência noticiosa da Síria mostrou o grande número de sequestros de civis, assim como franco-atiradores posicionados em Homs, que tinham como único objetivo atingir oficiais, personalidades e jovens que se negavam a empunhar armas e se mantinham solidários ao governo ou dentro de uma oposição que apoia o diálogo. 

As agências de notícias mostraram a apreensão de armas e munições que vinham da Líbia, e seriam recebidas através do porto do Líbano e contrabandeadas para a Síria. Ainda através das agências de notícias sírias e libanesas, temos conhecimento da presença de mercenários sauditas (salafitas) e outros, que estiveram presentes na Líbia e no Egito, estão agindo na Síria, e cooptados ativistas e opositores ao regime sírio mediante salários mensais.

Aqueles que lutam contra o diálogo nacional sírio só podem ser considerados criminosos a serviço de governos que desejam a morte de cidadãos sírios, a desestabilização de seu governo e plantar o temor no cidadão sírio.

Nada justifica esta carnificina que se instalou na Síria e que vem sendo financiada com o dinheiro dos países do CCG (Conselho de Cooperação do Golfo) e seus aliados, dispostos a depor o governo de Assad à revelia da opinião do povo sírio.

Que exista oposição ao governo, sim concordamos e consideramos salutar.
Que exista uma disputa política e um Diálogo Nacional para que os muitos erros sejam sanados, concordamos e consideramos assertivo. 

Mas por que destruir prédios e a morte de civis inocentes? 

Crianças e jovens a caminho do trabalho e escolas?
/body>

Exibições: 29

Comentar

Você precisa ser um membro de Portal Luis Nassif para adicionar comentários!

Entrar em Portal Luis Nassif

Publicidade

© 2019   Criado por Luis Nassif.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço