“GRANDE HOTEL BUDAPESTE”. A AÇÃO ARDILOSA DO VELHO MUNDO PELO DEDO DO PODER BÉLICO

Os capitalistas Tico e Teco voltaram a conversar sobre o mundo contemporâneo, acompanhados pela diarista Aparecida e pela filha Bytes, no dia 28 de junho de 2014, no início do Ramadã.

Tico: No dia de hoje o chefe da diplomacia russa Sergey Lavrov acusou os Estados Unidos de incentivarem a Ucrânia a desafiar Moscou. Segundo ele, as chances de resolver a crise ucraniana teriam sido maiores se dependesse apenas da Rússia e da Europa. Lavrov reconheceu que Moscou tem alguma influência sobre os rebeldes, citando a libertação de quatro observadores da Organização para a Segurança e Cooperação na Europa, mas alegou que este poder de convencimento é limitado.  "Há razões para crer que eles nos ouvem em outros aspectos da posição russa em relação à crise na Ucrânia, mas isso não significa que eles imediatamente se deslocam para atender aos nossos apelos", declarou o chanceler em entrevista a emissoras de TV russas. Hoje três membros das forças armadas da Ucrânia foram mortos quando separatistas pró-Rússia atacaram o posto perto da cidade oriental de Slaviansk. O ataque ocorreu apesar de um cessar-fogo, que foi prorrogado por Kiev até a noite de segunda-feira. Ontem, o presidente da Ucrânia, Petro Poroshenko, assinou um acordo de livre comércio e cooperação política com a União Europeia. “Nos últimos meses, a Ucrânia pagou o preço mais alto possível para tornar seus sonhos europeus realidade”, disse o presidente aos líderes europeus durante a cerimônia em Bruxelas. A Geórgia e a Moldávia assinaram acordos semelhantes, avançando o bloco econômico europeu em direção às ex-repúblicas soviéticas que ainda mantêm laços com Moscou. "É um grande dia para a Europa. A União Europeia está ao seu lado, hoje mais do que nunca", disse o presidente do Conselho Europeu, Herman Van Rompuy, a Poroshenko. "Que grande dia! Possivelmente o mais importante para meu país desde a independência em 1991", respondeu o líder ucraniano, referindo-se à soberania em relação à União Soviética. Ao comentar o acordo entre Kiev e Bruxelas, o presidente russo, Vladimir Putin, afirmou que a sociedade ucraniana está dividida por ter sido obrigada a escolher entre Europa e Rússia. "O golpe de Estado inconstitucional em Kiev e as tentativas para impor ao povo ucraniano a escolha artificial entre Europa e Rússia empurraram a sociedade para a divisão e para um doloroso confronto interno", declarou a um canal de televisão russo.

Teco: No dia de hoje a Alemanha assinou o Tratado de Versailles como país vencido na Primeira Guerra Mundial. A assinatura deixou Berlim humilhada, o que apressou a ascensão do nazismo e a Segunda Guerra Mundial 20 anos depois. O tratado foi ratificado pela Liga das Nações, a ONU da época, em 10 de janeiro de 1920. Os termos impostos à Alemanha incluíam a perda de uma parte de seu território para um número de nações fronteiriças, de todas as colônias sobre os oceanos e sobre o continente africano, restrição ao tamanho do seu exército e o pagamento de uma indenização de US$ 33 milhões aos países da Tríplice Entente pelos prejuízos causados durante a guerra. A República de Weimar foi obrigada também a reconhecer a independência da Áustria. Há 95 anos. 

Bytes: No dia de hoje o nacionalista sérvio Gavrilo Princip matou a tiros o herdeiro do Império Austro-Húngaro Franz Ferdinand em Sarajevo, ato que desencadeou a Grande Guerra. Princip, membro da facção terrorista Mão Negra, tinha o objetivo de provocar a independência das províncias eslavas do sul em relação ao Império. A motivação política para o assassinato mais tarde ficaria conhecida como a “Jovem Bósnia”. No comando dos conspiradores militares estava Dragutin Dimitrijević, chefe da espionagem sérvia, seu braço direito, o major Vojislav Tankosić e o espião Rade Malobabić. Tankosić armou e treinou os executores do atentado, enquanto Malobabić lhes deu acesso aos túneis secretos utilizados pelos agentes sérvios para infiltrar espiões e armamento na Áustria-Hungria. Apesar de os autores do atentado terem sido presos, julgados e condenados, as verdadeiras causas do atentado ainda são ainda motivos de controvérsia. De concreto apenas que o assassinato foi o motivo para a deflagração da Grande Guerra que redesenhou as fronteiras europeias com a derrota do Império Austro-Húngaro, assim como o Médio Oriente com a queda do Império Otomano. Há 1 século.

Aparecida: Hoje a Bósnia relembrou os 100 anos do assassinato de Franz Ferdinand com eventos culturais e esportivos, incluindo um concerto da Filarmônica de Viena. Alguns líderes da Sérvia programaram boicotes aos eventos oficiais. Para eles, os eventos foram idealizados como forma de incriminar os sérvios. Enquanto isso, na cidade oriental de Visegrad, atores vão reencenar o assassinato do arquiduque Ferdinando e sua esposa, Sophie, e a Filarmônica de Belgrado vai tocar a música de Vivaldi. Na Áustria, a bisneta e família de Franz Ferdinand farão eventos no castelo de Artstetten, perto de Viena, onde o arquiduque está enterrado. Nas comemorações no Centro de Sarajevo, a Filarmônica de Viena vai tocar uma seleção de músicas que remonta aos dias de Habsburgo, incluindo o quarteto Haydn Emperor. O concerto, a peça central de eventos oficiais que marcam o aniversário, será realizado na Biblioteca Nacional recém-restaurado, que foi destruída durante a Guerra da Bósnia e contará com a presença do presidente austríaco Heinz Fischer. O que você acha?

Bytes: Ontem os servo-bósnios inauguraram uma estátua em homenagem ao assassino de herdeiro da Casa de Habsburgo que deflagrou a Última Guerra Feudal. O monumento de bronze de dois metros de Gavrilo Princip, inaugurado pelo membro sérvio da Presidência tripartite da Bósnia, destaca a divisão entre os servo-bósnios, bósnio-croatas e bósnio-muçulmanos em relação à sua visão do atentado que funcionou como estopim da guerra. Os sérvios veem o assassino como herói da libertação de todos os eslavos de séculos de ocupação imperial nos Bálcãs. “Estes combatentes da liberdade de cem anos atrás nos deram um rumo para seguir para os cem anos seguintes”, disse Nebojsa Radmanovic, o servo-bósnio que compartilha a Presidência com um bósnio-croata e um bósnio-muçulmano, ao inaugurar a estátua no leste de Sarajevo, região sob controle dos servo-bósnios. Cerca de mil pessoas, incluindo crianças, assistiram à cerimônia que contou com uma encenação do atentado, cujo ápice foi quando um jovem, interpretando Princip, sacou a arma para acabar com uma valsa do compositor austríaco Johann Strauss. “Quem quer viver deve morrer, quem quer morrer deve viver!”, gritou a multidão, antes do início de uma dança folclórica sérvia. Atos de grande provocação à Áustria.

Aparecida: Por falar na Áustria, o governo austríaco confirmou que o país não abrirá mão do gasoduto do Sul que levará o gás russo à Europa sem passar pela Ucrânia. A confirmação foi dada pelo presidente Heinz Fischer ao colega Putin durante visita do líder russo a Viena (acima). Anteontem, o comissário europeu da Energia, Gunther Oettinger, advertiu que os países do bloco econômico que se mostrarem favoráveis ao projeto do gasoduto sentirão “sérias consequências”. O que você acha?

Bytes: Durante evento em companhia de Putin, que reuniu também empresários austríacos, Fischer disse que como ele pode explicar ao seu povo sobre a desistência do gasoduto se ele passa por países da Otan. E rejeitou as críticas contra a Áustria por o seu país participar do projeto: "Se alguém critica a Áustria porque tomamos parte nele, vale a pena que repare na Hungria, Bulgária, Sérvia e toda a variedade de empresas europeias que participam dele, para que sejam também criticadas".

Aparecida: Por falar em Bulgária, a autoridade monetária do país mal assumiu e já está enfrentando uma onda especulativa. Boatos de falência do terceiro maior banco do país levou uma corrida de correntistas para retirar o seu dinheiro. As ações do First Investment Bank ontem caíram 23%. O primeiro-ministro, Plamen Oresharski, afirmou publicamente não haver razões para preocupações e o ministro do Interior, Tsvetlin Yovchev, anunciou uma investigação para descobrir a origem das notícias que correm sobre a instabilidade dos bancos. “Disseram-me para vir aqui e levar o meu dinheiro embora”, explicou à Reuters uma mulher de 32 anos, que não quis ser identificada. “Espero que não nos fechem a porta na cara”, acrescentou. A instabilidade política é muito grande, o que deve culminar numa nova eleição. Tudo isso tem a ver com o “polêmico” gasoduto?

Bytes: O que podemos afirmar é que o presidente da empresa de energia austríaca OMV, Gerhard Roiss, alegou que a “Europa precisa de gás russo e precisará de mais gás russo no futuro, porque a produção europeia de gás está em declínio”. E concluiu: “Eu acho que a União Europeia entende isso, também". Em entrevista à imprensa, o considerado “independente” Fischer disse que Viena não participará das sanções econômicas contra a Rússia, terceira maior investidora do país, mas condenou a anexação da Crimeia porque, segundo ele, fere o “direito internacional”. O encontro com os empresários austríacos, que precisam de energia barata para competir internacionalmente, foi bastante descontraído. Em determinado momento o presidente da Câmara de Comércio da Áustria lembrou que parte da Ucrânia já fez parte do Império Austro-Húngaro antes da Primeira Guerra Mundial. Bem-humorado, Putin respondeu: "O que é que você quer dizer com isso? O que você está propondo?", levando o empresariado austríaco a gargalhadas.

Aparecida: O que pensa Putin sobre a polêmica que virou o Gasoduto do Sul?

Bytes: Putin, que chamou a Áustria de “parceira confiável”, acusou os Estados Unidos de quererem vender o gás estadunidense para a Europa. "Eles são concorrentes. É uma situação normal. E eles estão fazendo tudo para frustrar o contrato. Assim como o foi há décadas. Não há nada de incomum, é uma luta competitiva e nela são usados também meios políticos​", disse o líder russo. E acrescentou ao seu raciocínio: “Nossos amigos dos Estados Unidos estão descontentes com o Gasoduto do Sul. Mas em 1962 não lhes agradava muito o início do projeto soviético-alemão ´gás em troca de tubagens´. Hoje, nada se mudou, a não ser que os Estados Unidos desejem fornecer seu gás para o mercado da Europa. Mas posso garantir que este gás não será mais barato que o russo: o combustível que se fornece mediante gasodutos, normalmente, tem um preço mais baixo que o gás liquefeito. De qualquer forma, eles não deixam de ser os concorrentes nossos, sendo essa uma situação normal. Mas eles estão fazendo os possíveis para frustrar a realização desse contrato, de mesma forma como havia há décadas. No decurso dessa luta concorrencial se utilizam ainda métodos políticos”, acrescentou. Na conversa com os empresários, ele lembrou que a Áustria foi o primeiro país a furar o bloqueio de Washington durante a Guerra Fria e firmar contrato de energia com Moscou em 1968. Para Putin, o ianque é que o nazista.

Aparecida: Para a presidente da Lituânia, Dalia Grybauskaite, Putin é a mistura de Hitler com Stalin. “Putin utiliza a questão nacional a fim de atravessar territórios alheios. Foi precisamente assim que procederam Hitler e Stalin. Semelhantes analogias são perfeitamente adequadas”, disse Grybauskaite, em entrevista à revista alemã “Focus”. Segundo ela, a Rússia quer conservar a sua influência no território da antiga União Soviética, incluindo os países do Báltico. A presidente lituana revelou que Moscou tinha feito uma tentativa de persuadir a Lituânia a sair da OTAN em troca do fornecimento de hidrocarbonetos baratos. Grybauskaite afirma que as mesmas propostas foram feitas aos seus colegas da Letônia e da Estônia. O que você acha?

Bytes: Para Moscou, a Ucrânia é que está sendo governada pelos nazistas. Tudo é uma questão de ponto de vista. Para o chanceler sueco, Carl Bildt, o interesse de Putin é dividir a Europa. “Isso não é nada novo. Isso é o que os russos sempre tentam fazer quando eles estão encurralados", disse o chefe da diplomacia sueca em entrevista à emissora austríaca ORF na última segunda-feira. No mesmo dia o presidente da Armênia, Serzh Sargsyan, disse durante um encontro com o chanceler russo, Sergei Lavrov. Segundo ele, esse é o único tipo de aproximação que corresponde às tradições históricas das duas nações, baseadas em “alianças de natureza estratégica”.

Aparecida: A Ucrânia será beneficiada com a adesão à União Europeia?

Bytes: Segundo o chefe do comitê parlamentar para Assuntos Internacionais, Alexei Pushkov, a Ucrânia perderá até US$ 40 bilhões em um ano após abrir suas fronteiras aos mercados da União Europeia. "A Ucrânia não poderá vender seus produtos ao mercado russo nas mesmas condições que antes, já que cada zona de livre-comércio tem suas exigências, e devido a isto Rússia terá que revisar as condições nas quais comercializamos com a Ucrânia", disse o deputado da governamental Rússia Unida.

Aparecida: E como pensa o governo dos Estados Unidos?

Bytes: Deu no jornal “O Globo” de 24 de junho de 1964, cuja manchete foi “Documentos comprovam de Goulart mantinha estreitas ligações com os comunistas”: “O ex-presidente João Goulart idealizou, em 1954, a criação do Partido Popular Democrático, com vistas à formação da República Sindicalista, na qual seria eleitos apenas representantes das entidades e trabalhadores. Além disso – souberam as autoridades do atual govêrno – o Sr. João Goulart mantinha estreitas relações com os comunistas brasileiros, conforme relatório da reunião realizada em 8 de agôsto de 1954, presidida pelo Sr. Luís Carlos Prestes, em Araguari, Minas. Prestes recebeu, na ocasião, um apêlo do Sr. João Goulart para a criação do novo partido e concordou em atendê-lo”. E mais: “Castelo Branco vai pedir salário-educação para dar escola a um milhão e meio. Na visita que fêz ontem à Universidade do Ceará, o Presidente da República anunciou que nos próximos dias enviará projeto ao Congresso propondo a criação do salário-educação, que incidirá sôbre as empresas.  A notícia repercutiu imediatamente entre as classes produtoras cearenses, que se manifestaram favoráveis ao projeto, por considerá-lo justo e oportuno”. E mais: “Do editorial ´A linha do govêrno´.  Na entrevista que concedeu à imprensa no Ceará, o Presidente da República situou-se muito bem ao dizer que a ideologia da Revolução deve ser aquela que nos conduza para a frente, conseqüentemente, nem a da extrema-direita, que é reacionária, nem a da extrema-esquerda, que é subversiva. Conduzir para a frente significa, evidentemente, dar ao País as condições de progresso e desenvolvimento indispensáveis a implantação de uma era de justiça e bem-estar social. Significa dirigir a Nação sem deixar cingir pelas limitações impostas pelas posições ideológicas radicais, preconceitos e concessões demagógicas, mas tendo em mira, acima de tudo, o interêsse nacional”.

Aparecida: Deu no jornal “O Globo” de 24 de junho de 2014, 50 anos depois: “Crise da dívida. Argentina pede mais prazo para negociar. Suspensão de sentença pode evitar calote dia 30. Juiz americano designa mediador para conflito com fundos. Bolsa de Buenos Aires sobe 8,7%”. E mais: “Eleições 2014. Pezão abre palanque para Aécio no Rio. Ao formalizar aliança com o ex-prefeito César Maia (DEM), que concorrerá ao Senado, o governador Pezão (PMDB), candidato à reeleição, admitiu pela primeira vez dividir palanque no Rio também com Aécio Neves (PSDB), além da presidente Dilma (PT)”. E mais: “Copa 2014. Movida a Neymar. Seleção goleia Camarões por 4 a 1 e enfrentará Chile nas oitavas”.  E mais: “Petrobras ocultou custos de refinaria. A Petrobras trabalhou com um orçamento sigiloso de contratação de serviços e equipamentos para a Refinaria de Abreu e Lima, em Pernambuco. Várias vezes o Tribunal de Contas da União (TCU) pediu as estimativas de custos, mas só começou a receber a documentação anos depois do início das obras”.

Bytes:  O colunista Arnaldo Jabor escreveu o texto “Entrevista exclusiva com Stalin”: “Entrevista? Eu?” — Sim, camarada Stalin... Estamos em um momento histórico importante... O camarada está sendo relembrado em tantos países, inclusive na Rússia. O camarada está na moda...— Você é do Brasil, não é? Saudades do Prestes... Ele está onde? — Morreu e deve estar por aqui. — Aqui neste limbo onde estou não tem ninguém. É o purgatório dos ditadores; não há ninguém para nos ouvir. Imenso céu branco e vazio. Esta é a nossa punição. — Você está feliz aqui, “tovarich”? — Eu virei uma sombra do que fui; sou até usado como xingamento, confundido com os fascistas e nazistas que eram uma imitação barata do bolchevismo. Esses merdas deviam me agradecer porque não existiriam se eu não tivesse mandado aqueles comunas alemães não votar na social-democracia, nossa principal inimiga. Aí, o nazismo ganhou. Se não fosse eu, o Hitler não tinha subido...”

Aparecida: O que leva à ditadura?

Bytes: A ignorância existencial. O problema é que os socialistas não aceitam a ciência contemporânea: o espaço-tempo que cria a matéria. Mas a dialética entre eles será vantajosa para os capitalistas. Viva!

Aparecida: Ah, entendi! Está escrito na Gênesis, a “origem”, sobre o patriarca do monoteísmo: “Ora, eram maus os homens de Sodoma, e grandes pecadores contra o Senhor. E disse o Senhor a Abrão, depois que Ló se apartou dele: Levanta agora os teus olhos, e olha desde o lugar onde estás, para o lado do norte, e do sul, e do oriente, e do ocidente. Porque toda esta terra que vês, te hei de dar a ti, e à tua descendência, para sempre. E farei a tua descendência como o pó da terra; de maneira que se alguém puder contar o pó da terra, também a tua descendência será contada. Levanta-te, percorre essa terra, no seu comprimento e na sua largura; porque a ti a darei. E Abrão mudou as suas tendas, e foi, e habitou nos carvalhais de Manre, que estão junto a Hebrom; e edificou ali um altar ao Senhor”.

Tico: No dia de hoje o líder supremo do Irã, aiatolá Ali Khamenei, chamou o conflito no Iraque de "confronto entre a humanidade e a selvageria" e criticou a mídia ocidental por retratá-lo como uma guerra entre muçulmanos xiitas e sunitas. “Potências estrangeiras frequentemente exploraram as divisões étnicas e religiosas em Estados muçulmanos e sonham com uma guerra entre xiitas e sunitas que não irá acontecer”, disse o líder espiritual em Teerã, de acordo com um comunicado oficial. Ele alertou contra o que chamou de propaganda ocidental sobre "um elenco de idiotas e sobras de Saddam Hussein", em aparente referência aos integrantes do Estado Islâmico do Iraque e do Levante e a tribos sunitas que apoiavam Saddam e agora lutam com os guerrilheiros. "É uma batalha entre opositores e apoiadores do terrorismo, é uma guerra entre os fãs da América e do Ocidente e aqueles que favorecem a independência de sua nação", disse Khamenei. Hoje aeronaves armadas dos Estados Unidos sobrevoaram o Iraque. Em Damasco, o vice-ministro dos Negócios Estrangeiros russo, Serguei Ryabkov, afirmou que Moscou não ficará "de braços cruzados" face à ofensiva de grupos "jihadistas" no Iraque. "A Rússia não vai ficar de braços cruzados face às tentativas de grupos de propagar o terrorismo nos países da região", disse Ryabkov numa conferência de imprensa depois de um encontro com o presidente sírio, Bashar al-Assad. "A situação é muito perigosa no Iraque e ameaça os fundamentos do Estado iraquiano", acrescentou. Questionado sobre a política externa dos Estados Unidos que pretende armar a oposição moderada da Síria, Ryabkov defendeu a “solução política”. "Rejeitamos essa política norte-americana. É do interesse de todos, incluindo dos norte-americanos, adotar uma posição responsável em relação à crise síria", declarou. Hoje o secretário de Estado dos EUA, John Kerry, sinalizou que Washington espera recrutar combatentes moderados da oposição síria para entrar no conflito interno do Iraque, o que poderá desestabilizar ainda mais a região. "Obviamente, à luz do que aconteceu no Iraque, temos ainda mais o que falar em termos da oposição moderada na Síria, que tem a capacidade de ser um agente muito importante em pressionar a presença do Estado Islâmico do Iraque e do Levante e para tê-los não apenas na Síria, mas também no Iraque", disse Kerry no início de uma reunião com o líder da oposição síria, Ahmad al-Jarba.

Teco: No dia de hoje o Parlamento israelense votou a anexação de Jerusalém Oriental após a conquista da Cidade Velha na Guerra dos Seis Dias. Em 1980, o Knesset aprovou uma lei ratificando a anexação da parte oriental da cidade e declarando "Jerusalém unificada capital eterna do Estado".  Em 2008, o Parlamento aprovou em votação preliminar um projeto de lei que define Jerusalém como "a capital de Israel e do povo judeu", apesar de na parte oriental da cidade viverem mais de 200 mil palestinos. No último dia 28 de maio, Jerusalém foi palco de manifestações nacionalistas de Israel. Com bandeiras do país, dezenas de milhares de manifestantes, alguns deles muito jovens, marcharam e dançaram nas principais ruas da Cidade Velha, bem como no bairro muçulmano, sobretudo na entrada de Damasco. Com música e cânticos judaicos, eles cantaram comemoraram a "reunificação" de Jerusalém, após a anexação de sua parte oriental por Israel durante a guerra de 1967. "Há 47 anos Jerusalém foi unificada e ela nunca mais será dividida", disse Benjamin Netanyahu durante uma sessão especial do Knesset. “Nunca mais haverá congelamento da construção em Jerusalém e, entre o Jordão e o mar, haverá um único Estado, o Estado de Israel", disse Uri Ariel, ministro da Habitação, referindo-se ao Mediterrâneo. Já Tzipi Livni, ministra da Justiça, ameaçou deixar a coalizão. "Não haverá anexação enquanto eu estiver no governo", garantiu. A anexação de Jerusalém Oriental foi aprovada pelo Parlamento israelense há 47 anos.

Bytes: No dia de hoje terminou a Batalha de Antioquia durante a Primeira Cruzada. A cidade, atual Antakya na Turquia, foi conquistada pelos latinos sob a liderança de místicos que viam a vitória com o auxílio de santos, como São Jorge. Dois meses antes da batalha, uma embaixada do Califado Fatímida tentou negociar uma paz com os cristãos, uma vez que ambos possuíam inimigos em comum: os turcos seljúcidas. O místico Pedro, o Eremita, fluente em árabe, foi enviado para as negociações com os muçulmanos, sem sucesso. Pensando que os cruzados eram simples mercenários do Império Bizantino, os egípcios estavam dispostos a deixá-los de posse da Síria se concordassem em não atacar a Palestina fatímida, a fim de equilibrar as forças no Médio Oriente com as invasores turcos. O interesse dos cruzados, no entanto, era “libertar” Jerusalém da fé islâmica. No mês seguinte, um exército muçulmano de Mossul, sob o comando de Kerbogha, se aproximou de Antioquia. Muito mais numeroso do que as anteriores, ele contava com forças que vinham de Alepo e de Damasco, para além de persas e ortoquidas da Mesopotâmia. Kerbogha, no entanto, subestimou a força dos cruzados e foi derrotado. Há 916 anos. 

Aparecida: Por falar em Médio Oriente, em conversa com o colega estadunidense Barack Obama, o presidente de Israel, Shimon Peres, disse que “o melhor que poderia acontecer é o Iraque continuar sendo um país unido, mas me pergunto se isso é possível”. Ele sugeriu que “as nações estrangeiras façam a mediação nas disputas entre xiitas e sunitas” ou “decidam quem é o verdadeiro herdeiro de Maomé”. O que você acha?

Bytes: Segundo Chelsea Manning, que vazou informações secretas do governo estadunidense para o portal WikiLeaks, após a ocupação dos Estados Unidos no Iraque a estratégia foi criar conflitos entre xiitas e sunitas. A arte do Império Britânico de “dividir para governar”.

Aparecida: O primeiro-ministro iraquiano Nuri al-Maliki disse ou não disse que aviões da Síria invadiram o Iraque? Ele disse que foi mal interpretado pela BBC, mas o que ficou é o registro que ele confirmou as denúncias de “testemunhas” do fato que informaram à imprensa ocidental. O que você acha?

Bytes: Os jihadistas que lutam no Iraque estão se apoderando não só de bastiões do petróleo, mas da água. Desde 12 de junho os radicais estão tomando controle da maioria das obras hidráulicas construída no Tigre, como represas elétricas e vastos reservatórios no Norte de Mossul e Tikrit. Poucas semanas antes eles já tinham feito o mesmo ao entrar em Fallujah, situada no Eufrates. A água é um problema no Médio Oriente. Com a palavra o Iêmen e a Turquia. Para os capitalistas, meia palavra basta.

Aparecida: Por falar em Médio Oriente, o presidente da Autoridade Nacional Palestina, Mahmoud Abbas, foi a Moscou onde se reuniu com Putin. O líder russo disse a Abbas que estava “muito contente pela oportunidade” do encontro e do debate sobre o atual contexto na Palestina. O presidente da ANP foi pedir a interferência da Rússia para o reinício das conversações com Israel, abaladas após o sumiço de três adolescentes judeus na Cisjordânia. Anteontem, Abbas recebeu o título de doutor honoris causa da Academia de Diplomacia da Rússia por ocasião dos 40 anos das relações entre Rússia e Palestina (acima). O presidente palestino afirmou que as relações com a Rússia desenvolveram-se em todos os níveis e que as posições do Kremlin têm contribuído decisivamente para avançar formas de alcançar a paz. Anteontem, o Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas emitiu uma advertência sobre as repercussões da agressão israelense generalizada contra os palestinos. O que você acha?

Bytes: Abbas já não confia mais na intervenção dos Estados Unidos em busca da paz. Não só ele. Anteontem, o presidente do Egito, Abdel Fatah al-Sisi, advertiu que a África está ameaçada pelo terrorismo transfronteiriço dos grupos jihadistas, durante a abertura da cúpula da União Africana. "Os dirigentes devem enfrentar com força esta praga para preservar a dignidade de nossas populações e nossas economias", afirmou. "Condenamos qualquer forma de terrorismo", insistiu, assegurando que isso "destrói os Estados, as populações e a religião", acrescentou. Segundo ele, "este perigo comum nos obriga a reforçar nossa cooperação em termos de segurança". Muito aplaudido, o líder egípcio marcou, com sua presença, a volta do Egito à União Africana, da qual foi suspenso depois do golpe de Estado de julho de 2013 contra seu predecessor, o islamita Mohamed Mursi. Al-Sisi fez referência em seu discurso à Líbia, a fim de que o país recupere "a unidade e a integridade em seu território". As armas dadas pelas potências ocidentais aos jihadistas para derrubar Kadafi está fazendo história porque ameaça os “interesses econômicos”. Para os capitalistas, meia palavra basta.

Aparecida: E como pensa o governo dos Estados Unidos?

Bytes: Deu no jornal “O Globo” de 26 de junho de 1964, cuja manchete foi “O Congresso não aprovará a maioria absoluta como solicitou o Executivo”: “De tôdas as áreas políticas estão surgindo pronunciamentos contrários à tese, principalmente quanto ao aspecto relativo à eleição indireta pelo Congresso, em que o texto original determina que o candidato mais votado no pleito direto, não alcançando a maioria absoluta, dispute a Presidência da República com candidato não submetido ao voto popular”. E mais: “Abelardo Jurema montou um esquema subversivo para a derrubada do regime. O ex-ministro da Justiça pretendia organizar uma unidade armada para apoiar o golpe tramado pelo presidente deposto. Essa fôrça militar seria constituída com os optantes das Polícias Militar e Civil da Guanabara e com as tropas de choque comandadas pelo Almirante Cândido Aragão. No esquema estavam previstos, também, isolamento do Congresso, decretação do estado de sítio, intervenção na Guanabara e pressão à imprensa”. E mais: “O comércio apóia esforços do govêrno para fomentar intercâmbio com o exterior. A afirmativa é do Sr. Rui Gomes de Almeida, presidente da Associação Comercial do Rio de Janeiro, que em declarações a O GLOBO acrescentou: ´É êsse um assunto de interêsse permanente das classes produtoras, e o momento é oportuno coordenar melhor as tarefas de diversos órgãos que possam contribuir para incentivar a colocação de produtos brasileiros no exterior”.  

Aparecida: Deu no jornal “O Globo” de 26 de junho de 2014, 50 anos depois: “Mensalão. Supremo autoriza Dirceu a trabalhar fora da prisão. Tese de Barbosa foi rejeitada por 9 a1; já Genoino tem pedido negado. Presidente do STF que havia recusado solicitação do ex-ministro, não participou da sessão. Demais recursos agora serão decididos pelo ministro Barroso, novo relator do caso”. E mais: “Eleições 2014. Planalto cobrou do PMDB nomes de prefeitos que apoiam Aécio. Um funcionário da Secretaria de Relações Institucionais da Presidência enviou e-mail à assessoria do PMDB do Rio cobrando o nome dos prefeitos que aderiram ao movimento Aezão. O responsável pela pasta, Ricardo Berzoíni, confirmou o pedido: Isso é do jogo”.  E mais: “Sem licitação. Mercado vê risco para Petrobras. Reserva de petróleo entregue pela União exigirá investimento de US$ 60 bilhões. Dividida da Petrobras subiu 352% em cinco anos”.

Bytes: O jornal “O Globo” publicou o editorial “Contabilidade criativa usa a Petrobras”: “É difícil acreditar que tenha sido absolutamente técnica a decisão do governo de estender as áreas hoje exploradas pela Petrobras, sob a forma de cessão onerosa, na camada do pré-sal da Bacia de Santos. Considerando-se os precedentes de uso de técnicas de contabilidade criativa para que as contas públicas atinjam os parâmetros que o próprio governo se compromete a alcançar nas diretrizes orçamentárias, é provável que tal recurso esteja sendo novamente utilizado pelas autoridades, para que no exercício de 2014 — um ano de eleições gerais — os números apareçam bem na fotografia. Afinal, a ampliação das áreas implica a transferência de recursos da estatal para o Tesouro a título de bônus de assinatura — R$ 2 bilhões, para oxigenar combalidas contas públicas”.

Aparecida: O seu Carlos disse, exaltado: “O PT está querendo retaliar os prefeitos que aderiram ao Aécio. Amanhã, a Gestapo brasileira já estará mais visível”. O que você acha?

Bytes: Não somos petistas, nem tucanos, mas realistas. Pegou muito mal a declaração do Aécio aos integrantes da base aliada do governo que aderiram à sua candidatura de que eles deveriam “sugar muito agora e depois ir para o seu lado”. Sugar quem? A Dilma ou o Estado? Se for o Estado fica a imagem dos vampiros que passam para o outro lado a fim de que tudo se mantenha. A imagem do PDS que se bandeou para a candidatura do seu avô Tancredo.

Aparecida: A Marina e o Eduardo Campos vão destruir o assalto ao Estado como prometem?

Bytes: Se a população eleger os deputados sanguessuga, eles terão que compor. Não poderão viver só de mídia. O Collor é testemunha. Para os capitalistas, meia palavra basta.

Aparecida: O seu Carlos disse, exaltado: “O déficit do governo foi a R$ 10 bilhões, um recorde. Essa raça do PT está acabando com o Brasil, assim como a Kirchner e o Maduro estão fazendo com o seu país. A Argentina está indo para a prorrogação, pois o juiz estadunidense mandou devolver o depósito feito aos credores” O que você acha? Diversas cidades venezuelanas, incluindo Caracas, ficaram ontem sem luz.

Bytes: No caso argentino, o sistema financeiro tem uma “lógica de mercado” que é maior do que a justiça partidária dos homens. E Jonas pregou em Nínive. Para os capitalistas, meia palavra basta.

Aparecida: Ah, entendi! Escreveu o apóstolo Paulo sobre a pregação em Antioquia: “Os que tinham sido dispersos por causa da perseguição desencadeada com a morte de Estêvão chegaram até à Fenícia, Chipre e Antioquia, anunciando a mensagem apenas aos judeus. Alguns deles, todavia, cipriotas e cireneus, foram a Antioquia e começaram a falar também aos gregos, contando-lhes as boas novas a respeito do Senhor Jesus. A mão do Senhor estava com eles, e muitos creram e se converteram ao Senhor. Notícias desse fato chegaram aos ouvidos da igreja em Jerusalém, e eles enviaram Barnabé a Antioquia. Este, ali chegando e vendo a graça de Deus, ficou alegre e os animou a permanecerem fiéis ao Senhor, de todo o coração. Ele era um homem bom, cheio do Espírito Santo e de fé; e muitas pessoas foram acrescentadas ao Senhor. Então Barnabé foi a Tarso procurar Saulo e, quando o encontrou, levou-o para Antioquia. Assim, durante um ano inteiro Barnabé e Saulo se reuniram com a igreja e ensinaram a muitos. Em Antioquia, os discípulos foram pela primeira vez chamados cristãos”.

Tico: No dia de hoje a oposição argentina saiu a decisão da justiça do país de processar o vice-presidente do país, Amado Boudou, por corrupção. O advogado de defesa de Boudou, Diego Pirota, criticou a decisão do juiz federal Ariel Lijo, chamando a medida de "um conto de fadas contado de uma forma uma fantasiosa". Ele anunciou que vai recorrer da decisão na próxima sexta-feira. O vice-presidente está viajando e deve retornar ao país na quinta-feira. O juiz Lijo determinou que Boudou deve ser processado por corrupção e negociações incompatíveis com o cargo público tendo em vista uma suposta participação em uma manobra ilegal para adquirir a única empresa que imprime notas da moeda no país e, em seguida, se beneficiar de contratos lucrativos com o Estado. O magistrado também ordenou o embargo de 200 mil pesos sobre os bens do político. O pré-candidato da oposição à presidência e ex-vice-presidente Julio Cobos pediu no sábado o afastamento de Boudou do governo nacional e avisou que pedirá o impeachment do político. O governo argentino vem sofrendo um revés político que atingiu também o econômico. Ontem, o juiz de Nova York Thomas Griesa determinou que o Banco de Nova York Mellon devolva os US$ 539 milhões depositados na véspera pela Argentina, para honrar um vencimento de bônus no próximo dia 30, com credores que participaram das reestruturações da dívida em 2005 e 2010. Para o governo argentino, ao determinar a devolução dos recursos à Argentina, "o juiz cometeu abuso de autoridade e excedeu sua jurisdição, porque os bônus da reestruturação não são objeto do litígio, e sim os bônus da megatroca, que os 'fundos abutres' compraram a preços ridículos, para obter lucros siderais". Em audiência convocada na Corte Distrital de Nova York para tratar do litígio entre o país e o fundo NML Capital, do megainvestidor Paul Singer, Griesa disse que o pagamento feito pelo país é ilegal, mas defendeu um acordo entre as partes. Na quarta-feira, o ministro da Economia da Argentina, Axel Kicillof, afirmou na sede da ONU que a ação dos fundos especulativos, chamados por esse país de "fundos abutre", põe em perigo o sistema financeiro global. "Nos impuseram condições que põem em risco, não apenas a reestruturação (da dívida externa), mas a economia em seu conjunto", declarou o ministro argentino. O embaixador brasileiro na ONU, Antonio Patriota, um dos que discursaram após Kicillof, demonstrou sua preocupação com o fato de que a conduta "irresponsável" e "moralmente questionável" destes fundos "pode ser perfeitamente legal".

Teco: No dia de hoje um golpe de Estado derrubou o presidente constitucional Arturo Illia, iniciando mais uma ditadura na Argentina. O levante militar deu origem a uma ditadura autodenominada “Revolução Argentina”, que não se apresentou como “governo provisório”, como em todos os golpes anteriores, mas que se estabeleceu como um sistema de tipo permanente. Ela esteve acima da Constituição do país e contou com o apoio dos Estados Unidos e da Europa. As lutas entre os diversos setores militares produziram dois golpes internos, sucedendo-se no poder três ditadores militares: Juan Carlos Onganía, Marcelo Levingston e Alejandro Agustín Lanusse. Há 48 anos.

Bytes: Hoje começou o Ramadã, o mês sagrado para os muçulmanos. Até o dia 27 de julho, os islâmicos comemoram a revelação que o profeta Maomé recebeu de Deus para escrever o alcorão, o livro sagrado para os muçulmanos. É um mês em que eles se dedicaram à caridade e fazem jejum. É mais importante que a Festa do Sacrifício quando os islâmicos lembram a passagem de Ibrahim, Abraão na tradição judaico-cristã, que quase sacrificou o seu próprio filho, Ismael, em nome da fé.

Aparecida: No dia de hoje nascia, há 131 anos, o político francês Pierre Laval. Ferrenho marxista e pacifista durante a Primeira Guerra Mundial, ele se tornou um aliado de Adolf Hitler durante a ocupação alemã da França. Ao longo do seu percurso político, ele trocou a esquerda pela extrema-direita ganhando a simpatia dos nazistas. Depois da invasão alemã, que em cerca de dois meses ocupou mais da metade do território francês, ele ocupou o cargo de primeiro-ministro da França de Vichy, a França nazista. Após o fim da Segunda Guerra Mundial, Laval acabou condenado à morte por um tribunal francês por alta traição e violação da segurança do Estado.

Bytes: Bytes: No dia de hoje morreu, há 101 anos, o presidente brasileiro Campos Sales. Ele recebeu o apelido de Campos Selos, por causa do imposto do selo, sendo vaiado ao deixar a presidência também por causa de sua política de ajuste financeiro que incluíra a retirada de circulação de papel-moeda, o que dificultou o consumo interno e o comércio. Deixou escrito: “Entendi dever consagrar o meu governo a uma obra puramente de administração, separando-o dos interesses e paixões partidárias, para só cuidar da solução dos complicados problemas que constituem o legado de um longo passado. Compreendi que não seria através da vivacidade incandescente das lutas políticas, aliás sem objetivo, que eu chegaria a salvar os créditos da nação, comprometidos em uma concordata com os credores externos!”. Sobre a acusação de ter patrocinado a “política dos governadores” na vida política brasileira, se defendeu: “Neste regime, disse eu na minha última mensagem, a verdadeira força política, que no apertado unitarismo do Império residia no poder central, deslocou-se para os Estados. A Política dos Estados, isto é, a política que fortifica os vínculos de harmonia entre os Estados e a União é, pois, na sua essência, a política nacional. É lá, na soma destas unidades autônomas, que se encontra a verdadeira soberania da opinião. O que pensam os Estados pensa a União!” E concluiu: “Outros deram à minha política a denominação de "Política dos Governadores". Teriam acertado se dissessem "Política dos Estados". Esta denominação exprimiria melhor o meu pensamento!”

Aparecida: No dia de hoje nasceu, há 48 anos, o ator John Kusack. Ele foi um dos protagonistas do filme “2012”, de Roland Emmerich, baseado nas profecias Maia. Uma das cenas mais impactantes é a destruição da estátua do Cristo Redentor pela força das marés.

Bytes: Ontem eu fui assistir ao filme “Grande hotel Budapeste”, de Wes Anderson. Foi uma pré-estreia já que oficialmente ele entra em cartaz na próxima quinta-feira. É um trabalho magistral do diretor e um desempenho impecável de Ralph Fiennes. A história se baseou no roteiro do judeu austríaco Stefan Zweig, nascido em Viena, que veio morar no Brasil para fugir do Holocausto. Dedos e cabeças decepadas se alternam com um dono de hotel que ama os seus hóspedes para ilustrar o Velho Continente em seu colapso econômico o poder destrutivo do conflito bélico e um trágico ensaio sobre a memória e a nostalgia num tempo entre a Primeira e a Segunda Guerra Mundial. Palmas.

Aparecida: E como pensa o governo dos Estados Unidos?

Bytes: Deu no jornal “O Globo” de 25 de junho de 1964, cuja manchete foi “Apreendidos documentos clandestinos da rearticulação comunista no Brasil. Sabotagem e guerra psicológica, ação guerrilheira e espionagem”. “Metas de terrorismo político passadas de mão e mão, em circulares secretas, tentam reagrupar fôrças e provocar agitações visando a derrubar o Govêrno Castelo Branco – ataques a Jango e Brizola – falsa exibição de fôrça porque esperavam que Jango lhes distribuísse armas – Guerra psicológica: reduzir as compras, atrasar os pagamentos, corrida bancária, greve branca – Plano de agitação combinado com a organização e treinamento militar de ´milícias populares´ com vistas ao desencadeamento de guerrilhas – Como o comunismo pretende sabotar a Revolução de Abril”. E mais: “Lacerda cancela ida a Miami por ter que regressar ao Brasil. O Governador Carlos Lacerda cancelou, ontem, sua visita a esta cidade, onde se dissera falaria aos exilados cubanos. Em telegrama enviado de Nova York ao presidente do Colégio Médico cubano no exílio, Dr. Henrique Hertas, o Governador assinala: ´Tenho que voltar ao Brasil muito antes que pensava´. Os médicos cubanos no exílio organizavam um ato popular para o próximo dia 4 de julho, no qual Lacerda seria o principal orador. Em conseqüência, o ato foi suspenso”.  E mais: “Castelo Branco afirma que sua missão é administrar e não dar favores políticos. Falando aos Governadores, em Fortaleza, o Presidente da República disse que na solução dos problemas não deseja fazer corretagem política com verbas dos Estados. Acentuou a necessidade de os Estados agirem contra a sonegação, o empreguismo e a corrupção, assegurou que dará método à entrega das parcelas orçamentárias e, evocando Rui Barbosa, observou que não se deve plantar couve para o prato do dia, mas carvalho, para o abrigo futuro”.

Aparecida: Deu no jornal “O Globo” de 25 de junho de 2014, 50 anos depois: “Acerto de caixa. União faz contrato de R$ 2 bi com Petrobras sem licitação. Área com potencial de até 14 bilhões de barris é entregue à estatal. Dinheiro ajudará o governo a fechar suas contas. Para analistas, operação afugenta investidores”. E mais: “Combate ao crime no Rio. Solução de homicídios sobe de 4,1% para 27,5%”. E mais: “Professores. Baixa dedicação exclusiva no país. Levantamento realizado com cem professores em 34 países revelou que apenas 40% dos docentes brasileiros do ensino fundamental têm dedicação exclusiva. Nas demais nações pesquisadas a média é de 82%”.

Bytes: O jornal “O Globo” publicou o artigo “O Brasil já ganhou a Copa”, do empresário Francisco Soares Brandão. “Em maio último, uma portuguesa que vive na francesa Lyon, ao me identificar como brasileiro, perguntou-me, espantada: “Como o Brasil vai fazer a Copa, porque a situação lá está pior do que no Afeganistão?” Fiquei chocado com a comparação. Desde então, aumentaram meus pesadelos com reportagens as mais negativas e terríveis sobre o Brasil nas mídias internacionais durante a Copa do Mundo. Confesso que estava preocupado com o ritmo da preparação do Brasil para sediar o maior evento esportivo do planeta. Evitava engrossar o time daqueles que previam um desastre, com estádios inacabados, cidades paradas por manifestações e pelo trânsito caótico, aeroportos em colapso. Mas temia os atrasos. Ainda estamos nas oitavas de final, mas já ganhamos a Copa. Os estádios ficaram prontos e são belas obras de engenharia. Especialmente, estão lotados de gente alegre, colorida, animada”.

Aparecida: O Brasil já ganhou a Copa?

Bytes: Ainda estamos no primeiro tempo. A Copa só acaba no dia 13 de julho, mas o jogo de hoje foi bem significativo porque representa o estágio atual do Brasil. Quando parece que vamos golear, vem um pessimismo assustador com o que é mostrado pelos seus jogadores. Mas ainda estamos vivos no jogo.

Aparecida: Você acha que a violência pode dominar o cenário, principalmente nos conflitos entre sul-americanos?  

Bytes: O maior perigo é entre brasileiros e argentinos por causa da “rivalidade histórica”, já que há a possibilidade de uma final entre Brasil e Argentina no Maracanã. A provocação começa na comparação sobre a produção dos dois países. “Maradona foi melhor que Pelé”. "Messi será maior que Neymar". "Nós temos o papa" para se contrapor ao “Deus é brasileiro”. O mais significativo, no entanto, é a metáfora. “Deus deu tudo de bom ao país, mas para contrabalançar colocou lá um povinho para que o mundo não tivesse inveja”. Pensou que ouvi isso de um brasileiro? Não, foi de um argentino. Mas muitos ouviram isso de brasileiros sobre o Brasil. A percepção do outro é que os irmãos sul-americanos se consideram o centro do mundo. Um colega da facû, que hospedou argentinos durante a Jornada Mundial da Juventude Rio 2013, ficou chateado quando um deles reclamou do bife oferecido, já que afirmou que a “carne argentina” é muito melhor.

Aparecida: Por falar em jornada, o papa pode vir novamente ao Brasil se a Argentina participar da final? Na última quarta-feira, na tradicional audiência na praça de São Pedro, Francisco recebeu a camisa da Seleção Argentina (acima). De torcedor para torcedor.

Bytes: O mais provável é que a presidente Cristina Kirchner venha. Ficaria ao lado da Dilma e de Putin que vem à final porque sedia a próxima Copa.

Aparecida: O artilheiro argentino Messi disse que a Copa do Mundo no Brasil é uma “Copa diferente”, referindo-se à queda de impérios no futebol como Itália, Inglaterra e Espanha e a ascensão de emergentes como a Colômbia, a Argélia e a Costa Rica. O único país, à exceção da Suíça, que não tem Forças Armadas. O que você acha?

Bytes: O que podemos afirmar é que a Copa do Mundo no Brasil já pode ser chamada de “Copa das Copas”. Além das chamadas “zebras” e do jogo mais ofensivo, a competição contagiou os Estados Unidos. O líder do país é fotografado jogando futebol com crianças. É Brasil? Não, são os Estados Unidos. Milhares de pessoas assistindo futebol em telões em áreas abertas? É o Brasil? Não, os Estados Unidos. Corretores do sistema financeiros de olho no futebol transmitido pela TV. É o Brasil? Não, os Estados Unidos. O futebol é a “alegria do povo”. É Brasil? Não, os Estados Unidos. Quem assistiu à bela reportagem de Jorge Pontual sobre Detroit no programa “Milênio” da Globonews sabe do que estou falando. Já a Fifa está rindo de orelha a orelha por ter conquistado o mercado do “centro do mundo”. Washington já pode se candidatar para a vaga do Qatar em 2022 se a Federação Mundial de Futebol decidir pelo impedimento do país árabe. Houve um dilúvio e o gramado passou no teste? Estou falando dos Estados Unidos? Não, é o Brasil. A Arena Pernambuco.

Aparecida: Nós já somos líderes? O seu Carlos disse, exaltado: “O Brasil merece perder para acabar com o sapato alto. Você não viu o Neymar? Aproveitou o dia de folga para andar de quadriciclo com os amigos na Granja Comary. Ah, a vida boa!”

Bytes: Pelo que demonstrou o jogo de hoje, ainda somos dominados e sujeitos a tomarmos gols. Apesar de o herói nacional ser o goleiro. Temos fome de gol no campeonato mais ofensivo desde o primeiro título. O Chile teve o seu dia de Dilma na euforia dos embriagados. Será que os brasileiros gostariam de ser vaiados em seu vínculo com a terra natal como exemplo? Uma coisa é certa. Muita gente, inclusive estrangeiros, disse que se houvesse a eliminação do Brasil o campeonato perderia a graça. Haja coração!

Aparecida: A popularidade do Obama pode aumentar após ser a estrela máxima do futebol, o esporte que deu mais audiência do que os tradicionais? Ontem, o presidente dos Estados Unidos se estressou com a oposição depois que os republicanos ameaçaram processá-lo por emitir ordens executivas para implementar políticas que dificilmente seriam aprovadas na Câmara dos Deputados. “Eles não fazem outra coisa além de me bloquear e ofender”, disse Obama num discurso sobre economia no fim de uma visita de dois dias a Minnesota. O presidente está em campanha para ajudar os colegas democratas a se elegerem, já que há ameaça de ele não ter maioria também no Senado como base de sustentação de seu governo. Neste ano, Obama usou as ordens executivas em temas como energia e educação para contornar a oposição republicana. “Adotamos essas ações, e agora os republicanos estão bravos comigo por adotá-las. Não estão fazendo nada, e depois ficam bravos comigo por fazer algo. Não sei bem qual das coisas que fiz os ofende mais, mas decidiram me processar por fazer meu trabalho”, afirmou Obama sobre sua ofensiva. "Às vezes eu tenho que ser, vocês sabem, político sobre como eu digo as coisas, mas estou achando que ultimamente eu só quero dizer o que está na minha mente", acrescentou.

Bytes: O Obama deu uma de Felipão que não quer mais ser o “bom moço”. Como disse o meu amigo lá da facû: “A chapa está quente e o bagulho é sinistro”. O que podemos afirmar é que, enquanto Obama sofre o seu desgaste político, Putin está satisfeito. Desde janeiro sua popularidade aumentou 30% e o fenômeno já está sendo estudado no país. Há um sentimento de nostalgia em relação ao Império Soviético, principalmente entre os jovens que não conheceram aquele tempo. “A União Soviética costumava impor respeito na esfera internacional. Enfrentou os Estados Unidos e exerceu sua influência em todos os cantos do mundo”, opinou Oksana Chernysheva, estudante de jornalismo do primeiro ano da Universidade Internacional de Moscou. Ela concorda com Putin: “Nós éramos grandes e fortes e desabamos”. “A humilhação ainda deixou marcas”, me escreveu uma russa pelo Twitter.

Aparecida: Por falar em redes sociais, o que você achou da repercussão sobre a reportagem do “Jornal Nacional” que pôs a culpa na imprensa estrangeira pelo pessimismo que contagiou a “opinião pública” sobre o desempenho do Brasil para sediar a Copa do Mundo 2014?

Bytes: As notícias da imprensa brasileira sobre pequenas agressões que ocorreram até agora na Copa, principalmente entre os sul-americanos, cairão também na conta da imprensa estrangeira apesar de não ter lido nada em jornais estrangeiros. A imprensa estrangeira repercute o que é publicado em cada país. Assim é em toda a parte do mundo. Mas a expressão máxima dos “socialistas” é “a culpa é do outro”. Sobre o assunto, gostei de um comentário do meu amigo Haroldo que reproduziu no “face” a Oração da confissão: “Confesso a Deus Todo Poderoso e a vós irmãos que pequei muitas vezes por pensamento, palavras, atos e omissões. Por minha culpa, minha tão grande culpa. E peço a Virgem Maria, aos anjos e santos e a vós, irmãos, que rogueis por mim a Deus Nosso Senhor”.

Aparecida: Por falar em imprensa nacional e estrangeira, o que você achou da repercussão sobre as prostitutas brasileiras?

Bytes: Houve divergência. Li uma reportagem dizendo que o Brasil teve que importar prostituta, outra afirmando que as meretrizes tiveram prejuízos com a Copa. Teve também lucros fantásticos na reportagem de “O Globo”. A revista estadunidense “Rolling Stone” dedicou matéria a respeito visitando a Vila Mimosa. A prostituição está na moda. A moralista Inglaterra vai usar a atividade mais antiga do mundo no PIB. Imagina se fosse o Brasil. O mundo inteiro cairia de pau. Como capitalistas, não temos uma visão preconceituosa da história, nem mesmo “idolatria”. Como revelou Nosso Senhor Jesus Cristo: “As prostitutas entrarão adiante dos fariseus no Reino de Deus”.

Aparecida: Ah, entendi! Escreveu o apóstolo Paulo em Jerusalém: “Depois, passados catorze anos, subi outra vez a Jerusalém com Barnabé, levando também comigo Tito. E subi por uma revelação, e lhes expus o evangelho, que prego entre os gentios, e particularmente aos que estavam em estima; para que de maneira alguma não corresse ou não tivesse corrido em vão. Mas nem ainda Tito, que estava comigo, sendo grego, foi constrangido a circuncidar-se. E isto por causa dos falsos irmãos que se intrometeram, e secretamente entraram a espiar a nossa liberdade, que temos em Cristo Jesus, para nos porem em servidão. Aos quais nem ainda por uma hora cedemos com sujeição, para que a verdade do evangelho permanecesse entre vós. E, quanto àqueles que pareciam ser alguma coisa (quais tenham sido noutro tempo, não se me dá; Deus não aceita a aparência do homem), esses, digo, que pareciam ser alguma coisa, nada me comunicaram. Antes, pelo contrário, quando viram que o evangelho da incircuncisão me estava confiado, como a Pedro o da circuncisão. (Porque aquele que operou eficazmente em Pedro para o apostolado da circuncisão, esse operou também em mim com eficácia para com os gentios). E conhecendo Tiago, Cefas e João, que eram considerados como as colunas, a graça que me havia sido dada, deram-nos as destras, em comunhão comigo e com Barnabé, para que nós fôssemos aos gentios, e eles à circuncisão, recomendando-nos somente que nos lembrássemos dos pobres, o que também procurei fazer com diligência”.

AO MÊS SAGRADO DOS MUÇULMANOS

Rio de Janeiro, 28 de junho de 2014

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Exibições: 302

Comentar

Você precisa ser um membro de Portal Luis Nassif para adicionar comentários!

Entrar em Portal Luis Nassif

Publicidade

© 2019   Criado por Luis Nassif.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço